Fundamento Filosofico e socio-historico

Fundamento Filosofico e socio-historico

Fundamentos Filosóficos e Sócio-Históricos da Educação
Código

Curso

Dimensão

Tipo

C.H.S.

Química

Tecnológica

Teórico/Prática

64

Ementa

A educação como processo social. A educação brasileira na experiência histórica do ocidente. A ideologia liberal e os princípios da educação pública. Sociedade, cultura e educação no Brasil: os movimentos educacionais e a luta pelo ensino público no Brasil, a relação entre a esfera pública no campo da educação e os movimentos da educação popular.

Objetivos

Geral:Oferecer contribuições para que os licenciandos desenvolvam uma postura crítico-reflexiva frente aos problemas da educação;

Pôr em evidência o fenômeno educativo, institucional ou não, proporcionando ao futuro professor a compreensão da educação com base nas contribuições interdisciplinares da Sociologia, da História e da Filosofia;

Sensibilizar os estudantes dos cursos de licenciatura para a importância das discussões e investigações sobre a educação.

Específico:

Analisar o processo de constituição do projeto de escola pública burguesa e os projetos educacionais existentes na sociedade brasileira a partir da década de 1930;

Compreender a educação formal e informal em sua historicidade, percebendo-as em suas relações com as transformações sociopolíticas e econômicas;

Conhecer a sociedade brasileira durante o regime militar-tecnocrático e as políticas educacionais implementadas nesse período;

Entender como se deu o processo de redemocratização no país e as lutas travadas no campo educacional;

Estudar o projeto nacional-desenvolvimentista de país e os movimentos de cultura e educação popular de sociedade;

Investigar as diferentes concepções de sociedade e educação com base nas contribuições de Karl Marx, Bakunin, Antônio Gramsci e Émile Durkeim;

Realizar estudos analítico sobre o pensamento pedagógico brasileiro.

Habilidades e Competências

Ser capaz de reconhecer em qual contexto esta inserida a educação brasileira. Identificar as concepções sócio-históricas subjacentes à construção da educação brasileira.

Metodologia

Exposição dialogada, trabalhos individuais e seminários. Quando for o caso, exploração de trabalhos do campo das sete artes (arquitetura, escultura, música, literatura, teatro, compreendendo a dança, e cinema).

Conteúdo programático

PONTOS INTRODUTÓRIOS

  • O que é educação.

  • Filosofia e educação.

  • A gênese da escola pública estatal.

  • O liberalismo e a educação.

  • A educação no contexto do movimento iluminista.

  • Capitalismo e educação.

  • Construção social da infância, família e escola.

  • Atualidades sobre infância, família e escola.

  • Educação, cidadania, autonomia e emancipação.

EMBATES EM TORNO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA NO BRASIL

  • A Revolução de 1930 e a constituição da educação escolar pública brasileira.

  • Liberais (Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova), conservadores (educadores católicos) e movimento sindical urbano (socialistas, comunistas e anarquistas).

  • O nacional-desenvolvimentismo e os movimentos da cultura e educação popular no final da década de 1950 e início de 1960.

  • Paulo Freire e sua proposta educacional.

  • Estado Militar e educação no Brasil (1964-1985).

  • O processo de redemocratização do país.

  • A Constituição Federal do Brasil de 1988.

  • As lutas pela democratização da educação pública no Brasil.

  • Fórum Nacional de Defesa da Escola Pública.

EDUCAÇÃO ESCOLAR, SOCIOLOGIA E FILOSOFIA

  • Karl Marx.

  • Antônio Gramsci.

  • Durkeim.

  • Bakhunin e outros anarquistas.

  • Uma visão contemporânea: Deleuze e a educação.

EDUCAÇÃO BRASILEIRA: PRÁTICA E PENSAMENTO

  • Pensamento pedagógico brasileiro: aspectos gerais.

  • Tendências teórico-programáticas à educação nacional.

  • Pedagogias do campo e do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra.

  • Escola Família Agrícola e Pedagogia da Alternância.

Bibliografia

ALVEZ, N. (Org.). O sentido da escola. Rio de Janeiro: DP & A, 2000.

ARMIJOS PALÁCIOS, G. De como fazer filosofia sem ser grego, estar morto ou ser gênio. Goiânia: Ed. da UFG, 1997.

ARROYO, M. G. Educação e exclusão da cidadania. In BUFFA, E., ARROYO, M. & NOSELLA, P. Educação e cidadania: quem educa o cidadão? 7. ed. São Paulo: Cortez, 1999, p. 31-80.

ARROYO, M. G. Imagens quebradas: trajetórias e tempos de alunos e mestres. Petrópolis: Vozes, 2004.

