Diferença Motores de Moto 2 e 4 Tempos

Diferença Motores de Moto 2 e 4 Tempos

Motor 2 ou 4 tempos ? Qual a diferença ?

Os motores se dividem basicamente em dois ciclos, o 2 e 4 tempos. Mas qual a diferença? A diferença esta na construção e no método de funcionamento. A construção dos motores 2T (apesar de hoje os motores 2T estão cada dia mais tecnológicos, como válvulas de exaustão) são muito mais simples do que os motores 4T, porém a preparação dos motores 2T é muito mais complexa do que os 4T.

Motores 2 Tempos Características: Os motores 2T possuem apenas anél(is) de compressão, alguns motores 2T utilizam dois anéis no pistão, outros utilizam um anél. Os motores que utilizam dois anéis, são motores de maior compressão, que trabalha em giro alto, mas permite você ter um ganho bom também em baixa. Já os motores com apenas um anel, é destinada para uso de alto giro, e só alcança sua potência em uma margem extrema, e a baixa saindo bem prejudicada. Antigamente, o grande problema do motor 2T era a falta de potência em baixos regimes, hoje isso foi corrigido através de uma válvula de escape. Como o bem conhecido YPVS da Yamaha, essa válvula muda o diagrama da janela de escape, em baixo giro a válvula fica fechada, disponibilizando um bom nível de potência em baixa, em alta, quando a queima esta excessiva e compressão alta, a válvula se abre, e o motor não perde potência. Sem essa válvula, os engenheiros teriam que escolher entre: "baixa", "média" e "alto" regime. Como no caso das DT180, que a diagramação foi projetada para potência em baixo a médio regime, e por isso tem uma potência reduzida(claro que não é só por isso), já as Agrales(16.5, 27.5, 30.0) foram projetadas para potência em alto regime, desenvolvem bastante potência, mas só depois dos 7.000 rpm. Já as motos 2T com válvula, corrigem esse problema, elas podem ter potência em todos os regimes (mas a válvula não faz milagre, apenas corrige), porém não é 100% perfeita, pois um motor 2T de baixa cilindrada mesmo com válvula, não terá um bom nível de potência em baixa se o mesmo foi projetado para alta. Como ocorre nas CR125, YZ125, já as 250, possuem alta potência em baixa e em alta. A lubrificação dos motores 2T é efetuada apenas com o óleo misturado à gasolina, portanto, o virabrequim gira seco, então a mistura de óleo efetuada deve ser rigorosamente inspecionada, de acordo com óleo 2T você utiliza uma mistura (se referindo a mistura prévia, no caso do autolub, é difícil de calcular), pode ser de 0,5% no caso dos óleos de altíssima perfomance, destinado a motos de competições, 1%, 1,5%, 2%, 3%, e vai aumentando de acordo com o poder de lubrificação doóleo e o trabalho que o motor faz. É aconselhado o uso de óleo sintético, pois a queima é mais homogênea, carboniza menos, polui menos e lubrifica melhor. A preparação dos motores 2T são de extrema complexidade, é praticamente impossível garantir um ganho de potência exato na preparação de um motor 2T. Isso por que a diagramação das janelas é algo muito delicado e "incerto", se você abrir muito a janela de admissão, poderá ter uma boa queima, com uma combustão perfeita e um bom ganho de potência, mas e a exaustão, terá de equalizar, pois a queima resultante precisa sair com velocidade da câmara, se não, todo o trabalho realizado será jogado fora, e então começa os cálculos e muita paciência. Por isso, a preparação de motores 2T através de janelas, só engenheiros mecânicos e ótimos preparadores sabem equalizar. Mas os motores 2T não ganham potência apenas através das janelas, na carburação também, na taxa de compressão, ignição, exaustão. Então é aconselhável "aspirar" um motor 2T ao invés de prepara-lo internamente, pois é mais seguro e rende uns cavalinhos a mais sem complicações. Dicas: Os motores 2T como descrito acima possuem lubrificação apenas com o óleo misturado a gasolina, e essa mistura pode ser feita previamente, adicionando o óleo diretamente ao tanque ou por um sistema automático de lubrificação(AUTOLUB), que envia óleo de acordo com a aceleração. O autolub disponibiliza maior conforto para motos que precisam ser abastecidas com frequência, no caso de uso urbano, porém, no uso off-road é desaconselhado, pois o autolub não possui uma vedação perfeita e possibilita a entrada de terras e eventuais sujeiras que entopem a bomba e bloqueando o envio de óleo para o carburador, consequêntemente, o motor fica sem lubrificação e trava. Motores 2T também tem uma característica acentuada, que é carbonização, depois de um longo tempo de uso, o motor 2T forma cinzas e carvão na cabeça do pistão, cabeçote, velas(as mesmas duram bem menos), curva de escape e ponteira. Por isso é necessário que você faça a descarbonização da sua moto depois desse longo período de uso, lembrando que com o uso de óleo sintético, a carbonização é bem inferior ao uso do óleo mineral. Motors 4 tempos Características: os motores 4 tempos possuem 3 anéis no pistão, o anel de compressão(responsável por vedar a câmara de combustão, sem deixar fugar), o anel de raspagem (retira o execesso de óleo no cilindro, e devolve ao cárter) e o anel de óleo(anel responsável por segurar o óleo, não deixa-lo passar até a câmara de combustão). Possuem também válvulas de admissão e exaustão, a válvula de admissão permite a mistura (ar+gasolina) entrar na câmara de combustão, e a válvula de exaustão libera os gases resultantes da queima da mistura, que é direcionado ao escape. Preparação: a preparação de motores 4T são normalmente certas em relação a ganho de potência, é possível pré determinar uma margem bem próxima ao ganho de potência com a preparação planejada. Nos motores 