administraçao de medicamentos

administraçao de medicamentos

(Parte 2 de 3)

- Intramuscular (IM): no interior do tecido muscular

- Endovenosa (EV): o medicamento é instilado na veia.

É a introdução do medicamento direto no músculo, devido a absorção ser mais rápida. TÉCNICA: a agulha é inserida na pele formando um ângulo de 90º, alcançando o tecido muscular. - Administrar até 3 ml do medicamento ( variando de 2 a 5 ml ).

- Quadrante superior externo da região glútea ( músculo glúteo ): quadrante superior externo da nádegas, identificar bem o local para não causar danos no nervo ciático. - Divide a nádega em 4 quadrantes imaginários e faz no quadrante externo superior.

- Região do músculo deltóide: encontra-se na face lateral da parte superior do braço. É o local menos usado dos para IM, poe ser pequeno. É usado em adultos. - TECNICA : medir 4 dedos abaixo do ombro, no meio do músculo, no sentido da largura.

OBSERVAÇÕES - É necessária habilidade e conhecimento da técnica para aplicação correta do medicamento.

- Um risco da injeção IM é a penetração em um vaso sangüíneo, o que pode ser evitado aspirando um pouco antes de injetar a medicação.

- Ao se fazer aplicação no glúteo observar o local de introdução da agulha por haver perigo de se atingir o nervo ciático.

magras, etc

- . Região do vastus lateralis (face ântero-lateral da coxa): Encontra-se no interior da parte externa da coxa, no músculo que dá nome ao local. Grandes enervações e vasos sangüíneos estão ausentes nessa área, o que garante maior segurança. Local preferido para administrar injeções em crianças, pessoas

- A região é encontrada colocando-se uma mão abaixo do trocanter maior, na parte superior da coxa. A agulha é inserida na área lateral da coxa. (distancia de 12 a 15cm abaixo do trocanter maior e, interiomente com a distancia de 9 a 12cm acima do joelho).

- Bandeja contendo; algodão embebido em álcool, recipiente para desprezar o material sujo, medicamento prescrito. - Método: conferir nome do paciente, medicação, dosagem, vias de administração e horário.

- Lavar as mãos.

- Preparar o medicamento: agitar a ampola, limpar o gargalo, montar seringa com agulha.

- Aspirar medicamento.

- Explicar o procedimento ao paciente, colocando-o na posição certa.

- Anti-sepsia do local.

- Segurar firmemente o músculo com a mão esquerda, introduzir a agulha usando um ângulo de 90º.

- Faça medicação, retire a agulha, fazendo leve compressão e massagem no local.

- Checar a medicação.

• Introdução de pequena quantidade de líquido na camada dérmica. • Normalmente usadas com propósitos diagnósticos. (testes de alergia)

• São usados pequenos volumes, no máximo 0,05 ml injetados.

• Os locais mais indicados são a face interna do antebraço, e região escapular.

• equipamento é uma seringa de no máximo de 1ml e calibrada em 0,01 ml, com agulha de calibre 13 x 4,5 – seringa de tuberculina é a usada. – o medicamento tem que ser feito em pequena profundidade.

• Técnica: limpe a área com algodão embebido em alcool, deixe a pele secar (para evitar irritação), segure o braço e estique a pele ( ajuda na penetração da agulha ). Segure a seringa quase paralela à pele ( ângulo de 10º a 15º, com o bisel apontado para cima, inserir a agulha.

• Não massageie a área após a injeção.

• É a administração do medicamento no tecido subcutâneo. • medicamento instilado entre a pele e o músculo é absorvido mais lentamente que nas injeções IM.

• volume é em geral de até 1 ml.

• A via costuma ser usada para a administração de insulina e de heparina.- no caso da heparina se fizer lentamente pode causar menos desconforto.

• Os locais mais usados são parte superior do braço, coxa, abdomen, costas.

• material usado é uma seringa para insulina, com agulha calibre 13 x 4,5, bolas de algodão umedecidas em álcool, lavar as mãos, explicar o que vai ser feito -

• Técnica: em uma pessoa de peso médio usa-se um ângulo de 90º; aspirar, injetar a medicação, retirar a agulha; nas aplicações de insulina não fazer massagem, anotar a medicação feita, guardar o frasco de insulina na geladeira. Em pessoas mais obesas usar ângulo de 45º.

