(Parte 1 de 2)

Curso Introdutório de TERAPIA FLORAL Autor: NEI NAIFF

Este pequeno curso é um material de apoio para as pessoas que desejam saber, de forma geral, o que significa a TERAPIA FLORAL e foi totalmente baseado no livro FLORAIS DO MUNDO, Editora Nova Era. O curso é gratuito e nos reservamos o direito de reestruturá-lo ou retirá-lo da internet sem aviso prévio. Ele não possui estrutura educacional para a formação de terapeuta floral, apenas introdutório ao assunto; desejando aprender mais, adquira o livro indicado; veja outras obras do autor na página final.

O presente documento pode ser impresso para estudo e consulta pessoal, mas é vetado o seu uso para fins comerciais, como também a inclusão do texto integral ou parte dele em sistema mecânico (apostilas, livros etc.) ou digital (internet, fotos etc.) sem os devidos créditos ao autor.

Curso Introdutório de Terapia Floral Cortesia da Academia Virtual do Autoconhecimento: http://www.neinaiff.com . Copyright — Nei Naiff

O que é terapia floral?

A ESSÊNCIA FLORAL É UMA NOVA ABORDAGEM NA ÁREA DA MEDICINA E FOI elaborada pelo Dr. Edward Bach na década de 1930, na Inglaterra, para ajudar o ser humano a ter qualidade de vida; embora aprovada pela OMS – Organização Mundial de Saúde, ainda se encontra em fase de observação e diretriz pela prestimosa instituição. Entretanto, ainda não existe uma legislação nacional ou internacional que faculte sua exclusividade a uma classe profissional; nem tão pouco ninguém pode dizer que ela não funcione ao que se propõe. Assim como a homeopatia, os florais não podem ser analisados em laboratórios; pois são essências energéticas e dessa forma somente poderá ser avaliado o seu efeito na vida humana, de forma empírica.

Os florais não têm por base ser superior ou inferior em relação às outras técnicas terapêuticas, nem possuir a última palavra na cura da alma ou do corpo humano; é necessário entender que existem diversas opções de tratamento para o bem-estar da saúde física, psíquica ou espiritual, competindo ao indivíduo escolher o que melhor lhe convier ou agradar. Com certeza absoluta se os florais “não funcionassem” de forma satisfatória para os seus usuários, os próprios, em quantidade considerável, já teriam execrado o sistema; mas não é isso o que ocorre.

Podemos assegurar que os florais servem para derrubar os bloqueios energéticos, o nó psíquico ou emocional que nos trava diante de situações para serem resolvidas; em outros, além de atenuar ou ajudar no tratamento de algum mal físico, ele aperfeiçoa nossas qualidades e transcendência perante o problema. Por exemplo, num tratamento antidepressivo enquanto as drogas amenizam ou mascaram os comportamentos não desejáveis, o uso dos florais, como terapia auxiliar, ajudam na catalisação da consciência emocional para a autocura definitiva, além de ajudar numa psicoterapia. A eficácia dos florais está na transformação do paradigma comportamental ou do estilo de vida, na promoção do bem-estar e do equilíbrio espiritual; do mesmo modo, por fazer desabrochar todas as qualidades positivas da personalidade, efetua a busca do autoconhecimento. Fundamentalmente podemos dizer que os florais criam uma nova “consciência” para o ser humano, curando a alma.

Enfim, num plano geral podemos resumir que as essências florais nos ajudam em nossa jornada de responsabilidade durante a vida, nos fazem perceber que em grande parte a felicidade encontra-se em nossas mãos; auxiliam-nos a desfazermos dos fardos do passado, das ideias obsoletas, dos pré-conceitos e dos grandes obstáculos que são criados por nós mesmos; por fim, dissolvem nossos medos, angústias, dúvidas, hesitações, descrença, ansiedade, trazendo o equilíbrio necessário à verdadeira expressão, criatividade, paz interior, amor-próprio e autoestima que todos nós merecemos.

