(Parte 2 de 2)

Analisando o processo de transformação b) em função da ação principal do processo de transformação - sistemas que transformam as propriedades físicas

- sistemas que transformam as propriedades informativas - sistemas que mudam a posse ou propriedade

- sistemas que mudam a localização

- sistemas que estocam ou acomodam

- sistemas que mudam o estado fisiológico ou psicológico c) em função do fluxo dentro do processo de transformação - fluxo contínuo

- contínuo puro

- contínuo com montagem ou desmontagem

- contínuo com diferenciação final

- fluxo intermitente

- fluxo misto

- por projetos Observe-se que nos três primeiros os equipamentos e mão-de-obra geralmente têm localização fixa enquanto existe um fluxo de materiais que passam de um posto de trabalho a outro. Porém, no caso do tipo por projetos o produto fica estático ou fixo e os materiais, equipamentos e mão-de-obra se movimentam até o mesmo.

d) em função da decisão de produzir - antecipada ou para estoque

- sob encomenda e) em função do grau de contato com o consumidor - alto grau de contato ou linha de frente

- baixo grau de contato ou retaguarda

Analisando as saídas f) em função da natureza das saídas - fabricação ou manufatura de produtos, quando se trata de uma saída tangível, que pode ser estocada e transportada - geração ou prestação de serviço, quando a saída é intangível, consumida simultaneamente com a sua produção, onde é indispensável a presença do consumidor e não pode ser estocada ou transportada g) em função do volume de saídas - alto volume

- médio volume

- baixo volume h) em função da variedade ou padronização das saídas - alta variedade de saídas ou produtos sem nenhuma padronização

- variedade média de saídas ou produtos com alguma padronização

- baixa variedade de saídas ou produtos altamente padronizados i) em função da variação da demanda pelas saídas - produção sazonal ou com alta variação da demanda

- produção não sazonal ou com baixa variação da demanda

4. Conclusão

Todos os critérios que servem como base para as classificações acima apresentadas se relacionam com os elementos do sistema (entradas, processo de transformação e saídas), de maneira que resulta mais fácil compreende-las. É verdade que algumas classificações são mais importantes do que outras quando o objetivo é escolher a ferramenta teórica ou técnica que pode ser aplicada em determinado sistema de produção. Porém, a compreensão global das diversas classificações não deixa de ser uma fonte de reflexão que pode-nos levar a assimilar outros conhecimentos com maior facilidade. Essa tem sido a minha experiência como professor universitário.

5. Bibliografia

MOREIRA, Daaniel A. Administração da Produção e Operações. 3. Ed. São Paulo: Pioneira, 1998.

PLOSSL, George W. Administração da Produção; como as empresas podem aperfeiçoar as operações a fim de competirem globalmente. São Paulo: Makron Books, 1993.

RUSSOMANO, Victor Henrique. Planejamento e Controle da Produção. 5. ed. São Paulo: Pioneira, 1995.

SLACK, Nigel et. al. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 1997.

TUBINO, Dalvio Ferrari. Manual de Planejamento e Controle da Produção. São Paulo: Atlas, 1997.

ZACARELLI, Sérgio Baptista. Programação e Controle da Produção. 5. ed. São Paulo: Pioneira, 1979.

(Parte 2 de 2)

Comentários