Avaliação Nutricional de Gestante - Word

Avaliação Nutricional de Gestante - Word

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DAS GESTANTES

  • A nutrição deficiente durante a gestação ganho de peso insuficiente, má nutrição intra-uterina, recém-nascido de baixo peso e com chances reduzidas de sobrevivência.

  • O estado nutricional pré-gestacional afeta a evolução da gestação.

  • O ganho de peso durante a gestação depende do estado nutricional pré-gestacional: gestantes de baixo peso = 15 kg; eutróficas = 10 a 12 kg; sobrepeso = 6 a 7 kg.

  • A avaliação nutricional durante o período pré-natal tem como objetivo identificar, o mais precocemente possível, gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso.

Necessidades nutricionais

  • Carboidratos, proteínas, gorduras.

  • Vitaminas, minerais.

  • Líquidos.

Necessidades adicionais:

  • Energia.

  • Proteína (As razões para o incremento das necessidades protéicas durante a gestação são hipertrofia dos tecidos maternos, desenvolvimento da placenta, formação do líquido amniótico e síntese dos tecidos fetais).

  • Cálcio.

  • Vitamina B6.

  • Zinco, iodo.

  • Ácido fólico (suplementação medicamentosa).

  • Ferro (suplementação medicamentosa).

Orientações nutricionais

Intervenção dietética nas complicações da gestação:

1) Orientações nutricionais para gestantes com sintomas de desconforto gastrointestinal

  • Orientações nutricionais para gestantes com refluxo gastroesofágico:

  • Evitar a ingestão de alimentos gordurosos e frituras em geral;

  • Evitar molhos apimentados, alimentos fermentáveis, hortelã e menta;

  • Evitar a ingestão de refrigerantes, café e chocolate;

  • Ingerir alimentos protéicos e com baixo teor de lipídios;

  • Evitar ingerir líquidos durante as refeições.

OBS:

a) O aporte protéico está aumentado na dieta da gestante com refluxo gastroesofágico

devido à liberação de gastrina que auxilia no aumento da pressão do esfíncter esofagiano inferior.

b) O aporte lipídico está diminuído na dieta da gestante com refluxo gastroesofágico devido à liberação de colecistocinina que diminui a pressão do esfíncter esofagiano inferior e retarda a velocidade de esvaziamento gástrico.

  • Orientações nutricionais para gestantes com náuseas e vômitos:

  • Diminuir o volume das refeições (pequenas refeições) e aumentar o fracionamento das

  • refeições (número de refeições).

  • Evitar alimentos muito quentes, dando preferência a refeições na temperatura ambiente.

  • Evitar ingerir líquidos durante as refeições.

  • Diminuir a ingestão de alimentos gordurosos, frituras em geral e condimentos picantes.

  • Orientações nutricionais para gestantes com constipação intestinal:

  • Aumentar o aporte de fibras.

  • Aumentar a ingestão hídrica.

OBS: Alimentos ricos em fibra:

  • Pectina – é encontrada na polpa e casca de frutas, hortaliças, cereais e leguminosas,Principalmente: maçã, laranja, cenoura, feijão, aveia, cevada, arroz (farelo e farinha), entre outras.

  • Celulose – é encontrada nas folhas e talos de hortaliças verdes e nas cascas de frutas, cereais (farelo de trigo) e leguminosas. Encontra-se nos cereais integrais, produtos obtidos a partir dos cereais integrais como pães e biscoitos integrais. É encontrada também nas frutas (mamão).

2) Orientações nutricionais para gestantes com DHEG:

  • Aporte protéico e de cálcio - As proteínas alimentares mais adequadas para reposição das proteínas plasmáticas e correção da hipoalbuminemia são ovoalbumina e lactoalbumina encontradas na clara do ovo e no leite. 4 xícaras de leite suplementam proteínas e cálcio.

  • Aporte calórico, hídrico e de sódio - O edema suave na gestação não deve ser confundido com DHEG e não justifica a restrição dietética severa de sódio. A hipertensão induzida pela gestação geralmente ocorre após a 20a semana gestacional. Considerando o quadro clínico característico, é preconizado que o plano alimentar de uma gestante com estado nutricional adequado inclua aporte calórico, hídrico e de sódio recomendados para semana gestacional. Evitar alimentos muito salgados como carnes defumadas, conservas, biscoitos e petiscos

salgados como azeitona, salame, queijo provolone, amendoim, castanha de caju e todos os outros tira-gostos que freqüentemente são utilizados para acompanhar as bebidas alcoólicas.

