(Parte 1 de 3)

MINERAÇÃO

Ipatinga, 2009

SUMÁRIO

  1. Introdução.................................................................................................2

  2. Conceitos básicos.....................................................................................4

  3. Mineração no Brasil..................................................................................6

  4. Ferro.........................................................................................................8

4.1.1- O minério de ferro..........................................................................8

4.1.2- O carvão mineral............................................................................9

  1. Degradação ambiental............................................................................10

5.1.1- Impactos ambientais da mineração..............................................10

  1. Impactos ambientais da atividade de mineração....................................11

6.1- Tipo de extração..............................................................................11

6.1.1- Extração de carvão.......................................................................12

6.1.2- Mineração de ouro........................................................................12

6.1.3- Chumbo, Zinco e Prata.................................................................12

6.1.4- Agregados para construção civil...................................................12

6.1.5- Garimpo........................................................................................13

  1. Conseqüências da mineração no meio ambiente...................................14

7.1.1- Degradação da paisagem.............................................................14

7.1.2- Ruídos e vibrações.......................................................................14

7.1.3- Trafego de veículos......................................................................14

7.1.4- Poeira e gases..............................................................................14

7.1.5- Contaminação das águas.............................................................15

7.1.6- Rejeito de estéril...........................................................................15

  1. Recuperação de áreas degradadas pelas mineração............................17

8.1.1- Medidas de recuperação e reabilitação........................................17

8.1.2- Estratégias de desativação...........................................................18

8.1.3- Procedimentos para desativação de mineradoras........................19

  1. Conclusão...............................................................................................21

  2. Referências bibliográficas......................................................................22

1 – INTRODUÇÃO

O progresso material, técnico e cultural da civilização estiveram sempre estreitamente ligado à exploração dos recursos minerais, atividade exercida pelo homem desde a pré-história, como testemunham as galerias e túneis encontrados por arqueólogos em numerosos portos da Europa e que datam do período neolítico.

A mineração, representada pelos produtos por ela gerados, está presente no cotidiano da sociedade de forma relevante e praticamente indispensável. O ser humano depende, por ano, de 400 a 500kg de insumos do reino animal e, de acordo com o nível de desenvolvimento do país onde vive, consome entre 2000 e 20000kg de insumos de origem mineral. Nos Estados Unidos, considerado um dos países com melhor padrão de vida, o consumo anual per capita é de 4145kg de brita, 3890 kg de areia e cascalho, 363kg de cimento, 222kg de argila, 199,5kg de sal, 140,6kg de rocha fosfática, 485,3kg de outros minerais não metálicos, 546,6kg de ferro e aço, 24,9kg de alumínio, 10,4kg de cobre, 6,3kg de chumbo, 5,4kg de zinco, 6,3kg de manganês e 8,6kg de outros metais.

No Brasil, em menor escala, por conta de menor nível de desenvolvimento, a mineração aparece de forma constante no dia a dia dos brasileiros. De simples artigos em vidro (areia) e cerâmica (argila) a insumos para computadores e satélites, assim como na fabricação de remédios.

Atuando como base de sustentação para a maioria dos segmentos industriais, a extração mineral, hoje, desempenha papel fundamental na economia brasileira, não só como geradoras de empregos (cerca um milhão de empregos diretos e indiretos) e impostos, como também representa fator determinante para o desenvolvimento de elevado número de cidades e microrregiões.

A atividade de extração em si é responsável por apenas 3% do Produto Interno Bruto brasileiro, porém, se considerarmos as etapas de transformação de bens minerais (fases onde o produto é beneficiado para posterior aproveitamento industrial), esse valor sobe para aproximadamente 26%.

Como referência do potencial mineral do Brasil, o país possui: as maiores reservas mundiais de nióbio, com 85% das jazidas existentes; a terceira maior reserva de cassiterita do mundo, com 12,2% das jazidas; a terceira maior reserva de bauxita, com 11,1% das jazidas; a quarta maior reserva de caulim, com 9,3% e a quinta maior reserva de minério de ferro, com 8% do total.