Nota pessoal

Embora possa se encontrar na literatura antiga alguma referência sobre o uso de técnicas parecidas com o sistema floral, como o orvalho colhido na relva (água lustral) por Paracelso (século XV) ou a água de pétalas de rosas da medicina hindu (século I), em absolutamente nada estará conectado ao que seja a terapia floral. Também, citar a Atlântica, Egito ou aborígines, nem pensar! É importante não confundir a fitoterapia e a aromaterapia (uso dos princípios orgânicos das ervas medicinais) com a terapia floral (uso dos princípios energéticos das flores). Negar o grandioso médico Edward Bach (1886- 1936) como único criador das bases filosóficas do sistema floral é denegrir a memória de um homem nobre e comprometido com a cura da humanidade.

Curso Introdutório de Terapia Floral Cortesia da Academia Virtual do Autoconhecimento: http://www.neinaiff.com . Copyright — Nei Naiff

Quais os tipos de florais?

POR DÉCADAS OS FLORAIS DE BACH REINARAM ABSOLUTOS EM TODOS OS países; porém, entre 1970 e 1985 houve um verdadeiro reflorescimento (nos dois sentidos) da terapia floral. Dezenas de pessoas em diversas partes do mundo começaram a pesquisar as flores de sua região ou de seu país. Os primeiros pesquisadores, que podemos seguramente colocar como os “continuadores” das ideias de Edward Bach, foram Richard Katz e Patrícia Kaminski (EUA) ao elaborarem o repertório dos florais da Califórnia — Flower Essence — no início da década de 1970, sendo um dos mais conceituados atualmente.

Logo após as divulgações dos trabalhos dos florais da Califórnia, na década de 1980, surgiram dois sistemas na Austrália: Living Essences criado por Vasudeva Barnao e Kadambii; também o Bush Australian, de Ian White. Ainda nesse período, nos Estados Unidos, Steve Johnson criou os florais do Alaska, sendo o primeiro a desenvolver as essências ambientais (elixires criados a partir do tempo, lugar ou região, e não necessariamente de flores). Do mesmo modo, Sabina Pettitt, com os florais do Pacífico (costa oeste dos E.U.A.), foi a primeira a utilizar a água do mar e seus habitantes (moluscos, corais, algas etc.) para extrair elixires. Na França surgiu o trabalho de Philippe Deroide com a criação dos florais Franceses (Deva Essences), sendo o primeiro a criar um jardim especificamente para a pesquisa das essências. A partir da publicação desses trabalhos o mundo inteiro se rendeu à pesquisa e utilização dos florais, tais como, Cynthia Athina Kemp (florais do Deserto, Estados Unidos), Penny Medeiros (florais Aloha, Havaí), Bram Zaalberg (florias da Holanda, Holanda), Atul Shah (florais do Himalaia- Sanjeevini, Índia), Jorge Luis Haff (florais de Raff, Argentina), Andréas Korte (florais da Amazônia, Venezuela), Marion Leigh (florais de Findhorn, Escócia), entre dezenas de sistemas.

No Brasil podemos assegurar que os pioneiros na pesquisa de nossas flores foram Breno

Marques da Silva e Ednamara Vasconcelos e Marques na criação dos florais de Minas, no final da década de 1980, em Itaúna-MG; também Joel Aleixo com os florais Brasileiros, em São Paulo-SP. Durante a década de 1990 surgiram mais pesquisadores no Brasil, como por exemplo, Neide Margonari (florais de Saint Germain), Maria Grillo (florais Filhas de Gaia), Ferdinand Röhr (florais do Agreste), Sandra Epstein (florais da Mata Atlântica), Denilde Lourenço (florais Arco-íris), Gelse Campos e Lourdes Agnesini (Florais Agnes), Fabian e Kátia Cubakowic (florais da Mantiqueira), entre dezenas.

