Ergonomia em ambiente pré-hospitalar: fator de risco à saúde do trabalhador no serviço de atendimento móvel de urgência

Ergonomia em ambiente pré-hospitalar: fator de risco à saúde do trabalhador no...

(Parte 1 de 2)

Santos Júnior BJ, Silveira CLS, Araújo EC de. Ergonomics in prehospital environment: risk factor for... Rev Enferm UFPE On Line. 2009;3(2):204-207 204

Bartolomeu José dos Santos Júnior1, Cibele de Lima Souza Silveira2, Ednaldo Cavalcante de Araújo3

Objective: to examine the working conditions and ergonomics for health workers in the Service of Mobile Emergency Attendance (SMEA)/Recife, Pernambuco, Brazil. Methods: this about a descriptive study, cross-sectional, from quantitative approach. The population is composed by the nursing staff and the sample will be defined according the following eligibility criteria: 1) all employees of the nursing team involved in Service of Mobile Emergency Attendance (SMEA)/Recife, Pernambuco, Brazil; 2) to be both gender; 3) all the workers with experience at least one year of work in that institution. It will applied the standard questionnaire checklist for data collection. Expected results: to contribute to further studies can be made to the understanding of relations between labor and health-disease process. Descriptors: Ergonomics; Risk factor; Occupational health; Nursing.

Objetivo: analisar as condições de trabalho e a ergonomia como fatores de risco à saúde dos trabalhadores do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência ― SAMU/Recife, PE. Métodos: estudo descritivo e exploratório, transversal, de abordagem quantitativa. A população será composta pela equipe de enfermagem e a amostra será definida após atendimento dos seguintes critérios de elegibilidade: 1) todos os trabalhadores da equipe de enfermagem envolvidos no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência ― SAMU/Recife, PE; 2) ser de ambos os sexos; 3) pelo menos um ano de experiência de trabalho na referida instituição. Será aplicado questionário do tipo checklist, para a coleta de dados. Resultados esperados: contribuir para que novos estudos possam ser realizados visando à compreensão das relações entre o trabalho e o processo saúde-doença. Descritores: Ergonomia; Fator de risco; Saúde do trabalhador; Enfermagem.

Objetivo: examinar las condiciones de trabajo y la ergonomía para los trabajadores de la salud en el Servicio Móvil de Asistencia de Emergencia (SAMU)/Recife, Pernambuco, Brasil. Métodos: se trata de un estudio descriptivo, transversal, de enfoque cuantitativo. La población está compuesta por el personal de enfermería y la muestra se define según los siguientes criterios de elegibilidad: 1) todos los empleados del equipo de enfermería que participan en el Servicio Móvil de Asistencia de Emergencia (SAMU)/Recife, Pernambuco, Brasil, 2) del gênero masculino y feminino; 3) todos con experiencia de al menos un año de trabajo en esa institución. Se aplicó el cuestionario estándar lista para la recolección de datos. Resultados esperados: contribuir a nuevos estudios se pueden hacer a la comprensión de las relaciones entre el trabajo y proceso salud-enfermedad. Descritores: ergonomía; Factor de riesgo; Salud laboral; Enfermería. Acadêmico do Curso de Enfermagem da Universidade Federal de Pernambuco. Bolsista FACEPE de Iniciação Científica pela Universidade Federal de

Pernambuco. E-mail: bartojunior@hotmail.com Enfermeira. Mestre em Saúde da Criança e do Adolescente pela Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco. Especialista em Saúde da Família, pela Universidade de Pernambuco. Especialista em Enfermagem Médico-Cirúrgica na modalidade de residência, pela Universidade Federal de

Pernambuco. Atualmente é enfermeira da Universidade Federal de Pernambuco e da Prefeitura da Cidade do Recife. E-mail: cibelelsouza@uol.com.br Enfermeiro. Professor Doutor do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil. Pós-doutor pela Université de Sorbonne, Paris, França. E-mail: ednenjp@gmail.com

Artigo elaborado a partir do projeto Ergonomia em ambiente pré-hospitalar: fator de risco à saúde do trabalhador no serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU) – Recife, PE referente ao Trabalho de Conclusão de Curso de Enfermagem da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil. 2009

Santos Júnior BJ, Silveira CLS, Araújo EC de. Ergonomics in prehospital environment: risk factor for... Rev Enferm UFPE On Line. 2009;3(2):204-207 205

No Brasil, informações sobre morbimortalidade em saúde do trabalhador são geradas ainda de forma limitada, fragmentada e heterogênea. Levantamentos estatísticos oficiais não retratam o quadro real de como adoecem os trabalhadores. Há sub-notificação importante no registro do número de acidentes do trabalho e de doenças profissionais no Brasil.1

