O uso de indicadores ambientais para agroecossistemas

O uso de indicadores ambientais para agroecossistemas

(Parte 3 de 3)

Quadro 1. Quadro comparativo dos estudos sobre sustentabilidade ambiental analisados

AUTOR Sistema avaliado Possíveis limitações

DANIELAgrissilvipastorilExige conhecimento especializado para o emprego da maior parte dos indicadores.

BNBAgricultura em geral

Centra-se no cumprimento de normas e procedimentos legislativos e agronômicos. Pouco aplicável ao pequeno agricultor/agricultura familiar. Não enfoca impactos/relações com sistemas exógenos.

REBRAFSAF na área de Mata Atlântica

Limitado a sistemas agrissilviculturais (não engloba criação de animais). Não enfoca impactos/relações com sistemas exógenos.

LESAMA Agricultura familiar

O agricultor é quem atribui pesos aos fatores avaliados, podendo não ter conhecimento suficiente para exprimir sua opinião. Não enfoca impactos/relações com sistemas exógenos.

MOURAFumicultura familiar

Utiliza princípios da avaliação emergética¹, a qual exige que se conheçam os coeficientes de eficiência energética de todos os insumos, produtos e processos empregados no sistema. Não enfoca impactos/relações com sistemas exógenos.

SEVERO Extrativistas familiares de samambaia

Limitado a sistemas agrissilviculturais (não engloba criação de animais). Não enfoca impactos/relações com sistemas exógenos.

ALBÉ Pequenos/médios produtores

Pouca clareza na definição dos indicadores. Não enfoca impactos/relações com sistemas exógenos.

RIBEIROAgrissilvicultura na Amazônia

Limitado a sistemas agrissilviculturais (não engloba criação de animais). Mede a sustentabilidade ambiental com vistas à geração de renda. Não enfoca impactos/relações com sistemas exógenos.

LOPES Agrissilvicultura

Limitado a sistemas agrissilviculturais (não engloba criação de animais). Diminuto número de indicadores e tipos de recursos/serviços ambientais considerados.

MACEDO Agrissilvicultura familiar

Limitado a sistemas agrissilviculturais (não engloba criação de animais). Diminuto número de indicadores e tipos de recursos/serviços ambientais considerados. Exige conhecimento especializado para o emprego dos indicadores. Não enfoca impactos/relações com sistemas exógenos.

FERNANDESAgricultores de uma APA

Limitado a sistemas agrissilviculturais (não engloba criação de animais). Não enfoca impactos/relações com sistemas exógenos.

Fonte: Dados da pesquisa. (1) Para mais informações, conferir Ortega (2003, p. 73 a 90) e w.unicamp.br/fea/ortega.

Verificou-se que o manejo técnico e o solo são os elementos dos sistemas avaliados mais enfocados nos estudos sobre sustentabilidade ambiental. As principais inquietações dos estudiosos centram-se, dentre outras possibilidades, na identificação/mensuração do grau de degradação e conservação dos recursos ambientais dos sistemas, ou, ainda, na avaliação dos resultados, da eficiência/eficácia alcançada pela adoção de determinado sistema, ou conjunto de práticas.

“VII Encontro da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica”. Fortaleza, 28 a 30 de novembro de 2007. 9

Em segundo plano, ficaram os indicadores de pressão, sinalizando a preocupação nos estudos com o rumo do desenvolvimento das atividades, dos sistemas, se esses conduzem à manutenção (sustentabilidade) ou à falência (insustentabilidade) no longo prazo.

A pesquisa mostrou a diversidade de indicadores e metodologias existentes para avaliar a sustentabilidade ambiental de agroecossistemas, e que a mesma decorre dos inúmeros enfoques teóricos sobre a temática e da própria multiplicidade de realidades a serem avaliadas. Essa diversidade, por sua vez, tende a tornar os estudos nessa área bastante complexos e específicos e de difícil reaplicação em realidades diferentes, exigindo normalmente adaptações, o que dificulta a realização de avaliações comparativas entre diferentes realidades.

ALBÉ, Maristela de Q.. Alguns Indicadores de Sustentabilidade para os pequenos e médios produtores rurais do município de Jaquirana. Universidade Luterana do Brasil – ULBRA, 2006?. Disponível em: <http://w.liberato.com.br/upload/arquivos/0131010716030816.pdf>. Acesso em: 23 jul.2007.

BANCO DO NORDESTE. Guia do Meio Ambiente para o Produtor Rural. Fortaleza: Banco do Nordeste, 1999. Disponível em: <http://coopttec.coop.br/downloads/ambiental/Guia%20do%20Meio%20Ambiente%20para% 20o%20Produtor%20Rural.doc >. Acesso em: 2 set.2007.

