Edifícios habitacionais de até cinco - Desempenho

Edifícios habitacionais de até cinco - Desempenho

(Parte 1 de 3)

ABNT – Associação Brasileira de

Normas Técnicas

Copyright © 2000, ABNT–Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados

14 FEV

Edifícios habitacionais de até cinco pavimentos – Desempenho

Parte 6: Sistemas hidrossanitários

ABNT/CB 02 - Comitê Brasileiro de Construção Civil CE 02.136.01 – Desempenho de Edificações

Performance of up to five storeyed residential buildings - Part 6: Sistemas hidrossanitários

Descriptors: Performance, residential buildings

Palavra(s)-chave: Desempenho, edifícios habitacionais, sistemas hidrossanitários 2 páginas

0 Prefácio

0 Introdução 1 Objetivo

2 Referências normativas 3 Definições 4 Exigências dos usuários 5 Requisitos, critérios, métodos de avaliação e níveis de desempenho 6 Avaliação do desempenho 7 Segurança estrutural 8 Segurança contra incêndio 9 Segurança no uso e operação 10 Estanqueidade 1 Conforto térmico 12 Conforto acústico 13 Saúde e higiene 14 Funcionalidade e acessibilidade 15 Conforto tátil e antropodinâmico 16 Durabilidade e manutenibilidade 17 Adequação ambiental

Prefácio

A ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas – é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).

Os projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB ou ABNT/ONS, circulam para Consulta Nacional entre os associados da ABNT e demais interessados.

Esta Norma, sob o título geral de Edifícios habitacionais de até cinco pavimentos – Desempenho, é constituída pelas seguintes partes: Parte 1: Requisitos gerais Parte 2: Requisitos para os sistemas estruturais Parte 3: Requisitos para os sistemas de pisos internos Parte 4: Requisitos para os sistemas de vedações verticais internas e externas Parte 5: Requisitos para os sistemas de coberturas Parte 6: Requisitos para os sistemas hidrossanitários

Anexos A Determinação da temperatura superficial dos volantes das peças de utilização B Verificação do empoçamento de água C Lista de verificações para os projetos e execução D Índice dos requisitos e critérios Referências bibliográficas

Os anexos A a C têm caráter normativo e o anexo D informativo.

0 INTRODUÇÃO

0.1 Normas de desempenho são estabelecidas buscando atender exigências dos usuários, que, no caso desta Norma, referem-se a edifícios habitacionais de até cinco pavimentos, independentemente dos seus materiais constituintes e do processo de execução utilizado.

A forma de estabelecimento do desempenho é comum e internacionalmnete pensada por meio da definição de requisitos (qualitativos), critérios (quantitativos ou premissas) e métodos de avaliação, os quais sempre permitem a mensuração clara do seu cumprimento.

As normas, assim elaboradas, visam de um lado incentivar e balizar o desenvolvimento tecnológico e, de outro, orientar a avaliação da eficiência técnica e econômica das inovações tecnológicas.

Normas de desempenho traduzem as exigências dos usuários em requisitos e critérios gerais e não substituem as normas prescritivas.

Por sua vez, as normas prescritivas estabelecem requisitos com base no uso consagrado de produtos ou procedimentos, buscando o atendimento às exigências dos usuários de forma indireta. Normas prescritivas podem também conter requisitos de desempenho.

A abordagem desta Norma explora conceitos que muitas vezes não são considerados em normas prescritivas específicas como, por exemplo, a durabilidade dos sistemas, a manutenabilidade da edificação, o conforto tátil e antropodinâmico dos usuários.

A interrelação entre normas de desempenho e normas prescritivas deve possibilitar o atendimento às exigências do usuário, com soluções tecnicamente adequadas e economicamente viáveis.

Todas as disposições contidas nesta Norma, aplicáveis a edifícios habitacionais de até cinco pavimentos e a sistemas, projetados, constrídos, operados e submetidos a intervenções de manutenção que atendam às instruções específicas do respectivo Manual de operação, uso e manutenção.