O Ministério da Saúde, de acordo com a Portaria nº 3.908 de 30 de outubro de 1998, estabelece procedimentos para orientar e instrumentalizar as ações e serviços de saúde do trabalhador no Sistema Único de Saúde (SUS).2

O termo Saúde do Trabalhador refere-se a um campo do saber que visa a compreender as relações entre o trabalho e o processo saúdedoença. A saúde e a doença são consideradas como processos dinâmicos e estão estreitamente articulados com o desenvolvimento produtivo em determinado momento histórico.3

A biossegurança dos profissionais, deve estar de acordo com a Norma Regulamentadora 32(NR- 32)/Portaria no 485 do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que tem como finalidade estabelecer as diretrizes básicas para a implementação de medidas de proteção à segurança e à saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde, bem como daqueles que exercem atividades de promoção e assistência à saúde em geral. Para fins de aplicação desta NR entende-se por serviços de saúde qualquer edificação destinada à prestação de assistência à saúde da população assim como as ações de promoção, recuperação, assistência, pesquisa e ensino em saúde em qualquer nível de complexidade.4

Segundo a Associação Brasileira de Ergonomia

(ABERGO), a ergonomia (ou fatores humanos) é uma disciplina científica relacionada ao entendimento das interações entre os seres humanos e outros elementos ou sistemas, e à aplicação de teorias, princípios, dados e métodos a projetos a fim de otimizar o bem-estar humano e o desempenho global do sistema.5

De acordo com a World Health Organization, a prevenção de lesões no sistema Músculoesquelético deve ser realizada utilizando uma abordagem ergonômica, mediante o melhoramento do ambiente, instrumentos, equipamentos e métodos de trabalho. A ergonomia é a ciência que estuda a adaptação do local de trabalho à demanda do mesmo, avalia os problemas, os riscos e a satisfação; também, adapta o ambiente e as tarefas a serem executadas ao trabalhador. É o ponto de partida para avaliar se uma lesão é ou não relacionada ao trabalho cujas ações rápidas e precisas que caracterizam o atendimento de urgência, exigem do profissional um alto grau de domínio cognitivo, afetivo e psico-motor nas atividades a serem desempenhadas.6-8

A estratégia de transporte ao traumatizado varia de acordo com a situação enfrentada pela equipe de resgate. A presença de perigos no local, o número de socorristas disponíveis, o diagnóstico, a gravidade do paciente e a cena do resgate influenciam o tipo de transporte. Quando se utilizam técnicas incorretas, o paciente pode sofrer um segundo trauma (iatrogênico) e o próprio socorrista lesão muscular ou de coluna vertebral, queimaduras ou choque elétrico.9

Analisar as condições de trabalho e a ergonomia como fatores de risco à saúde dos trabalhadores do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência - SAMU/Recife.

Descrever as características relacionadas ao profissional, como: idade, sexo, categoria profissional, tempo de profissão, jornada de trabalho, acidente ocupacional, uso de equipamentos de proteção individual (EPIs), freqüência do uso de EPIs.

Identificar as condições ergonômicas de trabalho da equipe de enfermagem do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência Samu/Recife.

Identificar problemas músculos-esqueléticos, dentro de uma abordagem ergonômica.

•••• Caracterização do estudo

Estudo descritivo e exploratório, transversal, de abordagem quantitativa, sobre as condições de trabalho e a ergonomia como fatores de risco à saúde dos trabalhadores do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU/Recife, PE.

•••• Local, população e amostra do estudo

O estudo será realizado no Serviço de

Atendimento Móvel de Urgência ― SAMU/Recife – Localizado à Rua Dom Bosco, Sn, Boa Vista ― Recife, PE. O serviço funciona 24 horas por dia.

A população do estudo será composta pela equipe de enfermagem: enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem. A amostra por conveniência será definida após atendimento dos seguintes critérios de elegibilidade: 1) todos os trabalhadores da equipe de enfermagem envolvidos no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência ― SAMU/Recife; 2) ser de ambos os sexos; 3) terem pelo menos um ano de experiência de trabalho na referida instituição.

•••• Instrumento de coleta de dados

Será aplicado questionário do tipo check-list, para a coleta dos dados, contemplando variáveis independentes: idade e estado civil; e, variáveis dependentes: jornada de trabalho e ergonomia, incluindo um mapeamento dos sintomas osteomusculares (algias) nas diferentes regiões corporais (Anexo 1).

