Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva

  • Curso: Técnico de Enfermagem

O que é UTI?

UTI

  • UTI

  • CTI

  • UCI

Histórico

  • Origem das palavras

  • Terapia (do Grego.) θεραπεία - "servir a Deus”

  • Intensiva (do Lat.)  Intensivu que é intenso”

Era Florence

  • A Unidade de Terapia Intensiva é idealizada como Unidade de Monitoração de paciente grave através da enfermeira Florence Nightingale - Em 1854 inicia-se a guerra da Criméia

  • taxa de mortalidade atingia 40%

  • entre os soldados hospitalizados.

Era Dandy

  • Em meados da década de 1910, Dandy importante neurocirurgião realizava técnica de ar na ventriculografia

  • Em 1926 cria a 1ª UTI Neurológica com 6 leitos

Era Peter Safar

  • O primeiro médico intensivista década de 1950

  • Estimulou e preconizou o atendimento de urgência-emergência, ABC primário, criou a técnica de ventilação artificial boca a boca e massagem cardíaca externa

  • Concretizou para o paciente crítico as técnicas de manutenção de métodos extraordinários de vida

  • Elaborou os projetos das ambulâncias - UTI de transporte

Vídeo

UTI x Hospital

  • Atender o paciente crítico;

  • Atender pacientes pós operatórios de alta complexidade;

  • Atender urgências/emergências das unidades de internação;

  • Unidade de retaguarda do pronto-socorro;

  • Realização de procedimentos de grande complexidade;

  • Pacientes com risco eminente de morte.

UTI MODERNA

Uma diária de UTI pode custar de 3 a 4 vezes mais que uma diária em uma enfermaria comum.

Quais Recursos de uma UTI

  • Recursos Físicos

  • Recursos Tecnológicos

  • Recursos Humanos

Recursos Físicos

  • Projetar uma UTI exige conhecimento das normas dos agentes reguladores e experiência dos profissionais de terapia intensiva

  • Localização:

  • A UTI deve ser uma área geográfica distinta dentro do hospital, quando possível, com acesso controlado, sem trânsito para outros departamentos

Sua localização deve ter acesso direto e ser próxima de elevador, serviço de emergência, centro cirúrgico, sala recuperação pós-anestésica, unidades intermediárias de terapia e serviço de laboratório e radiologia

  • Sua localização deve ter acesso direto e ser próxima de elevador, serviço de emergência, centro cirúrgico, sala recuperação pós-anestésica, unidades intermediárias de terapia e serviço de laboratório e radiologia

  • Número de Leitos

  • Um hospital geral deveria destinar 10% da capacidade de leitos para UTI

  • O ideal são oito a doze leitos por unidade

Forma da Unidade

  • Forma da Unidade

  • A disposição dos leitos de UTI podem ser em área comum (tipo vigilância), quartos fechados ou mista, é indicada a separação dos leitos pôr divisórias laváveis que proporcionam uma relativa privacidade dos pacientes

  • As unidades com leitos dispostos em quartos fechados, devem ser dotados de painéis de vidro para facilitar a observação dos pacientes.

  • Salas de isolamento é recomendável e cada instalação de saúde deve considerar a necessidade de salas de isolamento compressão positiva e negativa

Os pacientes devem ficar localizados de modo que a visualização direta ou indireta, seja possível durante todo o tempo, permitindo a monitorização do estado dos pacientes, sob as circunstâncias de rotina e de emergência. O projeto preferencial é aquele que permite uma linha direta de visão, entre o paciente e o posto de enfermagem.

  • Os pacientes devem ficar localizados de modo que a visualização direta ou indireta, seja possível durante todo o tempo, permitindo a monitorização do estado dos pacientes, sob as circunstâncias de rotina e de emergência. O projeto preferencial é aquele que permite uma linha direta de visão, entre o paciente e o posto de enfermagem.

Posto de Enfermagem

  • Posto de Enfermagem

  • O posto de enfermagem deve ser centralizado, no mínimo um para cada doze leitos

  • Área de Internação

  • A área de cada leito deve ser suficiente para conter todos os equipamentos e permitir livre movimentação da equipe par atender às necessidades de terapia do paciente

Régua de Gases

  • Régua de Gases

  • O suprimento de oxigênio, ar comprimido e vácuo devem ser mantidos nas 24 horas

  • 2 saídas de oxigênio

  • 2 saídas de ar comprimido

  • 1 saída de vácuo

  • 11 tomadas (ideal 16) 110v e 220v

Sistema de ar condicionado

  • Sistema de ar condicionado

  • devem ser previstos visando assepsia e conforto para os pacientes e equipe de trabalho com variação de 24 a 26ºC e umidade relativa do ar de 40 a 60%.

