Cultivo da cana de açucar

Cultivo da cana de açucar

(Parte 1 de 4)

A Cultura da Cana-de-açúcar A Cultura da Cana-de-açúcar

1. Importância

A agricultura brasileira desempenha um importante papel no desenvolvimento do

País, gerando emprego, renda e divisas. Nesse contexto está inserida a cana-de-açúcar, matéria-prima para a fabricação do açúcar e do álcool, além de outros subprodutos, tendo nos colocado como líder mundial do setor. A cana-de-açúcar está ligada diretamente à própria história e desenvolvimento do Brasil.

Apesar de, em épocas passadas, os preços internacionais e nacionais terem desestimulado esse setor do agronegócio, e de muitos agricultores terem reduzido o manejo cultural, diminuindo com isso a sua produção, atualmente a taxa interna de retorno tem aumentado significativamente, fazendo com que o setor tenha um novo impulso.

Com a crise do petróleo e a emergência de novas fontes de energia, a cana-deaçúcar ganha destaque dada as possibilidades reais do etanol no mercado de energias renováveis. Nesse sentido, a experiência brasileira é emblemática ao implementar, nos anos 80, o Proálcool, um programa pioneiro de produção de álcool carburante voltado para abastecer a frota automotiva nacional, tanto para adição na gasolina quanto para abastecimento de motores exclusivos a álcool. Uma verdadeira revolução na cadeia produtiva da cana-de-açúcar que teve como âncora a sólida base científica construída desde os anos 60 com programas de pesquisa como os da Copersucar e do Planalsucar.

Um cenário positivo para o futuro desta cultura é que o mercado internacional se abrirá, tanto para açúcar, como para o álcool; e, no mercado interno, o veículo flexível crescerá em vendas e abrirá espaço de demanda, juntamente com o álcool anidro e outros usos, como matéria-prima para o biodiesel.

Enfim, se o século X foi caracterizado como o reinado do petróleo, o século XI será, sem dúvida, o reinado da agroenergia renovável, ambientalmente limpa, geradora de empregos permanentes, de renda e de riqueza para o Brasil.

Grandes Culturas – Professor Fábio de Lima Gurgel

2. Histórico

As primeiras notícias sobre a cana-de-açúcar encontram-se nas escrituras mitológicas dos hindus, mas também na Bíblia fazem referências sobre a cana, em Isaías, 43:24, e Jeremias, 6:20.

Ela, porém, foi considerada como remédio e até como artigo de luxo até o século 18.

Nessa época, as caravelas, antes de iniciarem a travessia do Oceano Atlântico, colocavam junto com suas provisões a cana-de-açúcar, que era plantada em algumas covas nas terras abordadas, para servir de suprimentos às expedições posteriores. Sua crescente valorização como adoçante deve-se ao costume antigo de se adoçar chá, café e chocolate com mel. As pesquisas científicas mostraram que tanto o açúcar da cana-de-açúcar como o açúcar da beterraba-açucareira são de valor à conservação da energia vital.

Dessas observações, originou-se a crescente aceitação pela sociedade da época, fato que perdura até os dias atuais. As suas qualidades como adoçante são relatadas mesmo antes de Cristo, quando o homem já a conhecia como “algo que produzia mel sem abelhas”. Nessa época, foi constatado também que uma “bebida embriagante” podia ser fabricada a partir do seu caldo.

A cana-de-açúcar é uma planta nativa das regiões tropicais, cujo cultivo se estende, atualmente, aos dois hemisférios. A teoria mais aceita de sua origem considera que ela seja nativa das ilhas do Arquipélago da Polinésia, sendo Saccharum robustum uma espécie botânica que se originou no centro de expansão da Nova Guiné.

A produção do açúcar, denominada de “sarkara”, existia na Índia desde 3000 a.C. e durante muito tempo o cultivo da cana-de-açúcar foi limitado aos países do Oriente Médio,

Grandes Culturas – Professor Fábio de Lima Gurgel no Vale do Rio Eufrates. A partir de 500 a.C., os persas guardavam o segredo da fabricação do açúcar, que era comercializado com os romanos. As conquistas árabes no Ocidente disseminaram o cultivo da cana-de-açúcar nas margens do Mar Mediterrâneo, a partir do século 8.

