Conservação e Reuso de água em edificações

Conservação e Reuso de água em edificações

(Parte 1 de 9)

ANA - Agência Nacional de Águas José Machado - Diretor Presidente

Benedito Braga - Diretor

Oscar de Moraes Cordeiro Netto - Diretor

Bruno Pagnoccheschi - Diretor

Dalvino Troccoli Franca - Diretor

SAS/ANA - Superitendência de Conservação de Água e Solo Antonio Félix Domingues – Superintendente

FIESP - Federação das Indústrias do Estado de São Paulo

Paulo Skaf - Presidente

DMA - Departamento de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável

Nelson Pereira dos Reis - Diretor Titular

Arthur Cezar Whitaker de Carvalho – Diretor Adjunto Nilton Fornasari Filho – Gerente

SindusCon-SP - Sindicato da Indústria da Construção do Estado de São Paulo

João Claudio Robusti - Presidente

COMASP - Comitê de Meio Ambiente do SindusCon-SP

Francisco Antunes Vasconcellos Neto - Vice Presidente de Desenvolvimento André Aranha Campos – Membro do Conselho

Coordenação Geral Anícia Aparecida Baptistello Pio - FIESP - Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Antonio Félix Domingues - ANA - Agência Nacional de Águas Lilian Sarrouf - SindusCon-SP - Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo Ricardo Santaliestra Pina - SindusCon-SP - Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo Ulysses Gusman Júnior - ANA - Agência Nacional de Águas

Autores Carla Sautchuk - Tesis Tecnologia de Sistemas de Engª Ltda Humberto Farina - Depto. Eng. Construção Civil da Escola Politécnica - USP Ivanildo Hespanhol - CIRRA - Centro Internacional de Referência em Reúso de Água Lúcia Helena de Oliveira - Universidade Federal de Goiânia Luiz Olímpio Costi - ABRASIP - Associação Brasileira de Engenharia de Sistemas Prediais Marina S. de Oliveira Ilha - Faculdade de Engenharia Civil Arquitetura e Urbanismo - UNICAMP Orestes M. Gonçalves - Depto. Eng. Construção Civil da Escola Politécnica - USP Simone May - CIRRA - Centro Internacional de Referência em Reúso de Água Solange da Silva Nunes Boni - Faculdade de Engenharia Civil Arquitetura e Urbanismo - UNICAMP William Schmidt - Depto. Eng. Construção Civil da Escola Politécnica - USP

Colaboradores Alcione Figueiredo Corrêa - Hidrogesp Hidrogeologia Sondagens e Perfurações Ltda Antonio Lot - Hidrogesp Hidrogeologia Sondagens e Perfurações Ltda Carlos Cavichia - Hidrogesp Hidrogeologia Sondagens e Perfurações Ltda Edmundo Fonseca Garcia - SVMA - Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente – São Paulo Elbio Camillo Jr. - Fatorágua Serviços e Soluções Hídricas Ltda. Eduardo Ioshimoto - Tigre S.A. Eduardo Moreno - Vitalux Eficiência Energética Ltda Fabio Camurri - Sindicerâmica - Sindicato da Indústria de Cerâmica Sanitária de São Paulo Fernando Lenti de Andrade - Tigre S.A. Gustavo C.D.Barreira - FIESP - Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Isaac Moyses Zymelman - ABRASIP - Associação Brasileira de Engenharia de Sistemas Prediais João Paulo Rossi Paschoal - SECOVI – SP – Sind. Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis de SP José Carlos Mierzwa - CIRRA - Centro Internacional de Referência em Reúso de Água José Eduardo Cavalcanti - Ambiental Laboratório e Equipamentos Ltda. Juliana Castro Pastor - CEDIPLAC – Soluções para o Habitat Humano Kazutoshi Ito - Andriolo Ito Engenharia Ltda Laura Marcellini - Tigre S.A.

Luiz Antonio Percoriello - Ypel Construtora e Administradora Luiz Carlos Alvim Coelho - Vitalux Eficiência Energética Ltda. Plínio Grisolia - Docol Metais Sanitários Ltda. Renata Castro Neves - SindusCon-SP - Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo Roberto Papaiz - Logictel S/A Roney Honda Margutti -SIAMFESP-Sind. Ind. Artef. de Metais não Ferrosos no Estado de SP Roseane Petronilo - SindusCon-SP - Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo Ruy José da Cunha - Logictel S/A Simar Vieira de Amorim - Universidade Federal de São Carlos

Revisão de Texto e Diagramação clematis@uol.com.br

Capa e Projeto Gráfi co Setor de Comunicação do SindusCon-SP

Tiragem: 5.0 exemplares Impressão: Prol Editora Gráfica São Paulo, junho de 2005

1. Introdução 2. A Importância da Conservação da Água 3. Definições e Abreviaturas

4. Programa de Conservação de Água em Edificações 4.1. Introdução

4.2. Programa de Conservação de Água para Edificações Existentes 4.2.1. Implementação da Setorização do Consumo de Água 4.2.2. Auditoria do Consumo de Água 4.2.3. Plano de Intervenção 4.2.4. Estimativa ou Avaliação do Impacto de Redução do Consumo de Água

