Administraçao Rural

Administraçao Rural

ADMINISTRAÇÃO RURAL - UNIDADE I

Profa. LÚCIA RAMOS

  1. INTRODUÇÃO

Conforme Souza et al (1988) “a administração é uma ciência e também uma arte. Ciência porque possui um referencial teórico próprio, passível de ser tratado pelo método científico. E arte porque inclui, na resolução dos problemas que surgem na condução das organizações, habilidade, sensibilidade e intuição”.

1.2 Definição de Administração Rural

Pode-se citar algumas:

  • È um ramo da Ciência Administrativa que estuda os processos racionais das decisões e ações administrativas em organizações rurais”. ANDRADE (2001

  • “É o ramo da Ciência Administrativa que se preocupa com a análise dos aspectos inerentes a empresa rural e suas inter-relações com o meio ambiente”. SOUZA et al (1989).

  • “É o ramo da economia rural que estuda a organização e administração de uma empresa agrícola, visando o uso mais eficiente dos recursos para obter resultados compensadores e contínuos”, HOFFMANN, et al (1989).

1.3 O Processo Administrativo

1.3.1. O Ambiente da Empresa Rural

O ambiente é o universo que envolve externamente a empresa. As variáveis que compõem o ambiente da empresa rural são: variáveis tecnológicas, variáveis econômicas, variáveis políticas, variáveis sociais, variáveis legais, variáveis demográficas e variáveis ecológicas.

Do ambiente geral é constituído o ambiente operacional da empresa (necessárias ao seu funcionamento). O ambiente operacional é constituído por quatro setores principais;

  • Consumidores – pessoas ficas ou jurídicas. Formam o mercado agrícola e possuem, normalmente, melhores informações sobre os preços do que o produtor.

  • Fornecedores - são todas as instituições que fornecem recursos para a empresa rural como; crédito, mão-de-obra, insumos, assistência técnica, serviços em geral, etc

  • Concorrentes - formado pelos outros empresários rurais que concorrem tanto na venda de produtos como na obtenção de insumos e serviços

  • Regulamentadores formado por órgãos do governo, associações e sindicatos que de alguma forma impõem controles,limitações ou restriões às atividades da empresa rural. Ex: normas para produção de leite B, a legislação de crédito rural e trabalhista.

1.3.2 O processo de tomada de decisão

Os problemas são vários e requer do administrador habilidades (transformação do conhecimento em ações). Caso os problemas sejam complexos exigem que sejam resolvidos por parte. No processo de tomada de decisão, avança-se passo a passo:

  • Identificação do problema;

  • Busca de alternativas;

  • Avaliação das alternativas;

  • Escolha das alternativas

  • Ação

1.3.3 Funções básicas da Administração

*Planejamento 1

Planejar é decidir antecipadamente o que deve ser feito, levando-se em conta as condições da organização e do contexto da mesma.

*Implementação Consiste em colocar o plano em ação. Envolve a organização dos recursos da empresa (humanos e físicos) e a direção que se realiza sobre as pessoas (envolve motivação, liderança e comunicação).

*Controle

Consiste em verificar se as ações estão sendo desempenhas corretamente e se os objetivos estão sendo alcançados.

1.3.4 Empresa Rural

“Empresa Rural” é uma unidade de organização Econômico Social, no Setor Rural que tem característica,s em geral, diferenciadas das empresas de outros setores.

1.3.5 Áreas das Empresas

As áreas são observadas em qualquer tipo empresas e apresentam inter-relação:

  1. Área de Produção

Relaciona-se com os recursos necessários a operação da empresa. Existem quatro pontos relacionados a área de produção:

  • Quantidade produzida,

  • Produtividade (ex: kg por hectare; litro de leite por vaca, litros de leite por ano);

  • Qualidade;

  • Custos.

  1. Área de recursos humanos

Esta área se relaciona às pessoas que promovem o funcionamento da empresa, independente de suas posições, cargos e tarefas. Alguns recursos podem ser usados para aumentar a produtividade do trabalho, ex: capacitação do empregado rural, estímulos ao trabalhador etc

c) Área de finanças

Refere-se às receitas, despesas, financiamentos e investimentos para o alcance dos objetivos propostos para a empresa rural.

d) Área de Comercialização e Marketing

Esta área é também muito importante, pois conecta a empresa com seu ambiente. O empresário deve ter a preocupação de saber onde e como devem ser colocados os produtos e quais são os melhores canais de comercialização. Além disto, deve haver busca continuada de informações sobre preços de produtos e insumos o que poderá aumentar seu poder de barganha. Deve, também, verificar a importância de participar de associação, seja ela formal (cooperativa) ou informal (participando de grupos de compra e venda) que possa facilitar seu desempenho comercial.

