Métodos de Lavra Subterrânea

Métodos de Lavra Subterrânea

1.0 Métodos com Realces Auto-portantes

  • 1.0 Métodos com Realces Auto-portantes

  • Câmaras e Pilares

  • Método dos Sub-níveis

  • Recuo por Crateras Verticais (VCR – Vertical Crater Retreat)

  • 2.0 Métodos com Suporte das Encaixantes

  • Recalque (shrinkage)

  • Corte e Enchimento (Corte e Aterro)

  • 3.0 Métodos com Abatimento

  • Abatimento por Sub-níveis (Sublevel Caving)

    • Abatimento por Blocos (Block Caving)
    • Longwall

Em geral, os métodos com realces auto-portantes são empregados sempre que possível, tanto no Brasil como no contexto internacional, dado seu menor custo de lavra.

  • Em geral, os métodos com realces auto-portantes são empregados sempre que possível, tanto no Brasil como no contexto internacional, dado seu menor custo de lavra.

  • No Brasil, as restrições ambientais ainda não são tão severas, os custos com manutenção de rejeitos em superfície não são muito elevados, de maneira que as técnicas de enchimento com rejeitos são menos populares.

Ao mesmo tempo, os rejeitos gerados na mineração a céu aberto e no processamento dos bens aproveitados representam um volume muito maior do que aquele gerado pelo processamento dos bens aproveitados através de técnicas de lavra subterrânea, onde os rejeitos de estéril de lavra não costumam vir à superfície. Considerando-se o contexto da disposição dos rejeitos de beneficiamento, pode-se dizer que os métodos com o uso de enchimento sejam um pouco mais populares no contexto de países com maiores restrições ambientais que o Brasil. Estes métodos são, no entanto, empregados no Brasil, quando as condições de aplicação estão dadas.

  • Ao mesmo tempo, os rejeitos gerados na mineração a céu aberto e no processamento dos bens aproveitados representam um volume muito maior do que aquele gerado pelo processamento dos bens aproveitados através de técnicas de lavra subterrânea, onde os rejeitos de estéril de lavra não costumam vir à superfície. Considerando-se o contexto da disposição dos rejeitos de beneficiamento, pode-se dizer que os métodos com o uso de enchimento sejam um pouco mais populares no contexto de países com maiores restrições ambientais que o Brasil. Estes métodos são, no entanto, empregados no Brasil, quando as condições de aplicação estão dadas.

São métodos que costumam exigir, para a sua aplicação, elevada continuidade e homogeneidade da qualidade do minério.

  • São métodos que costumam exigir, para a sua aplicação, elevada continuidade e homogeneidade da qualidade do minério.

  • São, em geral, métodos de alta produtividade, face à simplicidade das operações conjugadas empregadas.

  • São empregados na lavra de minérios de menor valor unitário, pois a recuperação é bastante comprometida pelo abandono dos pilares. A diluição costuma ser baixa, dada a estabilidade das encaixantes e o fato de não se trabalhar com material de enchimento.

1.1 Câmaras e Pilares

  • 1.1 Câmaras e Pilares

  • É um método que se presta bem à mecanização, desde que a espessura da camada permita a operação de equipamentos em seu interior - cerca de 1,8m - com diluição aceitável.

  • A perfuração, quando em rochas duras, pode ser feita através de carretas de perfuração tipo jumbo ou de marteletes pneumáticos. Em geral são utilizados furos com diâmetros entre 40 a 45mm (marteletes) ou 45 a 51mm (jumbos). Nas rochas brandas como no carvão é utilizada perfuração rotativa.

1.1 Câmaras e Pilares

  • 1.1 Câmaras e Pilares

  • O transporte pode ser feito a partir dos próprios realces, por shutle cars descarregando em correias transportadoras ou por vias de transporte abertas na lapa para este fim através de caminhões ou trens que podem receber o material desmontado. Os caminhões são rebaixados e articulados e variam em capacidade, normalmente de 15t a 50t.

