manual de risco biologico

manual de risco biologico

(Parte 7 de 9)

Estique e puxe a extremidade da luva para baixo, enquanto inverte-a durante a remoção (mantendo isolado o lado contaminado).

Introduza os dedos da mão sem luva dentro da extremidade interna da luva ainda calçada (punho do avental), propiciando contato direto com a superfície mais limpa da luva.

Puxe a segunda luva de dentro para fora enquanto encapsula a primeira luva na palma da mão (limitando o reservatório de microrganismos).

Descarte as luvas em recipiente adequado para tal fim (saco de lixo plástico branco leitoso de espessura 10 micra segundo NBR 9191 - ABNT).

Lave as mãos imediatamente após a retirada das luvas (p.20 a 24). Esse procedimento propicia a retirada de microrganismos transitórios e residentes que podem ter proliferado no ambiente escuro, quente e úmido do interior das luvas.

38Risco Biológico - Biossegurança na Saúde Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP

Uso de Máscaras

Deve ser usada quando houver risco de contaminação da face com sangue, fluidos corpóreos, secreções e excretas.

Deve ser usada para evitar contaminação do ambiente (precaução contra gotículas) ou em procedimentos em que se utilize material estéril: instalação de cateter venoso central, punção liquórica, sondagem vesical, aspiração traqueal, dissecação venosa etc.

Deve ser utilizada: • protege por tempo limitado, cerca de 20’, apesar de atender à maioria das situações. • eventualmente, por pacientes com tosse persistente.

Deve ser colocada antes de entrar no quarto do paciente portador ou sob suspeita de tuberculose pulmonar bacilífera ou outras patologias transmitidas por patógenos menores que 5 micra (N95), como sarampo e varicela. E ser retirada após sua saída(precaução para aerossóis).

Deve ser utilizada em áreas de alta contaminação com produtos biológicos e/ou na manipulação de substâncias químicas com alto teor de evaporação, mesmo quando manipuladas em capela de exaustão externa.

Deve ser utilizada: durante necropsia de pacientes suspeitos de tuberculose, sarampo, varicela e herpes zoster disseminado.

Adaptado de: http://www.saudetotal.com/microbiologia/biosseg.htm

Obs.: A máscara está adequada quando se adapta bem ao rosto do usuário e filtra partículas de tamanho correto, de acordo com sua indicação.

Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP Respiradores N95 para a Proteção Respiratória do Profissional

Este EPI deve ser colocado antes de entrar no quarto e retirado após a saída do local, e pode ser reutilizado pelo mesmo profissional desde que se mantenha íntegro, seco e limpo e que não gere desconforto durante o uso. Utilizar: • nos quartos com pacientes com tuberculose pulmonar confirmada ou suspeita, sarampo e varicela; • em locais onde ocorram procedimentos indutores de tosse e geradores de aerossóis (salas de broncoscopia, inalação com pentamidina, salas de indução de escarro, laboratórios de micobacteriologia, consultório de odontologia).

• Os respiradores não têm um prazo limitado de uso, podendo ser utilizados por um longo período pelo mesmo profissional. • O tempo de uso está condicionado à sua integridade.

Para garantir a utilização de uma máscara segura para tal finalidade, é importante que ela possua o CA (Certificado de Aprovação) emitido pelo Ministério do Trabalho. • para a emissão desse certificado é medida a passagem das partículas pela trama do tecido da máscara.

RESPIRADOR N95

Nos EUA, essa classe de produto é denominada N95 (95% de eficiência de filtragem para partículas não-oleosas) o que fez com que o produto fosse conhecido assim mundialmente.

No Brasil, esta máscara também é conhecida por N95, porém a NBR 13698/96 classifica o filtro para esta finalidade de P2, onde a passagem de partículas permitida é no máximo 6%. Para garantir que os 6% restantes sejam retidos pela máscara, a mesma é carregada eletrostaticamente para reter estas partículas menores.

Fonte: w.cdc.gov/nchstp/tb

40Risco Biológico - Biossegurança na Saúde Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP

Protetor Ocular e/ou Facial e Sapatos e Botas

Deve ser usado quando houver risco de contaminação dos OLHOS E/OU FACE com sangue, fluidos corpóreos, secreções e excretas, não sendo de uso exclusivamente individual.

É imprescindível o uso de protetor ocular e/ou protetor facial em todo atendimento a paciente que possa produzir respingo de sangue em maior quantidade em momentos previsíveis, tais como: punção venosa para coleta de sangue, sondagens, aspiração traqueal ou oral, durante a realização de curativos que apresentem secreções, em pósoperatório de pacientes que apresentem sangramento pela incisão, em necropsia etc.

O protetor ocular e/ou facial é fabricado com materiais rígidos (acrílico ou polietileno) e deve limitar entradas de respingos pelas porções superiores e laterais dos olhos.

A limpeza dos protetores é realizada com água, sabão e hipoclorito de sódio. Não é indicado o uso de álcool 70% para desinfecção.

Protetor Ocular e/ou Facial

Exclusivamente fechados e de preferência de couro ou de outro material impermeável. Não é permitido o uso de sandálias dentro da unidade de saúde.

Seu uso é indicado durante procedimentos de limpeza em unidades de saúde para profissionais da lavanderia e para aqueles que realizam necropsias.

Sapatos e Botas SAPATOS

Adaptado de:

1 - DEFFUNE, E. et al. Manual de enfermagem em hemoterapia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu, São Paulo: fev/2003.

2 - http://www.saudetotal.com/microbiologia/biosseg.htm

Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP

Exame de paciente sem contato com material X - - - biológico, mucosa ou pele íntegra.

Exame de paciente incluindo contato com sangue, X X ( * ) - fluidos corporais, mucosa ou pele não íntegra.

Coleta de exames de sangue, urina e fezes. X X - - Realização de Curativos. X X ( * ) ( * * ) Administração de medicamentos via parenteral. X X - ( * * )

Punção ou dissecação venosa profunda, X X X X procedimentos invasivos.

Aspiração de vias aéreas, entubação traqueal, X X X X endoscopia e broncoscopia.

Procedimentos odontológicos. X X X X

Procedimento que possibilite respingos de X X X X sangue e secreções (material biológico).

Equipamentos de Proteção Individual

(*? realização de curativos de grande porte em que haja maior risco de exposição do profissional, grandes feridas cirúrgicas, queimaduras graves e escaras de decúbito.

(**) O uso de óculos de proteção está recomendado somente durante os procedimentos em que haja possibilidade de respingo ou para aplicação de medicamentos quimioterápicos.

Adaptado de MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de condutas: exposição ocupacional a materiais biológicos: Hepatite B e HIV. Brasília: 1999.

Procedimentos Lavar as Mãos Luvas Avental Óculos e Máscara

42Coordenação da Atenção Básica - SMS - PMSP EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL

(Parte 7 de 9)

Comentários