Resumo de Anatomia Topográfica

Resumo de Anatomia Topográfica

(Parte 2 de 18)

Ossificação Consiste na formação dos ossos.

Membranosa: o osso é formado através de membrana de tecido conjuntivo embrionário (mesênquima). Ex.: clavícula, ossos da abóbada do crânio e da base do crânio.

Endocondral: forma-se um molde cartilaginoso que se ossifica posteriormente. Ossos longos: moldes de cartilagem que possuem discos epifisiais. Ossos curtos: possuem discos de crescimento no seu interior e também moldes de cartilagens.

Cartilagem epifisária (zonas de cartilagem): responsáveis pelo crescimento. A cartilagem de crescimento permanece até aproximadamente 18 anos (mulheres) e 21 anos (homens). Pode ser chamada de disco epifisial ou cartilagem de conjunção. A parte da diáfise que está em contato com a cartilagem de crescimento chama-se metáfise (quando cessa o crescimento não há mais diáfise).

A última região que cresce é a porção do osso do quadril. O crescimento ocorre mais rápido nas zonas que se utilizam mais freqüentemente. Nos membros inferiores: distal do fêmur e proximal da tíbia (próximo ao joelho). Nos membros superiores: proximal do úmero e distal do rádio (distante do cotovelo).

Particularidades Hióide: osso situado no pescoço que não se articula com nenhum osso, pois é preso à músculos. Ossos sesamóides: ossos pequenos situados no interior dos tendões. Ex.: patela (maior sesamóide). Ossos vormianos (suturais): pequenos ossos que ficam entre os ossos do crânio. Costelas: as costelas não são ossos longos, pois não têm canal medular, sendo chamados alongados.

Artrologia

Articulação é o conjunto de partes moles e duras que mantêm próximos dois (simples) ou mais de dois (compostas) ossos.

Classificação morfofuncional • Sinartroses: Imóveis. Situam-se em locais que precisam proteger algum sistema. Ex.: crânio/cabeça.

Sebento Digital versão 2007 – © 2007 Alexandre Wahl Hennigen 4 o Sinfibrose: quando entre os extremos houver tecido fibroso interposto. Sutura: encontradas somente no crânio

• Serrátil ou dentada: ossos chatos do crânio. Ex.: entre occipital e parietal, entre parietais, entre frontal e parietal

• Escamosa: Em forma de escama. Ex.: têmporo-parietal.

• Esquindilese: onde uma das estruturas ósseas é um sulco e a outra se articula dentro desse sulco. Ex.: somente na articulação vômer-esfenoidal.

• Plana ou harmônica: quando os dois extremos ósseos são planos. Ex.: entre dois ossos nasais.

Gonfose: quando um dos extremos ósseos é um cone e o outro é uma cavidade onde ele se articula. Ex.: articulação entre o dente e o alvéolo dentário.

Sindesmose: quando entre os extremos ósseos encontramos muito tecido fibroso. Ex.: tíbio-fibular distal.

o Sincondrose: quando entre os extremos ósseos houver tecido cartilaginoso.

Sincondrose primária: a cartilagem ali existente permanece para toda a vida. Ex.: entre as costelas e o esterno (esterno-costal).

Sincondrose secundária: depois do crescimento, essa cartilagem está fundida e substituída pelos ossos. Ex.: na base do crânio, entre o esfenóide e o occipital.

• Anfiartroses: semi-móveis.

o Típica ou verdadeira: encontrada entre os corpos das vértebras (discos intervertebrais), de tecido fibro-cartilaginoso (articulação intervertebral anterior).

o Diartro-anfiartrose: o disco fibro-cartilaginoso que se situa entre os extremos ósseos apresenta um esboço de cavidade articular. Encontra-se anteriormente entre os dois ossos do quadril (sínfise púbica). Permite pequenos graus de movimento.

