Tipagem sanguinea sistema abo

Tipagem sanguinea sistema abo

Tipagem Sangüínea

Sistema

ABO

Relatório n° 08

Nome: Matheus Brito Professor: Romildo Matéria: Analise Química Curso: Técnico em Química Colégio Dinâmico Ano 2.009

Distribuição dos principais tipos sanguíneos na população mundial.

Relatório n° 08

- Tipagem Sangüínea Sistema ABO –

Objetivo:

  • Determinar o tipo Sangüíneo entre os alunos

Introdução Teórica:

O sangue é um tecido conjuntivo líquido que circula pelo sistema vascular sanguíneo dos animais vertebrados. O sangue é produzido na medula óssea vermelha e tem como função a manutenção da vida do organismo por meio do transporte de nutrientes, toxinas (metabólitos), oxigênio e gás carbônico. O sangue é constituído por diversos tipos de células (ocasionalmente chamadas de corpúsculos); esses elementos figurados (ou formadores) constituem a parte "sólida" do sangue e cerca de 45% de volume total. Já os 55% restantes são formados de uma parte líquida chamada plasma (ou soro - plasma sem fibrinogênio) e de aproximadamente 45% de outros componentes que agrupados constituem os elementos figurados do sangue. São divididos em Leucócitos ou Glóbulos Brancos (células de defesa), Glóbulos vermelhos, eritrócitos ou Hemácias (transporte de Oxigênio) e Plaquetas (fatores de coagulação sanguínea).

O sangue é divido em plasma sangüíneo (55%) e células do sangue (hemácias e leucócitos).As funções do sangue são de transporte, tanto de oxigênio, quanto de gás carbono, e de proteção, pois é através do sangue que nossas células de defesa chegam a qualquer lugar infeccionado .O sangue forma o tecido hemocitopoiético ou hematopoiético, que também é um tecido conjuntivo, pois possui grande quantidade de material extracelular, denominado, nesse caso, plasma.

Esse líquido amarelado é composto basicamente por água (90%), mas também é constituído por sais, proteína, hormônios, nutrientes, gases e excreções.A função do plasma é transportar essas substâncias por todo organismo, permitindo às células a receber nutrientes e excretar e/ou secretar substância geradas no metabolismo. As proteínas do plasma são muito importantes pois as responsáveis pelo transporte dos ácidos graxos livres e algumas (imunoglobulinas) também atuam como anticorpos.

Grupo sanguíneo

Os grupos sanguíneos ou tipos sanguíneos foram descobertos no início do século XX (cerca de 1900 - 1901), quando o cientista austríaco Karl Landsteiner se dedicou a comprovar que havia diferenças no sangue de diversos indivíduos[1] . Ele colheu amostras de sangue de diversas pessoas, isolou os glóbulos vermelhos (hemácias) e fez diferentes combinações entre plasma e hemácias, tendo como resultado a presença de aglutinação dos glóbulos em alguns casos, e sua ausência em outros. Landsteiner explicou então por que algumas pessoas morriam depois de transfusões de sangue e outras não. Em 1930 ele ganhou o Prêmio Nobel por esse trabalho.

Os tipos sanguíneos são determinados pela presença, na superfície das hemácias, de antígenos que podem ser de natureza bioquímica variada, podendo ser compostos por carboidratos, lipídeos, proteínas ou uma mistura desses compostos. Estes antígenos eritrocitários são independentes do Complexo principal de histocompatibilidade (HLA), o qual determina a histocompatibilidade humana e é importante nos transplantes.

Distribuição dos principais tipos sanguíneos na população mundial.

Importância

Cada indivíduo possui um conjunto diferente de antígenos eritrocitários, e por seu número --- existem hoje cerca de 27 sistemas antigênicos conhecidos, mais alguns antígenos diferenciados que ainda não foram atribuídos a nenhum sistema específico --- é difícil (se não impossível) encontrar dois indivíduos de mesma composição antigênica. Daí a possibilidade da presença, no soro, de anticorpos específicos (dirigidos contra os antígenos que cada indivíduo não possui), o que resulta na aglutinação ou hemólise quando ocorre uma transfusão incompatível (ou, em determinações laboratoriais, quando se fazem reagir soros específicos com os antígenos correspondentes presentes nas hemácias). Diferentes sistemas antigênicos se caracterizam por induzir a formação de anticorpos em intensidades diferentes; além do que, alguns são mais comuns e outros, mais raros. Estes dois fatos associados determinam a importância clínica de cada sistema.