1.3.6. Empresário Rural

É a pessoa que deve fazer a empresa funcionar, alcançar seus objetivos, e, sobretudo, sobreviver e se desenvolver.

1.3.6.1. Objetivos do empresário

Existem objetivos gerais (referem-se a empresa como um todo) e específicos (referem-se a explorações específicas). Estes objetivos devem direcionar a TOMADA DE DECISÂO.

Os objetivos gerais estão ligados á:

  • Obtenção de lucro – (ex: aumento da produtividade, redução dos custos);

  • Obtenção da sobrevivência - (ex: produzir quantidades de culturas e/ou animais que sejam suficientes para manter sua família)

  • Busca de crescimento da empresa (ex: aquisição de novas áreas de terra)

  • Prestígio (ex: participação e premiação em exposição agropecuária)

Os objetivos específicos se relacionam às diversas áreas da empresa :

Ex: * implementar no próximo ano, a inseminação artificial

    • Abrir loja no centro urbano para venda dos produtos

    • Melhorar a qualidade da uva;

    • Ampliar a suinocultura;

1.3.6.2 Limitações do Empresário

As limitações do empresário estão associadas a:

  • Disponibilidade e qualidade dos fatores de produção

  • Condições climáticas

  • Tecnologia de produção

  • Condições de mercado

O empresário rural é eficaz se considera, os fatores ou condições internas de sua empresa, mas, sobretudo as variáveis do ambiente e suas interações e influencias nos aspectos internos da fazenda.

O administrador deve constantemente tomar decisões, assim a disciplina de Administração Rural (A.R) visa fornecer o embasamento necessário para auxiliar no processo de TOMADA DE DECISÃO.”

1.4 O Agronegócio e a Administração Rural

Nos últimos tempos surgiu da necessidade de se abordar a agricultura como parte de um sistema maior. No contexto atual, é necessário que os atores envolvidos no setor agroindustrial tenham uma visão holística do negócio, que vislumbrem o todo, suas partes relevantes e inter-relacionamentos. Para LEITE & PAULA PESSOA (1996), é não é mais possível planejar setorialmente, sem levar em conta os desdobramentos ao longo da cadeia de produção. Otimizações isoladas não garantem a sua otimização global. Assim o administrador rural deve conhecer e atuar considerando esta realidade.

O processo de transição do modo de produzir, do tradicional para o moderno, está diretamente associado à constituição do Complexo Agroindustrial.

O termo agribusiness (Agronegócio) é definido como a soma das operações de produção e distribuição de suprimentos agrícolas, das operações de produção nas unidades agrícolas, do armazenamento, processamento e distribuição dos produtos agrícolas e itens produzidos a partir deles (GOLDBERG, 1957), citado por BATALHA (1997).

Cadeia de Produção é um sistema de agregação de valor, que envolve atividades de produção, processamento, distribuição e comercialização. Uma cadeia de produção é definida a partir da identificação do produto final. LEITE & PAULA PESSOA (1996).

O agronegócio entra cada vez com fatia mais gorda nas exportações no Ceará, contudo, se faz necessário tecnologia, organização e gestão.

Principais agronegócio do Ceará: Castanha de caju; Cera de Carnaúba Lagosta; Camarão; Couros e Peles e ainda Mel de Abelha, Sucos de Frutas; Extratos Vegetais, Flores; Peixes e Pimenta.

1.5.Globalização, Competição e Empresa Rural.

A globalização expressa a integração das economias em um mercado global, implicando em liberalização do comércio e a abertura dos mercados nacionais. A globalização não beneficia a todos de maneira uniforme. Uns ganham muito, outros ganham menos, outros perdem. Na prática exige menores custos de produção e maior tecnologia.

Assim, a abertura comercial tem produzido o acirramento da concorrência o que tem obrigado as empresas a cortar custos, com o objetivo de obter preços menores e qualidade alta para os seus produtos.

Sabe-se que o processo de abertura econômica promoveu uma mudança no comportamento e na estrutura do comércio exterior brasileiro. Com maior concorrência externa se fez necessário estimular a modernização das empresas nacionais com a finalidade de torna-lo mais competitivo e capaz de ajusta-lo ao padrão exigido pela economia globalizada2.

Para sobreviver neste contexto a empresa rural tem que ser competitiva e se ajustar constantemente as exigências do mercado interno e/ou externo.

1.6 Administração Rural e o Meio Ambiente3

As atividades econômicas, sejam urbanas ou rurais, recebem e sofrem influencias do meio ambiente no qual estão inseridas.