1.1 Câmaras e Pilares

  • 1.1 Câmaras e Pilares

  • O método de câmaras e pilares está extensivamente aplicado no carvão de Santa Catarina, em profundidades que variam de 70m a 300m. A recuperação máxima é de 50%, porque não está sendo feita a recuperação de pilares para evitar-se a subsidência. A economia do carvão é muito frágil e as minas permanecem com equipamentos do início da década de 1980, sendo que algumas minas fabricam localmente as máquinas para suas necessidades.

1.2 Método dos Subníveis

  • 1.2 Método dos Subníveis

  • Esse método permite grande variação em sua aplicação, razão da sua ampla utilização no Brasil.

  • Uma variante bastante popular é a conhecida como a do método dos sub-níveis com furos longos, LHOS (long hole open stope), onde são usados furos de diâmetro largo, 115mm ou 150mm, em geral descendentes e se tem entre dois e três sub-níveis (um no piso e os demais no topo). Não é utilizado no Brasil.

1.2 Método dos Subníveis

  • 1.2 Método dos Subníveis

  • Outra variante muito utilizada dos arranjos longitudinais é a dita sublevel retreat method, onde é aberto um acesso central e a lavra é feita em recuo das extremidades do corpo em direção a este acesso.

  • Em outra variante, a lavra é feita através de uma das formas acima e, posteriormente, as escavações são enchidas com estéril ou rejeitos do beneficiamento (backfilling), permitindo a sua disposição no interior da mina e os trabalhos com menores vãos expostos, evitando-se abatimentos de grandes proporções, e aumentado a recuperação na lavra.

1.2 Método dos Subníveis

  • 1.2 Método dos Subníveis

  • A perfuração pode ser descendente, ascendente ou radial, em torno dos subníveis, os diâmetros variam de 51mm a 150mm, com perfuratrizes de topo ou de fundo de furo, eletro-hidráulicas ou pneumáticas.

  • A carga e transporte são feitos através de LHDs e caminhões, com preferência para os equipamentos de maior porte, sempre que possível. No caso de arranjos longitudinais sem pontos de extração, é necessário o uso de equipamentos dotados de controle remoto para a carga do material desmontado.

1.2 Método dos Subníveis

  • 1.2 Método dos Subníveis

  • O método é empregado no Brasil em vários locais:

  • −Fazenda Brasileiro, ouro, da CVRD, em Teofilândia, Bahia, na variante sublevel retreat;

  • − Fortaleza de Minas, níquel, do grupo Rio Tinto, em Passos, Minas Gerais, na variante sublevel retreat

  • − São Bento, ouro, da Eldorado, em Barão de Cocais, onde é aplicado com enchimento posterior dos realces;

  • − Minas da Mineração Vale do Jacurici, cromita, em Andorinhas, Bahia, utilizando sublevel retreat.

1.2 Método dos Subníveis

  • 1.2 Método dos Subníveis

  • O método por sub-níveis clássico foi empregado nos painéis I e II da Mina Caraíba, de cobre, da Mineração Caraíba, em Jaguarari, Bahia, com arranjos clássicos longitudinais dotados de estruturas com pontos de carga na base dos painéis, sendo que os realces alcançavam dimensões de até 90x35x80m. A operação não era muito bem controlada devido aos desplacamentos que aumentavam a diluição até 35%. Foi também empregado na Mina de João Belo, do grupo Anglo American, em Jacobina, também na Bahia, igualmente em arranjos clássicos longitudinais e nas minas da Plumbum- Paraná, Boquira- Bahia e Camaquã- Rio Grande do Sul.

1.3 Recuo por Crateras Verticais (VCR – Vertical Crater Retreat)

  • 1.3 Recuo por Crateras Verticais (VCR – Vertical Crater Retreat)

  • Esse método teve uma grande importância na mineração por ter permitido, pela primeira vez, a recuperação de pilares aumentando as recuperações na lavra.

  • Exige, antes, que os realces sejam suportados com enchimento de rocha ou pasta com cimento.