Nas Américas, a cana-de-açúcar foi introduzida na segunda expedição de Cristóvão

Colombo, em 1493. A cultura da cana-de-açúcar tem acompanhado, através dos séculos, as nações que foram surgindo, e o seu interesse tem crescido ultimamente, não apenas como adoçante, mas também como carburante. É senso comum que, a partir do século 15, as disputas para a conquista e o domínio de vastas regiões tropicais tiveram como motivo principal a cultura da cana-de-açúcar.

No Brasil, as primeiras mudas foram introduzidas em 1502, provenientes da Ilha da

Madeira, por Martin Afonso de Sousa. O primeiro engenho fundado no Brasil data de 1532.

No início do século 20, uma violenta crise econômica mostrou a necessidade de organizar a experimentação açucareira no Brasil. Esta crise fez com que os pesquisadores canavieiros voltassem à árdua missão de manter os seus canaviais em padrões elevados de produtividade, em toneladas de cana por hectare e nas melhores porcentagens de sacarose. Criaram-se estações experimentais e programas de melhoramento genético onde a resistência a pragas e doenças foi considerada assunto prioritário quando da obtenção de novas variedades.

No Estado de São Paulo, a Cooperativa dos Usineiros do Oeste do Estado de São

Paulo – Copereste – criou, em 1953, no Município de Dumont, região de Ribeirão Preto, uma estação experimental de pesquisas importantes para aquela região do estado. Em 1968, a Cooperativa Central dos Produtores de Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo – Copersucar – deu início a um importante programa de melhoramento genético, incorporando a Copereste e sua estação experimental.

Em 1971, foi criado, pelo Instituto do Açúcar e do Álcool – IAA-, do então

Ministério da Indústria e do Comércio, o Plano Nacional de Melhoramento da Cana-de- Açúcar – Planalsucar -, com abrangência nacional. Nessa mesma época, foi instalada a Estação de Floração e Cruzamento de Serra do Ouro, em Murici, AL. Com a extinção do IAA e, consequentemente, a do Planalsucar em 1981, as autoridades brasileiras encerraram o maior programa de melhoramento de cana-de-açúcar do mundo. O acervo técnico dessa organização passou a fazer parte de universidades.

Em 1991, o Setor de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Paraná associase ao Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal de São Carlos para constituírem

Grandes Culturas – Professor Fábio de Lima Gurgel a Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento Sucroalcooleiro – Ridesa-, com a finalidade de dar continuidade à pesquisa gerada pelo Planalsucar. Era o fortalecimento do sistema produtivo da cana-de-açúcar que, depois de 10 anos de estabelecido, liberou 4 variedades RB (República Federativa do Brasil).

3. Botânica, Fisiologia, Crescimento e Maturação

Atualmente, a maioria dos técnicos aceita a classificação feita por Jeswiet: Divisão: Embryophyta siphonogama Subdivisão: Angiospermae Classe: Monocotyledoneae Ordem: Glumiflorae Família: Gramineae Tribo: Andropogoneae Subtribo: Sacchareae Gênero: Saccharum Espécies: Saccharum barberi: variedades precoces, com teor médio de sacarose e alta porcentagem de fibra. É resistente ao frio e suscetível ao mosaico. É uma espécie originária da Índia e, por esse motivo, as suas variedades são conhecidas como Canas Indianas. A representante típica dessa espécie é a “Chunee”.

Saccharum edule Saccharum officinarum: constituída pelas “canas nobres”, apresentam alto teor de açúcar e baixa porcentagem de fibra. Seus colmos são grossos (3,5 cm ou mais de diâmetro) e enquadram-se na categoria de canas tropicais. São exigentes quanto ao clima e solo. Possuem um sistema radicular reduzido e superficial. Suscetíveis ao mosaico e sereh. As principais variedades são: Badila, Black Cheribon, Cristalina, Loethers e Riscada.