Nota importante:

Nenhum floral é melhor que o outro em seu conteúdo e eficácia. A maioria dos sistemas termina por se equivaler em seus repertórios numa média de 80%; o que muitas vezes, ao se dedicar a dois ou três tipos, poderá satisfazer amplamente tudo o que se deseja para a autocura. Por exemplo, a essência da flor da Campainha (Ipomea cairica) é encontrada no sistema de Minas (Ipomea), Califórnia (Morning Glory), Himalaia (Morning Glory), Haff (Campanilla), Deserto (Morning Glory Tree) e Aloha (‘Uala) com as mesmas propriedades terapêuticas. Também podemos encontrar essências florais distintas que produzem os mesmos efeitos, como por exemplo, a essência Olive (floral de Bach, flor da oliveira), Sempervivum (floral de Minas, flor da sempre-viva), Fireweed (floral do Alaska, flor da semente do fogo), Aloe Vera (floral da Califórnia, flor da babosa) e o Swamp Banksia (floral Australiano-Bush, flor da banksia do pântano) — onde todas servem para eliminar o esgotamento físico, mental ou espiritual, devolvendo o bem-estar, a vitalidade e a autoestima.

Curso Introdutório de Terapia Floral Cortesia da Academia Virtual do Autoconhecimento: http://www.neinaiff.com . Copyright — Nei Naiff

Como os florais funcionam?

UMA DAS QUESTÕES QUE DEVEMOS TER SEMPRE EM MENTE É QUE AS ESSÊNCIAS florais não tratam diretamente de um problema físico ou psíquico; portanto, não espere observar algum efeito imediato nas primeiras dosagens. Lembrese: florais não são remédios alopáticos. Por exemplo, se existe uma persistência ao quadro de gastrite continue tomando antiácido; mas acrescente uma terapia floral para eliminar o estresse. Em pouco tempo poderá ter consciência de que realmente tem de mudar sua alimentação ou até descobrir as causas psicológicas que estão levando ao problema digestivo.

Geralmente as pessoas atentas ao seu comportamento ou as que já entraram no caminho do autoconhecimento poderão ter mais chances de perceberem o equilíbrio desejado do que uma pessoa que ainda necessite de muita compreensão e percepção de sua vida. Por outro lado não precisa acreditar nos florais para que ele funcione (!), não confunda placebo ou crença pessoal com as essências florais. Muitas vezes tenho observado pessoas que só tomaram os florais por pura curiosidade e se recusaram a reconhecer seus efeitos radiantes, mas seus familiares e amigos mais próximos percebem a mudança positiva.

Uma questão deve ser bem conscientizada: o uso dos florais não muda a personalidade de alguém, nem interferem no livre-arbítrio do indivíduo e muito menos o deixará passivo, sugestionado ou subserviente. Cuidado ao tentar utilizar o floral como forma de manipular o “outro”, ministrar essências para determinados sentimentos que supostamente você gostaria que o outro tivesse. Não perca tempo. Lembre-se: florais não é magia. Por exemplo, não adianta ministrar um floral (escondido) no companheiro(a) para que ele tenha mais libido (porque assim o deseja) se ele(a) tiver outros desejos. Se um floral não corresponder às necessidades emocionais ou espirituais do indivíduo naquele momento, ele simplesmente não funcionará — este é um dos maravilhosos segredos dos florais.

No âmbito da terapia floral inexiste qualquer efeito nocivo, desarmônico, negativo ou algo semelhante que afete quaisquer funções orgânicas, psíquicas ou emocionais de forma perigosa ou danosa. Em tempo algum durante ou após o tratamento haverá sintomas que possam a vir a prejudicar a pessoa de forma a deixá-la num quadro irreversível; volto a enfatizar que as essências florais não são drogas com substâncias químicas que alteram o metabolismo do organismo; por essa razão não existirá problema com dosagens excessivas.

Nota pessoal

Tenho observado uma corrente de terapeutas ditando que não se deve automedicar-se com os florais. Em parte dou razão a eles, pois sabemos que um ser humano desesperado não possuiria a mínima vontade de ler um livro para entender e aprender a medicação com os florais; para não dizer de alguém que acabou de perder um ente querido ou seu trabalho. Também tem aquelas pessoas despreocupadas ou práticas por natureza que não querem aprender nada, somente buscar uma ajuda quando necessário. Nesses casos, eu concordo na busca de um terapeuta; apenas em condições semelhantes. Mas o que dizer das pessoas evolutivas que desejam aprender e ajudar sua família, seus amigos e semelhantes, mesmo não sendo um terapeuta floral? Ou aquelas que após passarem uma dor insuportável, resolveram dar a volta por cima, e foram buscar o autoconhecimento? Afinal, para quê existe a autoajuda? Sim, qualquer um pode aprender os conceitos e a formulação da terapia floral, ela não é acadêmica, elitista, mística, esotérica, nem existe a necessidade de uma formação escolar específica.