Norma

Requisitos e critérios particularmente aplicáveis a determinado sistema são tratados separadamente em cada Parte desta

Objetivamente, esta Norma visa alavancar tecnicamente a qualidade requerida e a oferta de moradias, ao estabelecer regras para avaliação do desempenho de imóveis habitacionais, auxiliando nas análises que definem o financiamento de imóveis e possibilitando adequações nos procedimentos de execução, uso e manutenção dos imóveis.

02 As instalações hidrossanitárias são responsáveis diretas pelas condições de saúde e higiene requeridas para a habitação, além de apoiarem todas as funções humanas nela desenvolvidas (cocção de alimentos, higiene pessoal, condução de esgotos e águas servidas etc). As instalações devem ser incorporadas à construção de forma a garantir a segurança dos usuários, sem riscos de queimaduras (instalações de água quente), explosões, incêndios (instalações de gás) ou outros acidentes. Devem ainda harmonizar-se com a deformabilidade das estruturas, interações com o solo e características físico-químicas dos demais materiais de construção.

Esta Parte 6 se refere às exigências dos usuários e aos requisitos refentes aos sistemas hidrossanitários.

1 Objetivo

1.1 Esta Norma estabelece os requisitos e critérios de desempenho exigidos aos Sistemas hidrossanitários de edifícios habitacionais de até cinco pavimentos.

mais de cinco pavimentos, excetuados aqueles que dependem diretamente da altura do edifício habitacional,

1.2 Os requisitos e critérios estabelecidos nesta Norma podem ser aplicados para edifícios habitacionais ou sistemas, com 1.3 Os sistemas compreendidos no seu escopo são os seguintes: a) Sistemas prediais de água fria e de água quente; b) Sistemas prediais de esgoto sanitário e ventilação; e c) Sistemas prediais de águas pluviais

2 Referências normativas

As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento.

Brasil - Ministério do Trabalho e Emprego – Norma Regulamentadora NR 13 – “Caldeiras e vasos de pressão”, aprovada pela Portaria 02/84 de 08/05/84

NBR 5410/97 Instalações elétricas de baixa tensão NBR 5626/98 Instalação predial de água fria

NBR 5648/9 Sistemas prediais de água fria - Tubos e conexões de PVC 6,3, PN 750 kPa, com junta soldável – Requisitos

NBR 5674/9 Manutenção de edificações – Procedimento NBR 5684/9 Tubos de PVC rígido - Efeitos sobre a água NBR 6452/97 Aparelhos sanitários de material cerâmico

NBR 6463/85 Material cerâmico sanitário – Determinação da absorção de águaNBR 7198/93 Projeto e execução de instalações prediais de água quente

NBR 7198/93 Projeto e execução de instalações prediais de água quente NBR 8160/9 Sistemas prediais de esgoto sanitário – projeto e execução

NBR 10281/01 Torneira de pressão – requisitos e métodos de ensaioNBR 10844/89 Instalações prediais de águas pluviais

NBR 10844/89 Instalações prediais de águas pluviais NBR 11852/92 Caixa de descarga NBR 12090/91 Chuveiros elétricos - Determinação da corrente de fuga NBR 12096/92 Caixa de descarga - Verificação de desempenho NBR 12693/93 Sistemas de proteção por extintores de incêndio NBR 12904/93 Válvula de descarga NBR 12905/93 Válvula de descarga – verificação de desempenho

NBR 13103/0 Adequação de ambientes residenciais para instalação de aparelhos que utilizam gás combustível

NBR 13714/0 Sistemas de hidrantes e de mangotinhos para combate a incêndio

NBR 14016/97 Aquecedores instantâneos de água e torneiras elétricas - Determinação da corrente de fuga - Método de ensaio

NBR 14037/98 Manual de operação, uso e manutenção das edificações – Conteúdo e recomendações para elaboração e apresentação

Projeto 02:136.01.001 Desempenho de edifícios habitacionais de até cinco pavimentos – Parte 1: Requisitos gerais

3 Definições

Para os efeitos da presente norma aplicam-se as definições apresentadas nos Projetos 02:136.01.001/1 e as definições a seguir indicadas:

3.1 Corrente de fuga pelo aparelho elétrico de aquecimento de água Corrente elétrica errática que os equipamentos elétricos podem transmitir ao usuário.

