Acessibilidade com Plataformas Elevatorias e Elevadores

Acessibilidade com Plataformas Elevatorias e Elevadores

(Parte 1 de 2)

Sergio Yamawaki Consultor em Acessibilidade

Deficientes no Mundo610milhões(ONU 2007) Estatísticas

Deficientes no Brasil 24,5milhões(Censo 2000) 14,6% da população com algum tipo de deficiência.

Idosos 14,5milhões(Censo 2000) 8,6% da população total do País.

Gestantes e crianças até3 anos14,42milhões(projeção IBGE 2007) 8,5% da população total do País.

Acidentes Trânsito Produzem 100 milpessoas com deficiência permanente por ano.

Pessoas com Mobilidade Reduzida Pessoas com Mobilidade ReduzidaPessoas com Mobilidade Reduzida Pessoas com Mobilidade Reduzida

Pessoas com Mobilidade Reduzida ACESSIBILI DA DE

Evolução da população de Idosos Idosos

13% idosos em 2020 30 milhões de idosos em 2020

Grandes Obras

Beethoven

Sinfonia nº9 Charles Darwin

Teoria da Evolução

Galileu Galilei Siste ma Heliocêntrico

Renoir

Le Moulin de la Galette Aleijadinho

Escultura Barroca Alexander Graham Bell

Telefone

Defi cientes? Como seria o mundo sem eles?

Stephan Hawking

Galileu GalileiAlbert Einstein Charles Darwin

Graham Bell Christopher Reeve

João Paulo I Andrea Bocelli

Pessoas com Deficiência

Albert Einstein, cientista (dislexia) Alexander Graham Bell, telefone (dislexia) Andrea Bocelli , cantor (cegueira)

Antonio Francisco Lisboa, ( Aleijadinho) escultor

Auguste Renoir, pintor (artrite reumatóide) Auguste Rodin, escultor (dislexia) Júlio César imperador romano (tumor cerebral) Charles Darwin, cientista (dislexia) Charlton Heston, ator de cinema (mal de Alzheimer) Christopher Reeve, artista de cinema (tetraplegia) Clodoaldo Silva, nadador (paraplegia) Demócrito, filósofo (cegueira) Ernesto Nazareth, compositor (deficiência auditiva) Felipe I, rei da Macedônia (deficiência mental) Frank Williams, ex-piloto (paraplegia) Galileu Galilei, cientista (cegueira) Herbert Vianna cantor, compositor (paraplegia) Homero, poeta épico grego (cegueira) Isaac, patriarca hebreu (cegueira) João Paulo I, papa (mal de Parkinson) JohannesKepler, cientista (deficiência visual) Jorge Luis Borges, poeta (cegueira) Lars Grael, iatista (amputação de perna)

Leonardo DaVinci, inventor (dislexia) LeonhardEuler, cientista (cegueira) Louis Braille, (cegueira) Ludwig Van Beethoven, compositor (defic.auditiva) Luiz de Camões, escritor (deficiência visual) Mia Farrow, atriz de cinema (poliomielite) MohammedAli, pugilista (mal de Parkinson) Ray Charles, cantor (cegueira) Robin Williams, ator (dislexia) Ronald Reagan, estadista (mal de Alzheimer) SammyDavis Jr., artista (deficiência visual) São Paulo Apóstolo, (deficiência visual) Stephen Hawking, físico (esclerose amiotrófica) Stevie Wonder Cantor (cegueira) Thomas A. Edison, inventor (dislexia e defic.auditiva) Tom Cruise, artista de cinema (dislexia) Vanessa Vidal vice Miss Brasil2008 (defic. Auditiva) Vincent Van Gogh, pintor(dislexia) Walt Disney, empresário e desenhista (dislexia) WhoopyGoldberg, atriz de cinema (dislexia) Winston Churchill, estadista (dislexia)

Lei Federal n°10.048/00Prioridade de atendimento. Leis e Decretos

Lei Federal n°10.098/00Requisitos e critérios para promoção da acessibilidade.

Impõe o desenvolvimento de Políticas Públicas que visam a inclusão nas edificações, equipamentos e mobiliários urbanos, nas escolas e universidades, nos transportes e comunicações.

Determina ações para garantir inserção na comunidade e prioriza o atendimento e autonomia no ambiente urbano.

Delega responsabilidades e prazos para adequações de acessibilidade. Fiscalizações, autuações, sanções e multas quando não atendidas.

Determina a criação de mecanismos de incentivos fiscais e linhas de crédito para o desenvolvimento da acessibilidade.