4T a forma ideal para se ganhar potência é fazer usinagem nos orifícios das válvulas, aumentar a caburação, rebaixar o cabeçote(esse procedimento deve ter atenção redobrada, se preciso, aumente a cavidade das entradas das válvulas no pistão), liberar totalmente a exaustão(escape livre), e se necessário, troque seu sistema de ignição por um mais potente. Em motos atuais, como XR400, DR350, e etc, já possuem kitt para preparação, que aumenta a capacidade cúbica do motor. Nessas motos são aconselhado usar esses kitt ao invés de fazer uma preparação, pois o investimento seria praticamente o mesmo, porém o kit possui peças específicas, que dão maior durabilidade ao conjunto. Dicas: antes de efetuar a compra de uma moto 4T usada, certifique-se se a mesma possui peças originais no motor e se não esta dando fuga de óleo. Bem, para verificar as peças internas do motor, é caro e normalmente é preciso levar no mecânico, quando o proprietário não esta apto para abrir o motor. Mas mesmo assim vale a pena, por exemplo, em uma XLX250, a mão de obra para abrir o motor varia e torno de 150 a 250 reais dependendo da oficina, se a moto custa 1.800 reais por exemplo, você estaria investindo um pouco mais, porém, com segurança. Já a questão de fuga do óleo, é fácil e não custa nada verificar. Basta você acionar o motor da moto, se ela estiver muito tempo parada, é normal que saia um pouco de fumaça visível no começo, mas depois de uns 5 minutos de funcionamento, essa fumaça deve desaparecer, se não desaparecer significa que o motor esta com bastante uso e necessitando de retífica, pois o anel de óleo não esta conseguindo segurar o óleo, e provalvemente o anel de compressão também não esta vedando com eficiência. Mesmo assim há o risco de você estar sendo enganado, se você ainda desconfia de procedência da moto, e ela parece estar funcionando bem, sem fumaça, é aconselhado que você faça uma troca de óleo antes da compra. Se o óleo que sair do cárter estiver grosso, de coloração estranha, e até misturado com casca de bananas e outras coisas para engrossar o óleo, significa que esse motor esta no fim. Pois normalmente proprietários de má índole, costumam fazer isso. É uma forma de não deixar o óleo passar para a câmara de combustão mesmo com as paredes do clindro e anéis gastos. Pois com o óleo grosso, o anel de óleo acaba segurando, o que da impressão do motor não estar ruim, no ponto de queimar óleo. Mas com certeza a compressão esta afetada, pois o anel de compressão estará gasto junto com as paredes do cilindro, o que ocasiona uma fuga enorme de pressão. E se você quiser certificar que a moto esta realmente com o motor ruim, basta colocar óleo novo, e se realmente estiver ruim, a moto começará a queimaróleo. Por isso, fique sempre de olho! 4 TEMPOS SUBSTITUTO DOS 2 TEMPOS? Um dos principais fatores para extinção dos motores 2 tempos são as pressões por parte dos ambientalistas, pois os fumacentos dois tempos emitem um alto teor de gases nocivos ao meio ambiente. Sem duvida esse é um fator que fortalece ainda mais os "ecológicos" motores 4 tempos. Alem disso devemos analisar que 90% do mercado motociclistico em geral é composto por motores 4 tempos e as competições ( que no nosso caso é o que nos interessa!!!) são a vitrine das marcas e campo de prova para o teste de novas tecnologias. Quanto mais estreita for a ligação do consumidor entre as motos de competições e as motos de rua melhor e caso ambas as motos tenham motores 4 tempos maior será a identificação do consumidor. Então porque as fábricas irão gastar verdadeiras fortunas em tecnologia que não será repassada as motos de rua? Também existe um aliado fortíssimo que faz a balança pender ainda mais para o lado das 4 tempos: O esporte e a industria Automobilística. Vamos tomar como exemplo as duas gigantes Japonesas no mercado de motos Honda e Yamaha. A Honda teve sua participação gloriosa na Formula 1 com a sua parceria com a McLaren, e ate hoje se mantém nas duas categorias top do automobilismo Formula 1 e Formula Cart Mundial. Os seus carros também vem obtendo grande sucesso no mercado mundial, sempre obtendo numeros consideraveis de vendas em todos os mercados . A Yamaha teve uma breve passagem pela Formula 1 junto com a equipes Zakspeed, Brabaham, Tyrrel e Arrows. Os resultados não foram gloriosos como os obtidos pela Honda, mas segundo o alto escalão da gigante Japonesa eles atingiram seus objetivos : aumentar a motivação dos Engenheiros e obter novas tecnologias. Alem da Formula 1 a Yamaha desenvolveu motores para Formula 2 e Formula 3000. Também trabalhou com a Toyota, essa parceiria começou em 1965 para o desenvolvimento de um motor seis cilindros para equipar o Toyota 2000 GT sports car e com a Ford, um exemplo foi o esportivo Taurus SHO. Agora pensem esse gasto todo seria a toa? As maiores revoluções técnicasse deram nos motores 4 tempos, sistema de injeção eletrônica , comandos de válvula e coletor de admissão com geometria variável cabeçote multivalvulas ( tecnologia na qual a Yamahaé especialista sendo a criadora do conceito genesis, onde chegou a se testar cabeçotes com 7 válvulas por cilindro!) válvulas eletrônicas no sistema de exaustão (exup, htev etc..) sistema de indução de ar forçado RAM Air. Algumas dessas tecnologias foram criadas nas motos 4 tempos, estão ou estarão em breve nesse tipo de moto, sendo algumas delas inviaveis em motores dois tempos. Mas não é tudo maravilha nas 4 tempos elas tem um maior custo, em todos os sentidos produção , reparos, preparação. Alem disso esses novos motores vão dar algumas dores de cabeça nos preparadores acostumados com o "zumbidores"dois tempos.