3.2 Fonte de abastecimento de água Sistema destinado a fornecer água para o sistema.

Nota: Pode ser a rede pública da concessionária ou qualquer sistema particular de fornecimento de água.

3.3 Ponto de utilização Extremidade à jusante do sub-ramal a partir de onde a água passa a ser considerada água para uso.

3.4 Protetor térmico

Dispositivo que durante o funcionamento anormal do aparelho de aquecimento instantâneo de água limita a temperatura da água aquecida, sem poder ser ajustado ou alterado pelo usuário.

3.5 Refluxo de água

Escoamento de água ou outros líquidos e substâncias, proveniente de qualquer fonte que não a fonte de abastecimento prevista, para o interior da tubulação destinada a conduzir água desta fonte.

3.6 Retrossifonagem

Refluxo de água servida (proveniente de um reservatório, aparelho sanitário ou qualquer outro recipiente) para o interior de uma tubulação, devido à sua pressão ser inferior à atmosférica.

3.7 Separação atmosférica

Separação física (cujo meio é preenchido por ar) entre o ponto de utilização ou ponto de suprimento e o nível de transbordamento dos reservatórios, aparelhos sanitários ou outros componentes associados ao ponto de utilização.

3.8 Sistema de aquecimento instantâneo de água

Sistema onde a água a ser utilizada se aquece de forma instantânea pela sua passagem pela fonte de aquecimento, como por exemplo os seguintes aparelhos elétricos: chuveiros e torneiras, aquecedor de passagem a gás, etc.

3.9 Sistema de aquecimento de água por acumulação

Sistema onde a água é aquecida e armazenada em reservatórios térmicamente isolados para ser posteriormente utilizada pelos usuários, como por exemplo os “boilers” e os aquecedores de acumulação a gás.

3.10 Sistema de aterramento Conjunto de todos condutores e peças condutoras com os quais é feita a ligação elétrica com a terra.

3.1 Sistema hidrossanitário

Sistemas hidráulicos prediais destinados a suprir os usuários com água potável e reuso, e a coletar e afastar os esgotos sanitários, bem como coletar e dar destino às águas pluviais.

3.12 Tubulação

Conjunto de componentes basicamente formado por tubos, conexões, válvulas e registros, destinado a conduzir água.

3.13 Exigências do usuário Este item se encontra detalhado no projeto 02:136.01-001/1.

3.14 Calha Canal que recolhe a água de coberturas, terraços e similares e a conduz ao tubo de queda

4 Incumbência dos intervenientes Este item se encontra detalhado no projeto 02:136.01-001/1.

5 Avaliação do desempenho Este item se encontra detalhado no projeto 02:136.01-001/1.

6 Avaliação do desempenho Ver item 6 do projeto de norma 02:136.001/1.

7 Segurança estrutural

7.1 Requisito – resistência mecânica dos sistemas hidrossanitários e das instalações Resistir às solicitações mecânicas durante o uso.

7.1.1 Critério – tubulações suspensas

Os fixadores ou suportes das tubulações, aparentes ou não, assim como as próprias tubulações, devem resistir, sem entrar em colapso, a 5 vezes o peso próprio das tubulações cheias d’água para tubulações fixas no teto ou em outros elementos estruturais, bem como não apresentar deformações que excedam 0,5 % do vão.

Nota: Quando as tubulações estiverem sujeitas a esforços dinâmicos significativos, por exemplo tubulações de recalque ou água quente, estes devem ser levados em consideração.