1.3 Recuo por Crateras Verticais (VCR – Vertical Crater Retreat)

  • 1.3 Recuo por Crateras Verticais (VCR – Vertical Crater Retreat)

  • A perfuração neste método é feita sempre descendente, exigindo que se façam furos, acima de 115mm, bem direcionados utilizando-se martelos de fundo de furo. A carga e transporte são feitos com equipamentos semelhantes aos anteriormente citados. Na aplicação do método, cria-se uma face livre horizontal e fazem-se as detonações de cargas esféricas proporcionando a formação de efeitos crateras. Este método desenvolvido pela INCO no Canadá, foi experimentalmente aplicado na mina Caraíba com consultoria sul-africana.

1.3 Recuo por Crateras Verticais (VCR – Vertical Crater Retreat)

  • 1.3 Recuo por Crateras Verticais (VCR – Vertical Crater Retreat)

  • É comum uma variante (VRM – Vertical Retreat Mining) em que a face livre é aberta através de crater blasting, ao longo de toda a extensão vertical do realce e os demais furos são detonados por inteiro, como no LHOS.

1.3 Recuo por Crateras Verticais (VCR – Vertical Crater Retreat)

  • 1.3 Recuo por Crateras Verticais (VCR – Vertical Crater Retreat)

  • O método e sua variante tipo LHOS são empregados na Mina Caraíba, de cobre, da Mineração Caraíba, em Jaguarari, na Bahia. Os realces são enchidos com rejeito cimentado (até 5% de cimento), tipo pasta (paste fill), após a sua lavra. Os realces são pequenos, permitindo alta velocidade de lavra e melhores condições de estabilidade, a seqüência de lavra é em tabuleiro de xadrez, provendo maior recuperação graças ao uso do enchimento. Este tipo de enchimento permite recuperações acima de 83%, e só se tem uma única operação no Brasil.

O suporte pode ser dado pelo minério, que pode ser deixado em recalque, ou por material externo, que pode ser trazido aos realces.

  • O suporte pode ser dado pelo minério, que pode ser deixado em recalque, ou por material externo, que pode ser trazido aos realces.

  • São métodos de menor produtividade quando comparados com métodos com aberturas auto-portantes em condições similares. A menor produtividade se justifica em função dos desmontes menores (possibilitando trabalhar com menores vãos), de um maior número de operações conjugadas e da dificuldade própria de manuseio do minério em recalque ou do enchimento.

Em geral, são empregados em minérios de alto valor unitário, pois os custos com enchimento e manutenção do minério em recalque são altos e a produtividade é baixa, onerando a lavra. A diluição costuma ser baixa, o que depende muito da qualidade das encaixantes, do controle do desmonte e da contaminação pelo material de enchimento. A recuperação costuma ser alta, dado que a quantidade de minério deixada em pilares normalmente é baixa.

  • Em geral, são empregados em minérios de alto valor unitário, pois os custos com enchimento e manutenção do minério em recalque são altos e a produtividade é baixa, onerando a lavra. A diluição costuma ser baixa, o que depende muito da qualidade das encaixantes, do controle do desmonte e da contaminação pelo material de enchimento. A recuperação costuma ser alta, dado que a quantidade de minério deixada em pilares normalmente é baixa.

2.1 Recalque

  • 2.1 Recalque

  • É um método que não se presta bem à mecanização. A relação entre as dimensões dos equipamentos de perfuração e a espessura e inclinação da camada definem a diluição: desde que a espessura da camada permita a operação de equipamentos em seu interior, opera-se com diluição aceitável. É um método possível de ser aplicado em realces de pequena espessura.

2.1 Recalque

  • 2.1 Recalque

  • A perfuração costuma ser feita através de carretas de perfuração tipo jumbo ou mini jumbos, carretas tipo wagon drill, eletro-hidráulicas ou pneumáticas ou de marteletes pneumáticos. Em geral são utilizados furos com diâmetros entre 40 a 45mm (marteletes) ou 45 a 51mm (jumbos e wagon drills).

