Narrativas orais da Ilha de Mosqueiro: memória e significado

Narrativas orais da Ilha de Mosqueiro: memória e significado

(Parte 6 de 6)

PROPP,Vladimir. As transformações dos contos fantásticos. VÁRIOS. Teoria da literatura;

formalistas russos. Porto Alegre,Globo, 1971.

______________. Morfologia do conto maravilhoso. RJ: Forense-Universitária, 1970.

ROCHA, Cândido Marinho. Ilha, capital Vila. Belém, Falangola Editora, 1972.

QUADROS, Lília de Souza. A chuva e a origem da humanidade sob o olhar mítico dos índios

suruí e parakanã. TCC.UNAMA, Belém, 2005.

RODRIGUES, Alcir de Vasconcelos Alvarez. O fantástico em “A caçada”: conto de Lygia

Fagundes Telles. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal do Pará, Be-

lém,1990.

RODRIGUES, Selma Calasans. O fantástico. São Paulo, Ática, 1988. 77 p.

SILVA, Vítor Manuel de Aguiar e. Teoria da literatura. 4. ed. Coimbra, Livraria Almedina,

1982. v. 1, 783 p.

SIMÕES, Maria do Socorro & GOLDER, Christophe (organizadores). Abaetetuba conta...

Belém, Ed. Cejup; UFPa, 1995. 200 p.

________________________________________________________. Belém conta... Belém,

Ed. Cejup; UFPa, 1995. 191 p.

________________________________________________________. Santarém conta... Be-

lém, Ed. Cejup; UFPa, 1995. 152 p.

SODRÉ, Muniz. A ficção do tempo: análise da narrativa de sciece-fiction. Petrópolis, Vozes,

1973. 126 p

STRAUSS, Claude Lévi-. Antropologia estrutural dois. 5ª ed. RJ, 1996.

_____________________. Mito e significado. Perspectivas do homem 70, 1978.

_____________________. O pensamento selvagem. 2ª ed. SP: Papirus, 1997.

T ODOROV, Tzvetan. A narrativa fantástica. In: As estruturas narrativas. 2. ed. Trad.

Moysés Baumstein. São Paulo, Perspectiva, 1970. 205 p.

THOMPSON, Paul. A voz do passado: história oral. RJ, Paz e Terra, 1992.

_________________. Introdução à literatura fantástica. Trad. Maria Clara C. Castello. São

Paulo, Perspectiva, 1975. 188 p.

VERIANO, Pedro. Cinema no tucupi. Belém: SECULR, 1999. 92p.

WANZELLER, Claudionor dos Santos. Mosqueiro: lendas e mistérios. Belém, Grupo RBA,

2005.

Referências eletrônicas

http://es.wikipedia.org/wiki/mitema (20.12.2005)

www.bahiatursa.ba.gov.br/guia/rot-7/marau.htm (02.02.2006)

www.gargantadaserpente.com/sagrada/index.shtm (08.02.2006)

www.literaturafantastica.hpg.ig.com.br/resenhas.htm (10.11.2005)

www.mosqueiro.com.br (01.01.2006)

1 Revista Comunicação e cultura de massa 19/20, sem data, págs. 173/74.

2 O bloco organizado das 7 nações economicamente mais ricas e desenvolvidas do planeta, que determinam as relações de poder no espaço mundial: EUA, Japão, Inglaterra, Alemanha, França, Itália e Canadá.

3 Famosa cantora de Música Popular Brasileira (1945 – 1982).

4 O homem ordinário, segundo Freud, citado por Michel de Certeau, em A invenção do cotidiano, pág. 61.

5 Segundo o Próprio Lévi-Strauss, estruturalismo seria “[...] a busca de invariantes ou elementos invariantes entre diferenças superficiais” (1978: 20).

6 Segundo a revista Ilhas amazônicas pág.11, ‘moqueio’ significa “[...] técnica tradicional onde (sic!), sobre uma grelha feita com pau de tucumã e envolta ma folha de guarumã, a carne fica exposta a um fumeiro feito com a lenha do murucizeiro ou do maraximbé”.

7 Revista Ilhas amazônicas, pág. 11.

8 Conforme o IBGE, a população residente é estimada em 30.000 habitantes (Ilhas amazônicas, pág. 7).

9 Conforme Meira Filho (1978: 37), Mosqueiro foi elevado à categoria de Freguesia em 1868, depois Vila em 1895 e, finalmente, Distrito de Belém, em 1901.

10 Ainda segundo a revista Ilhas amazônicas, pág. 20.

11 Criado recentemente, acessado em 01.01.2006.

12 Conforme Brandão & Dantas (2004: 64), caruaras são: ”Doenças, males ou enfermidades: cólera, sarampo, varíola, reumatismos; talvez causada por mau-olhado, quebranto.”

13 Site www.bahiatursa.ba.gov.br

14 Montarias são pequenos cascos aos quais se acrescentam, na parte de cima, tábuas de louro (farcas), para que possa suportar maior carga.

15 O Sr. Brígido tem deficiência física em uma perna, causada por poliomielite, por não haver vacinação contra a doença ‘naquela época’.

16 Inglês de Sousa (1853-1918), que dá nome à atual Escola Estadual de Ensino Fundamental Inglês de Sousa, é escritor paraense, de Óbidos. É autor de obras significativas para o Realismo-Naturalismo brasileiro: História de um pescador (1876), O cacaulista (1876), O coronel Sangrado (1877), O missionário (1888) e Contos amazônicos (1892). Teve a primazia de introduzir o Naturalismo em nossa literatura, pois já praticava seus pressupostos em suas primeiras obras, as duas de 1876, enquanto o livro de Aluísio de Azevedo, O mulato (que oficialmente introduz tal estilo literário nas letras nacionais), data de 1881.

17 Meira Filho (1978: 88); C. Wanzeller (2005: 14); e Brandão (2006: 10).

18 Conforme Brandão & Dantas (2004: 65), fábrica de refino de óleos vegetais construída em 1925 pelos irmãos libaneses José Miguel Bitar e Simão Bitar, mais tarde passando a exportar borracha, após compra de equipamentos mais modernos.

19Exatamente no capítulo “A serpente-guia”, que inicia na pág. 276.

20Para aprofundamento sobre o assunto, sugerimos consulta ao sitewww.gargantadaserpente.com/sagrada/index. shtm .

21 Segundo Houaiss (2004:1363), “s.m. luz que aparece à noite, geralmente emanada de terrenos pantanosos ou de sepulturas, e que é atribuída à combustão de gases provenientes da decomposição de matérias orgânicas; boitatá; bola de fogo; fogaréu”.

(Parte 6 de 6)

Comentários