• Diartroses: móveis ou sinoviais. Localizam-se onde há grande grau de movimentação. Possuem os dois extremos ósseos revestidos por cartilagem articular. Aproximando e mantendo unidos um osso ao outro se encontra uma cápsula de tecido fibroso denominada cápsula articular, que vai de um periósteo a outro sem tocar na cartilagem articular. Revestindo internamente a cápsula, existe a membrana sinovial (não recobre a cartilagem). Essa membrana secreta um líquido viscoso, chamado líquido sinovial, que permite o deslizamento entre os dois ossos e a nutrição da cartilagem articular que é pouco vascularizada.

Todas as diartroses possuem cavidade articular, membrana sinovial, cápsula articular, cartilagem articular e ligamentos. Algumas possuem:

• Disco fibrocartilaginoso: na porção embrionária se desenvolvem dentro da articulação. Esses discos podem apresentar formato de disco (discos) e o formato de meia-lua (meniscos). Servem para proteção, amortecimento e nutrição das cartilagens.

• Orla fibrocartilaginosa: aparece no caso de existir uma superfície articular muito rasa e outra arredondada, aumentando a profundidade da porção rasa permitindo maior congruência.

Classificação das diartroses quanto ao movimento Todas as articulações sinoviais possuem movimentos de deslizamento entre as extremidade ósseas.

• Artródia ou plana: só deslizamento. Ex.: carpo, tarso, intervertebral posterior

• Uniaxiais: apresentam um eixo de movimento.

o Trocleartrose ou gínglimo: possui somente os movimentos de flexão e extensão. O eixo de movimento é o transversal. Ex.: interfalângica e úmero-ulnar.

o Trocóide ou pivô: movimento de rotação. Eixo longitudinal. Um dos extremos ósseos é arredondado e o outro é composto pelo osso e por um anel de tecido fibroso que permite a rotação. Uma das superfícies articulares tem forma cilíndrica. Ex.: rádio-ulnar proximal e atlanto-axial.

o Condilartrose: os extremos ósseos são em formato de côndilo que se articula com outro osso. Ex.: fêmuro-tibial (joelho), têmporo-mandibular e atlanto-occipital.

Sebento Digital versão 2007 – © 2007 Alexandre Wahl Hennigen 5

• Biaxial: apresentam dois eixos de movimento o Selar ou encaixe recíproco: assim chamada pelo fato das faces opostas dos ossos exibirem a forma de uma sela, ou seja, côncava e convexa. Ex.: carpo-metacarpiana (1º dedo da mão).

o Elipsóide: permite o movimento em duas direções. Apresenta o formato de uma elipse. Ex.: rádio-carpiana.

• Poliaxial: apresenta vários eixos de movimento.

o Enartrose ou esferóide: quando uma extremidade de um osso é uma esfera e a do outro é uma cavidade que se articulam. Ex.: coxo-femural e escapulo-umeral.

Tipos de movimentos Deslizamento: todas possuem. Angular

• No eixo tranversal o Flexão: diminui o ângulo. o Extensão: aumenta o ângulo.

• No eixo ântero-posterior o Abdução: afastamento da linha média, abertura lateral, aumenta o ângulo. o Adução: aproximação da linha média, fechamento lateral, diminui o ângulo. Rotação

• Circundação: junção de todos os movimentos (flexão + extensão + adução + abdução). Movimento em forma de cone. Ex.: escapulo-umeral e coxo-femural.

No tornozelo

• Flexão dorsal: flexão, dedos para cima.

• Flexão plantar: extensão, dedos para baixo. No antebraço e mão:

• Pronação: palma para baixo (prometer).

• Supinação: palma para cima (suplicar). No membro superior:

• Rotação medial: para dentro.

• Rotação lateral: para fora.

Inervação e irrigação das articulações

As terminações nervosas estão localizadas na cápsula articular. Os nervos que suprem uma articulação são ramos dos nervos que suprem a pele e os músculos que a movimentam. Os plexos arteriais peri-articulares são responsáveis pela irrigação sanguínea.

(Parte 2 de 18)

Comentários