Formação dos solos

Formação dos solos

(Parte 1 de 7)

Profa. Célia Regina Lopes Zimback

Botucatu Junho – 2003

Formação do Solo

SOLOS - FORMAÇÃO 1. INTRODUÇÃO

O solo é um corpo natural, possuindo comprimento, largura e profundidade, e constitui a camada externa da litosfera, em contato com a atmosfera. Como o solo é formado a partir de um material que lhe dá origem, através ação de fatores climáticos e biológicos, o solo pode ser estudado como um corpo formado por fatores de formação e por processos de formação, os quais vão definir o solo resultante como um indivíduo com características e propriedades que o diferenciam dos demais solos, e que definem seu potencial de utilização agrícola.

Assim, o solo pode ser definido como um corpo natural, resultado dos fatores e processos de formação, constituído de camadas paralelas à superfície, capaz de suportar e nutrir plantas.

Esses fatores e processos de formação, conferem ao solo características e propriedades químicas e físicas próprias, de extrema importância no fornecimento de água e minerais para o desenvolvimento das plantas.

1.1. Histórico da Ciência do Solo

O conceito mais popular de solo vem a ser a capa mais superficial do globo terrestre.

Para uns, solo é tido como a superfície inconsolidada que recobre as rochas e mantém a vida animal e vegetal na terra. Dependendo do seu uso, pode ser visto sob diversos aspectos como: Para o geólogo, engenheiro de minas, engenheiro civil, o solo constitui verdadeiro estorvo, visto o seu interesse pelo subsolo onde são encontrados as riquezas minerais. Para a engenharia civil é visto também sob o aspecto de resistência e estabilidade das construções, aspecto que deu origem a mecânica de solos.

Para o Engenheiro Agrônomo o solo como a camada superficial da litosfera constituindo o meio natural para o crescimento das plantas.

O cultivo de plantas começou quando o homem foi se transformando de nômade em

O solo tem sido estudado e interpretado de diferentes maneiras a medida que os conhecimentos do homem evoluem. sedentário tendo isso ocorrido nos primórdios da humanidade. Foram descobertos escritos de 2500 A.C. onde se menciona a fertilidade da terra.

Formação do Solo

Também Heródoto 2000 A.C. e Teofrasto 3000 A.C. deixaram registros sobre fertilidade do solo. Entre os romanos vários deixaram escritos sobre o tema sendo condensado por Petrus Crescentuis, em 1240, em um livro intitulado "De Agriculture Vulgare". Durante a idade média, um dos períodos mais obscuros da ciência, pouco ou nenhum conhecimento foi acrescentado sobre esse assunto.

No século XVIII apareceu a teoria fisiológica de Mitscherlich dizendo que o solo era um mero reservatório passivo de nutriente as plantas, considerando o solo como um objeto estático, só como sustentáculo das raízes.

No início do século XIX esse conceito foi rejeitado com o aparecimento da teoria

Com Carl Sprengel de 1830-1840 apareceram os conceitos de que o solo é função

Húmica de A. Von Thaer que dizia serem apenas as substâncias orgânicas responsáveis pela fertilidade do solo. Com o surgimento da teoria mineral de Justus Von Liebig, em 1840, a anterior foi abandonada embora hoje se saiba que ela é em parte verdadeira. Liebig determinou que eram as substâncias minerais do solo, os alimentos das plantas que entravam no metabolismo vegetal. Logo em seguida Humphreey Davy apoiou a teoria de Liebig reconhecendo a importância da rocha matriz para a fertilidade do solo. Só não soube explicar porque a mesma rocha determinava mais de um tipo de solo. da influência do clima e dos seres vivos.

