Química Aplicada - Corrosão - Petrobrás

Química Aplicada - Corrosão - Petrobrás

(Parte 5 de 11)

Ocorre na bateria de pré-aquecimento (destilação).

(Mg/Ca)Cl2 + H2OHCl + (Mg/Ca)(OH)2

Processo corrosivo:

– PETRÓLEONaCl = 75% (não hidrolisa)

CaCl2 = 15 a 20%

MgCl = 5 a 10% 60 a 600 ppm

Foto 1 – Corrosão por hidrólise de sal em permutador da bateria de preaquecimento.

Formas de controle: – Pintura;

–Monitoração (medição de espessura).

Corrosão sob isolamento no aço carbono Processo corrosivo:

Ocorrência: Linhas de gás combustível, drenos de lg's de torres, vaso de sal para remoção de água do diesel e equipamentos isolados em operação abaixo de 96°C.

Quanto menor for o teor de sal contido no petróleo, mais completa será sua hidrólise.

Permutadores de calor da 1ª fase da bateria de preaquecimento (diesel leve/petróleo, diesel pesado/petroleo) e permutadores de calor da 2ª fase da bateria de preaquecimento (petróleo/GOP).

Corrosão sob tensão no inox série 300 por cloretos do óleo

Ocorre em toda a bateria (destilação) até os permutadores da 2ª fase da bateria de preaquecimento (petróleo/GOP).

Foto 2 – Trinca por cloreto na bateria de preaquecimento.

Foto 3 – Corrosão por tensão no aço inox devido a cloretos.

Fatores que influenciam: – Temperatura;

– Cloretos;

– Oxigênio e água;

– Aço inox.

Química Aplicada Corrosão por compostos de enxofre na bateria

Processo corrosivo:

– Fe + H2S → FeS + H2

Gerado ou dissolvido nas correntes de resíduo de vácuo (destilação).

Permutadores da 2ª fase da bateria de preaquecimento (petróleo/RV e cru reduzido/ RV refervedor das formas atmosféricas).

Foto 4 – Aspecto da corrosão nas chicanas e espaçadores de um permutador da 2ª fase da bateria de preaquecimento (petroleo/RV).

Corrosão por hidrólise de cloretos no topo das torres Processo corrosivo:

(Mg/Ca)Cl2 + 2 H2O2 HCl + (Mg/Ca)(OH)2

Formas de controle: –Injeção de cáusticos com soda fresca

2 NaOH + (Mg/Ca)Cl2 → 2 NaCl + (Mg/Ca)(OH)2 com soda gasta

Na2S + HCl → 2 NaCl + H2S ou 2 NaSH + 2 HCl → 2 NaCl + 2 H2S com amônia ou solução amoniacal

O controle é feito através do pH, que deve ficar entre 5,7 e 6,2. Com solução, o controle é mais fácil e o pH mais estável.

–Com injeção de inibidores de corrosão amínicos adsorvidos na parede dos equipamentos.

Corrosão pela soda

Pode ocorrer corrosão sob tensão no aço carbono provocado pelo excesso de soda injetada. A quantidade de soda a ser injetada deve

Corrosão por compostos de enxofre Processo corrosivo:

Fatores que influenciam: –Quando ocorre craqueamento térmico.

Forma de controle:

Substituir o material dos equipamentos e linhas de aço carbono (por exemplo, para aço com 5% Cr).

–Quando o H2S já está dissolvido, a reação é a mesma.

Forma de controle: Substituir o material dos equipamentos e linhas de aço carbono para aços com mais de 12% de Cr ou alonizados.

Características da corrosão: –Tubulações com fluxo:

– tendem a corroer uniformemente

Foto 5 – Tubo de forno rompido.

ser duas a quatro vezes maior do que a quantidade necessária para converter todos os cloretos de Ca e Mg, porém não deve ultrapassar 5 lb/1000 bl (base seca).

Corrosão por cristalização de cloretos de amônio

Processo corrosivo: Esta corrosão ocorre sob o depósito de cloreto de amônio conforme as reações abaixo:

Formas de controle: –Controle de pH (entre 6,5 e 7,5)

–Injeção de amina neutralizante no lugar da amônia

Corrosão pelo inibidor de corrosão

Fatores que influenciam: –Concentração alta;

(Parte 5 de 11)

Comentários