Os sistemas antigênicos considerados mais importantes são o sistema ABO e o Sistema Rh[1]. Estes são os sistemas mais comumente relacionados às temidas reações transfusionais hemolíticas. Reações contra antígenos eritrocitários também podem causar a Doença Hemolítica do Recém-nascido[3] - (DHRN ou Eritroblastose Fetal), cuja causa geralmente (mas não sempre) se associa a diferenças antigênicas relacionadas ao Sistema Rh.

A determinação dos grupos sanguíneos tem importância em várias ciências:

  • Em Hemoterapia, torna-se necessário estudar pelo menos alguns desses sistemas em cada indivíduo para garantir o sucesso das transfusões. Assim, antes de toda transfusão eletiva, é necessário se determinar, pelo menos, a tipagem ABO e Rh do doador e do receptor.

  • Em ginecologia/obstetrícia e neonatologia, é possível se diagnosticar a DHRN através do seu estudo, adotando-se medidas preventivas e curativas.

  • Em Antropologia, é possível estudar diversas raças e suas interrelações evolutivas, através da análise da distribuição populacional dos diversos antígenos, determinando sua predominância em cada raça humana e fazendo-se comparações.

  • Em Medicina legal, é possível se determinar, por exemplo, o tipo sanguíneo de um criminoso a partir de material colhido na cena do crime, auxiliando na investigação criminal.

Terminologia e uso

Alguns termos utilizados no que se referem à tipagem sanguínea são ambíguos ou pouco conhecidos.

  • A determinação, em laboratório, da tipagem quanto aos sistemas ABO e Rh é rotineiramente realizada em um procedimento único. A melhor maneira de se referir a este procedimento e a seu resultado é Tipagem sanguínea (ABO e Rh). Entretanto a simplicidade consagrou o uso da palavra tipagem para se referir aos dois sistemas.

  • Quando necessária a distinção, convencionou-se utilizar respectivamente as expressões grupo ABO e Fator Rh. Estas designações, contudo, não são unânimes.

  • Geralmente usam-se os termos aglutininas para se referir aos anticorpos e aglutinogênios para se referir os antígenos[1].

  • Um estudo mais aprofundado do sistema ABO determinou a presença de variedades antigênicas ou subgrupos[1]. Estes podem ser designados, por exemplo, A1, A2 ou Bx.

  • Historicamente, a classificação de Landsteiner previa os grupos A, B e O; o grupo AB foi posteriormente descoberto (1902, von Decastello e Sturli). No entanto, em inobservância à tradição, alguns autores falam em grupo 0 ("zero"). Esta designação é incorreta, pois assume que os pacientes do grupo O não apresentam aglutininas em suas hemácias (na verdade, os pacientes do grupo O apresentam em todas as suas hemácias a aglutinina H, exceção feita ao raríssimo fenótipo OBombay --- o qual não apresenta aglutininas para o sistema ABO).

  • Estudos determinaram que o sistema Rh apresenta certa complexidade genética, além de variações qualitativas e quantitativas em sua expressão. Assim, são usadas as seguintes designações:

    • O termo Rh Fraco substituiu a designação Du. Este termo representa uma variação quantitativa na expressão do antígeno D.

    • O termo Rhnull designa uma condição rara, em que os antígenos do sistema Rh estão completamente ausentes.

    • O termo "CDE" designa a determinação, recomendada para os pacientes Rh negativos, de outros antígenos menos freqüentes do sistema Rh. Assim, fala-se em Rh negativo ou Rh negativo, CDE positivo.

  • Em alguns casos, pode ser necessária a determinação mais detalhada dos antígenos dos sistemas ABO e Rh, e/ou a determinação de antígenos pertencentes a outros sistemas antigênicos. Esta determinação é geralmente denominada fenotipagem.

  • Da combinação entre o Sistema ABO e Fator Rh, podemos encontrar os chamados doador universal (O negativo) e receptor universal (AB positivo).