Mais tarde, Nikolai M. Sibirtizev, discípulo de Dokuchaev, modificou a

Vasilí V. Dokuchaev, em 1887, após observações de solos na Rússia nas diversas latitudes estabeleceu relação entre o clima e a gênese e evolução do solo. Sua única falha foi dar valor excessivo ao fator clima em detrimentos dos demais fatores. Estabeleceu a primeira classificação de solo denominada de classificação climática. classificação climática propondo a classificação dos solos em três zonas climáticas: solos zonais, intrazonais e azonais.

Glinka, em 1927, estabeleceu o estudo do solo a partir do conhecimento do perfil. Em 1917, Wiegner definiu o solo como um sistema disperso obedecendo as leis químicas de dispersão passando o solo assim a ser um corpo ativo e não mais estático.

Marbut estabeleceu em três metros a profundidade do perfil de um solo, o que determinou contestação por ser a profundidade variável em diferentes solos.

G. Milne, em 1935, efetuando pesquisas nas colônias inglesas mostrou existir agentes erosivos que atacaram a rocha produzindo depósitos de materiais estabelecendo também a importância do relevo na formação do solo.

Formação do Solo

Em 1945, Jenny sintetizou em um livro todos os conhecimentos que se tinha do solo até aquela data tornando-se um livro obrigatório de consulta para quem pretende estudar o solo.

Edafologia é o estudo do solo do ponte de vista de sua utilização pelas plantas. Resumindo, estuda a relação solo-planta. Pedologia é a ciência que estuda o solo.

2. COMPOSIÇÃO VOLUMÉTRICA DO SOLO

Se observarmos um determinado volume de solo, verificaremos que o mesmo é constituído de partículas sólidas, em íntimo contato entre si, e de espaços entre estas partículas. Estes espaços , denominados poros ou vazios, permitem a constatação de que o solo é um corpo poroso constituído de material sólido e de poros com dimensões variadas.

Um solo agrícola ideal, na sua camada arável, deve ser constituído de 50% de material sólido e 50% de poros. O material sólido deve ser constituído de 45% de material mineral e 5% de matéria orgânica, e os poros devem ser constituídos de 25% para armazenamento de água e 25% para aeração.

Nos diferentes solos a distribuição dos sólidos e poros varia; da mesma forma esta distribuição também varia em um mesmo solo, em função da profundidade, práticas agrícolas, processos de formação, etc.

2.1. COMPONENTES SÓLIDOS

Os componentes sólidos do solo são representados pela Matéria Mineral e pela Matéria Orgânica.

2.1.1. Matéria Mineral

A matéria mineral do solo é representada pelos minerais constituintes do material de origem do solo, e pelos minerais formados como resultado do seu intemperismo.

Tais minerais possuem dimensões variadas, sendo classificados em função desse tamanho. Os minerais que constituíam o material de origem e que passam para o solo sem sofrer alterações são denominados minerais primários, enquanto que os minerais neoformados, produtos do intemperismo, são denominados minerais secundários. Dentre os

Formação do Solo minerais secundários destacam-se os minerais de argila, os quais, por apresentarem cargas elétricas na superfície, assumem uma importância muito grande no que se refere ao armazenamento de cátions e ânions nutrientes das plantas. Estes minerais não estão dispostos no solo uns sobre os outros, mas encontram-se agregados por agentes cimentantes, gerando, desta forma, um volume bastante grande de poros.

2.1.2. Matéria Orgânica

A matéria orgânica é representada pelos restos animais ( excrementos e carcaças ) e restos vegetais ( folhas, galhos, raízes mortas e restos de cultura ) em todos seus estágios de decomposição, sendo que os restos vegetais tem um significado muito maior como fonte de matéria orgânica para o solo. A matéria orgânica encontra-se principalmente na camada superficial do solo, e seu teor pode sofrer um acréscimo em função da adição feita pelo homem. A matéria orgânica decompõe-se até constituir o húmus, que é a matéria orgânica na forma coloidal, com características benéficas e atribui ao solo uma coloração mais escura. No clima tropical, como é o nosso caso, a matéria orgânica decompõe-se rapidamente, porém, de uma maneira geral, seu teor não sofre muita alteração, uma vez que , enquanto ela sofre decomposição, mais matéria orgânica é adicionada ao solo. Em solos agrícolas o teor de matéria orgânica varia de 2 a 3% em peso, porém quando os valores são muito altos ( acima de 30% ),o solo é considerado solo orgânico. A matéria orgânica coloidal (húmus) possui propriedades físicas e químicas próprias, e propiciam ao solo uma melhoria em suas propriedades físicas ( estruturação, porosidade, retenção de água, etc. ) e químicas ( aumenta a retenção de nutrientes, fornece nutrientes ao solo, etc. ).