2.1 Recalque

  • 2.1 Recalque

  • O carregamento do minério pode ser feito com carregadeiras rebaixadas tipo LHD a partir dos pontos de carga, quando são usados caminhões em sistemas sem chutes ou a partir de chutes ou carregadeiras tipo overshoot loader, quando se utilizam trens.

2.1 Recalque

  • 2.1 Recalque

  • O transporte pode ser feito por caminhões ou trens com vagões de pequeno porte. Quando são usados caminhões, estes são rebaixados e articulados e variam em capacidade, de 15t até 20t a 25t. Quando são usados trens, os vagões costumam ser do tipo gramby com 4t a 8t de capacidade, em trens com 8 a 12 vagões por composição.

2.1 Recalque

  • 2.1 Recalque

  • O método foi empregado no Brasil em algumas minas metálicas:

  • − várias minas de Morro Velho, ouro, hoje da Anglogold, na região de Nova Lima, Minas Gerais, atualmente em revisão dos projetos;

  • − São Bento, ouro, da Eldorado, em Santa Bárbara, Minas Gerais;

  • − Itapicuru, da Anglo American, em Jacobina, Bahia, hoje paralisada.

  • São todas minas semi-mecanizadas.

2.2 Corte e Enchimento

  • 2.2 Corte e Enchimento

  • É um método que permite lidar com variações quanto à continuidade e homogeneidade da qualidade do minério, provendo diluição e recuperação aceitáveis.

  • Caso o material de enchimento seja estéril (do desenvolvimento ou outra fonte), configura-se o enchimento dito mecânico, que pode ser feito com ou sem a adição de cimento. Quando o material de enchimento é o rejeito do beneficiamento (backfill), cimentado ou não, configura-se o rejeito hidráulico.

2.2 Corte e Enchimento

  • 2.2 Corte e Enchimento

  • É um método que permite bom grau de mecanização. A relação entre as dimensões dos equipamentos e a espessura e inclinação da camada definem a diluição: desde que a espessura da camada permita a operação de equipamentos em seu interior, opera-se com diluição aceitável.

2.2 Corte e Enchimento

  • 2.2 Corte e Enchimento

  • O grau de mecanização e o tamanho dos equipamentos são definidos a partir da geometria do corpo, sendo usados sistemas mecanizados sempre que a espessura e inclinação o permitirem; nesses casos, utilizam-se equipamentos de pequeno ou médio porte. Nos sistemas semi-mecanizados costuma-se utilizar marteletes para a perfuração e pequenas LHDs ou rastelos para a limpeza.

  • A perfuração é normalmente feita por carretas de perfuração tipo jumbo ou carretas tipo wagon drill, eletro-hidráulicas ou pneumáticas ou de marteletes pneumáticos. Em geral são utilizados furos com diâmetros que variam de 40mm a 45mm (marteletes) ou 45mm a 64mm (jumbos e wagon drill).

2.2 Corte e Enchimento

  • 2.2 Corte e Enchimento

  • O carregamento do minério pode ser feito com carregadeiras rebaixadas tipo LHD, cuja capacidade varia desde pequenas unidades com capacidade de até 0.4m³, usualmente elétricas, até unidades com até 3m³, raramente maiores.

  • O transporte pode ser feito por caminhões ou trens com vagões de pequeno porte, tal como se utiliza para o recalque.

2.2 Corte e Enchimento

  • 2.2 Corte e Enchimento

  • Quando se usa enchimento hidráulico, é necessário drenar e bombear de volta para a superfície a água utilizada no transporte dos rejeitos. Em sistemas semimecanizados são montadas estruturas de drenagem cuja construção é trabalhosa e onerosa. Em sistemas mecanizados estas estruturas costumam ser mais simples.

  • A utilização de rejeito pastoso (paste fill) permite contornar a questão da drenagem de forma engenhosa, porém o custo é elevado.

