Manual de Biossegurança na Área de Saúde

Manual de Biossegurança na Área de Saúde

(Parte 5 de 5)

Concentração

Cuidados

Data do preparo

Data da validade

Condições de estocagem

OBSERVAÇÕES IMPORTANTES

  1. Ao reutilizar um frasco vazio certifique-se de que a etiqueta original foi complemente retirada antes de colocar a nova etiqueta.

  2. Quando encontrar uma embalagem sem rótulo de identificação, descarte o produto.

 

11- Armazenamento

Ao armazenar substâncias químicas, considerar:

Incompatibilidades entre os materiais armazenados, principalmente nos almoxarifados.

Sistema de ventilação.

Sinalização correta.

Disponibilidade de EPIS e EPCs.

Área administrativa separada da área técnica e da armazenagem.

Produtos Químicos Incompatíveis

Substâncias

Estocagem Incompatível com:

Acetileno

Cloro, bromo, flúor, cobre, prata, mercúrio

Ácido Acético

Óxido de cromo IV, ácido nítrico, ácido perclórico, peróxidos, permanganato, ácido acético, anilina, líquidos e gases combustíveis.

Ácido Nítrico

Ácido acético, anilina, líquido e gases combustíveis

Ácido Oxálico

Prata, sais de mercúrio

Ácido Perclórico

Anidrido acético, álcoois, papel, madeira, clorato de potássio, perclorato de potássio

Amoníaco

Mercúrio, hipoclorito de cálcio, iodo, bromo

Amônio Nitrato

Ácidos, metais em pó, substâncias orgânicas ou combustíveis finamente divididos

Anilina

Ácido nítrico, peróxido de hidrogênio

Carvão Ativo

Hipoclorito de cálcio, oxidantes

Cianetos

Ácidos

Cloratos

Sais de amônio, ácidos, metais em pó, enxofre

Cobre

Acetileno, peróxido de hidrogênio

Cromo IV Óxido

Ácido acético, naftaleno, glicerina, líquidos combustíveis.

Hidrocarbonetos

Flúor, cloro, bromo, peróxido de sódio

Hidrogênio Peróxido

Cobre, cromo, ferro, álcoois, acetonas, substâncias combustíveis

Líquidos inflamáveis

Nitrato de amônio, peróxido de hidrogênio, ácido nítrico, peróxido de sódio, halogêneos

Mercúrio

Acetileno, amoníaco

Metais Alcalinos

Água, tetracloreto de carbono, halogêneos

Permanganato de Potássio

Glicerina, etilenoglicol, ácido sulfúrico

11.1 - TRANSPORTE DE SUBSTÂNCIAS PERIGOSAS

É proibido o transporte de material de risco (inflamáveis, explosivos, tóxicos, irritantes e corrosivos), em motocicletas. O transporte destes produtos deverá ser efetuada apenas em carros de carroceiria fechada estando o produto devidamente acondicionado e claramente identificado quanto ao risco que representa (vide informação no rótulo do produto).

Alguns produtos incluídos nesta categoria e freqüentemente transportados por nossos funcionários:

Álcool (etanol, metanol)

Ácidos (clorídrico, acético, sulfúrico, etc.)

Formaldeído

Gás combustível (comercial)

Hipoclorito

Xilol

Solventes orgânicos

Frascos para coleta de urina de 24 horas com conservante

Nos casos em que o risco da substância não for identificado , favor contactar o setor de Qualidade- Biossegurança da Patologia (ramal 2121 - Marco Miguel, Márcio, Nilson, Valéria Lessa ou Pedro Ventura).

12-Preparo de Soluções

  • Fazer uma leitura prévia das características da substância que está manuseando.

  • Utilizar sempre, EPI específico.

  • A vidraria utilizada no preparo de soluções deve ser de boa qualidade, de preferência de vidro boro-silicato.

  • Usar sempre, bastão com proteção de borracha, teflon ou plástico, para evitar trincar o vidro.

  • Não usar vidraria que esteja trincada, lascada ou corroída.

  • Nunca pipetar substâncias químicas com a boca

  • Usar peras de borracha ou pipetadores automáticos.

 

2.1-Procedimentos em caso de acidente com soluções:

Como as substâncias apresentam diferentes propriedades, a metodologia de primeiros socorros e descontaminação da área deverão ser realizadas de acordo com a substância envolvida e as instruções do fabricante contidas no rótulo.

13-INCÊNDIOS

Como evitá-los:

uso adequado das tomadas conforme recomendações especificadas na "normas básicas para uso de equipamento elétrico".

bujões de gás devem ser armazenados em local bem ventilado na área externa do prédio. Atenção com substâncias potencialmente inflamáveis na hora de utilizar o fogo.

Estocar substâncias potencialmente inflamáveis longe de fontes de calor ou tomadas.

anutenção do bom estado da parte elétrica do prédio.

Manutenção de funcionários que garantam a segurança do prédio, vigias, durante os fins de semana e feriados.

13.1-EQUIPAMENTO PARA CONTROLAR INCÊNDIO

  • Extintores de incêndio para produtos químicos (extintores PQS de pó), eletricidade (extintores a gás CO2) e para papéis (extintores de água comprimida) devem estar disponíveis. Em Ambientes que utilizam muito equipamento elétrico deve-se ter maior número de extintores para eletricidade enquanto aqueles em que o número de produtos químicos for muito grande devem conter extintores PQS em número suficiente. Os dois podem ser utilizado em ambos os casos mas com meno do extintor devem ser guardados em local livre e não distantes mais do que a 1 metro do piso e devidamente sinalizados.

Os extintores devem estar com a cargaválida e devem estar a disposição em local acessível a todos. Recomenda-se em locais com maior periculosidade que haja uma extintor a cada 10m. Também é recomendável dentro de laboratórios que contenham muitos solventes ou eqos elétricos.

Deve existir no laboratório uma dio treinada por órgão oficial.

Utilizesempreo extintor de incêndio adequado:

Pressão de água papel

CO2 - eletricidade ( pode ser utilizado c/ menor eficiência para material químico).

PQS - material inflamável (pode ser utilizado c/menoreficiência p/eletricidade).

  • OUTRAS ATIVIDADES QUE DEVEM SER REALIZADAS:

Fechar e remover o bujão de gás, quando possível.

Remover todos os produtos inflamáveis, quando possível.

  • Fechar janelas e portas, quando possível.

Incêndio de pequeno porte

- Seguir corretamente as instruções de uso do extintor que devem ser alocados em local livre e não distantes mais do que a 1 metro do piso e devidamente sinalizados.

- Após o uso do extintor, notificar o serviço de segurança para recarregamento.

Precauções em caso de incêndio de grande porte

- Manter a calma e dar o alarme.

- Desligar imediatamente a capela e fechar as saídas de gás.

- Fazer a evacuação com calma.

  • Em caso de fumaça, ande o mais rente possível do piso.

15- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  1. M. M. de Souza. 1998. Biossegurança no laboratório clínica. Ed. Eventos

  2. CDC/NIH- Biosafety in Microbiological and Biomedical Laboratories

  3. Manuais de Legislação Atlas; 39a edição. 1998. Volume 16: Segurança e Medicina do Trabalho.

  4. WHO-Laboratory Biosafety Manual. Geneve, 1994.

  5. International Organization for Standartization ISO/TC 212/WG 1, Quality management in the Clinical Laboratory

27

(Parte 5 de 5)

Comentários