BRANDÃO, C. (Org.). O educador: vida e morte. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

BRANDÃO, C. R. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 1995.

BUFFA, E. Educação e cidadania burguesas. In BUFFA, E., ARROYO, M. & NOSELLA, P. Educação e cidadania: quem educa o cidadão? 7. ed. São Paulo: Cortez, 1999, p. 11-30.

CALDART, R. S. Pedagogia do Movimento Sem Terra. Petrópolis: Vozes, 2000.

CHAUÍ, M. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 2003.

CHAUÍ, M. O que é ideologia. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Brasiliense, 2001.

CORREIA, W. Ética e cidadania: para que? para quem? Ensino em Re-vista. Uberlândia: EDUFU, 10(1):27-46, jul.2001-jul.2002.

CORREIA, W. & FONSECA, S. G. Currículo e produção de identidades: ética como saber escolar. Educação & Filosofia. Uberlândia: EDUFU, v. 17, n. 34, jul.-dez. 2003.

CORREIA, W. Piaget: que diabo de autonomia é essa? Revista Currículo Sem Fronteiras, v. 3, n. 2, jul./dez. 2003, p. 126-145, versão disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol3iss2articles/correia.pdf.

COVRE, M. de L. O que é cidadania. São Paulo: Brasiliense, 1993.

CUNHA, L. A. & GÓES, M. O golpe na educação. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.

CUNHA, L. A. Educação e desenvolvimento social no Brasil. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1975.

DUARTE, N. Vigotski e o ‘aprender a aprender’: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2004.

DURKHEIM, É. Educação e sociologia. São Paulo: Melhoramentos, 1973.

FÁVERO, O (Org.). A educação nas constituições brasileiras (1883-1988). Campinas, SP: Autores Associados, 2001.

FONZAR, J. Pequena história da educação brasileira. Curitiba: Scientia et labor; Folha de Rosto, 1989.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

FREITAG, B. O indivíduo em formação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1994.

GALLO, S. Deleuze e a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

GALLO. S. O macaco de Kafka e os sentidos de uma educação filosófica. In KOHAN, W. O. (Org.). Políticas do ensino de filosofia. Rio de Janeiro: 2004, p. 207-216.

GALLO, S. Filosofia, educação e cidadania. In PEIXOTO, A. J. Filosofia, educação e cidadania (Org.). 2. ed. Campinas: Alínea, 2004, p. 133-153.

GERMANO, J. W. Estado militar e educação no Brasil (1964-1985). São Paulo: Cortez; 1993.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

GUIMARÃES, V. S. Formação docente: saberes, identidade e profissão. Campinas, SP: Papirus, 2004.

KANT, I. Sobre a pedagogia. Trad. F. C. Fontanella. Piracicaba: Ed. da UNIMEP, 2002.

LIBÂNEO, J. C. Democratização da escola pública. 18. ed. São Paulo: Loyola, 2002.

LOPES, E. M. T. e outros (Org.). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

LOPES, E. M. T. O ensino público e suas origens. São Paulo: ANDE, n. 5, 1982.

MARX, K. & ENGELS, F. O manifesto do partido comunista. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

MEKSENAS, P. Sociedade, filosofia e educação. São Paulo: Loyola, 1994.

MENEZES, E. Kant e a educação das luzes. Educação & Filosofia. Uberlândia: EDUFU, v. 14, n. 27/28, jan.-jun. e jul.-dez. 2000, p. 113-122.

NAGLE, J. Educação na primeira República. Rio de Janeiro: DP & A, 2001.

RIBEIRO, M. L. S. Educação escolar: que prática é essa? Campinas: Autores Associados, 2001.

RIBEIRO, J. C. Platão: ousar a utopia. São Paulo: FTD, 1994.

ROMANELLI, O. de O. História da educação no Brasil (1930-1973). 28. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

ROSSET, C. O princípio de crueldade. Trad. J. T. Brum. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

SANT’ ANNA, A. R. O que aprendemos até agora?: constatações de fim de século. São Luís: EDFMA, 1994.

SUCHODOLSKI, B. A pedagogia e as grandes correntes filosóficas: a pedagogia da essência e a pedagogia da existência. 5. ed. Lisboa: Livros Horizontes, 2003.

TARDIF, M. & RAYMOND, D. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade. Campinas, SP: CEDES, ano XXI, n. 73, dez. 2000.

ULHOA, J. P. O professor e sua prática. Educação & Filosofia. Uberlândia: EDUFU, v. 12, n. 24, jul.-dez. 1998, p. 187-204.

Comentários