administraçao de medicamentos

administraçao de medicamentos

(Parte 1 de 3)

1 ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

É toda substância que ao ser introduzida no organismo humano tem umafinalidade definida:

MEDICAMENTO É um produto farmacêutico tecnicamente obtido ou elaborado.

• PREVENTIVA OU PROFILÁTICA: Quando evita aparecimento de doenças ou diminui a gravidade das mesmas. Ex: vacinas • DIAGNÓSTICA: Quando auxilia no diagnóstico do que causa os sintomas, como também localiza a área afetada pela doença. Ex: contrastes • TERAPÊUTICA: É a resposta fisiológica esperada ou previsível que um fármaco causa. A finalidade terapêutica pode ser: a)Curativa ou específica – quando remove o agente causal da doença. Ex antibiótico b)Paliativa ou sintomática – quando alivia determinados sintomas de uma doença, entre eles a dor. – Ex: analgésico. c)Substitutiva – Quando repõe no organismo alguma substância que está em deficiência, devido a um desequilíbrio orgânico. Ex:: Insulina, Ca, K

ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES DROGA: Substância ou matéria prima que tenha finalidade medicamentosa ou Sanitária. – o mesmo que medicamento

MEDICAMENTO CONTROLADO: Substância controlada por leis federais, estaduais e municipais, porque seu uso abusivo pode levar à dependência.

NOME COMERCIAL DO MEDICAMENTO: É o usado pela indústria farmacêutica que o controla.

MEDICAMENTO GENÉRICO: Medicamento similar a um produto de referência, que se pretende com esse ser intercambiável. Ele usa o nome genérico, ou seja, o princípio ativo, que não é protegido pela marca registrada. Ex: Paracetamol ( Tylenol), Dipirona Sódica ( Novalgina ). Tem uma tarja amarela com a letra G.

MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA: Produto inovador lançado no mercado, registrado no orgão federal responsável pela vigilância sanitária e comercializado no país, cuja eficácia, segurança, já foram comprovados científicamente.

PREPARAÇÃO MAGISTRAL: Medicamento preparado mediante manipulação em farmácia, a partir de fórmula constante de prescrição médica.

PSICOTRÓPICO: Substância que pode determinar dependência física ou psíquica.

EFEITOS COLATERAIS: São os efeitos não intencionais e secundários, porém, esperados de um fármaco. Podem ser inofensivos ou prejudiciais.

EFEITO ADVERSO: São considerados como resposta grave a um medicamento. Ex: Um paciente torna-se comatoso ao ingerir um fármaco.

EFEITO TÓXICO: Pode se desenvolver após o uso prolongado de um medicamento.

REAÇÕES ALÉRGICAS:É uma reação imprevisível de uma medicação As reações podem ir de leve a grave, como por exemplo o choque anafilático ( constrição do músculo brônquico, edema de faringe e laringe, chiado, encurtamento respiratório).

RECEITA: Prescrição escrita de medicamento, contendo nome do paciente, do medicamento, dosagem, via de introdução, horário, quantidade a ser tomada, data, assinatura do médico e CRM.

SUBSTÂNCIA PROSCRITA: Substância cujo consumo está proibido no Brasil.

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTO: É o processo de preparo e introdução de medicamento no organismo humano, visando obter efeitos terapêuticos.

NATURAIS: podem ser de origem : •animal Æ as substâncias medicamentosas são extraidas de glândulas ou peçonhas de animais. Ex: peçonha de cobra •vegetal Æ as substâncias são obtidas das diversas partes das plantas

•minerais Æ as substâncias são extraídas das fontes de minérios e empregadas sob a forma de elementos simples como: cloro, ferro, cálcio ou elementos compostos como sulfato de magnésio, bicarbonato de sódio, permanganato de potássio.

SINTÉTICOS: São os obtidos em laboratórios – podem também ser preparados com auxílio de matéria prima natural SEMI SINTÉTICOS: Alteram-se as substâncias naturais objetivando modificar as características exercidas por elas..

