Estatística Descritiva

Estatística Descritiva

(Parte 1 de 9)

Apostila

De Estatística

Professores: Wanderley Akira Shiguti Valéria da S. C. Shiguti

Brasília 2006

1.1. PANORAMA HISTÓRICO

• Toda Ciência tem suas raízes na história do homem;

• A Matemática que é considerada “A Ciência que une a clareza do raciocínio à síntese da linguagem”, originou-se do convívio social, das trocas, da contagem, com caracter prático, utilitário e empírico;

• A Estatística é um ramo da Matemática que teve origem semelhante;

• Desde a Antigüidade vários povos já registravam o número de habitantes, de nascimento, de óbitos, faziam estimativas de riquezas individuais e sociais, etc;

• Na idade média colhiam-se informações, geralmente com a finalidade tributária;

• A partir do século XVI começaram a surgir às primeiras análises de fatos sociais, como batizados, casamentos, funerais, originando as primeiras tábuas e tabelas e os primeiros números relativos;

• No século XVII o estudo de tais fatos foi adquirindo proporções verdadeiramente científicas;

• Godofredo Achenwall, batizou a nova ciência (ou método) com o nome de ESTATÍSTICA, determinando assim o seu objetivo e suas relações com a ciência.

1.2. MÉTODO

Existem várias definições para métodos, Lakatos e Marconi (1982:39-40) mencionaram diversas definições, entre elas:

• Método é o “caminho pelo qual se chega a um determinado resultado...” (Hegemberg, 1976: I-115)

• Método é “um procedimento regular, explícito e passível de ser repetido para conseguirmos alguma coisa, seja material ou conceitual” (Bunge 1980: 19).

1.3. A ESTATÍSTICA

A definição de estatística não é única, a estatística abrange muito mais do que um simples traçado de gráficos e cálculos de medidas. Uma definição seria:

A estatística é uma coleção de métodos para planejar experimentos, obter dados e organizá-los, resumilo, analisá-los interpretá-los e deles extrair conclusões.

Dois métodos científicos podemos destacar: o método Experimental e o Método Estatístico.

O método experimental consiste em manter constante todas as causas (fatores) menos uma e variar esta causa de modo que o pesquisador possa descobrir seus efeitos caso existam.

O método estatístico diante da impossibilidade de se manter causas constantes, admite todas essas causas presentes variando-as registrando essa variação e procurando determinar no resultado final que influências cabem a cada uma delas.

O Estatístico promove o levantamento de pesquisas estatísticas em suas aplicações técnicas e científicas, investigando, elaborando e testando métodos matemáticos e sistema de amostragem, bem como coletando, analisando e interpretando os dados relacionados com os fenômenos estatísticos, e ainda estudando e renovando a metodologia estatística a fim de estabelecer a sua evolução e desenvolvimento.

Vinculam-se aos campos profissionais que exigem ou permitem o exercício do estatístico. Resultam da prática profissional e decorrem quase sempre da demanda decorrente no mercado de trabalho.

ª Demografia ª Bioestatística ª Estatístico Matemático ª Estatístico de Estatística Aplicada, Etc. CARGOS PROCURADOS ª Estatístico ª Estatístico Matemático ª Estatístico de Estatística Aplicada

1.5. A NATURZA DA ESTATÍSTICA

Podemos descrever duas variáveis para um estudo:

VARIÁVEIS QUALITATIVAS – (ou dados categóricos) podem ser separados em diferentes categorias, atributos, que se distinguem por alguma característica não numérica.

VARIÁVEIS QUANTITATIVAS – consistem em números que representam contagens ou medidias. Divide-se em:

VARIÁVEIS QUANT. DISCRETAS – resultam de um conjunto finito, enumerável de valores possíveis. Ex: número de filhos.

VARIÁVEIS QUANT. CONTÍNUAS – resultam de números infinitos de valores possíveis que podem ser associados a pontos em uma escala contínua. Ex: peso, altura.

Medida de Desobediência

Como coletar dados sobre algo que não se apresente mensurável, como o nível de desobediência do povo? O psicólogo Stanley Milgran planejou o seguinte experimento: Um pesquisador determinou que um voluntário acionasse um painel de controle que dava choques elétricos crescentemente dolorosos em uma terceira pessoa. Na realidade, não eram dados choques e a terceira pessoa era um ator. O voluntário começou com 15 volts e foi orientado a aumentar os choques de 15 em 15 volts. O nível de desobediência era o ponto em que a pessoa se recusava a aumentar a voltagem. Surpreendentemente, dois terços dos voluntários obedeceram às ordens mesmo que o ator gritasse e simulasse um ataque cardíaco.

