Novo bdi - instituto de engenharia de são paulo

Novo bdi - instituto de engenharia de são paulo

(Parte 1 de 3)

O presente Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do INSTITUTO DE

ENGENHARIA em sua sessão nº1363 de 30.08.2004, é recomendado aos orçamentistas de empresas públicas e privadas na elaboração de orçamentos para a construção e reforma de edificações, em todo o território nacional.

1 - PREÇO DE VENDA

DEFINIÇÃO: O preço de venda é o resultado da aplicação de uma margem denominada BDI / LDI sobre o Custo Direto calculado na planilha de orçamento.

Para a obtenção do Preço de Venda , será aplicada a seguinte fórmula.

1 BDI

CDxPVou œßø

1 LDI CDxPV

PV = Preço de Venda
BDI = Benefício e Despesas Indiretas ou LDI = Lucro e Despesas Indiretas
CD = Custo Direto

DEFINIÇÃO: O Custo Direto é resultado da soma de todos os custos unitários dos serviços necessários para a construção da edificação, obtidos pela aplicação dos consumos dos insumos sobre os preços de mercado, multiplicados pelas respectivas quantidades, mais os custos da infra-estrutura necessária para a realização da obra.

2.1 - INSUMOS QUE COMPÕE O CUSTO DIRETO UNITÁRIO

1 Estrutura de Custos Diretos: Custo Unitário dos Serviços, Custo da Administração Local, Canteiro de

Obras e Acampamento, Mobilização e Desmobilização e eventuais No âmbito do Governo Federal já há uma determinação do TCU no sentido de que os custos acima devem ser considerados Custos Diretos por serem assim classificados contabilmente.

Mão de Obra – são representados pelo consumo de horas ou fração de horas de trabalhadores qualificados e/ou não qualificados para a execução de uma determinada unidade de serviço multiplicados pelo custo horário de cada trabalhador.

O custo horário é o salário/hora do trabalhador mais os encargos sociais.

Materiais – são representados pelo consumo de materiais a serem utilizados para a execução de uma determinada unidade de serviço, multiplicados pelo preço unitário de mercado.

Equipamentos – são representados pelo número de horas ou fração de horas necessárias para a execução de uma unidade de serviço, multiplicado pelo custo horário do equipamento.

OBS.: Os consumos dos insumos são obtidos pela experiência de cada uma das empresas do ramo da construção ou através da Tabela de Composição de Custos de Orçamentos, sendo a mais conhecida a TCPO da Editora PINI.

2.2 - ENCARGOS SOCIAIS SOBRE A MÃO DE OBRA

DEFINIÇÃO: São encargos obrigatórios exigidos pelas Leis Trabalhistas ou resultante de Acordos Sindicais adicionados aos salários dos trabalhadores.

Os Encargos Sociais dividem-se em três níveis:

Encargos Básicos e obrigatórios: Encargos Incidentes e reincidentes:

Encargos Complementares:

Os Encargos Sociais Basicos são:

DESCRIÇÃO HORISTA MENSAL

A1 Previdência Social 20,0 20,0 A2 Fundo de Garantia por Tempo de Serviço FGTS 8,50 8,50

A3 Salário-Educação 2,50 2,50 A4 Serviço Social da Industria (SESI) 1,50 1,50 A5 Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) 1,0 1,0 A6 Serviço de Apoio a Pequena e Média Empresa (SEBRAE) 0,60 0,60

A7 Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) 0,20 0,20 A8 Seguro Contra Acidentes de Trabalho (INSS) 3,0 3,0

A9 SECONCI -Serviço Social da Industria da Constr.e Mobiliário 1,0 1,0 A Total dos Encargos Sociais Básicos 38,30 38,30

Os Encargos Sociais Incidentes e Reincidentes são:

B1 Repouso Semanal e Feriados 2,90 B2 Auxílio-enfermidade (*) 0,79 B3 Licença-paternidade (*) 0,34

B4 13 º Salário 10,57 8,2 B5 Dias de chuva / falta justificada / acidente de trabalho (*) 4,57 B Total de Encargos Sociais que recebem incidências de A 39,17 8,2

C2 Férias (indenizadas) 14,06 10,93 C3 Aviso-Prévio (indenizado) (*) 13,12 (*)10,20 C Total Encargos que não Recebem incidências globais de A 3,09 25,73

D1 Reincidência de A sobre B 15,0 3,15

D2 Reincidência de A2 sobre C3 1,1 0,87 D Total das taxas das reincidências 16,12 4,02

Os Encargos Complementares são:
E1 Vale transporte 2Aplicar a fórmula 7,93 7,93
E2 Refeição Mínima 3Aplicar a fórmula 6,60 6.60
E3 Refeição - Almoço 4Aplicar a fórmula 27,87 27,87
E4 Refeição – JantarAplicar a fórmula - -
E5 EPI –Equipamento de Proteção IndividualAplicar a fórmula 5,0 5,0
E6 Ferramentas manuaisAplicar a fórmula 2,0 2,0

E Total das taxas complementares 49,40 49,40

Percentagem Total de Encargos Sociais 176,08 125,67 CALCULO DOS ENCARGOS COMPLEMENTARES – FORMULAS BÁSICAS

VALE TRANSPORTE:

SxxNxC VT

VALE CAFÉ DA MANHÃ :

xxSxxNC VC

VALE ALMOÇO ou JANTAR:=œßø

xNxC VR

Sendo:C! = tarifa de transporte urbano;

2 Lei nº 7418/85 e Decreto 95.247/87: é obrigatório o fornecimento de transporte aos empregados.

Exemplo de determinação da taxa: C1 = R$1,90; N=2; S=R$60,0; VT=7,93% 3 Acordo Coletivo de Trabalho – Sinduscon SP – custo aprox. de R$ 2,0; Exemplo de determinação da taxa com a aplicação da fórmula VC = 6,60%.

4 Acordo Coletivo de Trabalho – Sinduscon SP – Valor acordado do VR = R$ 8,0 almoço ou

C2 = custo do café da manhã;

C3 = Vale Refeição – definido em Acordo Sindical; N = número de dias trabalhados no mês;

S = salário médio mensal dos trabalhadores.

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL5

1

xS N

PnFnFPFPFP n

1

xS N

PnFnFPFPFP n

Sendo:

N = número de trabalhadores na obra;

(Parte 1 de 3)

Comentários