É a quantidade prescrita do medicamento. DOSE MÍNIMA: É a menor quantidade da droga capaz de produzir efeito terapêutico. DOSE MÁXIMA: É a maior quantidade de uma droga, capaz de produzir efeito terapêutico, sem apresentar efeitos indesejáveis. DOSE DE MANUTENÇÃO: É a dose necessária para manter os níveis desejáveis de medicamento na corrente sangüínea e tecidos durante o tratamento. FORMAS DE APRESENTAÇÃO DOS MEDICAMENTOS SÓLIDA: Pó, comprimido, drágeas (tem revestimento gelatinoso), óvulos, pílulas, supositório (semi-sólido), cápsulas (invólucro gelatinoso), pérola LÍQÜIDOS: Soluções, xarope, elixir, suspensão ( agitar antes de usar ), colírio, tintura,emulsão ( combinação de dois líquidos que não se misturam totalmente ), GASOSOS: Aerossol, vapores, gasosos SEMI-SÓLIDOS: Pomadas, cremes, geléia. DROGAS IRRADIANTES: Cobalto, césio, raios laser, iodo radioativo.

Quando um fármaco modifica a ação do outro. Um fármaco pode diminuir ou potencializar a ação do outro. Pode alterar a forma como um fármaco é absorvido. SINERGISMO:Quando o efeito de dois fármacos combinados é maior que quando dados separadamente.

ANTAGONISMO:Há antagonismo entre 2 drogas quando a intensidade do efeito de uma é reduzida pelo efeito da outra.

A absorção do medicamento ocorre quando esse atravessa barreiras até atingir a circulação sanguínea.. Pode ser definida como o transporte da droga do local de absorção até a corrente sanguínea.

São considerados fatores importantes na absorção:

IDADE:Os idosos por terem função hepática diminuida, menos massa muscular, função renal diminuida – precisam de doses menores com espaços maiores para evitar intoxicação.

RECEM- NASCIDO:tem função renal inadequada, sistema metabólico diminuido. É necessário que se faça dosagem individualizada e monitoração cuidadosa.

OUTROS: inanição, cardiopatas, alteração de função renal e hepática, etc.

MEDICAMENTOS. OS FÁRMACOS LIPOSSOLÚVEIS SÃO MELHOR ABSORVIDOS
materno, outros

As principais vias de eliminação dos medicamentos são: rins, pulmões, sistema hepatobiliar, suor, saliva, leite ABSORÇÃO DO MEDICAMENTO

A absorção do medicamento ocorre quando esse atravessa barreiras até atingir a circulação sanguínea.. Pode ser definida como o transporte da droga do local de absorção até a corrente sanguínea.

São considerados fatores importantes na absorção:

IDADE:Os idosos por terem função hepática diminuida, menos massa muscular, função renal diminuida – precisam de doses menores com espaços maiores para evitar intoxicação.

RECEM- NASCIDO:tem função renal inadequada, sistema metabólico diminuido. É necessário que se faça dosagem individualizada e monitoração cuidadosa.

OUTROS: inanição, cardiopatas, alteração de função renal e hepática, etc.

MEDICAMENTOS. OS FÁRMACOS LIPOSSOLÚVEIS SÃO MELHOR ABSORVIDOS
materno, outros

As principais vias de eliminação dos medicamentos são: rins, pulmões, sistema hepatobiliar, suor, saliva, leite TOLERÂNCIA E DEPENDÊNCIA

A administração prolongada e repetida de um medicamentos resulta em tolerância. Essa ocorre quando o organismo adapta-se à contínua presença de drogas.

O termo resistência é utilizado para descrever a situação em que uma pessoa não mais responde satisfatóriamente a um medicamento. Ex: pode ser um antibiótico, um antiviral, um quimioterápico.

A dependência se relaciona com uma necessidade física ou psicológica de um medicamento pelo paciente. REGRA DOS 5 CERTOS PARA ADMINISTRAR MEDICAMENTO

- MEDICAMENTO CERTO ( compare o nome da substância - prescrita com o nome impresso no rótulo do frasco).

- DOSE CERTA ( nunca altere a dosagem prescrita).

- PACIENTE CERTO ( pergunte o nome do paciente, não o induza a responder o que você queira).

4. VIA CERTA ( a via pela qual um medicamento é administrado afeta a velocidade com que ele é absorvido na corrente sanguínea).

- HORA CERTA ( evite alterar horário de medicamentos).

- REGISTRO CERTO: O sexto certo foi acrescentado para oferecer maior segurança ao administrar o medicamento

Esteja atento para evitar erros, assegurar que o paciente está recebendo o correto. Valorize os comentários do paciente.

REGRA DOS 5 CERTOS PARA ADMINISTRAR MEDICAMENTO

- MEDICAMENTO CERTO ( compare o nome da substância - prescrita com o nome impresso no rótulo do frasco).

- DOSE CERTA ( nunca altere a dosagem prescrita).

- PACIENTE CERTO ( pergunte o nome do paciente, não o induza a responder o que você queira).