Embora o Nordeste tenha sido pouco influenciado pela atividade mineral, o Estado da Bahia tem várias cidades onde a mineração trouxe grandes contribuições para o desenvolvimento sócio-econômico. Em Jaguarari, em plena zona da seca, as instalações da Mineração Caraíba foram determinantes para a alavancagem regional. O município de Teofilândia é outro exemplo: as atividades de extração de ouro, movimentadas pela Companhia Vale do Rio Doce, serviram como base para o desenvolvimento local. Ainda na Bahia, a cidade de Jacobina teve grande impulso a partir das operações das minas da Mineração Morro Velho. No global, o setor de mineração baiano absorve cerca de 20 000 pessoas em empregos diretos.

Acrescenta-se ainda a existência, também na Bahia, de razoável quantidade de projetos em fase de previabilidade e implantação ou a espera de melhores condições de mercado. Dentre estes podemos destacar: Vanádio, em Maracás; Calcário, em Jacobina; Ouro, em Rio do Pires; Fosfato e Titânio, em Campo Alegre de Lourdes; Zinco e Fosfato, em Irecê; Gipsita, em Camamu; Urânio, em Lagoa Real; Caulim, em Alagoinhas e Prado; Ilmenita, Rutilo e Zirconita, em Valença; Rochas Ornamentais em diversas localidades.

Com relação às demais unidades da Federação, sem a inclusão dos produtos energéticos, a Bahia ocupa o sexto lugar no universo da mineração brasileira, sendo que a produção destes seis estados (MG, PA, SP, MT, GO e BA) representa 76% da produção mineral brasileira. Com a inclusão dos produtos energéticos, a Bahia passa a ocupar o quarto lugar; Rio de Janeiro, Minas Gerais e Pará, nessa ordem, ocupam os três primeiros lugares.

2 - CONCEITOS BÁSICOS

Mineração, atividade econômica também designada, num sentido mais amplo, como indústria extrativa mineral ou indústria de produtos minerais, se define na classificação internacional adotada pela Organização das Nações Unidas (ONU) como a extração, elaboração e beneficiamento de minerais que se encontram em estado natural sólidos, como o carvão e outros; líquido, como o petróleo bruto; e gasoso, como o gás natural. Nessa acepção mais abrangente, inclui a exploração das minas subterrâneas e a céu aberto, as pedreiras e os poços, com todas as atividades complementares para preparar e beneficiar minérios e outros minerais em bruto: trituração, lavagem, limpeza, classificação, granulação, fusão, destilação inicial e demais preparativos necessários à comercialização dos produtos sem alterar sua condição primária.

Alguns metais, como o ouro, a prata, o cobre e a platina encontram-se em estado puro. A maioria, porém, se apresenta em combinações: óxidos, carbonatos, sulfetos etc., quase sempre ainda misturados a substâncias estéreis, constituindo o que se chama ganga. De acordo com o tamanho, a forma, a profundidade e as características físicas do minério, as jazidas podem ser exploradas na superfície (a céu aberto) ou por meio da lavra subterrânea.

Os recursos minerais são bens esgotáveis, não renováveis. Por esse fato, tendem a escassez à medida que se desenvolve a sua exploração. A seguir, são dadas definições técnicas para alguns termos utilizados na área de mineração.

Beneficiamento ou tratamento: processamento da substância mineral extraída, preparando-a com vistas à sua utilização industrial posterior.

Bota-fora: local para deposição do estéril da mina e, às vezes, para o rejeito da usina de beneficiamento.

Capeamento: Camada estéril que recobre a jazida mineral e que deve ser retirada para efeito de extração do minério na lavra a céu aberto.

Estéril: termo usado em geologia econômica para as substâncias minerais que não têm aproveitamento econômico.

Jazidas minerais: Massa individualizada de substância mineral ou fóssil, aflorando à superfície ou existente no interior da terra, em quantidades e teores que possibilitem seu aproveitamento em condições econômicas favoráveis.

Mina: É a jazida mineral em fase da lavra, abrangendo a própria jazida e a instalação de extração, beneficiamento e apoio.

Mineral: é toda substância natural formada por processos inorgânicos e que possui composição química definida.