O método é empregado no Brasil em algumas minas metálicas:

  • O método é empregado no Brasil em algumas minas metálicas:

  • − Cuiabá, ouro, da Anglogold, em Sabará, Minas Gerais, onde se utiliza enchimento mecânico;

  • − São Bento, ouro, da Eldorado, em Santa Bárbara, Minas Gerais, com enchimento por backfill;

  • − Maior parte da mina de Crixás, ouro, da Anglogold/TVX-Normandy, em Crixás, Goiás, onde se faz o enchimento com areia.

  • São todas minas mecanizadas. Os sistemas semi-mecanizados caíram em desuso no Brasil em meados da década de 1980.

São métodos que exigem, para a sua aplicação, continuidade e homogeneidade da qualidade do minério e que a capa seja sempre suficientemente instável para desmoronar, enchendo o espaço do minério que foi retirado.

  • São métodos que exigem, para a sua aplicação, continuidade e homogeneidade da qualidade do minério e que a capa seja sempre suficientemente instável para desmoronar, enchendo o espaço do minério que foi retirado.

  • São, em geral, métodos de alta produtividade, face à simplicidade das operações conjugadas a serem empregadas.

  • Normalmente, esses métodos são empregados em minérios de menor valor unitário, pois a diluição costuma ser alta. A recuperação é freqüentemente comprometida pelo abandono de parte do minério onde a diluição é maior.

3.1 Abatimento por Sub-níveis

  • 3.1 Abatimento por Sub-níveis

  • A perfuração é ascendente, feita, em geral, com furos de diâmetro mais largo, entre 76mm e 102 mm. A carga e o transporte são feitos por equipamentos semelhantes aos utilizados no método dos sub-níveis, com preferência para os de maior porte, sempre que possível.

  • No Brasil, o emprego desse método ocorre nas minas de cromita da Mineração Vale do Jacurici, em Andorinhas, Bahia. Foi adotado na Mina de Fazenda Brasileiro, de ouro, da CVRD, em Teofilândia, também na Bahia, na porção mais superficial, onde se usou a variante com recalque. O método vem sendo aplicado em algumas situações na Mina Caraíba.

3.2 Abatimento por Blocos

  • 3.2 Abatimento por Blocos

  • A carga e o transporte são feitos por equipamentos semelhantes aos utilizados no método dos sub-níveis, com preferência para os de maior porte.

  • É um método pouco popular, sendo usado por excelência nos pórfiros de cobre do Chile. Não foi até agora empregado no Brasil. É o método que está sendo adotado nas maiores minas do mundo como Palabowra, na África do Sul, e El Teniente, no Chile, lavrando-se minérios com teores de 0,7 a 1,0% de cobre.

3.3 Longwall

  • 3.3 Longwall

  • É um método comum na lavra de carvão e de potássio para profundidades maiores do que 300m. Há casos de utilização em mineração de ouro em rocha dura.

  • Este método só foi experimentalmente utilizado na lavra de carvão de Leão I, no Rio Grande do Sul. Está havendo uma grande restrição dos órgãos ambientais no momento de autorizar a aplicação do método devido a não se permitir subsidências. Em outros países, inclusive Estados Unidos, a aplicação do método tem sido permitida fazendo-se as proteções necessárias.

3.3 Longwall

  • 3.3 Longwall

  • O desmonte é feito com mineradores contínuos ou a fogo, com o uso de equipamentos de perfuração de pequeno porte.

  • A carga é feita por transportadores de correntes que operam junto à face, alimentando correias transportadoras ou shuttle cars dispostas nas travessas.

O padrão de operação unitária em subsolo é condicionado por dois grandes grupos: aquelas características de rochas duras e aquelas características de rochas moles.

  • O padrão de operação unitária em subsolo é condicionado por dois grandes grupos: aquelas características de rochas duras e aquelas características de rochas moles.

  • Na mineração de rocha dura, o desmonte é feito a fogo, sendo necessário perfurar o material a ser desmontado, carregar estes furos e proceder ao desmonte, para, então, fazer a carga e limpeza.