Leis e Decretos

Alguns prazos do Decreto Lei nº5.296/04

Atendimento prioritário e tratamento diferenciado. Prazo: Imediato Ex.: Assentos de uso preferencial, mobiliários, serviços de atendimento.

Acessibilidade em todas as áreas comuns em edificações multifamiliares. Prazo: 30 meses. Venceu em junho de 2007.

Acessibilidade total em ônibus urbanos Prazo: 120 meses. A vencer em 2014.

Os teatros, cinemas, auditórios, estádios, ginásios de esporte, casas de espetáculos, salas de conferências e similares devem reservar, pelo menos, dois por cento da lotação para pessoas em cadeira de rodas. Prazo: 30 meses (uso publico). Venceu em maio de 2007

Acessibilidade nos portais e sítios eletrônicos da administração pública na rede mundial de computadores (internet), para o uso das pessoas portadoras de deficiência visual. Prazo: 12 meses Venceu em dezembro de 2005

Lei de Cotas –8.213/91, regulamentada em 1999 pelo Decreto 3.298 Lei de Cotas

Escadas

Falta

Sinalização de piso

Degraus sem um padrão

Mudança de sentido

Corrimão

Descontínuo

Ø> 4,5cm Falta

Sinalização de piso

Piso derrapante

Sem Corrimão

NBR9.050 Estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto, construção, instalação e adaptação de edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos às condições de acessibilidade.

6.8.3 Plataforma elevatória de percurso vertical

6.8.3.1Até2,0mpercurso aberto com fechamentos de 1,10m.

Acima de 2,0m fechamento(enclausuramento) contínuo sem vãos e saliências internas sempre inferiores a 5mm.

6.8.3.3Dispositivo de comunicação nos pavimentos (acompanhada) enos equipamentos e pavimentos atendidos (assistida).

Norma Nacional

ISO9386-1Éa norma Internacional para Plataforma Elevatória Vertical adotada em diversas cidades do Brasil.

Projeto de Norma NBR

ISO9386-2Norma Internacional para Plataformas Elevatórias Inclinadas.

Nor mas Internacionais

Requisitos Fundamentais da ISO9386-1:

Autonomia 1-Botões de chamada nos pavimentos

Segurança

3 -Freio de Segurança

4 -Botão de Emergência 5 -Movimento somente com o botão pressionado 6 -Desnível máximo de 4m (Enclausurado). Até2 m ( Guarda Corpo de 1,1m) 7 -Portas com Travamento e Sensor de Fechamento 8 -Movimento apenas com portas fechadas 9 -Acabamentos sem riscos ao usuário 10 -Sensor Abaixo da Plataforma (Anti-esmagamento)

Plataforma Elevatória Vertical

Portas com travamento e sensor de fechamento Acionamento com pressão constante Botão de emergência Sensores anti- es maga mento Freio de segurança/Luva de segurança Guarda Corpo / Enclausuramento Acabamentos sem riscos

Dispositivos de segurança

Requisitos I mportantes

Resgate do usuário na falta de energia elétrica. Deve possuir um sistema de resgate manual. O ideal éum sistema de resgate automático (hidráulico). ISO9 386- 1

Poçodificulta a preparação do local para instalação além de ser um ponto de acumulação de água e detritos.

Resistência a Intempéries a maioria dos equipamentos do mercado não foi projetado para ficar exposto ao tempo (estrutura metálica galvanizada). ISO9 386- 1

ManutençãoRede de Assistência Capacitada. Decreto 5296

ART de Projeto e da Instalação. O profissional éresponsável pela especificação e vistoria do equipamento deve preencher a Anotação de Responsabilidade Técnica para o equipamento. Decreto 5296

Plataforma Elevatória Vertical

Características Gerais

Capacidade mínima 250 kg Velocidade máxima 9 m/min Piso Antiderrapante Sinalização Resistência Alar me

Plataforma Elevatória Vertical

R. Augusto Stresser

Aciona mento auto mático Sem sensor anti-esmagamento Sem botão de emergência Sem botão de chamada Acionamento apenas por controle remoto Sem porta inferior Porta superior sem retorno automático Porta superior sem sensor de fechamento / travamento Sem cancela Sem guarda-corpo no equipamento Aberturas muito grande Falta sinalização correta

Plataformas 1

R. João Gualberto esq. com R. Dep. Mario de Barros

Aciona mento auto mático Sem Sensor anti-esmagamento Sem botão de emergência Sem botão de chamada Sem porta superior e inferior Sem cancela Abertura para o fuso muito grande Sem guarda-corpo na plataforma Sem guarda-corpo fixo Sem proteção contra intempéries Falta sinalização

