Instalações prediais de gás

Instalações prediais de gás

UNIDADE 6 – INSTALAÇÕES PREDIAIS DE GÁS 1 – Aspectos Gerais 1.1- Características do gás

O GLP (Gás Liquefeito do Petróleo) é obtido a partir da destilação do petróleo, sendo formado basicamente pela mistura de propano e butano, em proporções variáveis. Apresenta as seguintes propriedades: • densidade 2 em relação ao ar, na forma de gás 0,5 em relação a água, na {forma líquida. • facilidade e rapidez de operação

• não produz resíduos após a queima

• poder calorífico médio 12 0 Kcal/kg

O emprego do GLP nos domicílios é cada dia maior, visto que poucas cidades no Brasil dispõem de gás combustível canalizado nas ruas, sendo necessária a instalação domiciliar com recipientes que armazenam o GLP.

1.2- Recipientes

As empresas que fazem a distribuição do gás liquefeito de petróleo utilizam recipientes de aço, que podem ser transportáveis (butijões ou cilindros) ou fixos, dependendo de suas capacidades. Existe um grande número de normas da ABNT que regulamentam as dimensões, os testes para o controle de qualidade dos recipientes para GLP, bem como as mangueiras flexíveis utilizadas e as válvulas para os recipientes.

Os recipientes transportáveis de aço para GLP têm as seguintes capacidades, regulamentadas pelas normas: 2 kg - NBR 8470/84 5kg - NBR 8471/84 13 kg - NBR 8462/84 45 kg - NBR 8463/84 90 kg - NBR 8472/84

Os butijões de 2 e 5 kg são utilizados em lampiões para iluminação, laboratórios, camping, etc; os de 13 e 45 kg são utilizados em casas e prédios residenciais: os cilindros de 90 kg são empregados nas instalações de maior consumo.

1.3- Pressões de utilização

O GLP é fornecido em recipientes de aço, no estado líquido, com pressões da ordem de 50 a 150 psi (35 a 105m H2O). Na saída dos recipientes, através do regulador de alta ou de 1º estágio, ocorre uma redução para 15 psi (10 m H2O ) e, posteriormente, pelo regulador de baixa ou de 2º estágio, a pressão chega a 0,4 psi (0,28 m H20), valor indicado para o consumo nos aparelhos. A figura 1 ilustra um regulador de 2º estágio.

2- Exemplos de Utilização do GLP

A instalação predial do GLP pode ser individual, onde cada domicílio possui seus recipientes ou por distribuição central, com um medidor de consumo para cada domicílio. Em residências, até as mais simples, o recipiente de GLP (butijão ou cilindro de gás) deve ficar localizado em áreas externas, reservadas para este fim, sendo o gás levado aos pontos de consumo através de canalizações próprias, às quais denominamos instalações prediais de gás (ou de GLP). Com a grande demanda de energia elétrica, é prudente se somar as diversas alternativas energéticas e, neste pensamento, os projetos de instalações prediais de gás devem prever pontos de alimentação do combustível também para o aquecimento da água. A figura 2 ilustra uma instalação de recipientes de 13kg para uma residência pequena; a figura 3 ilustra uma instalação de gás utilizando cilindros de 45 kg; a figura 4 mostra um detalhe de instalação centralizada de gás para bujões ou cilindros, obedecendo as prescrições para esta instalação, segundo as normas da Associação Brasileira de Distribuidores de Gás e a figura 5 indica as distâncias mínimas a serem observadas para instalar a central de gás.

2.1- Dimensionamentos

As tubulações para condução de gás trabalham à média pressão de serviço e nos pontos de utilização, ela deve ser reduzida para o consumo nos aparelhos. O diâmetro mínimo das instalações de gás, quando exposta, é de 9,5 m (3/8”); para tubulações embutidas é de 15 m (1/2”); o barrilete ou “manifold” tem diâmetro mínimo de 20 m (3/4”). A vazão ou descarga é calculada pela fórmula de Pole:

Sendo:

Q = vazão, em m3/h

D = diâmetro, em centímetros (para o ferro galvanizado é o diâmetro interno e para o cobre, o diâmetro externo). L = comprimento do tubo, em metros.

O consumo nos pontos de utilização aproxima dos seguintes valores:

salas comerciais: 150 Kcal/min. queimador de forno: 45 Kcal/min. queimador de fogão: 30 Kcal/min.

aquecedor de água: 200 Kcal/min.

8 x 45 ou

Número de cilindros em função da potência requerida Quant. e tipo Capacidade Capacidade de vaporização Diâmetro do de recipiente total (kgf) Kgf/h Btu/h Kcal/h manifold 4 x 45 180 2,1 100.0 25.200 ¾” 6 x 45 270 2,62 125.0 31.500 ¾” 4 x 90 360 4,2 200.0 50.400 ¾” 10 x 45 450 5,25 250.0 63.0 ¾” 12 x 45 540 6,3 300.0 75.600 ¾”

Comentários