semiologia e semiotécnica

semiologia e semiotécnica

(Parte 1 de 4)

Faculdade Santa Emília de Rodat - FASER Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem I

Org. Profª.

Adriana Marques Pereira de Melo Alves

Cizone Maria Carneiro Acioly

Jacqueline Oliveira de Paiva Ferreira

Maria Amélia de Sousa Maria de Fátima Alves dos Santos

O conteúdo desta apostila constitui numa coletânea de textos sobre a assistência de enfermagem direcionada ao indivíduo, família e comunidade e, se torna, portanto, um dos meios para o aluno sistematizar seu conhecimento. Vale ressaltar que estes conteúdos devem ser complementados com outras leituras no sentido de enriquecer seu conhecimento.

Que a leitura deste material sirva de alicerce para trilhar pela disciplina Semiologia e Semiotécnica em enfermagem, em busca de novos conhecimentos.

UNIDADE I Assistência de enfermagem nas necessidades de higiene pessoal 04

UNIDADE I Assistência de enfermagem na administração de medicamentos 18

Assistência de enfermagem nas necessidades de termoterapia e crioterapia 78

UNIDADE IV Assistência de enfermagem no tratamento de feridas 86

UNIDADE V Assistência de enfermagem na aplicação de ataduras 101

UNIDADE VI Assistência de enfermagem nas necessidades de oxigenioterapia 105

Assistência de enfermagem nas necessidades de sondagens Cateterismo gástrico Cateterismo vesical Lavagem intestinal

UNIDADE VIII Assistência de enfermagem aos pacientes graves e agonizantes 131

REFERÊNCIAS 93

A higiene é a ciência da saúde e quando é bem executada é importante para a saúde geral do indivíduo. A pele sadia íntegra é a primeira barreira de defesa contra a infecção e a lesão dos tecidos. Dentes e gengivas saudáveis são essenciais à manutenção das condições nutricionais. A má condição da cavidade oral representa fontes potenciais de infecção, assim como causa desconforto e dor ao paciente. Neste sentido, o fato de ajudar a se manter limpo através de remoção de impurezas, produtos de secreções e excreção, elimina muitas substâncias nas quais estas bactérias se reproduzem. Além disso, as medidas higiênicas ajudam o paciente a sentir-se mais confortável e relaxado.

Freqüentemente, as pessoas doentes sentem-se preocupadas com os odores desagradáveis que se instala em seu corpo pela falta de higiene que, temporariamente ou não, estará suspensa. Sabemos que a auto-estima ficará afetada com o comprometimento da higiene de um paciente e que a resolução deste poderá se concentrar na execução desta higiene. Fatores que influenciam as medidas de higiene

Auto-imagem: O profissional não deve transmitir sentimentos de desaprovação se a higiene do paciente for insatisfatória; Nível socioeconômico: Os hábitos de higiene são influenciados pelos recursos econômicos disponíveis do paciente. Conhecimento: geralmente o seu nível de conhecimento influencia sua motivação e prática de higiene. Variáveis culturais: As crenças culturais, a formação, a idade, os valores pessoais e os hábitos familiares influenciam nos cuidados de higiene do indivíduo. Preferências pessoais: Cada paciente tem seus hábitos pessoais e de higiene. O profissional de Enfermagem pode adotar horários em um plano individualizado.

O profissional de Enfermagem deve procurar manter seus pacientes limpos e livres de maus odores, incentivando para que participem do seu autocuidado.

Conceito É a limpeza da cavidade oral, ou seja, dentes, gengivas, lábios, véu palato e língua. Um dos fatores essenciais à manutenção da saúde é prevenir o aparecimento de infecção na boca, pois esta faz parte do sistema digestório e também do respiratório. A higiene oral é indicada pela manhã, após as refeições e de 02 em 02 horas em pacientes graves, febris, e com SNG.

Objetivos

Proporcionar conforto e bem estar ao paciente, favorecendo o aumento do apetite e permitindo que ele se sinta socialmente aceitável; - Evitar halitose; - Prevenir cáries dentárias; - Prevenir infecções bucais, digestivas e respiratórias; - combater infecções já instaladas;

Material

Escova de dente ou espátula e gaze; - creme dental ou solução dentrifícia; - copo com água; - cuba rim ou similar; - toalha de rosto; Lubrificante para os lábios, se necessário;

Procedimentos 1. Explicar ao paciente o procedimento e observar as condições da cavidade oral.