4.3. Programa de Conservação de Água para Novas Edificações 4.3.1. Análise da Demanda de Água

5. Detalhamento da Gestão da Oferta na Implantação de Programas de Conservação de Água 5.1. Introdução 5.2. Exigências Mínimas da Água Não-Potável para as Atividades Realizadas nos Edifícios 5.3. Padrões de Qualidade da Água Potável para Reúso

5.4. Fontes Alternativas de Água para Aproveitamento ou Reúso 5.4.1. Água Cinza 5.4.2. Água Pluvial pg.

5.4.3. Água de Drenagem de Terrenos 5.4.4. Água de Reúso da Concessionária 5.4.5. Captação Direta 5.4.6. Águas Subterrâneas

5.5. Matriz de Oferta versus Demanda 5.6. Considerações quanto à Efi ciência dos Sistemas de Reúso

5.7. Metodologia para Implementação de Sistemas de Aproveitamento ou Reúso da Água 5.7.1. Sistema de Coleta e Aproveitamento de Água Pluvial 5.7.2. Sistema de Coleta e Reúso de Água Cinza 5.7.3. Sistema de Coleta e Aproveitamento de Águas de Drenagem em Edifícios 5.8. Processos de Tratamento

6. Sistema de Gestão da Água da Edifi cação 6.1. Ações de Base Operacional 6.2. Ações de Base Educacional 6.3. Ações de Base Institucional

A – Legislação Pertinente

B – Normalização Técnica de Projeto e Execução

C – Planilha para o Cadastramento e Verifi cação das Condições de Operação de Bacias Sanitárias

D – Planilha para Levantamento das Atividades que Envolvem o Uso da Água nos Banheiros Escolares

E – Especifi cação de Equipamentos Hidráulicos F – Contatos Importantes

Em conformidade com os princípios e diretrizes globais do desenvolvimento sustentável, com o objetivo de atingir as Metas de Desenvolvimento do Milênio, torna-se necessária uma mudança substancial nos padrões de produção e

Com relação aos recursos hídricos, as regiões de grande concentração populacional acabam exercendo fortes pressões no aumento do consumo e no agravamento das condições de qualidade dos mananciais existentes.

O crescimento das atividades econômicas e a manutenção das condições de qualidade de vida da população dependem da conscientização da importância desse insumo estratégico e respectivamente de seu uso de forma racional por todos os setores.

Para tanto, são necessários investimentos em desenvolvimento tecnológico e na busca de soluções alternativas para a ampliação da oferta de água como, por exemplo, a utilização da água de reúso, bem como são necessárias ações para a eficiente gestão da demanda, reduzindo os índices de perdas e desperdícios, muitas vezes inconscientes.

Em que pese a importância e necessidade prementes de adoção dessas práticas pelos diferentes setores usuários dos recursos hídricos, é de fundamental relevância que tais práticas sejam criteriosamente adotadas, resguardando-se a saúde pública e observando-se os cuidados necessários para a preservação do patrimônio, equipamentos e segurança dos produtos e serviços oferecidos aos usuários.

Portanto, é preciso tornar de amplo conhecimento público os principais condicionantes, benefícios e limitações que essas práticas possuem, tanto para que não sejam criadas expectativas fantasiosas sobre o tema, como soluções de fácil implementação e resultados imediatos, quanto para que não se adotem essas medidas sem as precauções necessárias para a preservação da integridade de operadores e usuários, de bens, e de equipamentos.

1. Introdução

Capítulo 19

O atendimento destes objetivos implica em esforços conjuntos das entidades públicas e privadas, para promover uma ampla divulgação sobre a importância da conservação de água e consumo conscientes, maximizando a produtividade da água disponível, tanto nos processos produtivos quanto nos padrões de consumo da população.

Conscientes de suas responsabilidades a ANA – Agência Nacional de Águas, a FIESP – Federação das Indústrias do Estado de São Paulo e o SindusCon-SP – Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo conjugaram esforços reunindo agentes públicos, empresas de tecnologia, fabricantes e instituições de ensino, pesquisa e desenvolvimento tecnológico, para elaborar esta publicação que traz orientações para a implantação de programas de conservação de água em edifi cações comerciais, residenciais e industriais quer sejam edifi cações novas ou existentes.

Longe de esgotar o assunto, esta publicação visa tão somente reunir as principais informações e orientações existentes no mercado e o conhecimento disponível no meio acadêmico, de uma forma ordenada e ilustrada com alguns exemplos práticos. No entanto, trata-se de uma fundamental contribuição para o setor da construção civil, objetivando-se dar subsídios a adoção de soluções efi cientes na concepção das novas edifi cações ou na modernização das já existentes.

A água se constitui, atualmente, no fator limitante para o desenvolvimento agrícola, urbano e industrial, tendo em vista que a disponibilidade per capita de água doce vem sendo reduzida rapidamente, face ao aumento gradativo da de- manda para seus múltiplos usos e à contínua poluição dos mananciais ainda disponíveis.

A escassez de água não pode mais ser considerada como atributo exclusivo de regiões áridas e semi-áridas. Muitas áreas com recursos hídricos abundantes, mas insuficientes para atender a demandas excessivamente elevadas, também experimentam conflitos de usos e sofrem restrições de consumo que afetam o desenvolvimento econômico e a qualidade de vida.

(Parte 1 de 9)

Comentários