Os equipamentos utilizados para a mineração de rocha dura eram divididos, até meados da década de 1970, nos sistemas sobre trilhos e os ditos trackless. Assim, os sistemas sobre trilhos, semi-mecanizados, eram caracterizados pelo uso de marteletes pneumáticos, rastelos, carregadeiras pneumáticas tipo overshoot loader e trens de pequeno porte, com gramby cars. Os sistemas tipo trackless se caracterizam pelo uso de carretas de perfuração tipo jumbo, carregadeiras rebaixadas tipo LHD e caminhões rebaixados. Esta distinção está perdendo o sentido, dado que os sistemas sobre trilhos estão caindo em desuso, seja pela baixa produtividade, seja pelas piores condições de segurança dos trabalhos e, mais comumente, por uma combinação destes fatores.

  • Os equipamentos utilizados para a mineração de rocha dura eram divididos, até meados da década de 1970, nos sistemas sobre trilhos e os ditos trackless. Assim, os sistemas sobre trilhos, semi-mecanizados, eram caracterizados pelo uso de marteletes pneumáticos, rastelos, carregadeiras pneumáticas tipo overshoot loader e trens de pequeno porte, com gramby cars. Os sistemas tipo trackless se caracterizam pelo uso de carretas de perfuração tipo jumbo, carregadeiras rebaixadas tipo LHD e caminhões rebaixados. Esta distinção está perdendo o sentido, dado que os sistemas sobre trilhos estão caindo em desuso, seja pela baixa produtividade, seja pelas piores condições de segurança dos trabalhos e, mais comumente, por uma combinação destes fatores.

O tipo de equipamento que é utilizado tem relação com a espessura do minério e a escala de produção e define a produtividade da operação.

  • O tipo de equipamento que é utilizado tem relação com a espessura do minério e a escala de produção e define a produtividade da operação.

  • Em escalas menores, são utilizados equipamentos menores, que podem ser acomodados em aberturas de, no mínimo, 2x2 m2. A perfuração para desenvolvimento é feita por carretas de perfuração tipo jumbo, usualmente de um braço, que fazem furos de 45mm a 51mm até 3m de extensão ou marteletes pneumáticos, utilizando-se diâmetros em torno de 40mm e extensão entre 1,60m e 2,40m. O uso de marteletes tem sido cada vez menos comum, a perfuração de produção é feita através de carretas tipo wagon drill, em diâmetros de 51mm a 64mm.

A carga costuma ser feita através de carregadeiras tipo LHD com capacidades que varia de 0,4 m3 até, no máximo, 4 m3. O uso de rastelos é cada vez menos comum. O transporte é feito por caminhões de 7t a 10t ou 15t, a depender do tamanho das vias, ou por trens, especialmente composições com vagões tipo gramby car com 4t a 8t de capacidade, sendo usados 8 a 12 vagões por trem. Os trens deste porte estão caindo em desuso.

  • A carga costuma ser feita através de carregadeiras tipo LHD com capacidades que varia de 0,4 m3 até, no máximo, 4 m3. O uso de rastelos é cada vez menos comum. O transporte é feito por caminhões de 7t a 10t ou 15t, a depender do tamanho das vias, ou por trens, especialmente composições com vagões tipo gramby car com 4t a 8t de capacidade, sendo usados 8 a 12 vagões por trem. Os trens deste porte estão caindo em desuso.

Em escalas intermediárias, utilizam-se vias de acesso com 4x4 m2 e os equipamentos de perfuração são carretas de perfuração tipo jumbo com dois braços, que fazem furos de 45mm a 51mm com 3m até 4m de extensão. Os marteletes pneumáticos são usados para atividades auxiliares; a perfuração de produção costuma ser feita por equipamentos específicos para este fim e os diâmetros variam entre 76mm até 150mm. A carga se processa por meio de carregadeiras tipo LHD com capacidade entre 4,5m3 e 7m3. O transporte é feito por caminhões desde 20t até 25t a 30t.