Sala de Utensílios Limpos e Sujos

  • Sala de Utensílios Limpos e Sujos

  • Banheiro de Pacientes

  • Copa de Pacientes

  • Sala de Serviços Gerais

  • Armazenamento de Equipamentos

  • Sala de Reuniões

  • Área de Descanso dos Funcionários

  • Conforto Médico

  • Recepção da UTI

  • Sala de Espera de Visitantes

  • Secretaria Administrativa

Recursos Tecnológicos

  • Cada leito contém monitores cardíacos, respiradores, bombas de infusão, cama elétrica ou manual, oximetria de pulso, rede de gases, etc.

A tecnologia na UTI esta aliada ao bem estar e recuperação do paciente, oferecendo suporte de vida com equipamentos sofisticados e delicados.

  • A tecnologia na UTI esta aliada ao bem estar e recuperação do paciente, oferecendo suporte de vida com equipamentos sofisticados e delicados.

  • Eletrocardiográficos

  • Monitor de pressão arterial invasiva

  • Capnógrafo

  • Swan-ganz

  • Ventilador Mecânico

  • Balão intra-aórtico

  • Balão esofágico

Recursos Humanos

  • UTI é uma área hospitalar em que os pacientes em estado grave podem ser tratados por uma equipe qualificada, sob as melhores condições possíveis.

  • Os recursos humanos na UTI é peça primordial ao cuidado do paciente crítico, aliados ao recurso tecnológico e a capacitação deste profissional torna se capaz de identificar/intervir em situações emergencial com competência

Quem Faz Parte da Equipe?

  • Assistência Indireta

  • Nutricionista

  • Farmacêutico

  • Psicologia

  • Escrituraria

  • Laboratório

  • Diagnóstico por imagem

  • Higienização

  • Segurança

  • Manutenção

Assistência Direta

  • Assistência Direta

  • Médico

  • Enfermeiro

  • Técnico de Enfermagem

  • Fisioterapeuta

  • Fonoaudióloga

Lei do Exercício Profissional

  • Lei do Exercício Profissional

  • Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986

  • Parágrafo único - A Enfermagem é exercida privativamente pelo Enfermeiro, pelo Técnico de Enfermagem, pelo Auxiliar de Enfermagem e pela Parteira, respeitados os respectivos graus de habilitação.

Atribuições do Técnico de Enfermagem na UTI

  • Atribuições do Técnico de Enfermagem na UTI

  • A colaboração do técnico de enfermagem tem muita influência no trabalho diário, pois são LINHA DE FRENTE a assistência do paciente crítico.

Estar no setor no horário marcado para receber o plantão (10 minutos antes);

  • Estar no setor no horário marcado para receber o plantão (10 minutos antes);

  • Observar condições gerais do paciente quando estiver recebendo o plantão:

  • - Medicações e infusões prescritas

  • - Soros que estão instalados

  • - Sondas, drenos e cateteres

  • Tomar conhecimento da evolução do paciente através da passagem de plantão;

  • Preencher o cabeçalho da folha de controle, completamente;

  • Administrar medicação e tratamento prescrito, observando seus efeitos;

  • Anotar na prescrição do paciente os cuidados prestados, medicações e tratamentos aplicados, sinais e sintomas de maneira objetiva e clara, logo após a execução;

Prestar aos pacientes cuidados de higiene, criando-lhe condições de conforto e tranquilidade;

  • Prestar aos pacientes cuidados de higiene, criando-lhe condições de conforto e tranquilidade;

  • Trocar cadarços/fixações e curativos diariamente, ou quantas vezes fizer necessário;

  • Mudança de decúbito de 2/2hs, mantendo o leito limpo e seco;

  • Proteger calcâneos e proeminências ósseas com coxins;

  • Controle dos sinais vitais (2/2hs), PVC, líquidos infundidos e drenados;

  • Aspiração orotraqueal frequente, quantas vezes fizer necessário, com técnica correta;

  • Restrição de pacientes agitados ou confusos, afim de protegê-los, evitando que retirem dispositivos invasivos;

  • Manter grades elevadas, evitando restringir pacientes nas mesmas;

Higiene oral com cepacol ou água bicarbonatada, mantendo lábios umedecido evitando ressecamento;

  • Higiene oral com cepacol ou água bicarbonatada, mantendo lábios umedecido evitando ressecamento;

  • Trocar curativos, bolsas de colostomias, soluções de drenagens torácicas, diariamente ou quantas vezes se fizer necessário;

  • Manter monitores com alarmes ativados;

