Custos empresariais

Custos empresariais

(Parte 4 de 8)

Exemplo:

Custos / Produtos

"A" $

"B" $

Total $

Mão-de-Obra-Direta

1.560,00

3.240,00

4.800,00

Matéria-Prima

6.420,00

4.860,00

11.280,00

Mão de Obra Indireta

15.120,00

Total

7.980,00

8.100,00

31.200,00

Horas de Mão de Obra Direta

180

360

540

Utilizando-se como exemplo de Base de Rateio da Mão de Obra Indireta, o total de

Horas Trabalhadas de Mão de Obra Direta, então teremos:

Mão de Obra Indireta /

15.120,00

28,00

Total de Horas de Mão Obra Direta

540,00

Horas de Mão de Obra Direta

180

360

540

Custo da Hora

28,00

28,00

Tota Rateado

5.040,00

10.080,00

15.120,00

Então teremos o seguinte custo por Produto:

Custos / Produtos

"A" $

"B" $

Total $

Mão-de-Obra-Direta

1.560,00

3.240,00

4.800,00

Matéria-Prima

6.420,00

4.860,00

11.280,00

Mão de Obra Indireta

5.040,00

10.080,00

15.120,00

Total

13.020,00

18.180,00

31.200,00

6.5 MAPA DE LOCALIZAÇÃO DE CUSTOS

O trabalho de localizar os custos ocorridos nos centros de custo aos quais eles pertencem é confiado a um instrumento extra contábil denominado Mapa de Localização de Custos – MLC.

O MLC, destina-se a apurar os custos ocorridos nas diversos setores da empresa e definir os valores característicos dos custos setoriais, que permitam a apropriação destes custos aos produto, onde este constitui-se também em instrumentos básicos de controle, tendo por objetivo a completa informação dos custos da empresa, em termos de espécie de custos, centros de custo e custo dos produtos.

O primeiro passo para a utilização do MLC, é a delimitação dos setores que fazem parte da empresa. A exata localização dos custos é de grande importância por dois motivos principais:

  1. Permite julgar a eficiência dos setores, controlando os gastos, o funcionamento e as responsabilidades;

  2. Fornece dados para a obtenção dos custos e da determinação do Preço ideal das produtos elaborados pela empresa.

Através da utilização do MLC, podemos atribuir a cada produto fabricado ou beneficiado em determinado setor, a parcela do custo operacional deste setor.

A fonte de dados financeiros para elaboração do MLC são extraídos da contabilidade, enquanto que os dados físicos de estoques, produção, tempos de produção, são extraídos dos diversos setores onde ocorre a produção, e dos setores auxiliares desta.

O MLC, possui forma organizada, e mostra os centros de custos diretos e indiretos, com os seus respectivos gastos, onde se distribui os custos dos centros de custo indiretos, para os diretos, com uma base de rateio pré determinada, pela empresa, onde esta deverá considerar a característica de cada custo, por exemplo, os custos do centro de custo de Manutenção, pode ser distribuído/rateado para os centros de custo diretos, conforme as Ordens de Serviço de Manutenção, assim como, o centro de custo Engenharia, pode ser rateado para os centros de custo diretos, conforme as Horas Trabalhadas para cada centro de custo direto.

Isto tudo somente pode ser apurado, se a empresa tiver um controle eficaz sobre os seus centros de custo indiretos ou auxiliares da produção.

Exemplo:

Bases de Rateio:

Tempos de Produção:

Mapa de Localização de Custo:

Cálculo do Custo Unitário:

6.6 CONTABILIZAÇÃO

Para se realizar as contabilizações são necessárias algumas premissas como:

a) No grupo auxiliares do plano de contas, custo integrado, devem ser previstos as seguintes contas:

b) Contas que registrem o custo em formação de cada produto;

c) Contas individualizadas em nome de cada departamento (centro de custo).

d) Os centros de custos produtivos terão subcontas para custos diretos e para custos indiretos. O grau de detalhamento dependerá do interesse da empresa.

e) As contas correspondentes aos centros de custo auxiliares poderão conter apenas subcontas para registrar sinteticamente os materiais, a mão-de-obra e os gastos gerais de fabricação, nas quais serão registrados os custos diretos e indiretos do próprio departamento.

f) Cada departamento poderá, ainda, ter uma conta específica para receber por transferência os custos indiretos de outros departamentos.