4. VIA CERTA ( a via pela qual um medicamento é administrado afeta a velocidade com que ele é absorvido na corrente sanguínea). HORA CERTA ( evite alterar horário de medicamentos). REGISTRO CERTO: O sexto certo foi acrescentado para oferecer maior segurança ao administrar o medicamento

Esteja atento para evitar erros, assegurar que o paciente está recebendo o correto. Valorize os comentários do paciente.

O QUE DEVE CONTER: nome do paciente, data, nome do medicamento,, dosagem,via de administração, horário de administração, assinatura do médico.

TIPOS DE PRESCRIÇÃO: Única : quando o medicamento deve ser administrado uma única vez. 2. Imediata: quando o paciente deve receber o medicamento imediatamente após a prescrição. 3. Prescrição SN: permite administrar o medicamento quando o paciente necessitar dele. Ex: analgésicos 4. Prescrição verbal ou telefônica: recomenda-se evitá-las, por ter risco de comunicação errônea – Se ocorrer anote no prontuário do paciente todos os detalhes da prescrição, do porque o médico prescreveu assim e assine.

FATORES IMPORTANTES RELACIONADOS AS VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTO - A administração oral de um medicamento é o método mais comum de prescrição de um fármaco, mais segura, mais econômica.

- A administração sublingual é o método mais rápido de absorção oral, fator essencial no caso de determinados fármacos – ocorre isso porque a drenagem da boca dá direto para a veia cava superior.

- A via subcutânea não pode ser usada quando a solução é irritante para o tecido – nessa via a absorção é mais lenta. - A via intravenosa é mais precisa e rápida para atingir a concentração desejada do fármaco no sangue.

- A via intramuscular: nessa via a absorção depende do fluxo sanguíneo no local da injeção

- Pela via inalatória a absorção é quase que instantânea para o sangue.

- Na via tópica: mucosas: absorção imediata. Ex: anestésicos.

A penetração do medicamento na pele íntegra é mais difícil. Somente em pele com abrasão ou inflamação ocorre a absorção mais fácilmente, por causa do aumento do fluxo sanguíneo.

5 CUIDADOS QUE SE DEVE TOMAR AO ADMINISTRAR MEDICAMENTOS

- Algumas substâncias podem ser alteradas pela temperatura, ar, luz, umidade. – no caso da luz devem ser conservadas em frascos escuros. - Alguns medicamentos precisam ser cobertos com folhas metálicas, para bloquear a luz durante a infusão.

- Conforme exigido por lei, mantenha narcóticos e substâncias controladas em armários trancados.

- Sempre observe a data de validade do medicamento e verifique o rótulo do medicamento pelo menos 3 vezes antes de pô-lo no copo.

- No caso de medicamento em pó liofilizado ( que deve ser reconstituido), rotule o frasco com a sobra e a data/hora e concentração inicial – nunca administre um medicamento que não foi adequadamente rotulado depois de reconstituido. - Certifique-se que o paciente não tenha alergia a algum medicamento.

- Nunca se afaste de uma bandeja de medicamento ao prepará-la.

- Permaneça com o paciente até que ele tome todo o medicamento e nunca deixe doses de medicamento ao lado do leito do paciente - •Administre apenas os medicamentos que você preparou pessoalmente.

- Quando administrar um medicamento oral, peça ao paciente que beba um copo de água.

- Registre a administração do medicamento, e possíveis reações
Comprimento Æ centímetro (cm)VolumeÆ litro ( l ) e mililitro ( ml )

É calcular a quantidade de medicamento a ser administrada para que o paciente receba a medicação na dosagem prescrita, no tempo certo. Para isso teremos muitas vezes que lançar mão do sistema de medida, pesagem e hora. Massa Æ grama (g) Tempo Æ segundo (s) Não se pode esquecer que as unidades mais usadas são: massa, volume, capacidade, comprimento, tempo. EXEMPLO: a) Medidas de massa como o quilo – Para medidas sólidas e secas b) Unidades de volume como o metro cúbico e a de capacidade como o litro – Usada para medidas líquidas. c) Unidade de comprimento – é o metro d) Unidade de tempo – contada em segundo

MEDIDA CASEIRAEQUIVALÊNCIA
20 GOTAS1ml = 1cm³
60 gotas1 colher de café = 3 ml
02 colheres de chá1 colher de sobremesa
01 colher de chá5 ml
01 colher de sobremesa10 ml
01 colher de sopa15 ml

Frequentemente se utiliza o sistema caseiro de medidas tanto de peso como de volume.

Observação:Na medida do possível deve-se dar preferência às medidas fornecidas pelos laboratórios.