  • Arrumação e limpeza concorrente da unidade do paciente diariamente;

  • Desprezar frascos de aspiração, coletores de diurese a cada final de plantão ou quantas vezes se fizer necessário;

  • Auxiliar os demais membros da equipe, sempre que solicitado;

  • Comunicar ao Enfermeiro as alterações observadas no estado geral dos pacientes;

  • Acompanhar os familiares nos horários de visitas;

Permanecer junto ao paciente durante seu horário de trabalho, ausentando-se apenas quando necessário e após avisar o colega;

  • Permanecer junto ao paciente durante seu horário de trabalho, ausentando-se apenas quando necessário e após avisar o colega;

  • Comunicar ao Enfermeiro quando tiver que se ausentar;

  • Colaborar na manutenção da ordem e limpeza da unidade;

  • Admitir pacientes;

  • Acompanhar pacientes nas altas, transferências, exames, etc.;

  • Fazer preparo do corpo pós óbito;

  • Preparar material e auxiliar em procedimentos invasivos e de alta complexidade;

  • Fazer desinfecção terminal da unidade, incluindo equipamentos utilizados;

  • Manter-se em prontidão em caso de PCR, internaçoes e outras eventualidades;

Participar de reuniões quando convocado;

  • Participar de reuniões quando convocado;

  • Controlar materiais esterilizadas, como datas, estocagem, quantidade;

  • Participar de atividades de treinamento;

  • Trocar sacos de hamper;

  • Zelar pelo material do setor;

  • Atender as solicitações do Enfermeiro;

  • Conferir e completar carro de emergência;

  • Cumprir regulamentos do hospital e rotinas do setor;

  • Levar o material usado para ser esterilizado, conforme rotinas e horários estabelecidos;

  • Limpar carro de emergência, ECG, carro de curativo/banho, maca, cadeira de rodas e de banho, suporte de soro, escadinhas e outros equipamentos;

Guardar roupas e manter em ordem o armário;

  • Guardar roupas e manter em ordem o armário;

  • Encaminhar o material colhido como: sangue, urina, fezes, secreções, em caráter de urgência;

  • Administrar hemoderivados;

  • Utilizar os EPIs;

  • Acatar e respeitar a hierarquia funcional;

  • Manter o posto de enfermagem em ordem;

  • Evitar comentários, emitindo juízo depressivo ou inoportunos frente ao paciente;

  • Agilidade, iniciativa, trabalho em equipe;

  • Manter leitos quando vagos, adequados para receber os pacientes;

  • Cuidado no manuseio de pacientes com cateteres, para que não ocorra acidentes;

  • Executar tarefas afins.

O Paciente na UTI

Aspecto Emocional

  • A doença é um estado físico e emocional, que gera angústia não só na pessoa que sofre, mas também naqueles que estão ao seu redor: profissionais, familiares e amigos

UTI x Morte

  • Para muitas pessoas a UTI é sinônimo de morte;

  • As unidades de cuidados intensivos apresentam a sociedade as duas faces de uma mesma moeda, onde alguns ficam com o verso, porque desfrutam da UTI em esperança de vida e retornam aos lares e outros com o reverso da moeda onde de fronte com a morte e com o desgosto emocional de todos.

Influência da Doença no Comportamento do Paciente

  • Crise de agitação e rebeldia emocional

  • É a resposta mais esperada – as crises de agitação podem ser acompanhadas de condutas que levam a sentimento de culpa ou frustração, podendo desenvolver depressão, angústia ou apatia por parte do paciente.

  • Transtornos Mentais

  • Algumas patologias/medicações podem levar a transtornos mentais.

  • Pacientes idosos desenvolvem demências mais acentuadas devido ao seu estado natural de velhice.

  • A privação de sono, uso de medidas terapêuticas ou preparo de exames podem desenvolver alterações mentais transitórias.

Angústia e Medo

  • Angústia e Medo

  • O paciente transmite seu sofrimento, medo, angústia, incerteza, tensão emocional, através de condutas dominantes como agressividade e dependência total alternando entre si, logo convertidos em impotência e sensação de fragilidade.

  • O Paciente Inconsciente

  • Com o paciente em coma, deve-se existir um cuidado especial, já que não se sabe até que ponto o paciente ouve ou não. Deve-se agir como se o paciente ouvisse , falhando-lhe, explicando-lhe o que se vai fazer, minimizando os impactos ao despertar.

Depoimento

Fatores Ambientais

  • O paciente espera que a UTI seja silenciosa e discreta, a realidade é bem diferente. O ambiente de UTI afeta diretamente na estabilidade emocional do paciente.

Há Solução?

Humanizar

Comentários