PILOTAGEM Ambos os motores apresentam características de pilotagem diferentes e se tratando das motos especificas para o motocross alguns pilotos podem se adaptar mais ou menos com as características de cada motor. A diferença mais marcante é o freio motor, no motocross isso ira mudar principalmente nos saltos onde o piloto devera permanecer mais tempo acelerando durante a entrada do salto antes de aliviar a aceleração. Esse efeito será maior quanto maior for a taxa de compressão do motor, ou seja maior a taxa maior o efeito de freio motor. Os 4 tempos tem se mostrado mais "torcudos" o que lhe da mais vantagem em largadas mas requerem mais atenção em terrenos de baixa aderência. Alem disso os 4 tempos tem mostrado uma curva de potência mais linear, entregando a potência de maneira mais gradual ao contrario dos "explosivos" dois tempos. Os dois tempos ainda apresentam um menor peso em relação as 4 tempos o que sem duvida é uma vantagem. Alguns pilotos acham as 2 tempos mais eficientes em pistas travadas, mas essa característica também é influenciada pela parte ciclistíca da moto. No Freestyle o uncio piloto a participar de competições com uma 4 tempos foi Kenny Bartram que durante um tempo utilizou uma Yamaha YZ 250 F, mas algum tempo depois voltou as 2 tempo. Inclusive alguns pilotos de FMX são declaradamente inimigos das 4 tempos. É difícil prever se as 2 tempos entraram em extinção, mas é certo que cada vez mais a 4 tempos evoluirão, e caso isso aconteça não será de uma hora para outra pois as "fumacentas zumbidoras" 2 tempos tem uma legião de fãs que ainda as manterão em atividade por muito tempo.

Comentários