  • Entretanto, normalmente se faz a transfusão isogrupo (doador e receptor de mesma tipagem ABO e Rh) em preferência à doação heterogrupo (tipos diferentes).

Distribuição de ABO e Rh por país

Tipo de distribuição do sangue por nação (média em população)

Compatibilidade dos glóbulos vermelhos

  • Grupo sanguíneo AB: Indivíduos têm tanto antígenos A quanto B na superfície de suas RBCs, e o soro sanguíneo deles não contem quaisquer anticorpos dos antígenos A ou B. Assim, alguém com tipo de sangue AB pode receber sangue de qualquer grupo (com AB preferível), mas só pode doar sangue para outros com o tipo AB.

  • Grupo sanguíneo A: Indivíduos têm o antígeno A na superfície de suas RBCs, e o soro sanguíneo contido na Imunoglobulina M são anticorpos contra o antígeno B. Assim, uma pessoa do grupo A pode receber sangue só de pessoas dos grupos A ou O (com A preferível), e só pode doar sangue para indivíduos com o tipo A ou AB.

  • Grupo sanguíneo B: Indivíduos têm o antígeno B na superfície de seus RBCs, e o soro sanguíneo contido na Imunoglobulina M são anticorpos contra o antígeno A. Assim, alguém do grupo B pode receber sangue só de indivíduos de grupos B ou O (com B preferível), e pode doar sangue para indivíduos com o tipo B ou AB.

  • Grupo sanguíneo O (ou grupo sanguíneo zero em alguns países): Indivíduos não possuem antígenos nem A ou B na superfície de suas RBCs, mas o soro sanguíneo deles contêm Imunoglobulina M com anticorpos anti-A e anti-B contra os grupos antígenos A e B. Portanto, alguém do grupo O pode receber sangue só de alguém do grupo O, mas pode doar sangue para pessoas com qualquer grupo ABO (ou seja, A, B, O ou AB). Se qualquer um precisar de uma transfusão de sangue em uma emergência, e se o tempo necessário para processar o recebedor do sangue causaria um atraso prejudicial, o sangue O- (O Negativo) pode ser emitido.

Tabela de compatibilidade de células de glóbulos vermelhos

Diagrama mostrando a compatibilidade entre os tipos sanguíneosAlém de doar para o mesmo grupo sanguíneo; doadores de sangue tipo O podem doar para A, B e AB; doadores de sangue dos tipos A e B podem doar a AB.

Materiais e Reagentes:

  • Materiais:

  • Lamina de Vidro

  • Becker

  • Lanceta

  • Algodão

  • Bastão de vidro

  • Reagentes:

  • Água Destilada

  • Álcool Etílico 70 volume

  • Soro Ant-A

  • Soro Ant-B

  • Soro Ant-D

  • Água Sanitária

  • Amostra de Sangue

Procedimento:

  • Higienizar o dedo médio com o algodão úmido com o Álcool.

  • E com o auxilio de uma lanceta furar o dedo.

  • Em uma lamina de vidro pingar duas gotas de sangue separadamente e em uma segunda lamina mais uma gota de sangue.

  • E sobre cada amostra de sangue colocar uma gota de Soro Ant-A e Ant-B respectivamente(como segue o esquema abaixo)

Resultados

Havendo coagulação na amostra contendo o Soro Ant-A sangue tipo A.Havendo coagulação na amostra contendo o Soro Ant-A sangue tipo A.

Havendo coagulação nas duas amostra Sangue tipo AB.

Havendo coagulação em nenhuma das amostras Sangue tipo O.

Fator RH.

Em uma terceira lamina colocar mais uma gota de sangue e sobre esta colocar uma gota do Soro Ant-D, este determinará o fator RH(positivo ou negativo).

Resultado:

Havendo coagulação sangue fator RH vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv positivo e não coagulando fator RH negativo.

Conclusão:

Concluímos que através dos Soros Ant-A – Ant-B e Ant-D podemos determinar o tipo sangüíneo de um individuo, um exame muito importante como podemos ver na Introdução Teórica que é necessário para garantir o sucesso das transfusões sangüíneas, para o estudos de raças e evoluções da raça humana e em medicina legal, determinar o tipo sanguíneo de um criminoso a partir de material colhido na cena do crime, auxiliando na investigação criminal.

Comentários