2.2. Componente líquido

O componente líquido do solo vem a ser a água do solo, porém na realidade trata-se de uma solução, uma vez que a água contém minerais ( cátions e ânions ) dissolvidos, e essa água e esses minerais serão absorvidos pelas plantas. A água do solo fica retida nos microporos e é drenada para as camadas mais profundas do solo, pela ação da gravidade, quando está nos macroporos, os quais são responsáveis pela aeração do solo. A água do solo esta retida a tensões variáveis, porém, quando os valores de tensão são muito elevados, mesmo existindo água no solo a mesma não pode ser absorvida pelas plantas, que murcham,

Formação do Solo às vezes de maneira irreversível.

2.3. Componente gasoso

O componente gasoso vem a ser o ar do solo, que possui a mesma composição qualitativa do ar atmosférico ( possui os mesmos componentes ), porém difere quantitativamente, possuindo teores mais elevados de dióxido de carbono ( CO2 ) e teores mais baixos de oxigênio ( O2 ), visto que os organismos do solo respiram, consumindo oxigênio e liberando dióxido de carbono. Processos naturais, como variações na pressão barométrica e de temperatura, chuvas, etc., promovem a renovação do ar do solo, propiciando sempre um bom suprimento de oxigênio para as raízes das plantas.

3. PEDOGÊNESE

Pedogênese vem a ser a formação do solo, incluindo os fatores e processos de formação de solos, fazendo com que, em virtude da variação desses fatores e processos, os vários solos apresentem propriedades e características que diferenciam uns dos outros.

3.1. Fatores de formação de solos

Os fatores de formação de solos são: material de origem, clima, organismos, relevo e tempo.

3.1.1. Material de origem

Vem a ser o material que dá origem ao solo, podendo ser constituído de rochas (magmáticas, metamórficas e sedimentares ), sedimentos e material de decomposição de rochas transportados. Vários minerais constituintes do material de origem permanecem inalterados, enquanto outros sofrem decomposição, por ação química, transformando-se em minerais extremamente úteis no solo, e liberando cátions e ânions que poderão ser absorvidos pelas plantas. Materiais de origem diferentes darão origem a solos diferentes, e mesmo material de origem pode dar origem a solos iguais ou a solos diferentes, de acordo com os outros fatores de formação de solos. O material de origem assume uma grande importância,

Formação do Solo visto que as propriedades e características do solo dependem, em primeiro lugar, da composição do material de origem, bastando observar as diferenças existentes entre uma Terra Roxa Estruturada (derivada de basalto) e de uma Areia Quartzosa ( derivada de arenito ).

O clima assume uma importância bastante grande, uma vez que o solo, sendo produto do intemperismo do material de origem, apresenta propriedades e características diferenciadas em função do clima. Assim é que solos formados sob clima tropical são solos bastante intemperizados, enquanto aqueles formados sob clima temperado são bem menos intemperizados. Quanto mais quente e úmido o clima, maior a lixiviação de minerais, inclusive de bases, tornando o solo mais pobre e mais ácido.

Os organismos influem na formação do solo, considerando-se que são fornecedores de matéria orgânica, bem como contribuem com determinados compostos orgânicos que podem promover diferenciação entre alguns solos.

(Parte 1 de 7)

Comentários