Escalas e indices de avaliação em pctes graves

Escalas e indices de avaliação em pctes graves

A Escala de Coma de Glasgow, foi criada por Jenett, B. e Teasdale, G. publicado em 1981 pela FA Davis, Filadélfia, no livro Management of Head Injuries.

  • A Escala de Coma de Glasgow, foi criada por Jenett, B. e Teasdale, G. publicado em 1981 pela FA Davis, Filadélfia, no livro Management of Head Injuries.

  • È uma escala neurológica que mostra uma forma confiável e objetiva de avaliar o estado de consciência de um paciente, de modo inicial ou na avaliação contínua.

  • Também utilizada no prognóstico do paciente.

  • A aplicabilidade é limitada em crianças, especialmente abaixo dos 36 meses.

  • Não indicada a pacientes sedados.

  • Os principais objetivos da sedação incluem:

  • Reduzir a resistência a Ventilação Mecânica

  • Tratamento de distúrbios psiquiátricos

  • Restauração da temperatura corpórea.

  • Redução da ansiedade, agitação e facilitação do sono

  • Diminuição do metabolismo

  • TCE: indução do coma “silêncio elétrico”

  • Agente sedativo ideal: mínimos efeitos supressores do SNC.

Utiliza-se para avaliação de nível de sedação através da observação clínica.

  • Utiliza-se para avaliação de nível de sedação através da observação clínica.

APACHE - Acute Physiologic and Chronic Health Evaluation

  • APACHE - Acute Physiologic and Chronic Health Evaluation

  • APACHE I - Criado em 1981 por Knaus et al, baseado em variáveis clínico-laboratoriais nas primeiras 24 horas - com 32 variáveis.

  • APACHE II - Atualizado em 1985, utiliza 13 variáveis fisiológicas, o escore fisiológico agudo, idade e doença crônica. Utiliza um equação de regressão logística, transformando os pontos em probabilidade de óbito.

    • Crítica - os pontos atribuídos as variáveis foi feita de forma arbitrária.
  • Uso:

    • Comparar eficácia de novas drogas
    • Comparar o desempenho de UTIs diferentes
    • Talvez estabelecer prognóstico no paciente individual
  •  

Tema que está sendo discutido nos fóruns e na literatura de Enfermagem

  • Tema que está sendo discutido nos fóruns e na literatura de Enfermagem

  • Enfermagem engloba 60% do quadro de funcionários de uma instituição de saúde

  • Custos: adequação com a realidade /recursos financeiros.

  • O dimensionamento de pessoal de enfermagem é a etapa inicial do processo de provimento de pessoal.

  • Equipes super dimensionada:

  • Implica em alto custo

  • Equipe Reduzida:

  • Determina uma queda da eficácia e qualidade da assistência de enfermagem.

A partir da década de 70, vários sistemas foram desenvolvidos para a graduação da gravidade das doenças de pacientes de UTI.

  • A partir da década de 70, vários sistemas foram desenvolvidos para a graduação da gravidade das doenças de pacientes de UTI.

  • O TISS tem se destacado como um sistema que classifica a gravidade do paciente, quantificando as intervenções terapêuticas de procedimentos médicos e de enfermagem utilizados.

  • É baseado na premissa de que, independente do diagnóstico, quanto mais procedimentos o paciente recebe, maior a gravidade da doença e, conseqüentemente, maior tempo despendido pela enfermagem para tal atendimento.

  • Foi criado em 1974, sofreu adaptações em 1983, revisado em 1996, quando passou a apresentar 28 itens de avaliação que resultaram na versão TISS 28.

  • Nessa versão, após estudo com o registro de múltiplos momentos de observações das atividades de enfermagem na UTI, concluiu-se que um ponto TISS 28 equivale a um consumo de 10,6 minutos do tempo de um profissional de enfermagem no cuidado direto. No Brasil, foi traduzido e validado em 2000.

O TISS 28 é composto de sete grandes categorias:

  • O TISS 28 é composto de sete grandes categorias:

  • Atividades básicas

  • Suporte ventilatório

  • Suporte cardiovascular

  • Suporte renal

  • Suporte neurológico

  • Suporte metabólico

  • Intervenções específicas.

  • Cada uma dessas categorias é constituída de itens específicos, com pontuações que variam de um a oito.

ATIVIDADE BÁSICA

  • ATIVIDADE BÁSICA

  • Monitorização padrão, SSVV, registro e cálculo regular do balanço hídrico.

  • Laboratório

  • Medicações: todas as vias de administração

  • Troca de curativo(rotina/frequente)

  • Cuidado e prevenção de úlceras de decúbito

  • Cuidados com drenos

Escore: variação 0 a 78 pontos

  • Escore: variação 0 a 78 pontos

  • Pontuação final: estima quantas intervenções foram realizadas.

  • Finalidade: dimensionar carga de trabalho da enfermagem

  • 1 enfermeiro (turno de 8 horas) é capaz de assistir uma paciente com 46 pontos.

  • Assim, considerando que cada ponto do TISS 28 equivale a 10,6 minutos da carga de trabalho de enfermagem por turno nas 24 horas de assistência, tornou-se possível quantificar o número de horas dispensadas à beira do leito para prestação da assistência ao paciente na UTI.

As 28 variáveis são analisadas diariamente, permitindo a obtenção de um perfil evolutivo do paciente, por meio da pontuação e da classificação da gravidade. Não é usado para prognosticar sobrevida, mas pode auxiliar na avaliação evolutiva da piora clínica do paciente. Tem-se observado, na prática clínica diária, a associação entre o óbito e a pontuação elevada do escore TISS, em pacientes graves da UTI estudada.

  • As 28 variáveis são analisadas diariamente, permitindo a obtenção de um perfil evolutivo do paciente, por meio da pontuação e da classificação da gravidade. Não é usado para prognosticar sobrevida, mas pode auxiliar na avaliação evolutiva da piora clínica do paciente. Tem-se observado, na prática clínica diária, a associação entre o óbito e a pontuação elevada do escore TISS, em pacientes graves da UTI estudada.

  • Dependendo do número total de pontos obtidos, os pacientes são classificados em quatro grupos conforme a necessidade de vigilância e de cuidados intensivos, como mostra a Tabela 1.

Comentários