A insulina é um hormônio administrado por injeção subcutânea. Uma seringa de insulina comporta um volume até 1 ml, mas é calibrada em unidades. Os pacientes que necessitam de insulina recebem uma ou mais injeções diária.

A heparina é uma droga anticoagulante, podendo ser feita por via SC ou EV, conforme prescriçao médica. São usadas seringas de tuberculina pelo fato da dosagem ser pequena. A agulha deve ser trocada após ser usada para retirar a dosagem de um frasco com dose múltipla, devendo ser distribuida por outra para administração.

Fazer rotatividade no local das injeções – colocar compressa gelada no local da injeção para fazer vasoconstrição. O êmbolo não deve ser aspirado uma vez a agulha no local. – massagens locais são contra indicadas.

CONCEITO: É a administração de medicação através de um acesso venoso, feito através de venopunção. As vias podem ser periféricas (feita por enfermeiros) ou centrais.

MOTIVO DA ESCOLHA DA VIA: • Necessidade de reação rápida numa emergência;

• Quando a doença afetar a absorção ou o metabolismo do medicamento (ex.: paciente com queimadura grave.);

• Evitar desconforto das outras vias de injeção;

• Quando a droga precisa ser mantida num nível terapêutico;

• Quando a terapia medicamentosa for prolongada. CATÉTER PARA VENOPUNÇÃO:

• Os cateteres podem ser adquiridos em diversos diâmetros ou calibres.

• Quanto maior o número do calibre, menor o diâmetro.

• O diâmetro deve ser sempre menor do que a veia, onde vai ser inserido.

•Material também usado: luvas, garrote, algodão com solução anti-séptica, fita adesiva para prender a agulha.

• As veias da mão e do antebraço são as mais usadas para venopulção, as do couro cabeludo são utilizadas no caso de bebês e crianças pequenas.

- Examine os locais para punção - Trazer o material que será usado: fita adesiva, cateter, butterfly ( escalpe) algodão com solução anti-séptica.

- Colocar o paciente de forma adequada e confortável.

- Lavar as mãos.

- Aplique o garrote 5 a 10 cm acima da veia a ser utilizada, isso distenderá a veia.

- Faça anti-sepsia e espere secar.

- Ponha luvas

- Posicione o cateter de venopunção com o bisel para cima a um ângulo de 45º e puncione.

- No caso de abocath, espere aparecer o sangue e acabe de inserir a agulha.

- Solte o garrote e conecte o equipo, prendendo o cateter com agulha

INFUSÃO CONTÍNUA: É a instilada durante várias horas – método também chamado de gotejamento contínuo. INFUSÃO INTERMITENTE: É aquela em que a medicação EV é dada em um intervalo de tempo curto. Pode ser feita:

•Em BOLUS: o termo refere-se a uma substância que é dada toda de uma vez. É aquela em que um medicamento não diluido é dado todo pela veia – o termo IMPULSO é utilizado para descrever uma administração em bolus – a administração é feita através de um orifício de entrada em um equipo já existente.

•INFUSÃO SECUNDÁRIA: envolve a administração de uma droga que foi diluida em um volume pequeno de solução ( 50 a 100 ml – durante 30 a 60 min ). CATETER VENOSO CENTRAL É um dispositivo de acesso venoso que vai até a veia cava ou o átrio direito. É usado quando: o medicamento vai ser usado a longo prazo, quando a medicação EV está irritando as veias periféricas, quando a inserção do cateter periférico está difícil. O CATETER pode ter um único ou múltiplos lúmens: cada um infunde através de canal separado e sai do cateter em um local diferente. As medicações não interagem uma com as outras. Um lúmen não utilizado pode ser fechado e mantido desobstruido através de irrigação programada com solução salina ou heparina.

• As drogas podem ser deglutidas ou instiladas numa sonda. • Os medicamentos são absorvidos pelo trato gastrointestinal.

• Os medicamentos podem estar em forma líquida ou sólida.