Saccharum robustum: é uma espécie com representantes muito altos, os seus colmos podem atingir até 10m de altura e são utilizados como cercas vivas. Baixo teor de sacarose e alta porcentagem de fibra. São canas selvagens, que se adaptam às inúmeras condições ambientais, mas suscetíveis ao mosaico. As variedades gigantes da Nova Guiné são suas representantes típicas.

Saccharum sinensis: canas chinesas ou japonesas. Vegeta bem em solos pobres e secos. Possui um sistema radicular bem desenvolvido. Seus colmos finos (de 1,8 a 2,2 cm de diâmetro) e compridos (até 5m de altura) com internódios longos e fibrosos. Os internódios são frequentemente alongados e avantajados. Seu biótipo característico é a cana

Grandes Culturas – Professor Fábio de Lima Gurgel

“Ubá”, cultivada na China Continental e em Formosa. Não se deve confundir com a cana “Ubá” encontrada no Brasil, também conhecida por cana Flecha, e pertence ao gênero Gynerium.

Inflorescência da cana Flecha encontrada no Brasil

Saccharum spontaneum: canas selvagens, os colmos são curtos e muito finos (o diâmetro não ultrapassa 1,5 cm). Perfilham abundantemente e contêm um alto teor e fibra. Possuem sistema radicular bem desenvolvido e vegetam bem, mesmo em situações adversas. Não possuem valor industrial.

Deve-se ter em mente que as variedades cultivadas comercialmente não são na verdade, variedades botânicas e sim um “Complexo de Saccharum”. Elas são provenientes de um cruzamento inicial e interespecífico entre os gêneros Saccharum, Ripidium e Sclerostachya.

A cana-de-açúcar se desenvolve caracteristicamente em forma de touceira. Possui, como a maioria das espécies, uma parte aérea formada por colmos, folhas e inflorescências, e uma outra subterrânea, constituída de raízes e rizomas.

As raízes são fasciculadas, podendo atingir até 4 m de profundidade. A maior concentração delas (85%) situa-se nos primeiros 50 cm e, entre os primeiros 20-30 cm, verificam-se 60% das mesmas.

Os rizomas possuem nódios, internódios e gemas. Estas são responsáveis pelo aparecimento dos perfilhos, formados na touceira, característica também de outras gramíneas. São os rizomas que irão brotar, após a colheita, dando origem às novas touceiras tanto da soca como da ressoca.

O colmo é a parte da planta que fica acima do solo, sustentando as folhas e a panícula. O seu porte apresenta-se como: ereto, semi-ereto ou decumbente, cujo

Grandes Culturas – Professor Fábio de Lima Gurgel comportamento pode variar com a idade da planta. O entouceiramento pode-se apresentar como fraco, médio ou forte. O capitel mostra-se ralo, médio ou fechado. O colmo é constituído por nódios e internódios.

Rizomas de cana-de-açúcar fornecedores de touceiras em cana soca e ressoca

Detalhe do capitel da cana-de-açúcar

O nódio é uma região muito importante para a descrição de variedades de cana-deaçúcar. Ele engloba a gema, o anel de crescimento, a cicatriz foliar e a zona radicular. A zona radicular apresenta uma variação muito grande, entre as variedades já descritas.

A gema é a porção do colmo de grande utilidade na identificação das variedades. A gema é formada de reentrâncias e de um poro germinativo que, ao germinar, emite um

Grandes Culturas – Professor Fábio de Lima Gurgel broto, dando origem a um novo colmo. A gema pode ainda apresentar pêlos e asas. Estas, formadas por prolongamentos ou saliências delgadas estendidas até a metade da gema, são estreitas ou largas e apresentam ou não uma formação de pêlos.

Entre a implantação da gema e a cicatriz foliar, há ou não um espaço que, quando se faz presente, se denomina almofada.

Algumas formas de nódios encontrados em cana-de-açúcar. Detalhe do nódio e da bainha.