Curso Introdutório de Terapia Floral Cortesia da Academia Virtual do Autoconhecimento: http://www.neinaiff.com . Copyright — Nei Naiff

Repertório

O LIVRO "FLORAIS DO MUNDO" DA EDITORA NOVA ERA, contém as análises completas de oito sistemas florais, incluindo as mais recentes pesquisas e introduz, no Brasil, o inédito floral da Índia (AUM-Himalaya). Na obra estão expostas mais de 600 essências florais para escolha sistemática e aplicação em todas as áreas, mesmo para os que são autodidatas.

Relação dos florais do mundo:

1. Aloha – florais do Havaí, Penny Medeiros (70 essências). 2. AUM-Himalaya – florais da Índia, Atul Shah (51 essências). 3. Australian Bush – florais da Austrália, Ian White (68 essências). 4. Bach – florais da Inglaterra, Edward Bach (38 essências). 5. DEVA – florais da França, Philipe Deroide (92 essências). 6. FES – florais da Califórnia, Patrícia Kaminsk (132 essências). 7. Findhorn – florais da Escócia, Marion Leigh (4 essências). 8. Minas – florais do Brasil, Breno Marques (108 essências).

O leitor-terapeuta se encontra livre para escolher o sistema floral que mais lhe convier ao consultar o livro FLORAIS DO MUNDO. As descrições das essências foram baseadas nas obras dos respectivos criadores, e também em experiência própria ao longo dos anos como tarólogo e terapeuta. As essências primeiramente indicadas (repertório, índice de capítulos ou de remissão) se referem ao FLORAL DE MINAS, e as essências que estão inseridas no item FLORAL CORRELATO são as de outros sistemas. Todavia, sempre considere que todas possuem APLICAÇÃO GENÉRICA (indicação) e RESULTADO BASAL (efeito) de forma idêntica. Além disso, quando houver a sugestão de um FLORAL CORRELATO PECULIAR significa que este tangencia a aplicação genérica e o resultado basal informado, mas possui uma recomendação específica.

Por exemplo. O floral de Minas LILIUM é indicado para os casos de conflitos no papel pai/marido ou mãe/esposa e seus possíveis desequilíbrios afetivo-sexuais. Além de seus substitutos naturais de outros sistemas — Easter Lily (Califórnia), Slow Match (Índia), Pastèque (França) — ele possui alguns correlatos específicos: Star Tulip e Pomegranate (ambos da Califórnia) que, por sua vez, possuem as mesmas características gerais; contudo, o primeiro só pode ser aplicado em homens, e, o outro, em mulheres. Para facilitar a escolha, os florais foram divididos em 7 grupos e cada qual possui uma média de 90 essências com explicações detalhadas para uma segura automedicação:

1. FONTE DE VITALIDADE (observe um de seus florais, as indicações e efeitos)

CAPSICUM (Minas)

Florais correlatos: CAYENNE (Califórnia), CAYENNE (França), ELDER (Escócia), HORNBEAN (Bach), OLD MAN BANKSIA (Austrália), PUA-PILO (Havaí).

Curso Introdutório de Terapia Floral Cortesia da Academia Virtual do Autoconhecimento: http://www.neinaiff.com . Copyright — Nei Naiff

Aplicação genérica: sedentarismo, preguiça, conformismo, negligência com a saúde física ou emocional; falta de ânimo para as tarefas rotineiras, exames de saúde em geral ou algum tratamento, tais como dentário, contra obesidade etc. Correlatos peculiares: ÉRABLE (França), específico para a estagnação de energia dos meridianos, indicado como auxiliar nos tratamentos de acupuntura, shiatsu e moxabustão. Polarização central: ESTAGNAÇÃO > DINAMISMO. Resultado basal: superação dos obstáculos pessoais e da imobilidade ativando o dinamismo; estimula a força interior e a ação para uma vida nova; promove o estudo e a concentração em objetivos; focaliza a realização da própria vontade; auxilia nos casos de emagrecimento, impotência e depressão.