Por sua vez, o referido instrumento será validado e testado para se obter maior confiabilidade dos resultados.

•••• Processamento e análise dos dados

O banco de dados será construído com as variáveis de interesse no software Epi-Info, versão 6.04 do CDC - OMS, de domínio público. Após a digitação dupla para validar os dados, serão distribuídos em tabelas e figuras, para então, se iniciar a análise estatística. A primeira e a segunda entradas serão realizadas em momentos distintos e logo em seguida os dados serão validados a partir do VALIDATE sendo a apresentação dos resultados a partir da distribuição das freqüências das variáveis.

INTRODUÇÃO

Santos Júnior BJ, Silveira CLS, Araújo EC de. Ergonomics in prehospital environment: risk factor for... Rev Enferm UFPE On Line. 2009;3(2):204-207 206

•••• Considerações éticas

Este projeto atende às determinações preconizadas pela Resolução nº 196/96 do Conselho Nacional de Saúde (CNS) (10), que normatiza as pesquisas envolvendo seres humanos e só será iniciada a coleta de dados, após aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

A participação neste estudo é inteiramente voluntária e por consentimento informado, os participantes têm o direito de se retirar do estudo a qualquer momento, e pode solicitar que seus dados sejam excluídos, por exemplo, de quaisquer outras publicações relacionadas com o estudo.

•••• Viabilidade

A pesquisa tem grande possibilidade de ser executada, uma vez que a coleta de dados será realizada na própria Unidade de Saúde mencionada. Os participantes receberão esclarecimentos sobre eventuais dúvidas. Não haverá exposição a riscos para a população estudada e nem haverá incompatibilidade de interesses.

1. Alves S, Luchesi G. Acidentes do trabalho e doenças profissionais no Brasil: a precariedade de informações. Informe Epidemiológico do SUS. 1992; 1(3):5-19. [Acesso em 2008 Set 20]. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rsp/v1n3/2232.pdf

2. Brasil. Ministério da Saúde. PORTARIA nº 3.908/GM em 30 de outubro de 1998. Dispõe sobre os procedimentos para orientar e instrumentalizar as ações e serviços de saúde do trabalhador no Sistema Único de Saúde (SUS). [Acesso em 2008 Dez 15]. Disponível em http://www.anvisa.gov.br/legis/portarias/3908_9 8.htm

3. Sarquis LMM, Cruz EBS, Hausmann M, Felli VEA, Peduzz M. Uma reflexão sobre a saúde do trabalhador de enfermagem e os avanços da legislação trabalhista. [Acesso em 2009 Jan 10]. Disponível em http://www.bvsde.opsoms.org/bvsacd/cd49/1409.pdf

4. Brasil. Portaria nº 485, de 1 de Novembro de 2005(DOU de 16/1/05/seção 1). DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Dispõe sobre a aprovação da Norma Regulamentadora nr 32 (Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde). [Acesso em 2008 Dez 20]. Disponível em http://www.mte.gov.br/legislacao/portarias/2005 /p_20051111_485.pdf

5. Estatuto e Regimento da Associação Brasileira de Ergonomia. 2004. [Acesso em 2008 Dez 16]. Disponível em http://www.abergo.org.br/estatuto.htm

6. Reis JN, Correa AK. Unidade de emergência: stress X comunicação. In: Anais do 2º Simpósio Brasileiro de Comunicação em Enfermagem, Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. 1990. p.528-38.

7. Célia RCRS, Alexandre NMC. Aspectos ergonômicos e sintomas osteomusculares em um setor de transporte de pacientes. Rev Gaúcha Enfermagem. 2004; 25(1):3-43. [Acesso em 2009

Out 01]. Disponível em http://www.seer.ufrgs.br/index.php/RevistaGauc hadeEnfermagem/article/viewFile/4492/2429

8. World Health Organization. Identification and control of work-related diseases. Geneva. (Technical Report Series; 714).71 f. 1985.

9. Figueiredo JRM, Mannarino L, Canetti MD, Prates MR, Souza CP. Emergência: condutas médicas e transporte. 3ªed. Rio de Janeiro (RJ): Revinter; 1996. [Acesso em 2009 Dez 01]. Disponível em http://www.cdof.com.br/socorros.htm

10. Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 196, de 10 de outubro de 1996. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 1996.

1. Gobbi GB. Sintomas músculo-esqueléticos relacionados ao trabalho em cirurgiões-dentistas [dissertação]. Campinas (SP): Programa de Pós-

Graduação em Enfermagem − Nível Mestrado em Enfermagem, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas; 2003.

(Parte 1 de 2)

Comentários