Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais

(Parte 1 de 10)

DISCIPLINA:INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS

Prof. Augusto César Fialho Wanderley - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS - CEFET/RN

2 SUMÁRIO

Capítulo I - SISTEMAS ELÉTRICOS3
Capítulo I - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS5
Capítulo I - SUBESTAÇÕES8
Capítulo IV - CABOS DE POTÊNCIA PARA MÉDIA E ALTA TENSÕES10
Capítulo V - MUFLA TERMINAL PRIMÁRIA OU TERMINAÇÃO14
Capítulo VI - CHAVE SECCIONADORA PRIMÁRIA15
Capítulo VII - PÁRA-RAIOS À RESISTÊNCIA NÃO-LINEAR16
Capítulo VIII - DISJUNTORES DE ALTA TENSÃO18
Capítulo IX - ISOLADORES20
Capítulo X - TRANSFORMADOR DE POTENCIAL (TP)2
Capítulo XI - TRANSFORMADOR DE CORRENTE (TC)25
Capítulo XII - RELÉS29
Capítulo XIII - NORMAS TÉCNICAS35

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ............................................................................... 37

Prof. Augusto César Fialho Wanderley - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS - CEFET/RN

3 CAPÍTULO I

1 - SISTEMAS ELÉTRICOS 1.1 - DEFINIÇÃO

É o conjunto de equipamentos e materiais necessários para transportar energia elétrica desde a fonte até os pontos de utilização.

1.2 - ETAPAS DE UM SISTEMA ELÉTRICO 1.2.1 - GERAÇÃO

Etapa desenvolvida nas usinas geradoras que produzem energia elétrica por transformação a partir das fontes primárias.

1.2.2 - TRANSMISSÃO

Etapa de transporte da energia elétrica gerada até os centros consumidores. 1.2.3 - DISTRIBUIÇÃO

É a etapa do sistema elétrico já dentro dos centros de utilização (cidades, indústrias).

1.2.4 - UTILIZAÇÃO

Etapa onde a energia elétrica é convertida em outra forma de energia. 1.3 - DIAGRAMA UNIFILAR DE UM SISTEMA ELÉTRICO

Prof. Augusto César Fialho Wanderley - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS - CEFET/RN

4 1.4 - CLASSES DE TENSÃO

EXTRA-BAIXA TENSÃO (EBT) ATÉ 50 V - (120 V em C) 12, 24, 48

ULTRA-ALTA TENSÃO (UAT) ACIMA DE 800.0 V ATÉ 1.500.0 V

1.150.0

2) Os valores em negrito são em corrente continua.

OBS.: 1) Os valores sublinhados são utilizados no Brasil. 1.5 - NÍVEIS DE ISOLAMENTO NORMALIZADOS

TENSÃO MÁXIMA DO EQUIPAMENTO (kV) TENSÃO SUPORTÁVEL NOMINAL À FREQUÊNCIA

MINUTO(kV)

INDUSTRIAL DURANTE 1

ATMOSFÉRICO(kV)

1.300 1.425 1.550 1.675

1. 050 1.175 1300

Prof. Augusto César Fialho Wanderley - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS - CEFET/RN

5 CAPÍTULO I

2 - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2.1 - DEFINIÇÃO

São o conjunto de componentes elétricos associados e com características coordenadas entre si, constituído para uma finalidade determinada.

2.2 - CONCEITOS 2.2.1 - DEMANDA

É o valor médio da potência ativa (P) em um intervalo de tempo ∆t especificado (normalmente ∆t = 1/4 h).

2.2.2 - DEMANDA MÉDIA

É a demanda constante que a instalação deveria apresentar para, no período considerado, consumir uma energia igual a consumida com funcionamento normal.

Dm =ET
T

2.2.3 - CURVA DE CARGA É a curva que dá a demanda em função do tempo.

2.2.4 - POTÊNCIA DE ALIMENTAÇÃO

É a demanda máxima de uma instalação ou de um setor de uma instalação. 2.3 - CLASSIFICAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2.3.1 - QUANTO A TENSÃO NOMINAL a) INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO - Regidas pela NBR 5410 b) INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE MÉDIA TENSÃO - Regidas pela NBR 14039

Prof. Augusto César Fialho Wanderley - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS - CEFET/RN

6 2.3.2 - QUANTO A FINALIDADE a) RESIDENCIAIS

• Baixa tensão • Iluminação como carga predominante b) COMERCIAIS

• Subestações • Cabine de medição

• Aterramento

• Iluminação eficiente

• Centros de medição

• Cargas especiais (bombas, compressores, aparelhos de Raios-X etc)

• Grupos geradores

• Barramentos blindados

• Dutos de piso

• Sistema de ar condicionado

• Sistemas de detecção e alarme de incêndio e roubo

• Sistemas telefônicos

• S.P.D.A. (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas)

(Parte 1 de 10)

Comentários