2. Lavar as mãos 3. Prepara o material necessário 4. Erguer a cabeceira da cama (posição de fowler) ou solicitar ao paciente que se sente. 5. Fornecer a toalha de rosto para que proteja o tórax. 6. Dispor o material junto ao paciente. 7. Solicitar ao paciente que escove a face anterior e posterior dos dentes, no sentido gengiva-dente inclusive a língua; 8. Orientar o paciente para que deixe escorrer a água na cuba rim por um dos cantos da boca, enxaguando bem a cavidade oral; 9. Solicitar ao paciente que enxugue a boca com a toalha de rosto. 10. Orientar o paciente para enxaguar, secar e guardar a escova de dente; 1. Deixar o paciente confortável e a unidade em ordem

12. Fazer anotações na prescrição do paciente: horário; condições da cavidade bucal.

Material: acrescentar ao material tubo plástico (canudo) e Saco de lixo.

Procedimentos 1. Orientar o paciente sobre o procedimento, observando as condições da cavidade oral. 2. Lavar as mãos 3. Preparar o material 4. Erguer a cabeceira da cama (posição de fowler) 5. Colocar a toalha de rosto sobre o tórax do paciente. 6. Colocar a cuba rim próxima ao rosto do paciente. 7. Umedecer a escova na água, colocar creme dental. Na falta de escova, umedecer a gaze envolta na espátula com solução dentrifícia. 8. Escovar a face anterior e posterior dos dentes no sentido gengiva-dente. 9. Escovar a língua evitando feri-la e provocar náuseas 10. Oferecer água para o paciente bochechar e enxaguar a boca; se necessário, usar canudo. 1. Orientar o paciente para que deixe escorrer a água na cuba rim, por um dos cantos da boca. 12. Retirar a cuba rim e enxugar a boca com a toalha de rosto 13. Lubrificar os lábios, se necessário. 14. Enxaguar a escova de dente, seca-la e guarda-la; 15. Deixar o paciente confortável e a unidade em ordem. 16. Lavar as mãos. 17. Fazer anotações na prescrição do paciente: horário; condições da cavidade bucal.

Material

Duas espátulas e gaze; copo com solução dentifrícia (Cepacol ou similar a 50% e bicarbonato de sódio a 2%); saco para lixo; toalha de rosto; um par de luvas de procedimento; lubrificante para os lábios; Para paciente entubado um aspirador montado.

Procedimento 1. Informar ao paciente sobre o procedimento, observando as condições da cavidade oral.

2. Lavar as mãos 3. Preparar o material 4. Posicionar o paciente de lado e lateralizar a sua cabeça colocando a toalha; 5. Envolver a gaze na espátula ou pinça e umedece-la com solução dentifrícia 6. Abrir a boca do paciente com o auxilio da outra espátula e, delicadamente, friccionar a espátula envolta em gaze nos dentes, gengiva e língua. 7. Repetir a limpeza quantas vezes for necessária, trocando as gazes. 8. Secar os lábios e lubrifica-los. 9. Retirar a toalha de rosto, deixar o paciente confortável e a unidade em ordem. 10. Lavar as mãos 1. Fazer anotações na prescrição do paciente: horário; condições da cavidade bucal (ex. presença de sangramento gengival, mucosa ressecada, ulcerações ou crostas na língua).

Cuidados importantes

1. Orientar ou fazer higiene oral no mínimo três vezes ao dia 2. Quando o paciente apresentar gengivas edemaciadas ou sangrando, usar bolas de algodão para a limpeza dos dentes. 3. Para lábios ressecados recomenda-se usar pomada específica, manteiga de cacau ou vaselina. 4. Cuidados com a prótese dentária. a. Proceder à limpeza das próteses. b. Orientar ou fazer a higiene oral e recolocar a prótese. c. Qualquer anormalidade observada na cavidade oral (cáries, aftas, moniliases), anotar no prontuário e comunicar ao médico assistente. d. No caso de pacientes que necessitam permanecer sem a prótese, a mesma deverá ser mantida em solução anti-séptica em recipiente identificado (ex.: inconsciente, fratura mandibular, traumatismo facial). e. Efetuar a troca da solução anti-séptica diariamente.