CEPAL. Indicadores de sostenibilidad ambiental y de desarrollo sostenible: estado del arte y perspectivas. Rayén Quiroga M. (Org.). Serie Manuales, n. 16. Santiago de Chile: Naciones Unidas, septiembre de 2001.

DANIEL, Omar. Definição de indicadores de sustentabilidade para sistemas agroflorestais. 2000. Tese (Doutor). Programa de Pós-Graduação em Ciência Florestal: Universidade Federal de Viçosa. 113p.

FERNANDES, C.A.F. Os agricultores, os mediadores sociais e a sustentabilidade: um estudo na APA Itacaré Serra Grande. Itapetinga - BA: UESB, 2005. 60 p. (Monografia – Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento)

LESAMA, Manoel F. O Método IDEA (indicadores de sustentabilidade): adaptação do método à Agricultura Familiar. Disponível em: <http://serv-sdt-1.mda.gov.br>. Acesso em: 5 jun.2006.

LOPES, Saulo Barbosa. Arranjos institucionais e a sustentabilidade de sistemas agroflorestais: uma proposição metodológica. 2001. Dissertação (mestrado em Desenvolvimento Rural). Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Rural, UFRGS. Porto Alegre.

“VII Encontro da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica”. Fortaleza, 28 a 30 de novembro de 2007. 10

MACEDO, Renato et al. Indicadores de Sustentabilidade para o manejo sustentável dos Sistemas Agroflorestais. Itamaraju/BA: Floresta Viva, 2003?

MONTIBELLER FILHO, Gilberto. O mito do desenvolvimento sustentável: meio ambiente e custos sociais no moderno sistema produtor de mercadorias. 2. ed. rev. Florianópolis: Editora da Universidade Federal de Santa Catarina-UFCS, 2004.

MOURA, L. G. V. Indicadores para avaliação da sustentabilidade em sistemas de produção da agricultura familiar: o caso dos fumicultores de Agudo/RS. 2002. Dissertação (mestrado em Desenvolvimento Rural). Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Rural, UFRGS. Porto Alegre.

NORGAARD, Richard B.; SIKOR, Thomas O.. Metodología y Práctica de la Agroecología. In: ALTIERI, Miguel A.. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. Montevideo-Uruguai: Editorial Nordan–Comunidad, 1999. p. 31-46.

ORTEGA, Enrique. Indicadores de Sustentabilidade sob a perspectiva da Análise Emergética. In: EMBRAPA. Indicadores de sustentabilidade em agroecossistemas. João F. Marques; Ladislau A. Skorupa; José Maria G. Ferraz (Editores Técnicos). Jaguariúna/SP: embrapa Meio Ambiente, 2003.

REBRAF. Projeto Formação Agroflorestal em Rede na Mata Atlântica. Disponível em: <http://w.rebraf.org.br/consafs/>. Acesso em: 3 dez.2006.

RIBEIRO, Raimundo N. da S.; TOURINHO, Manoel M.; SANTANA, Antônio C. de. Avaliação da sustentabilidade agroambiental de unidades produtivas agroflorestais em várzeas flúvio marinhas de Cametá – Pará. In: Acta Amazônica. v. 34 n.3. Manaus. July/Sept. 2004. p. 359-374. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/a/v34n3/v34n3a03.pdf>. Acesso em: 21 mai.2007.

SEVERO, Christiane M.; RIBAS, Rafael P.; MIGUEL, Lovois de A.. Agricultura familiar, extrativismo e sustentabilidade: o caso dos “samambaieiros” do Litoral Norte do Rio Grande do Sul. In: IX Encontro Nacional de Economia Política. Uberlândia: SEP, 2004. p. 1-23. Disponível em: <http://w.ie.ufu.br/ix_enep_mesas/Mesa%2004%20- %20Economia%20agr%C3%A1ria%20e%20do%20meio%20ambiente%20I/Agricultura%20f amiliar.pdf>. Acesso em: 2 mai.2007.

TOMASONI, Marco A.. Contribuição ao estudo de indicadores ambientais. In: Geonordeste. Ano XV, N°2, 2006. p. 90-118. Disponível em: <http://w.posgrap.ufs.br/periodicos/pdf/revista_geo_06_2/Marco.pdf>. Acesso em: 23 jul.2007.

“VII Encontro da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica”. Fortaleza, 28 a 30 de novembro de 2007. 1 i Estudo realizado com base em parte da dissertação de mestrado da primeira autora, sob a orientação da segunda. i Estudo realizado com base em parte da dissertação de mestrado da primeira autora, sob a orientação da segunda.

(Parte 3 de 3)

Comentários