2. FONTE DE INTEGRAÇÃO (observe um de seus florais, as indicações e efeitos).

HIBISCUS (Minas)

Florais correlatos: BUSH GARDENIA (Austrália), DAY-BLOOMING WATERLILY (Havaí), HIBISCUS (Califórnia), HIBISCUS (França), RED HIBISCUS (Índia). Aplicação genérica: dificuldade sexual em uma relação afetiva; libido em baixa, impotência ou frigidez por razões psicológicas; dúvida e pessimismo no futuro do relacionamento afetivo; discussão e agressividade por causa de fatos antigos nas questões amorosas; insatisfação, apatia, dissabor ou mau humor devido à obrigação sexual. Correlatos peculiares: CANNON BALL (Índia), específico para a frigidez feminina; IXORA (Índia), específico para casais heterossexuais com fraca libido; STICKY MONKEYFLOWER (Califórnia) e STICKY MONKEYFLOWER (França), específicos para frigidez, vaginismo, impotência, ejaculação precoce ou a dissociação entre o sentimento e o sexo. Polarização central: DESPRAZER > ESTÍMULO. Resultado basal: retorno da harmonia, da afetividade, do deleite e do prazer sexual; integração e compreensão do relacionamento; estímulo do carinho e do amor.

3. FONTE DE AUTOCONFIANÇA (observe um de seus florais, as indicações e efeitos).

MIMOSA (Minas)

Floral correlato: DOG ROSE (Austrália), MIMULUS (Bach), RED CLOVER (Califórnia), TRÈFLE ROUGE (França). Aplicação genérica: síndromes e fobias de qualquer natureza, medo inexorável de situações reais e possíveis, tais como vento, trovão, mar, barata, cachorro, injeção, dentista, doença, hospital, assalto; obesidade relacionada a fobias; hipersensibilidade ao som, à luz ou ao movimento; útil em uma crise histérica, pânico coletivo ou medo de contágio quando se cuida ou visita algum enfermo. Correlato peculiar: CORN (Califórnia) e MAÏS DOUX (França), específicos para fobia de lugares fechados, roupas apertadas, aglomerações de pessoas ou centros urbanos; LA’AU’AILA (Havaí), específico para mulheres com medo específico ou algum tipo de fobia; MULLA MULLA (Austrália), específico para o medo de fogo, objetos quentes, raios, eletricidade. Polarização central: FOBIA > SEGURANÇA. Observação: avaliar os florais de Minas ARTEMISIA, LINUM, MALUS, VIOLA E ZANTE observando as diferenças de conteúdo e a melhor opção ou inclusão para a fórmula desejada. Resultado basal: promove a fé e a coragem em um novo tempo; estimula a compreensão do limite pessoal e a autoconfiança em situações inusitadas; harmonia, serenidade.

4. FONTE DE HARMONIA (observe um de seus florais, as indicações e efeitos).

VILLARESIA (Minas)

Florais correlatos: EUCALYPTUS (França), GRASS OF PARNASSUS (Escócia), JADE VINE (Havaí), PINK MONKEYFLOWER (Califórnia), PINK MULLA MULLA (Austrália). Aplicação genérica: dor, mágoa, amargura ou desamor escondido no fundo do coração; estagnação da criatividade ou do fluxo vital da vida na forma de dar e receber; tensão emocional, hostilidade, desconfiança ou retração; dificuldade na relação afetiva, instinto de defesa, receio de se entregar, medo de amar. Polarização central: AMARGURA > TERNURA.

Curso Introdutório de Terapia Floral Cortesia da Academia Virtual do Autoconhecimento: http://www.neinaiff.com . Copyright — Nei Naiff

Observação: avaliar o floral de Minas DIANTHUS ou seu correlato observando a melhor opção para a fórmula desejada Resultado basal: estimula a abertura afetiva da alma, do amor e do carinho; promove a sensibilidade ao meio ambiente, compaixão e fé.

(Parte 1 de 2)

Comentários