Conceito

É a eliminação de parasitas (parasitas hematófagos), conhecidos popularmente por PIOLHOS. São encontrados no couro cabeludo e regiões pilosas do corpo.

Objetivos

Evitar a propagação de infecções e pedículos; Proporcionar higiene e conforto; Proporcionar higiene do couro cabeludo.

Material

Solução para pediculose (Benzoato de Benzila, Tetmosol, micosina, preparados caseiros); um par de luvas; toalha de banho ou similar e impermeável; fita adesiva; bolas de algodão; pente; recipiente para lixo; biombo.

Procedimentos 1. Lavar as mãos 2. Explicar ao paciente o procedimento. 3. Desocupar a mesa-de-cabeceira e colocar biombo. 4. Lavar as mãos 5. Preparar o material. 6. Levar o material para junto do paciente, organizar a bandeja 7. Calçar as luvas 8. Forrar o travesseiro com o impermeável e toalha de banho. 9. Aplicar a solução para pediculose, mecha por mecha – com auxilio de algodão e pente – umedecendo todo o cabelo e o couro cabeludo (começando pelo lado mais distante para o mais próximo); 10. Envolver a cabeça do paciente com a toalha de banho, fixando-a com fita adesiva, de maneira que todo o cabelo permaneça oculto por duas horas, no mínimo. De preferência colocar a noite para que seja retirado no outro dia, não deixando que os outros pacientes saibam; 1. Deixar o paciente confortável e a unidade em ordem.

12. Lavar as mãos. 13. Fazer anotações na prescrição do paciente: horário; reações do paciente.

Cuidados importantes

No caso de pedículos nos pêlos da região pubiana, convém executar tricotomia na área. 1. Proceder ao tratamento de pediculose e lêndeas por três dias consecutivos após uma semana do primeiro dia de tratamento, ou de acordo com indicação da solução aplicada. 2. Duas horas após o tratamento, realizar a higiene dos cabelos prosseguindo posteriormente com o tratamento de lêndeas, conforme a técnica padronizada. 3. Evitar que a solução atinja os olhos. 4. Caso o paciente concorde, cortar os cabelos. 5. Em casos de pedículos nos cílios usa-se pomada de óxido amarelo de mercúrio; 6. Devido ao ciclo biológico do parasita, recomenda-se mais de uma aplicação do produto para exterminar os pedículos; 7. Após a aplicação do produto faz-se necessário a troca de toda a roupa de cama e colocação desta em um saco plástico com a identificação Piolho.

Conceito: É o extermínio de ovos dos pedículos nos fios de cabelo, que precisam ser removidos para extermínio completo dos parasitas.

Objetivo: Exterminar e remover as lêndeas.

Material: Vinagre puro aquecido ou ácido acético a 5%; bolas de algodão; pente fino e gazes; toalha de banho e impermeável; recipiente de lixo; um par de luvas.

Procedimentos 1. Explicar ao paciente o procedimento

2. Lavar as mãos. .

3. Preparar o material. 4. Forrar o travesseiro com a toalha de banho ou, caso o paciente esteja sentado, coloca-la nos ombros. 5. Embeber o algodão no vinagre aquecido. Aplicar ao longo dos cabelos, mecha por mecha. 6. Deixar o vinagre nos cabelos, no mínimo meia hora. Neste período, utilizar o pente fino ou gazes para remover as lêndeas. 7. Fazer higiene dos cabelos. 8. Trocar a roupa de cama e do paciente. Coloca-la dentro do saco plástico e lacra-la com a identificação de PIOLHO. 9. Deixar o paciente confortável e a unidade em ordem. 10. Lavar e guardar o material. 1. Lavar as mãos. 12. Fazer anotações na prescrição do paciente: horário; reações do paciente.

Cuidados importantes 1. Fazer aplicação de vinagre durante três dias consecutivos. Até a remoção completa de todas as lêndeas. 2. Repetir o tratamento após uma semana do primeiro dia do tratamento.

Conceito: Consiste na limpeza do couro cabeludo e dos cabelos do paciente acamado.

Objetivos: Proporcionar conforto; Estimular a circulação do couro cabeludo; Proteger o couro cabeludo. Eliminação da seborréia; Evitar o aparecimento de pedículos, caspas e infecções.