Detalhe do nódio apresentando lábio na cicatriz foliar. Grandes Culturas – Professor Fábio de Lima Gurgel

Tipos de gemas, algumas delas apresentando asas.

O anel de crescimento pode ser estreito (com menos de 3 m), médio (entre 3 e 4 m) ou largo (com mais de 4 m). Situa-se na base do internódio, podendo ser reentrante, plano ou saliente, e a sua cor difere das demais cores das outras partes do colmo.

A cicatriz foliar apresenta-se como um anel seco, de tecido marrom, deixado pela base da bainha da folha quando ela, por si mesma, se destaca do colmo. A cicatriz foliar pode-se apresentar como reentrante ou saliente em relação ao colmo e formar um ângulo reto ou oblíquo em relação ao internódio. Apresenta ou não um lábio. Este, assim chamado, é a parte proeminente da saliência da cicatriz foliar.

A zona radicular é a região que abriga a gema e os primórdios radiculares. Situa-se entre o anel de crescimento e a cicatriz foliar; mostra-se estreita (com menos de 6 m), média (entre 6 e 8) e larga (com mais de 8 m), podendo ser plana, reentrante ou saliente. A sua cor é semelhante à do internódio.

Os primórdios radiculares são pequenos poros, geralmente esbranquiçados, tendo ao centro um ponto de coloração castanha ou lilás. Quando a planta germina, eles emergem, crescem e formam o conjunto de raízes. São em número bastante variável e podem estar alinhados ou dispostos irregularmente.

O internódio ou entrenó é a parte do colmo situada entre dois nódios, podendo-se apresentar de várias formas. Todas estas formas podem se apresentar de maneira reta, curvada ou em ziguezague com relação ao colmo. O diâmetro pode ser fino (menor que 2 cm), médio (entre 2 e 3 cm) e grosso (com mais de 3 cm), podendo conter ou não: rachaduras, cera e ranhura da gema. Sua polpa exibe as colorações branca, verde creme ou

Grandes Culturas – Professor Fábio de Lima Gurgel castanha, e a cor da casca pode variar do amarelo ou vermelho, modificando-se, às vezes, com a exposição ao sol.

Nos internódios mais velhos, aparecem, frequentemente, algumas manchas de coloração clara chamadas marcas do tempo.

Diferentes tipos de internódios

A folha é ligada ao colmo, na região nodal, formando duas fileiras opostas e alternadas ao longo do colmo. A folha é constituída de lâmina foliar, bainha e colar.

A borda da lâmina foliar é toda serrilhada, diferindo de aspecto conforme a variedade. Pode se apresentar com os seguintes aspectos: ereta até o topo; dobrada ou curvada próximo ao topo e curvada em sua altura média. O comprimento, a largura e a cor se modificam de acordo com a variedade e com as condições do meio-ambiente.

A bainha é a parte compreendida entre a sua ligação com o colmo, na região nodal, com a borda inferior da lâmina. Ela é sempre colorida e pode apresentar-se aderida ou semi-aderida, possuindo ou não cera e pêlos. Estes podem variar em quantidade e arranjos, os quais são designados por números convencionais. O pêlo 57 (joçal) é o mais importante. Na ausência de pêlos, a bainha é chamada glabra e, na presença de grande quantidade de cera, de glauca. A sua cor contrasta com as demais regiões da folha, e a sua borda superior é geralmente seca. A bainha contém um colar representado pela junção da lâmina foliar com a bainha propriamente dita.

O colar é uma região importante para sua identificação botânica. É nela que se encontram o dewlap, a lígula e a aurícula, assumindo formas e posições diversas. É nessa região que existe a maior diversificação de pêlos.

Grandes Culturas – Professor Fábio de Lima Gurgel

O dewlap é também designado por triângulo da junta, triângulo do joelho ou papada. Possui uma dobra que facilita o movimento da folha. A sua cor varia com a idade da planta e a camada de cera, podendo diferir em ambas as faces.

(Parte 1 de 4)

Comentários