Minério: mineral ou associação de minerais que pode, sob condições econômicas favoráveis ser utilizado como matéria prima para a extração de um ou mais metais.

Rejeito: rochas ou minerais inaproveitáveis presentes no minério e que são separadas deste, total ou parcialmente, durante o beneficiamento.

3 – MINERAÇÃO NO BRASIL

A Indústria Extrativa Mineral brasileira e bastante diversificada. Há pelo menos 55 minerais sendo explorados atualmente no Brasil, cada qual com uma dinâmica de mercado especifica, singular.

A mineração brasileira teve, em 2006, mais um ano de ótimo desempenho. O efeito do forte crescimento da demanda mundial e do aumento dos preços internacionais de minérios seriam as principais variáveis explicativas para a elevação de 8,2% da produção, quando comparado com o ano anterior. Nos últimos cinco anos, obteve-se um crescimento médio de 8,1%.

No Brasil, havia 2.641 minas em 2006. Deste total, 130 minas eram de grande porte, 625 de médio porte e 1.886 de pequeno porte, ou 71,4% do total. Operam na modalidade a céu aberto 2.597 minas, 41 subterrâneas e 3 mistas. A esse conjunto diversificado de minas destacam–se as de classe mundial de nióbio em Araxá (MG), minério de ferro no Quadrilátero Ferrífero (MG) e Carajás (PA), bauxita em Oriximina (PA), caulim em Barcarena e Ipixuna do Pará (PA), grafita em Pedra Azul (MG) e magnesita em Brumado (BA).

Do total das minas no Pais em 2006, 86,1% são de minerais destinados a cadeia produtiva da industria de construção civil (amianto, areias, argilas, calcário, gipsita, rochas britadas e ornamentais). Destes, a areia esta representada por 745 minas, rochas britadas e cascalho com 654 e argilas por 462. Ao longo dos últimos seis anos esses sete bens minerais vêm preservando sua importância no número total de minas.

Distribuição percentual das minas de grande portesegundo as substâncias minerais, 2006.

Distribuição percentual das minas de médio portesegundo as substâncias minerais, 2006.

Distribuição percentual das minas de pequeno portesegundo as substâncias minerais, 2006.

4 – FERRO

O ferro é um dos elementos mais abundantes da superfície de nosso planeta. É encontrado em quantidade inferior apenas ao oxigênio, ao silício e ao alumínio. Porém, entre esses quatro elementos mais abundantes da Terra, o ferro é o que possui maior importância nas aplicações industriais e maior índice de produção.O ferro também possui a particularidade de ser o metal pesado geralmente mais barato, apesar de algumas de suas raras ligas serem mais caras que o próprio ouro.

Quando quimicamente puro, o ferro não é utilizado nas atividades industriais, por ser muito flexível e apresentar oxidação com extrema facilidade. O ferro é empregado nas indústrias sempre em liga com outros elementos, principalmente com o carbono, cuja composição nas ligas de ferro varia de 0, 0008% a 6,4%.

As ligas de ferro e carbono, comumente chamadas de minério de ferro, são de grande importância nas atividades das indústrias, sendo muito empregadas na metalurgia.

3.1.1- O minério de ferro

As minas fornecedoras de minério de ferro são de dois tipos: (a céu aberto) e (em galeria). As minas a céu aberto exploradas com mais facilidade, pois possibilitam o emprego de grandes máquinas escavadoras, que diminuem o custo de exploração e favorecem maior rendimento ao trabalho.Já a exploração das minas de galeria exige o emprego de técnicas especiais de operação, além da construção de caras instalações auxiliares para a extração, como sustentação de arcada dos túneis, elevadores e sistemas de iluminação artificial e ventilação. No Brasil, que possui a sexta maior reserva de minério de ferro do mundo, a maioria das jazidas é a céu aberto.

O ferro é extraído das minas e levado para as siderúrgicas, onde recebe o primeiro tratamento industrial. Nas minas em galeria, o material extraído é transportado das regiões subterrâneas até a superfície por meio de pequenos vagões que correm por estreitos trilhos, ou através de correias transportadoras, que são um tipo de esteira que corre levando o ferro até o exterior da mina.

(Parte 1 de 3)

Comentários