Material: Impermeável ou saco de lixo plástico com as duas extremidades abertas e a lateral até o meio envolvendo o cobertor (na forma de um funil); toalha de banho e rosto; impermeável; cuba rim; duas bolas de algodão; cotonetes; recipiente para lixo; jarro com água morna e adaptador com borracha de látex, chuveiro ou pinça; balde vazio; papel toalha; um par de luvas; shampoo ou sabão líquido; pente.

a) Dobrar o cobertor ao centro no sentido diagonal. b) Enrolar e entrelaçar suas extremidades de modo a formar um círculo. c) Envolver o cobertor com a extremidade do saco plástico que está aberta na lateral e deixar a outra extremidade para que seja colocada dentro do balde no ato do banho.

Procedimentos 1.Explicar ao paciente o procedimento. 2.Preparar o ambiente: fechar janelas; esvaziar a mesinha-de-cabeceira. 3.Preparar o material. 4.Lavar as mãos. 5.Forrar o travesseiro com o impermeável e sobre este, colocar a tolha de banho. 6.Colocar a toalha de rosto no ombro do paciente. 7.Colocar o travesseiro sob os ombros do paciente. 8.Colocar o rolo com o impermeável (funil) sob a cabeça do paciente. 9.Colocar a escadinha próxima da cabeceira da cama. Forra-la com papel toalha e colocar o balde em cima da mesma. 10. Colocar a extremidade mais fina do impermeável (bico do funil) dentro do balde. 1. Calçar as luvas. 12. Colocar as bolas de algodão nos ouvidos do paciente. 13. Irrigar, ensaboar e massagear o couro cabeludo com a polpa dos dedos. 14. Enxaguar retirando todo o sabão. 15. Retirar o impermeável do rolo com cuidado para não molhar o cobertor. 16. Repetir os itens 12 e 13 quantas vezes forem necessárias. 17. Enxugar a cabeça com a toalha de rosto e retirar as bolas de algodão do ouvido 18. Colocar o travesseiro no lugar. 19. Limpar os ouvidos com cotonetes. 20. Pentear os cabelos.

21. Retirar o impermeável e toalha de banho do travesseiro. 2. Lavar e guardar o material. 23. Lavar as mãos. 24. Anotar na prescrição do paciente: horário; reações do paciente; condições do couro cabeludo.

Cuidados importantes 1. Observar condições do couro cabeludo (lesões, lêndeas, pedículos, etc.).

2. No caso de cabelos embaraçados, aplicar álccol com auxilio de bolas de algodão. 3. Evitar que escorra água e sabão nos olhos do paciente. 4. Pentear os cabelos iniciando das pontas para a raiz. 5. Preferencialmente, estas técnicas devem ser executadas por duas pessoas.

Conceito: É a retirada de pêlos de uma determinada área.

Objetivos: Preparar uma área para cirurgias ou exames; - Facilitar a higiene.

Material: Aparelho de barbear; cuba de anti-sepsia; água; recipiente com sabão; gazes; papel higiênico; recipiente para lixo; biombos e foco auxiliar, se necessário; toalha impermeável.

Procedimentos 1. Lavar as mãos. 2. Comunicar ao paciente o procedimento e sua finalidade. 3. Preparar o material. 4. Cercar a cama com biombo, se necessário. 5. Proteger a cama com impermeável, se necessário. 6. Colocar o paciente em posição confortável e expor apenas a área a ser tricotomizada. 7. Ensaboar as bolas de algodão, aplicando-as na pele em pequenas áreas de cada vez.

8. Esticar a pele com uma das mãos e, com a outra, raspar seguindo a direção do crescimento dos pêlos. 9. Retirar o excesso de pêlos do aparelho com papel higiênico e/ou com a água da cuba. 10. Com a gaze, remover os pêlos soltos. 1. Revisar a área tricotomizada e refazer a raspagem nos pintos necessários. 12. Encaminhar o paciente ao chuveiro ou lavar e enxugar a área. 13. Proceder á desinfecção do material conforme rotina e desprezar a lâmina no recipiente de material cortante. 14. Lavar as mãos. 15. Anotar na prescrição do paciente: horário; área tricotomizada.

(Parte 1 de 4)

Comentários