• medicamento pode estar revestido por uma substância que sómente dissolve depois de passar pelo estômago (não mastigar, triturar, não cortar).

• medicamento também pode ser dado sublingual.

• A administração deve ter um horário pré-determinado ( ex: 4 vezes por dia- 8 12 16 20)

• Planeje administrar o medicamento dentro de meia a uma hora no horário programado.

• Faça o preparo seguro da droga.

TÉCNICA • Lave as mãos

• Leia e compare o rótulo do medicamento com a prescrição ( 3 vezes), para garantir o medicamento certo.

• Confira a prescrição da dosagem

• Evite tocar no medicamento.

• Derrame o líquido do lado contrário ao rótulo.

• Coloque a medida exata.

• Coloque o paciente sentado ( facilita a deglutição)

• Identifique o paciente antes de dar o medicamento (paciente certo)

• Coloque água num copo e ofereça (antes e depois)

• Ingerir o medicamento um de cada vez ( evitar asfixia )

• Permaneça com o paciente até o medicamento ser deglutido)

• Recoloque o paciente em posição de conforto

• Anote a medicação dada • Avalie a reação do paciente

• medicamento sempre deve ser trazido até o leito

• Dê a droga apenas que você preparar

• Não deixar o remédio no quarto.

ORIENTAÇÕES: • Usar medicação líquida (para não obstruir a sonda )

• Adicione de 15 a 60 ml aos medicamentos mais espessos (facilita administração)

• Misture cada droga em separado com um mínimo de 10 a 30 ml de água.

• Use água morna ao misturar drogas em pó ( facilita diluição )

• Fure a extremidade de uma cápsula gelatinosa e aperte ou aspire com agulha e seringa

• Triture os comprimidos ( facilita a absorção )

• Interrompa a alimentação via sonda durante 15-30 min antes da administração de medicação e após a mesma ( facilita a ação terapêutica da droga )

• Lave as mãos antes do procedimento

• Prepare cada medicamento separadamente.

• Coloque o paciente em fowler ( evita o refluxo gástrico )

• Ponha luvas ( evitar contato com secreções )

• Adapte a seringa e instilar 15 a 30 ml por gravidade ( enxaguar a sonda antes da medicação.

• Aplique suave pressão com o êmbolo da seringa se o medicamento não fluir com facilidade

• Entre cada medicação injetar 5 ml de água ( evitar interação das drogas )

• Injetar 30 ml de água após todas as drogas terem sido injetadas.

• Feche a sonda por 30 min e mantenha a cabeceira da cama elevada ( evitar refluxo do medicamento )

• Observe o abdome após administração, presença de naúseas e vômito )

1- Os medicamentos são aplicados na pele ou na mucosa 2- As drogas podem ser aplicadas interna ou externamente 3- O efeito pode se local ou sistêmico

Gotas, unguento

Spray, unguento Olho nariz

Oftálmica nasal

Gotas, irrigação ouvido auditiva

No retoretal

Supositório, irrigação duchaNa vaginavaginal pastilhaEntre as maçãs do rosto e bucal

Comprimido, spray Sob a línguasublingual

Unguento, creme, loção, pele cutânea

São aquelas que as drogas são friccionadas na pele ou colocadas em contato com ela Exemplo: pomadas emplastros unguentos

APLICAÇÃO DE UM UNGUENTO: Unguento é um medicamento incorporado a um agente transportador, podendo ser uma pomada, óleo, loção ou creme, e passado na pele.

TÉCNICA DE APLICAÇÃO: •Lave as mãos

•Ponha luvas ( caso sua pele ou do paciente não estejam íntegras ).