Segue alguns exemplos de contabilização do custo departamental:

1. Materiais

Quando requisitados pelas seções produtivas:

  • debitam-se as contas próprias que registram o material direto ou indireto de cada seção produtiva;

  • creditam-se as contas de estoque respectivas.

Requisições efetuadas pelas seções auxiliares;

  • debita-se a conta própria de cada seção auxiliar;

  • creditam-se as contas de estoque respectivas.

2. Mão de Obra

Incorrida nas seções produtivas:

  • debitam-se as contas que registram a mão-de-obra direta ou indireta, conforme o caso;

  • creditam-se as contas patrimoniais respectivas, conforme cada situação.

Incorrida nas seções auxiliares:

  • debitam-se as contas que registram a mão-de-obra de cada seção de serviço;

  • creditam-se as Contas Patrimoniais, conforme a situação.

3. Gastos Gerais de fabricação

Incorridos nas seções produtivas:

  • debitam-se as contas próprias que registram os gastos gerais diretos ou indiretos de cada seção produtiva:

  • creditam-se as contas patrimoniais respectivas.

Incorridos nas seções auxiliares:

  • debitam-se as contas que registram os gastos gerais de fabricação de cada seção de serviço;

  • creditam-se as contas patrimoniais respectivas.

Gastos comuns a todas as seções:

  • debitam-se as contas registram os respectivos gastos. O autor citado acima sugeri que a contabilização seja feita no departamento administrativo , através das contas (aluguel da fábrica, energia elétrica, água, telefones, prêmios de seguros, etc), para posterior distribuição nas respectivas seções.

  • creditam-se as contas patrimoniais próprias.

4. Rateio dos Custos Indiretos de Fabricação comuns a todos as departamentos:

Os gastos com aluguel, água, energia elétrica, etc. que sejam comuns a todos os departamentos devem ser rateados com base em critérios definidos pela empresa:

  • debitam-se as contas que registram os custos indiretos de cada departamento;

  • creditam-se as contas que registram os respectivos custos no departamento administrativo.

5. Rateio dos Custos Indiretos de fabrição dos departamentos produtivos para os produtos:

Os custos indiretos neste caso compreendem: os custos indiretos gerados no próprio departamento mais os custos indiretos de fabricação recebidos por transferências dos demais departamentos de serviços da empresa.

O total desses custos poderá ser registrado em uma ou várias contas conforme interesse da empresa.

  • debitam-se as contas que representam o custo em formação de cada produto que passou pela respectiva seção produtiva;

  • Credita-se a conta que registra o custo indireto do referido departamento produtivo.

7. SISTEMAS DE CUSTEIO

7.1. PRODUÇÃO POR ORDEM: Tratamento Contábil e utilização

A produção por ordem ocorre quando a empresa programa a sua atividade produtiva a partir de encomendas específicas de cada cliente. É o caso, por exemplo, da indústria produtora de máquinas e equipamentos, navios, aviões, móveis e empresas de construção civil.

O objeto de custo de um sistema de custeio por ordem de produção é, “uma encomenda, que constitui um produto ou serviço perfeitamente identificável”.

Nesse tipo de atividade, os custos são acumulados numa conta específica para cada ordem de produção (ou encomenda). Esta conta só pára de receber custos quando a ordem estiver encerrada. Se um exercício terminar e o produto estiver ainda sendo fabricado, o saldo da conta será totalmente classificado como produtos em elaboração. Uma vez pronto, o saldo da conta relativa à ordem de produção será transferida para produtos acabados ou custo dos produtos vendidos, conforme já tenha sido realizada ou não a receita.

O planejamento da produção começa com o recebimento da encomenda. Isto geralmente é base para o preparo e remessa à fábrica a respeito das especificações do produto, período de tempo de fabricação, roteiro da produção em andamento, máquinas a serem utilizadas, etc.

Características do Sistema de Custeio por Ordem:

 raramente serão encontrados estoques de produtos acabados;

 produção não é padronizada;

 as ordens de produção são emitidas e seus custos mantidos para cada lote de produto fabricado. Estas ordens são controladas através da conta de produção em processo, separando-se os custos diretos ou indiretos;

 não se mantêm estoques regulares;

 os gastos gerais de fabricação são lançados inicialmente às contas departamentais e, posteriormente aplicados a cada ordem de produção concluída;

 a produção não é contínua, ou seja, não existe um fluxo lógico de operações;

(Parte 4 de 8)

Comentários