  • Em escalas intermediárias, utilizam-se vias de acesso com 4x4 m2 e os equipamentos de perfuração são carretas de perfuração tipo jumbo com dois braços, que fazem furos de 45mm a 51mm com 3m até 4m de extensão. Os marteletes pneumáticos são usados para atividades auxiliares; a perfuração de produção costuma ser feita por equipamentos específicos para este fim e os diâmetros variam entre 76mm até 150mm. A carga se processa por meio de carregadeiras tipo LHD com capacidade entre 4,5m3 e 7m3. O transporte é feito por caminhões desde 20t até 25t a 30t.

Em uma escala maior, utilizam-se vias de acesso de 5x5 m2 ou um pouco maiores e os equipamentos de perfuração são carretas de perfuração tipo jumbo com dois braços, raramente três braços, similares às anteriores; a perfuração de produção também é feita por equipamentos específicos. A carga costuma ser feita por carregadeiras tipo LHD com capacidades entre 9m3 e 11m3. O transporte é feito por caminhões de 40t a 50t, raramente maiores.

  • Em uma escala maior, utilizam-se vias de acesso de 5x5 m2 ou um pouco maiores e os equipamentos de perfuração são carretas de perfuração tipo jumbo com dois braços, raramente três braços, similares às anteriores; a perfuração de produção também é feita por equipamentos específicos. A carga costuma ser feita por carregadeiras tipo LHD com capacidades entre 9m3 e 11m3. O transporte é feito por caminhões de 40t a 50t, raramente maiores.

Os sistemas empregados para rocha mole consistem, em geral, em mineradores contínuos para o desmonte e carga, shuttle cars e correias transportadoras para o transporte; por vezes utilizam-se os mineradores contínuos ou mesmo carretas tipo jumbo em combinação com carregadeiras tipo LHD e caminhões.

  • Os sistemas empregados para rocha mole consistem, em geral, em mineradores contínuos para o desmonte e carga, shuttle cars e correias transportadoras para o transporte; por vezes utilizam-se os mineradores contínuos ou mesmo carretas tipo jumbo em combinação com carregadeiras tipo LHD e caminhões.

Os equipamentos principais utilizados no contexto mais moderno, como carretas de perfuração tipo jumbo, carregadeiras rebaixadas tipo LHD, caminhões de baixo perfil, mineradores contínuos e equipamentos de transporte tipo shuttle cars, são, em geral, encontrados ao menos nas minas citadas como referência. Ocorre, todavia, que todos, sem exceção, são importados. Não há escala para sua fabricação no País. Somente nas minas de carvão de Santa Catarina, pequenos equipamentos estão sendo feitos localmente, sempre copiados.

  • Os equipamentos principais utilizados no contexto mais moderno, como carretas de perfuração tipo jumbo, carregadeiras rebaixadas tipo LHD, caminhões de baixo perfil, mineradores contínuos e equipamentos de transporte tipo shuttle cars, são, em geral, encontrados ao menos nas minas citadas como referência. Ocorre, todavia, que todos, sem exceção, são importados. Não há escala para sua fabricação no País. Somente nas minas de carvão de Santa Catarina, pequenos equipamentos estão sendo feitos localmente, sempre copiados.

A falta de disponibilidade de um mercado eficiente para o fornecimento de serviços de manutenção - peças e partes - gera custos muito altos de manutenção dos equipamentos, baixa disponibilidade e queda de produtividade.

  • A falta de disponibilidade de um mercado eficiente para o fornecimento de serviços de manutenção - peças e partes - gera custos muito altos de manutenção dos equipamentos, baixa disponibilidade e queda de produtividade.

  • Devido à pequena escala da mineração subterrânea no Brasil, o fornecimento de serviços, seja pelo representante, seja pelo mercado em geral, é muito deficiente. Os operadores das minas assumem, então, essas atividades, perdendo o foco de sua atenção com relação ao negócio principal. A manutenção mecânica e elétrica passa a ser uma atividade igualmente responsável pela produção.