São altamente calóricos pela alta quantidade de gorduras e salgados.

3) Orientações nutricionais para gestantes com diabetes gestacional:

O diabetes gestacional se desenvolve apenas durante o estresse da gestação, podendo ocorrer mesmo sem haver antecedentes familiares da doença e se resolver após o parto. O cuidado nutricional adequado da gestante contribui para a redução do risco de ocorrência, no recémnascido de macrossomia.

As Fibras Solúveis, como a pectina, melhoram o controle da glicose sanguínea, possivelmente por retardar o esvaziamento gástrico e aumentar o tempo de trânsito intestinal, porque transformam-se em gel no trato digestivo, aumentando o tempo necessário para absorção do açúcar contido nos alimentos e prevenindo os perigosos surtos de hiperglicemia que podem ocorrer após as refeições.

Os micronutrientes, como Cromo, aumentam a tolerância à glicose por aumentarem a

sensibilidade insulínica. Alimentos como brócolis, cereais integrais (principalmente cevada), nozes, levedo de cerveja, entre outros, devem estar presentes na dieta de gestantes com diabetes gestacional. O Zinco também é importante para a síntese da insulina. Suas Fontes alimentares incluem carnes, leite e derivados, nozes, feijões, fígado, cereais integrais, levedo de cerveja, gema de ovo.

Orientações gerais

  • Dieta equilibrada.

  • O fracionamento das refeições em no mínimo 3 básicas (desjejum, almoço e jantar) e 3

  • intermediárias (colação, lanche e ceia) deve ser preconizado como dieta de todas as

  • gestantes .

  • Atividade física regular.

  • Evitar medicamentos (evitar todos os medicamentos que não foram prescritos pelo

  • médico).

  • Evitar álcool, fumo e aspartame.

  • Moderação no consumo da cafeína (4 xícaras ou 200 ml de café).

  • Ingerir adequadamente alimentos fontes de iodo (o uso de sal iodado é importante

  • principalmente a partir do segundo trimestre. As carnes de peixes de água salgada são

  • ricas fontes de iodo. Os peixes de água doce também são fontes de iodo. O conteúdo de

  • iodo no leite de vaca e ovos é determinado pelos iodetos nos vegetais disponíveis na

  • dieta do animal, e os iodetos vegetais variam de acordo com seu conteúdo no solo no

  • qual crescem).

OBS:

  1. O principal motivo de se evitar a ingestão de bebidas alcoólicas durante a gestação é devido ao efeito teratogênico do etanol, podendo levar à síndrome alcoólica fetal caracterizada por falha no crescimento pré e pós-natal, atraso no desenvolvimento, microcefalia, anormalidades faciais e anormalidades músculo-esqueléticas. Lactentes nascidos de gestantes etilistas moderadamente crônicas podem apresentar características desta síndrome. Além disso, a ingestão de etanol durante a gestação aumenta a incidência de aborto espontâneo, descolamento placentário e recém nascido de baixo peso.

  1. O principal motivo de se evitar a ingestão de bebidas e alimentos com o adoçante artificial aspartame durante a gestação é devido à liberação do aminoácido fenilalanina após sua digestão. Na maioria das pessoas, a fenilalanina é metabolizada adequadamente. Entretanto as gestantes com fenilcetonúria apresentam ausência da enzima necessária para a conversão da fenilalanina e sofrem dano cerebral devido à concentração sanguínea elevada deste aminoácido. Além disso, tais concentrações sanguíneas elevadas podem levar também ao dano cerebral fetal. É importante ressaltar que a concentração sanguínea do aminoácido fenilalanina é mínima nas gestantes que não possuem fenilcetonúria. Entretanto, apesar da quantidade de aspartame necessária para elevar a concentração sanguínea de fenilalanina em gestantes que não possuem fenilcetonúria ser extremamente alta, exigindo uma ingestão absurda do mesmo, é mais coerente a omissão de seu consumo.

  1. A ingestão excessiva de cafeína pode alterar a freqüência cardíaca materna e fetal, além de promover hipercalciúria.

  1. A deficiência severa de iodo na gestação e no crescimento pós-natal inicial pode levar ao cretinismo em lactentes, uma síndrome caracterizada por deficiência mental, surdo-mudez, estatura pequena e hipotireoidismo, entre outros.

Comentários