AS UNIDADES DE MASSA MAIS USADAS NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE SÃO: quilograma, grama, miligrama, micrograma;

1 tonelada ................................... 1000Kg Æ 1000000g

1 quilograma (Kg )1000g
1 miligrama0,001 g

6 Ex: Para transformar 500 mg em g = 0,500 = 0,5 g ( é só andar 3 casas para a esquerda ). 1 hora Æ 60 min Æ 60 seg

Dois fatores devem ser considerados para calcular a velocidade de gotejamento de uma solução a ser administrada: - Volume total da solução a administrar

OBSERVAÇÃO: sempre transformar o volume em gotas e as horas emOBSERVAÇÃO: sempre transformar o volume em gotas e as horas em
OUTRA FÓRMULA:Nº gotas = volume ( ml ) x 20 / hora x 60 OUTRA FÓRMULA: Nº gotas = volume ( ml ) x 20 / hora x 60

- Total de tempo Utilizando a fórmula: CALCULANDO GOTAS •Calcular o total de gotas a serem administrados / minuto DADOS: 1 ml = 20 gotas tempo: tem que ser transformado em minuto em minuto Minuto. Minuto.

. Tipo de medicamentoVolume e viscosidade da droga
. Profundidade do tecidoTamanho do paciente 21

TERMO PARENTERAL: Refere-se a todas as vias de administração de medicamentos, exceto a oral e enteral. EQUIPAMENTO USADO: 1- Seringas: tem o cilindro e o êmbolo ( retira e instila o medicamento). O tamanho da seringa é medido em: ml, cm³, unidade. Tamanho varia de 1 a 60ml. 2- Agulhas: tem vários comprimentos – vai depender da profundidade da instilação ( o comprimento da agulha varia de 6,3mm a 7,6cm ); As agulhas mais longas (25,4mm a 37,9mm) são usadas para IM. CALIBRE DA AGULHA: refere-se ao seu diâmetro ou largura, quanto menor o número, maior o diâmetro : os mais comuns são: 5,6,7,8,9,10 m. COMO SELECIONAR UMA SERINGA E AGULHA ADEQUADAS:

13x4,51 ml INTRADÉRMICA

25x7 25x8 3 e 5 mlINTRAMUSCULAR

13x4,5 até 1 ml SUBCUTÂNEA

1 mlINSULINA 13X4,5 Requisitos básicos para administração parenteral

- Drogas estéreis - Serem líquidas

- Estarem isentas de substâncias pirogênicas

- Os materiais para o preparo devem estar estéreis ou de preferência serem descartáveis

- A administração tem que ser lenta.

- Infecção local: sinais flogísticos: edema, vermelhidão, calor local, dor – pode ter pus. - Infecção generalizada: microorganismos na corrente sanguínea (septicemia)

- Má absorção da droga: formação de massa palpável ( nódulo).

- Estresse emocional

- Trauma tissular: injeções repetidas no mesmo local, musculatura hipotrófica, local impróprio, etc.

- Fenômenos alérgicos: susceptibilidade do indivíduo ao produto.

- Reação local: fenômeno de Arthus: reação provocada por injeções repetidas no mesmo local, caracterizada por infiltração, edema, hemorragia e necrose no ponto de inoculação.

Reação geral: choque anafilático ( dilatação vascular, congestionamento da face, palidez, vertigem, agitação, ansiedade, tremores, cianose, edema de glote podendo chegar até a morte.

- Selecione seringa e agulha - Quebre a ampola na direção contrária a do seu corpo ( proteja os dedos com algodão ou gaze.

- Insira a agulha na ampola e aspire a medicação.

- Proteja a agulha.

- Retire a parte metálica que protege a tampa de borracha - Complete a seringa com volume de ar igual ao que será tirado do frasco e injete nele ( para aumentar a pressão no interior do frasco). - Isso facilitará a retirada do medicamento

- Inverta o frasco, segure firme e puxe o êmbolo tirando a quantidade exata do medicamento.

- Retire a agulha do frasco, já com o medicamento na seringa e a proteja. RECONSTITUIÇÃO DO MEDICAMENTO É o processo de adição de líquido, conhecido como diluente, a uma substância em pó – (água estéril ou soro fisiológico). Rolar o frasco entre as mãos facilita a dissolução do medicamento em pó, deve estar sem agulha

- Intradérmica (ID) : feita entre as camadas da pele. - Subcutânea (SC): feita sob a pele, mas acima do músculo

(Parte 1 de 3)

Comentários