Plataformas 2

Av. Visconde de Guarapuava

Aciona mento auto mático Sem Sensor anti-esmagamento Sem botão de emergência Sem botão de chamada Sem porta inferior Porta superior sem retorno automático Porta superior sem sensor de fechamento / trava mento

Sem guarda-corpo no equipamento Sem cancela Folga muito grande Falta sinalização correta Rampa de entrada inferior inclinação elevada

Plataformas 3

Av. João Gualberto

Aciona mento auto mático Sem botão de Emergência Guarda-corpo com grandes aberturas Sem porta superior e inferior Sem cancela Sem sensor anti-esmagamento Sem proteção contra intempéries Falta sinalização correta

Plataformas 4

Av. Visconde de Guarapuava

Aciona mento auto mático Sem sensor anti-esmagamento Sem botão de emergência Sem porta superior e inferior Sem cancela Guarda-corpo com grandes aberturas Falta sinalização correta

Plataformas 5

Praça Santos Andrade

Aciona mento auto mático Sem sensor anti-esmagamento Sem botão de emergência Sem botão de chamada Sem porta superior e inferior Sem cancela Guarda-corpo com grandes aberturas Acionamento apenas por terceiros Falta sinalização

Plataformas 6

Av. Brigadeiro Franco

Aciona mento auto mático Sem sensor anti-esmagamento Sem botão de emergência Guarda-corpo com grandes aberturas Sem cancela Sem porta inferior Travamento da porta da cabina com trava rápida Sem proteção contra intempéries Falta sinalização

Plataformas 7

Av. Ângelo Sampaio

Aciona mento auto mático Sem sensor anti-esmagamento Sem botão de emergência Sem botão de chamada Guarda-corpo com grandes aberturas Sem porta superior e inferior Sem cancela Falta sinalização

Plataformas 8

Rua da Glória

Aciona mento auto mático Sem sensor anti-esmagamento Sem botão de emergência Porta superior sem retorno automático Porta superior sem sensor de fechamento / travamento Sem inferior Guarda-corpo com grandes aberturas Travamento da porta da plataforma com trava rápida Falta sinalização

Plataformas 9

Av. Mariano Torres

Sem botão de emergência Guarda-corpo com grandes aberturas Aciona mento auto mático Travamento das portas com trava rápida Sem sensor anti-esmagamento Falta sinalização

Plataformas 10

Av. Buenos Aires

Sem botão de Emergência Sem botão de chamada Guarda-corpo com grandes aberturas Sem porta superior e inferior Aciona mento auto mático Sem sensor anti-esmagamento Falta sinalização correta

Plataformas 1

Av. Souza Naves

Guarda-corpo com grandes aberturas Sem porta inferior Porta Superior sem controle de travamento Aciona mento auto mático Sem sensor anti-esmagamento Falta sinalização correta

Plataformas 12

Acessibilidade

“Posso aceitar que o deficiente físico seja vítima do destino, sónão posso aceitar que seja vítima também da nossa indiferença” J. F. Kennedy.

NBR9.050Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos.

6.8.4 Plataforma elevatória de percurso inclinado

6.8.4.1 Parada programada nos patamaresa cada 3,20m de desnível. Prever assento esca moteável.

6.8.4.2 Sinalização tátil e visual na área de espera para embarque informando a obrigatoriedade de acompanhamento por pessoal habilitado.

6.8.4.3 Sinalização visual demarcando a área para espera para embarque e o limite da projeçãodo percurso do equipamento aberto ou em funcionamento.

6.8.4.4 Na área de espera para embarque dos pavimentos deve haver dispositivo de comunicação para solicitação de auxílio.

Plataforma Elevatória Inclinada

Características Gerais Normas NBR9050 e ISO9386-2

Plataforma Elevatória Inclinada

Diferenças em relação àPlataforma Vertical

Acionamento por cremalheira ou cabos. O movimento acompanha a escada Sempre mantém a distância àescada mesmo nos patamares e curvas.

Pode ser recolhido paralelamente àparede Não existe fabricante nacional Custo alto

Aplicação

Locais onde não existe espaço para a instalação de plataformas verticais.

Edificações tombadas pelo patrimônio histórico onde não épermitido alterações na arquitetura.

Elevador Unifa miliar- Nor ma NBR12892 Uso Residencial ou Exclusivo para Acessibilidade

Elevador para acessibilidade

Elevador Unifamiliaréconcebido, com diversas simplificações em relação ao elevador de passageiros que se destinam a:

ocupar menor espaço horizontal e vertical; viabilizar a instalação em edificações existentes; mobilizar pouca potência instalada e ser energetica mente econômico; reduzir o custo total envolvido.

