(Parte 2 de 4)

AdsorçãoSólidoLíquido-sólido ou adsorção

Cromatografia Líquida

Partição entre líquidos imiscíveis

Líquido adsorvido em um sólido

Líquido-líquido ou partição

Tipo de equilíbrio Fase EstacionáriaMétodoClassificação

Centr Centríí fuga fuga -- CHROMATOTRON CHROMATOTRON

Chromatotronéuma cromatografia em camada delgada preparativa e acelerada centrifuga mente.

Foi desenvolvida pelos autores do Compendium of Organic Synthetic Methods. Substitue as CCD preparativas, pequenas colunas e HPLC. Com dimensiões ~ 30 cm.

US Patent no. 4139458. Pendentes em outros países

Princ Princíí pio de opera pio de operaçç ão ão

A amostra a ser separada éaplicada como uma solução no centro do disco giratório umedecido com o solvente.

A eluição com solvente gera bandas circulares de separação dos componentes que são removidos juntamente com o solvente para um tubo de recepção.

Capacidade:500 mg por componente, cerca de1 g total.

Adsorventes: Silica gel, alumina e silica gel -nitrato de prata.

Solventes: Compatível com todos os solventes comumente usados nas outras técnicas cromatográficas, inclusive ácido acético. Não apropriada para uso com ácidos minerais.

Vantagens especiais:

* Não aplicação de “spot”ou raspagem de bandas. * Separações são rápidas, cerca de 20 min.

* Permite a observação direta por UV oude compostos coloridos durante a eluição. * Camadas finas de 1, 2 or 4 m apresentam alta capacidade.

* Utiliza-se pouco solvente e a eluição por gradiente éfácil. O solvente éregenerado in situ, podendo ser re-utilizado.

* Atmosfera de nitrogênio previne oxidação das amostras. * Compacta (facilmente removida de um laboratório para outro), poucos controles e não necessita altas pressões. * Baixo preço. Chromatotrons custam menosque um simple HPLC preparativo.

Cromatografia em Papel Cromatografia em Papel

A cromatografia em papel (CP) éuma técnica de partição líquido–líquido, estando um deles fixado a um suporte sólido. O suporte ésaturado em água e a partição se dádevido àpresença de água em celulose (papel de filtro). Este método, embora menos eficiente que a CCD, émuito útil para a separação de compostos polares, sendo largamente usado em bioquímica.

Utiliza-se pequena quantidade de amostra (microgramas a miligramas). As manchas podem ser reveladas por meio de luz UV, vapores de iodo, soluções de cloreto férrico e tiocianoferrato de potássio, etc)

Cromatografia em papel com fase normal (papel é saturado com a fase estacionária polar, p. ex. água) e com fase reversa (papel étratado com outro líquido, p.ex.: acetona e dimetilformamida, parafina, óleo, silicone, solventes orgânico).

Cromatografia em Camada Delgada Cromatografia em Camada Delgada

A cromatografia em camada delgada (CCD) éuma técnica de adsorção líquido–sólido. Nesse caso, a separação dos componentes da mistura ocorre em função da migração diferencial sobre uma camada delgada de adsorvente, fixo numa superfície plana, por meio de uma fase móvel (um líquido ou misturas de líquidos).

O fenômeno éprincipalmente de adsorção (partição ou troca iônica), a separação se dápela diferença de afinidade dos componentes de uma mistura pela fase estacionária. Os adsorventes comerciais mais utilizados são: sílica, alumina, celulose, terra diatomácea e poliamida.

Utiliza-se pequena quantidade de

amostra (microgramas a miligramas). As manchas podem ser reveladas por meio de luz UV, vapores de iodo, soluções de cloreto férrico e tiocianoferrato de potássio, fluorescências, radioatividade, etc.

A CCD pode ser usada tanto na escala analítica quanto na preparativa.

Por ser um método simples, rápido, visual e econômico, a CCD éa técnica predominantemente escolhida para o acompanhamento de reações orgânicas, sendo também muito utilizada para a purificação de substâncias e para a identificação de frações coletadas em cromatografia líquida clássica.

O parâmetro mais importante a ser considerado em CCD éo fator de retenção(Rf ), o qual éa razão entre a distância percorrida pela substância em questão e a distância percorrida pela fase móvel. Os valores ideais para R f estão entre 0,4 e

Cromatografia em Coluna Cromatografia em Coluna

A cromatografia em coluna éuma técnica usada para a separação de muitos compostos orgânicos. Essa técnica fundamenta-se basicamente na polaridade relativa das moléculas envolvidas.

Utiliza-se tubos de vidro compactado com um material polar finamente dividido (suporte sólido ou fase estacionária), em geral, alumina ou silicagel, empacotado com um solvente orgânico ou uma mistura de solventes.

Uma solução contendo o composto que se deseja purificar éaplicada na superfície superior da fase estacionária, e após eluição coletar frações com volume predeterminados, as quais muito provavelmente conterão os componentes da mistura separados.

Velocidade na qual um composto é eluido da coluna depende de sua polaridade, da polaridade da fase estacionária e da polaridade do solvente utilizado como eluente. Se o composto émais atraído pela fase estacionária do que pelo solvente, ele migrarámais lentamente da coluna. Caso contrário, se o composto tiver maior afinidade pelo solvente ele migrarámais rapidamente da coluna, gastando menos tempo e solvente. O êxito de uma coluna dependeráentão da escolha de um suporte e solvente adequados para a sua realização.

Atualmente a técnica mais utilizada pelos químicos orgânicos para a separação de uma mistura de compostos éa cromatografia rápida: Coluna Cromatográfica Rápida (flashcolumn chromatography) e Coluna Cromatográfica Rápida e a Seco (drycolumn flash chromatografy)

Variantes rápidas da cromatografia em coluna

Cromatografia Gasosa de Alta Cromatografia Gasosa de Alta

Resolu Resoluçç ão (CGAR) e Cromatografia ão (CGAR) e Cromatografia

Lí quida de Alta Eficiência (CLAE) quida de Alta Eficiência (CLAE)

Cro matografia Gasosa Cro matografia Gasosa

O principal mecanismo de separação da Cromatografia Gasosa (CG) estábaseado na partição dos componentes de uma amostra entre a fase móvel gasosa e a fase estacionária líquida. A utilização de fases estacionárias sólidas, as quais levariam àseparação por adsorção, apresenta poucas aplicações.

A cromatografia gasosa éuma das técnicas analíticas mais utilizadas. Além de possuir um alto poder de resolução, é muito atrativa devido àpossibilidade de detecção em escala de nano a picogramas

A grande limitação deste método éa necessidade de que a amostra seja volátil ou estável termicamente, embora amostras não voláteis ou instáveis possam ser derivadas quimicamente.

Modelo de um CG moderno

Funcionamento do Cromat Funcionamento do Cromatóó grafo Gasoso grafo Gasoso

A amostra évaporizada e introduzida em um fluxo de um gás adequado denominado de fase móvel ( FM) ou gás de arraste.

O fluxo de gás com a amostra vaporizada passa por um tubo contendo a fase estacionária FE (coluna cromatográfica), onde ocorre a separação da mistura.

(Parte 2 de 4)

Comentários