Fabricas dão emprego, mas para que isto ocorra, elas provavelmente poluem o ambiente afetando pessoas, que muitas vezes não recebem diretamente seus benefícios. O uso de pesticida numa empresa agrícola,faz com que a produtividade aumente, porém isto também tem um custo social, pois os seus resíduos irão afetar a sociedade como um todo, poluindo o ar e a água, que são utilizados indistintamente por toda a sociedade. Ao setor rural compete, de certa forma, equilibrar a poluição ambiental filtrando a atmosfera através de suas matas e parques e devolvendo à mesma sociedade, um produto, purificando, o ar.

O administrador do futuro, terá certamente, que pensar nas muitas restrições que lhes serão impostas, a bem de uma qualidade de vida melhor na sociedade urbana, que passa a exigir maiores cuidados nos tratos de plantas e animais, muitas vezes sem saber que isto implica em custos adicionais para ambos, empresários agrícolas e sociedade. A administração de qualquer atividade econômica deve está vinculada ao conceito de lucros contínuos. Compete ao empresário agropecuário tomar decisões que levem em conta fatores ambientais, hoje ainda pouco percebidos, mas que, em um futuro não muito distante, estarão afetando a lucratividade de sua empresa. A habilidade de administrar esses conflitos, de maneira racional, vai definir o empresário agrícola eficaz das próximas décadas.

2.CARACTERÍSTICAS DA AGRICULTURA

A agricultura possui certas características que têm que ser consideradas quando se pretende PLANEJAR, ADMINISTRAR ou AVALIAR empresas rurais.

  1. Terra(solo) como Fator de Produção

*Outros setores – pouco efeito

*Agricultura – importante, inclusive LIMITANDO a exploração de certos produtos. As diferentes características dos solos (fertilidade, profundidade, teores de argila , etc determinam as diferentes forma de usos dos solos).

  1. Condições Climáticas

*Outros setores – pouco efeito

*Agricultura – condiciona o PLANEJAMENTO das atividades

  1. Produção Conjunta

N

Carne

ovos

Esterco

a agricultura é possível a exploração de atividades que resultam em mais de um produto.

Ex.: Produção de Frangos

  1. Produção função de muitas e pequenas empresas

*Vantagem: a decisão de uma não afeta as demais

*Desvantagens: se a decisão é GENERALIZADA pode criar sérios problemas.

  1. Dispersão das empresas

Pode trazer vários problemas: aquisição de bens e fatores de produção; custos de transporte; dificuldade de acesso a linhas e fontes de créditos; número limitados de compradores etc

  1. Posse da terra/Investimento

As atividades agrícolas exigem em geral pesados INVESTIMENTOS de caráter permanente. Se o empresário não tiver a POSSE LEGAL da terra não terá incentivos a investir.

  1. Oferta estacional x Demanda constante

  2. Produtos perecíveis

  3. Riscos - a agricultura está mais seriamente exposta a dois tipos principais de risco: * risco climático e/ou biológico

* risco econômico – preços.

3. CONTRIBUIÇÃO DA AGRICULTURA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

  1. Produção de alimentos para a População Total e de Matéria Prima para a indústria.

* Produção de alimentos – é uma questão estratégica para o País.

* Produção de matéria-prima – para atender as necessidades crescentes do Setor Industrial.

  1. Absorção da Força de Trabalho (?!!!)

É importante quando os outros setores não têm condição de absorver a mão-de-obra que vem do campo.

  1. Criação de mercado para o setor não agrícola

A agricultura quando opera no esquema comercial requer demanda por fatores de produção (fertilizantes, sementes, maquinas, etc) o que leva a aumento da produtividade e conseqüentemente aumento da renda dos produtores o que induz o aumento da demanda por bens de consumo de outros setores da economia.

  1. Fonte de capital para outros setores

Exemplos de transferências:

* Redução dos PREÇOS RELATIVOS dos produtos primários

* Utilização dos IMPOSTOS diretos e indiretos cobrados no setor agrícola e aplicados nos demais setores

* Fornecimento de matéria-prima a preços relativamente BAIXO para a produção de produtos industrializados.

  1. Contribuição com as exportações

A expansão das exportações aumenta as disponibilidades cambias

  1. Participação no PIB

É importante a participação da agricultura no PIB do País.

1 O Planejamento Estratégico prevê a ação da empresa em face as variáveis do ambiente e deve efetuar uma análise global que considere todas as explorações, atuais e futuras, e as possíveis inter-relações entre elas. Engloba o longo prazo.

2 A liberalização nos setores agrícolas é considerada insuficiente pelos países em desenvolvimento que são os principais produtores de bens primários. Apesar da diminuição em algumas taxas de importação e em subsídios, o protecionismo agrícola ainda é forte no mundo desenvolvido - principalmente nos EUA e nos países da União Européia.

3 Texto baseado em “Implicações Ambientais e Administração Rural” de Guaracy Vieira (UFLA).

Comentários