A falta de disponibilidade de peças e partes importadas e as dificuldades com logística e desembaraço aduaneiro induzem os operadores das minas a arcar com altos custos de almoxarifado. Tendo em conta o alto custo das peças, seja intrínseco, seja pela alta carga tributária, seja ainda pelo baixo giro do estoque e a dificuldade em adquiri-las, são comuns tentativas de nacionalizar componentes, tirando o minerador de seu foco principal e transformando-o em um dos estimuladores do desrespeito às patentes na tentativa de manter competitividade.

  • A falta de disponibilidade de peças e partes importadas e as dificuldades com logística e desembaraço aduaneiro induzem os operadores das minas a arcar com altos custos de almoxarifado. Tendo em conta o alto custo das peças, seja intrínseco, seja pela alta carga tributária, seja ainda pelo baixo giro do estoque e a dificuldade em adquiri-las, são comuns tentativas de nacionalizar componentes, tirando o minerador de seu foco principal e transformando-o em um dos estimuladores do desrespeito às patentes na tentativa de manter competitividade.

O mercado local de equipamentos fixos específicos para mineração, tais como ventiladores e bombas, é pouco desenvolvido, havendo uns poucos fornecedores, alguns deles ainda desenvolvendo seus produtos em parceria ou, em outros casos, à custa da produtividade dos mineradores.

  • O mercado local de equipamentos fixos específicos para mineração, tais como ventiladores e bombas, é pouco desenvolvido, havendo uns poucos fornecedores, alguns deles ainda desenvolvendo seus produtos em parceria ou, em outros casos, à custa da produtividade dos mineradores.

  • Os equipamentos eletro-eletrônicos necessários são comuns da indústria de base, sendo encontrados sem problemas.

O mercado local ainda é pouco desenvolvido para o fornecimento de equipamentos auxiliares, como equipamentos móveis de apoio, para reforço e para desmonte de rocha. Tendo em vista o alto custo dos equipamentos importados enfrentado pelas mineradoras, uma série dessas atividades não é mecanizada ou se utilizam adaptações de baixo desempenho. Em algumas minas, principalmente de veios estreitos, ainda co-existe a operação mecanizada com elementos dos sistemas semi-mecanizados, o que, de resto, também ocorre no exterior.

  • O mercado local ainda é pouco desenvolvido para o fornecimento de equipamentos auxiliares, como equipamentos móveis de apoio, para reforço e para desmonte de rocha. Tendo em vista o alto custo dos equipamentos importados enfrentado pelas mineradoras, uma série dessas atividades não é mecanizada ou se utilizam adaptações de baixo desempenho. Em algumas minas, principalmente de veios estreitos, ainda co-existe a operação mecanizada com elementos dos sistemas semi-mecanizados, o que, de resto, também ocorre no exterior.

Alguns dos fatores condicionantes da defasagem de padrão tecnológico entre as operações brasileiras e as operações de ponta num contexto internacional referem-se às operações auxiliares. A mecanização parcial das operações, principalmente das atividades de apoio, é praticada face ao baixo custo da mão-de-obra menos qualificada no País e o alto custo dos equipamentos importados. A questão é que este meio termo entre a operação mecanizada e a semimecanizada é prejudicial à ponta tecnológica, isto é, o nivelamento é feito, muitas vezes por baixo. A mecanização só surte resultado quando adotada integralmente, o que exige o uso de equipamentos modernos, também para as atividades de apoio. Esse quadro nem sempre se verifica, comprometendo os resultados em termos de segurança e produtividade.

  • Alguns dos fatores condicionantes da defasagem de padrão tecnológico entre as operações brasileiras e as operações de ponta num contexto internacional referem-se às operações auxiliares. A mecanização parcial das operações, principalmente das atividades de apoio, é praticada face ao baixo custo da mão-de-obra menos qualificada no País e o alto custo dos equipamentos importados. A questão é que este meio termo entre a operação mecanizada e a semimecanizada é prejudicial à ponta tecnológica, isto é, o nivelamento é feito, muitas vezes por baixo. A mecanização só surte resultado quando adotada integralmente, o que exige o uso de equipamentos modernos, também para as atividades de apoio. Esse quadro nem sempre se verifica, comprometendo os resultados em termos de segurança e produtividade.

Comentários