•Limpe a área de aplicação com água e sabão (promover absorção )

•Aqueça o unguento caso ele venha a ser aplicado em área sensível ( promove conforto)

•Agite o conteúdo de unguentos líquidos ( facilitar mistura )

•Aplique na pele com a ponta dos dedos, com uma bola de algodão ou gaze

•Friccione na pele

•Aplique calor local na área , se desejado ( facilita absorção )

1- método de aplicação de uma droga sobre a pele 2- a droga será absorvida passivamente 3- a droga migra através da pele e chega à corrente sanguínea

EXEMPLO: a)pomadas: São aplicadas e não esfregadas São passadas com papel ou aplicador de madeira Não se deve tocar com os dedos ( reduz o efeito da droga ) O papel é fixado Variar os locais de aplicação

1- É a aplicação de medicamento sobre a membrana da mucosa dos plhos ( conjuntiva ) 2- Pode ser em gotas ou pomadas 3- Pedir ao paciente para piscar os olhos em vez de esfregar para distribuir o medicamento 4- Posicione o paciente com a cabeça inclinada para trás e para o lado do olho que será Colocado o medicamento 5- Limpe os olhos antes de medicar 6- Instile as gotas na conjuntiva ou um faixa de pomada na pálpebra inferior.

1- O medicamento é instilado na porção externa do ouvido. 2- Após a aplicação permanecer um pouco na posição 3- Colocar uma bola de algodão, sem apertar, na orelha

APLICAÇÕES NASAIS •Os medicamentos são aplicados em gotas ou spray no interior do nariz

•Os sprays se usados com muita frequência podem edemaciar a mucosa do nariz •Coloque o paciente sentado com a cabeça inclinada para trás

•Oriente para respirar pela boca, enquanto as gotas são instiladas

•Se for em spray, colocar a extremidade do recipiente dentro da narina, ocluindo a narina oposta, orientando para que aspire enquanto o medicamento é apertado

•Repita o mesmo procedimento na narina oposta

•Permanecer na posição por 5 min VIA INALANTE

Os inaladores são dispositivos manuais para administrar medicamentos nas vias respiratórias. Cada vez que o recipiente de medida é comprimido, libera uma dosagem calculada da droga em aerossol. Não engolir o medicamento Enxaguar o inalador após uso

• Introdução na vagina de líquidos ou medicamentos • Lavagem vaginal: indicada para drenar secreções vaginais anormais

• Aplicação de pomadas: feita com aplicador próprio, lubrificar a ponta do aplicador com vaselina

• Nos procedimentos calçar luvas, colocar a paciente em posição ginecológica, fazer higiene íntima antes

• Após aplicar pomadas deixar em decúbito dorsal por 15 minutos

Consiste na aplicação de calor sobre a pele: • Calor seco por meio de bolsa de água quente, bolsas elétricas, raios infravermelhos.

• Calor úmido: Por meio de compressas quentes

FINALIDADE DA APLICAÇÃO • Relaxar a musculatura

• Aquecer o paciente

• Aumentar a circulação no local da aplicação

• Aliviar a dor

CONTRA-INDICAÇÃO • Hemorragias

• Lesões abertas e feridas cirúrgicas

• Fenômenos tromboembolíticos nos membros inferiores

• Hemofilia ou fragilidade capilar

Material: Bolsa de borracha, fronha ou toalha. Técnica: Por água quente na bolsa, colocar em superfície plana e expelir pelo gargalo o excesso de ar e água, fechar a rolha, secar a bolsa, colocá-la dentro da fonha, aplicar na região indicada

COMPRESSAS QUENTES : PODEM ALIVIAR A DOR Material: Compressas, bacia com água quente, toalha impermeável. Técnica: Forrar a cama com o impermeável e a toalha, colocar as compressas dentro da água quente e torcê-las, colocar compressa na região indicada, repetir procedimento por 15min., secar a região e envolver com toalha ao terminar as aplicações, observar temperatura da água para não provocar queimaduras.

É a aplicação de frio sob a forma de: - Frio seco: bolsa de gelo

- Frio úmido: compressas úmidas

- diminuir hipertermia - Diminuir dor

- Estancar hemorragia

- Diminuir processos inflamatórios

- Diminuir dor e edema nas luxações ou contusões

- Paciente com estase circulatória - Paciente desnutrido

Material: Bolsa de gelo, fronha e cuba com pedras de gelo Procedimento:

• Encher a bolsa com pedaços de gelo até a metade;

• Retirar o ar e fechar

• Colocar a bolsa numa fronha

• Aplicar num local indicado

• Deixar o tempo necessário, renovando quando o gelo derreter

Material: Bacia com água gelada ou gelo, compressas, toalhas. Procedimento:

(Parte 2 de 3)

Comentários