Texto extraído do livro: Tiola, Mario F. Introdução à Estatística. 7ª ed. Rio de Janeiro – RJ. LTC. 1999.

As Aplicações da estatística se desenvolveram de tal forma que, hoje, praticamente todo o campo de estudo se beneficia da utilização de métodos estatísticos. Os fabricantes fornecem melhores produtos a custos menores através de técnicas de controle de qualidade. Controlam-se doenças com o auxilio de análises que antecipam epidemias. Espécies ameaçadas são protegidas por regulamentos e leis que reagem a estimativas estatísticas de modificação de tamanho da população. Visando reduzir as taxas de casos fatais, os legisladores têm melhor justificativas para leis como as que regem a poluição atmosférica, inspeções de automóveis, utilização de cinto de segurança, etc.

Não é de hoje que ocorrem abusos com a estatística. Assim é que , há cerca de um século, o estadista Benjamin Disraeli disse: “Há três tipos de mentiras: as mentiras, as mentiras sérias e as estatísticas”. Já se disse também que “os números não mentem; mas os mentirosos forjam os números” (Figures don’t lie; liars figure) e que “se torturarmos os dados por bastante tempo, eles acabam por admitir qualquer coisa”. O historiador Andrew Lang disse que algumas pessoas usam a estatística “como um bêbado utiliza um poste de iluminação – para servir de apoio e não para iluminar”. Todas essa afirmações se referem aos abusos da estatística quando os dados são apresentados de forma enganosa. Eis alguns exemplos das diversas maneiras como os dados podem ser distorcidos.

ª Pequenas amostras ª Números imprecisos ª Estimativas por suposição ª Porcentagens distorcidas ª Cifras parciais ª Distorções deliberadas ª Perguntas tendenciosas ª Gráficos enganosos ª Pressão do pesquisador ª Más amostras

Os motoristas mais Idosos são mais Seguros do que os mais Moços?

A American Association of Retired People – AARP (Associação Americana de Aposentados) alega que os motoristas mais idosos se envolvem em menor número de acidentes do que os mais jovens. Nos últimos anos, os motoristas com 16-19 anos de idades causaram cerca de 1,5 milhões de acidentes em comparação com apenas 540.0 causados por motoristas com 70 anos ou mais, de forma que a alegação da AARP parece válida. Acontece, entretanto que os motoristas mais idosos não dirigem tanto quanto os mais jovens. Em lugar de considerar apenas o número de acidentes, devemos examinar também as taxas de acidentes. Eis as taxas de acidentes por 100 milhões de milhas percorridas: 8,6 para motoristas com idade de 16 a 19, 4,6 para os com idade de 75 a 79, 8,9 para os com idade 80 a 84 e 20,3 para os motoristas com 85 anos de idade ou mais. Embora os motoristas mais jovens tenham de fato o maior número de acidentes, os mais velhos apresentam as mais altas taxas de acidente.

Texto extraído do livro: Tiola, Mario F. Introdução à Estatística. 7ª ed. Rio de Janeiro – RJ. LTC. 1999.

A estatística dedutiva também conhecida como Descritiva se encarrega de descrever o conjunto de dados desde a elaboração da pesquisa até o cálculo de determinada medida.

A estatística Indutiva ou inferencial está relacionada a incerteza. Inicia-se no cálculo das Probabilidades e se desenvolve por todo a área da inferência.

POPULAÇÃO: É um conjunto de indivíduos ou objetos que apresentam pelo menos uma característica em comum.

CENSO – é a coleção de dados relativos a todos os elementos da população.

AMOSTRA: Considerando a impossibilidade, na maioria das vezes do tratamento de todos os elementos da população, necessitaremos de uma parte representativa da mesma. A esta porção da população chamaremos de amostra.

ESTATÍSTICA: é a medida numérica que descreve uma característica da amostra.

PARÂMETRO – é a medida numérica que descreve uma característica da população.

RAMOS DA ESTATÍSTICA A estatística possui três ramos principais:

ESTATÍSTICA DESCRITIVA: envolve a organização e sumarização dos dados através de metodologias simples;

(Parte 1 de 9)

Comentários