Relatorio Coloração de gram

Relatorio Coloração de gram

Curso Tecnólogo em Gestão Ambiental

Disciplina: Microbiologia

Prof. James Moura

Alunos: Danilo Z. Cesco,

Érica Neves Gorgonha,

Evaldo Braz de Figueiredo Jr.,

Hélia Amaral.

Relatório II

Prática: Contaminação de Placas.

1. Objetivo

Este trabalho tem como objetivo o preparo de meio de cultura, para procriação de vários microorganismos, coletados durante a aula no laboratório.

1.1 Objetivos específicos

  • Processar um meio nutritivo e adicionar ao meio de cultura;

  • Contaminar comuns ao nosso dia-dia;

  • Fazer observações por 48h e 72h do crescimento microbiano.

2. Meio de Cultura

Este meio é utilizado na obtenção de microorganismos comuns no dia-a-dia dos seres humanos.

3. Reagentes e soluções

  • Extrato de carne;

  • Peptona de carne;

  • Agar

4. Metodologia

Adicionar a cada 1L de meio de cultura:

  • 3g extrato de carne

  • 5g peptona de carne

  • 15g Agar

Prepara o meio de cultura, colocar na autoclave (esterilizar), por aproximadamente 30min a 121ºC, depois colocar esse nutriente na placa de petri, e contaminar. Em seguida, pôr na estufa de cultura a 36ºC, e observar após 48h e 72h passadas.

5. Equipamentos e vidraria

  • Balão de fundo chato ou erlenmeyer de 500 ml,

  • Placa de petri,

  • Becker

6. Considerações Finais

A avaliação foi feita visualmente no segundo dia 72h, através da observação do desenvolvimento das colônias. A placa de petri contaminada para essa prática foram duas:

I - o ar do Evaldo,

II - e também os dedos do pé da Érica;

A diferença observada foi que apenas houve crescimento das bactérias pertencente à colônia II, nos meios contendo diferente formato.

Não foram observadas as colônias após ter passado 48h.

Relatório Coloração de GRAM

Prática: Coloração de GRAM

1.Introdução

Observamos as principais formas e estruturas das bactérias.

Dedos do pé – Érica.

19 Unidades Formadoras de Colônia sendo:

  • 12 Lombadas

  • 17 amareladas

  • 1 Ondulada

  • 1 Com entrada

  • 2 Esbranquiçadas

  • 2 Regulares, uma delas esbranquiçadas.

2.Objetivo

Este trabalho tem como objetivo Demonstrar a importância da coloração e estabelecer a distinção  entre:

     - Bactérias Gram-positivas e Gram-negativas;

     - As morfologias cocos ou  bacilos;

     -  Arranjos bacterianos (estafilococos, estreptococos, estreptobacilos, etc).

3. Reagentes e soluções

  • Álcool

  • Lugol

  • Crista Violeta

  • H2O

4. Procedimentos

  1. Esfregaço e Flambagem na placa de vidro.

  2. Contaminar

  3. Acrescentar crista-violeta (30 seg)

  4. Acrescentar lugol (1 min)

  5. Acrescentar Álcool-Acetona (para retirar o excesso) (20 seg)

  6. Lavagem com H2O corrente (20 seg )

  7. Acrescentar Ficsina/Safronina (30 seg)

  8. Lavagem H2O corrente (20 seg)

  9. Secagem – ar livre

  10. Observação em microscópio óptico em :

    • 4x – Roxa

    • 10x – Roxa

    • 40x – Roxa, começando a criar forma.

    • 100x – Formato nítido.

5. Considerações Finais:

Concluímos que o único tipo  bactérias que encontramos foram as de tipo Gram + (coradas de violeta escuro ou roxo) e em relação á sua forma só foram encontrados cocos, mas existem outros tipos de bactérias como os estreptococos. Durante o procedimento experimental efetuaremos vários processos para que nos fosse facilitada à visão das bactérias, tais como:

Fazer o esfregaço, que teve como objetivo separar as bactérias para que estas fossem bem visíveis.

Fixar o material á lâmina através da chama, para que as células morressem e ficassem fixas (sem movimento) para permitir um melhor visionamento das mesmas.

Passou-se Lugol por toda a lâmina, para que as estruturas celulares aumentassem as suas afinidades tintureiras.

A colocação do álcool.

Concluímos também que se a objetiva de imersão não estiver devidamente limpa a observação vai ser dificultada ou mesmo não possível de efetuar. 

Comentários