Apesar das simplificações a segurança deve ser preservada.

Impõem-se limites de performance no sentido de eliminar ou minimizar riscos. Percurso, velocidade, capacidade, área da cabina, entre outras, são grandezas limitadas dentro desta Norma.

Elevador para acessibilidade

Elevador Unifa miliar- Nor ma NBR12892 Uso Exclusivo para Acessibilidade

Dimensõesmínimasde cabina: 0,9x1,4m (1,25m²) Percursomáximo até12 metros Velocidadenominal: 21 m/min(0,35 m/s) Capacidadede carga nominal 225 kg (3 pessoas) Casa de máquinas não necessita PoçoReduzidomínimo de 0,4m

Elevador Unifa miliar- Nor ma NBR12892 Uso Residencial

Dimensõesinternas de cabina: mínimo de

Percursomáximo até12 metros (até5 paradas)

Capacidadede carga nominal 225 kg

Casa de máquinas não necessita

PoçoReduzidomínimo de 0,4m

Acabamentoem inox e panorâmico Porta Auto mática

Elevador para Residências

Elevador Convencional

Elevador Convencional para Acessibilidade

Deve ser acessível a todas às deficiências: Visuais, Auditiva, Físicas, Mental e aos que tem mobilidade Reduzida

Nor ma NBR13. 994 Deve seguir as normas:

-NM 207:1999 -Elevadores elétricos de passageiros. Requisitos de segurança para construção e instalação.

-NBR 9050:1994 -Acessibilidade de pessoas portadoras de

deficiências a edificações, espaço, mobiliário e equipamento urbanos.

Elevador Convencional

Requisitos Principais

Dimensões mínimas da cabine 1,10m x 1,40m;

A porta do elevador deve ter vão livre mínimo de 0,80m;

Todas as paradas devem informar o andar por anuncio de voz;

Símbolo Internacional de Acesso (SIA); Botoeiras instaladas entre 0,89m e 1,35m do piso;

Os pavimentos devem ter uma identificação em

Braille do andar em ambos os lados do batente a uma altura entre 0,9m e 1,1m;

Elevadores pequenos, com dimensão mínima de 1,1 x 1,4m devem ter um espelho na parede oposta àporta;

A menor das dimensões da área em frente às portas dos elevadores deve ser, no mínimo, de 1,50m além da área de abertura.

Inclinação máxima.

Piso antiderrapante. Largura mínima de 1,20 m. Sinalização com Piso Tátil. Corrimãos duplos em ambos os lados. Rodapés com altura mínima de 0,05 m. Patamares no início e final de cada segmento.

Ra mpas

Tabela de inclinação admissível para Rampas conforme a norma NBR 9.050.

Inclinação admissível de cada segmento de rampa ( i ) Desnível (h)

Cálculo do comprimento mínimo da rampa: C = h x 100 i

Ra mpas

Ra mpas Ra mpas

Ra mpas Ra mpas

Ra mpas Ra mpas

Ra mpas Ra mpas

Rampa que atende a Norma NBR9.050 Ra mpas

Ra mpas Custo de Rampas

Desnível (m)

Custo Rampa

Comprimento (m) ($)

Custo

Área (m²) (m²x CUB) CUSTO Imóvel+Ra mpa

0,55R$3.30,0 6R$ 4.644,0 R$ 7.944,0
0,810R$4.262,85 12R$ 8.920,05 R$13.182,89
116R$5.450,0 19R$ 14.860,80 R$ 20.310,80
1,219R$6.148,0 23R$ 17.832,96 R$ 23.980,96
1,530R$8.10,0 36R$ 27.864,0 R$ 35.964,0

Custos Acessibilidade

CUSTOS COM ACESSIBILIDADE De acordo com estudos do Arquiteto americano Edward SteinfeldEUA-1979, se uma construção for executada dentro dos padrões adequados, os custos são insignificantes, porém se tiver que ser adaptada, pode chegar a custar 25%do custo global.

ACRÉSCIMO DE CUSTOS EM CONSTRUÇÕES ADEQUADAS AO DESENHO UNIVERSAL 0,5% a 3% na construção de casas; 0,5% a 1% na construção de edifícios de habitação coletiva; 0,1% na construção de centros comerciais, restaurantes e estacionamentos; 0,13% na construção de salas de aula; 0,006% na construção de shoppings.

(Parte 1 de 2)

Comentários