7.1.1.1 Método de avaliação

Realização de Ensaio Tipo, em laboratório ou em campo, de acordo com o descrito a seguir realizado em protótipo, aplicando-se as cargas mencionadas no ponto médio entre dois fixadores ancorados conforme preconizado em projeto.

Após 30 minutos de atuação da carga, registrar se houve ocorrência de colapso dos fixadores ou dos suportes, ou de ambos, bem como se houve colapso das tubulações, registrando as deformações

7.1.1.2 Nível de desempenho: M.

O nível mínimo para aceitação é o M (denominado mínimo), ou seja atende, quando ensaiado, ao disposto em 7.1.1.

7.1.2 Critério – tubulações enterradas As tubulações enterradas devem manter sua integridade. 6.1.2.1 Método de avaliação

em memórias de cálculo constantes no projeto ou em bibliografias

Verificar em projeto a existência de berços e envelopamentos, ou berços ou envelopamentos consubstanciado

6.1.2.2 Nível de desempenho O nível mínimo para aceitação é o M (denominado mínimo), ou seja atende, ao projeto.

7.1.3 Critério – tubulações embutidas

As tubulações embutidas não devem sofrer ações externas que possam danificá-las ou comprometer a estanqueidade ou o fluxo.

7.1.3.1 Método de avaliação

dispositivos que assegurem a não transmissão de esforços para a tubulação

Verificar em projeto, nos pontos de transição entre elementos (parede x piso, parede x pilar ), a existência de

7.1.3.2 Nível de desempenho O nível mínimo para aceitação é o M (denominado mínimo), ou seja atende, ao projeto.

7.2 Requisito – solicitações dinâmicas dos sistema hidrossanitários Não provocar golpes e vibrações que impliquem em risco à sua estabilidade estrutural.

7.2.1 Critério – sobrepressão máxima no fechamento de válvulas de descarga

As válvulas de descarga, metais de fechamento rápido e do tipo monocomando, não devem provocar sobrepressões no fechamento superiores a 0,2 MPa.

7.2.1.1 Método de Avaliação

As válvulas de descarga utilizadas nos sistemas hidrossanitários quando ensaiadas, devem atender o estabelecido na NBR 12905 e NBR 12904

7.2.1.2 Nível de Desempenho O nível mínimo para aceitação é o M (denominado mínimo), ou seja atende aos valores indicados na NBR 12905 e NBR 12904

7.2.2 Critério – altura manométrica máxima O sistema hidrossanitário deve atender à altura manométrica máxima estabelecida na NBR 5626.

7.2.2.1 Método de avaliação Verificar em projeto as alturas manométricas mais desfavoráveis para os componentes.

7.2.2.2 Nível de desempenho

O nível mínimo para aceitação é o M (denominado mínimo), ou seja atende, aos valores estabelecidos na NBR 5626.

7.2.3 Critério – sobrepressão máxima quando da parada de bombas de recalque A velocidade do fluído deve ser inferior a 10 m / s. 7.2.3.1 Método de avaliação Verificar a menção no projeto da velocidade do fluído prevista. O projeto pode estabelecer velocidades acima de 10 m / s, desde que estejam previstos dispositivos redutores.

7.2.3.2 Nível de desempenho

O nível mínimo para aceitação é o M (denominado mínimo), ou seja atende, aos valores estabelecidos para as velocidades previstas em projeto.

7.2.4 Critério – resistência a impactos de tubulações aparentes

As tubulações aparentes, fixadas até 1,5m acima do piso térreo, devem resistir aos impactos que possam ocorrer, durante a vida útil de projeto, conforme valores indicados na Tabela 2, sem sofrerem perda de funcionalidade (impacto de utilização) ou ruína (impacto limite).

Tabela 2: Impactos atuantes em tubulações aparentes

(Parte 1 de 3)

Comentários