www.ResumosConcursos.hpg.com.br

Resumo: Auditoria – por Professor Miguel Junior

Resumo de Auditoria

Assunto:

Auditoria

Autor:

Professor MIGUEL JUNIOR

Resolução nº 820, de 17/12/97

NBC T 11 – NORMAS DE AUD.

INDEP. DAS DEMONST. CONTÁBEIS

.

11.1 – Conceituação e disposições gerais

11.1.1 – Conceituação e Objetivos da Auditoria Independente

Objetivo: Emissão de Parecer sobre adequação das demonstrações Contábeis mediante os princípios e normas legais.

Limite do Parecer do Auditor: Os próprios objetivos da auditoria.

Responsabilidade: Exclusiva de Contador registrado no C.R.C.

11.1.2 – Procedimentos de Auditoria: São as técnicas utilizadas para obter provas para fundamentar sua opinião

Técnicas: Testes de Observância: Obter segurança dos procedimentos de controle interno.( contido no 11.2.6 )

Testes Substantivos: Obter evidencia da suficiência, exatidão e validade dos dados (contido no 11.2.6 )

Testes de Transações: (Contido no 1.2.1)

Testes de Revisão Analítica: (contida no item 11.2.6 )

11.1.3 – Papéis de trabalho: Documentos e apontamentos

Responsabilidade e propriedade: do Auditor, responsável por sua guarda e sigilo.

11.1.4 – Fraude e Erro:

Fraude: Ato intencional das transações

Erro: Ato não intencional das transações

Responsabilidade Primária: da administração

Obrigação do Auditor: de comunicar à administração. Caso não sejam tomadas as providência informar no parecer.

11.2 – Normas de Execução dos Trabalhos

11.2.1 – Planejamento da Auditoria:

Requisitos para um bom planejamento: Auditor deve Ter adequado nível de conhecimento sobre as atividades

Devem ser considerados todos os fatores relevantes

Conhecimento das práticas contábeis adotadas pela entidade

“ dos sistemas contábeis

“ dos riscos de auditoria

Natureza, oportunidade e extensão dos procedimento a serem aplicados

Existência de entidades filiadas, filiais e partes relacionadas

Necessidade de atender prazos

Preparar programas de trabalho

Quando incluir equipe técnica, deve prever a supervisão do auditor

Quando realizada pela primeira vez: Obter evidências de que os saldos de abertura sejam consistentes

Comparação entre os saldos

Se as práticas contábeis são uniformes

Identificação de fatos relevantes

“ de eventos subsequentes

11.2.2 – Relevância

Determinar a natureza, oportunidade e extensão dos procedimentos; avaliação dos efeitos das distorções e da apresentação.

Das demonstrações contábeis.

11.2.3 – Risco de Auditoria: possibilidade de emitir opinião tecnicamente inadequada.

Níveis: Geral: Considera as Demonst. Contábeis em seu conjunto.

Específico: Saldo das contas ou natureza e volume de transações.

Avaliação dos riscos: Função e envolvimento dos Admin. Nas atividades da empresa.

Estrutura Organizacional

Política de pessoal e divisão de funções

Limitação ao acesso físico e ativos e registros.

Comparação e análise dos resultados

11.2.4 – Supervisão e Controle de Qualidade: Avaliar a realização dos trabalhos de modo geral para apresentar boa qualidade dos mesmos

Requisitos para se Ter controle de qualidade:

Competência do pessoal designado;

Independência do pessoal designado;

Supervisão do Auditor em todas as etapas do trabalho;

Capacidade do atendimento ao cliente em face da estrutura

Integridade dos administradores do cliente

Pode-se determinar atendimento do cliente pela soma das horas disponíveis

11.2.5 – Estudo e Avaliação do Sistema Contábil e de Controles Internos

Plano de organização e conjunto de métodos e procedimentos adotados pela entidade

Considerar: O tamanho e complexidade das atividades da empresa;

Sistemas de informação contábil;

Áreas de risco de auditoria;

Grau de descentralização da decisão.

11.2.6 – Aplicação dos Procedimentos de Auditoria

Será realizada, em razão da complexidade e volume das operações utilizando:

Provas seletivas

Testes: (de observância e substantivo) com os seguintes procedimentos:

Inspeção: exame de registos, documentos e ativos tangíveis;

Observação: acompanhamento de processo;

Investigação e confirmação: Obtenção de informações dentro ou fora da entidade;

Cálculo: Conferência da exatidão aritmética;

Revisão Analítica: Verificação através de índices, quocientes, quant. absolutas, etc.

Testes de observância: Verificar a existência, efetividade e continuidade do controle interno.

Testes substantivos:

Deve-se observar:

Existência real do componente patrimonial em certa data

Direitos e obrigações: se existe em certa data

Se a transação ocorreu de fato

Se as ações estão registradas

11.2.7 – Documentação da Auditoria

Papéis de trabalho: abrangendo detalhe suficiente para realização do trabalho

Serão elaborados, organizados e arquivados de forma sistemática e racional

11.2.8 – Continuidade normal das atividades da entidade

Normalidade pelo prazo de um ano é suficiente para caracterização da continuidade.

Na constatação de risco de continuidade normal, o auditor deverá mencionas em seu parecer (parágrafo de ênfase)

Pressupostos na análise de continuidade:

Financeiros: 1- Passivo a descoberto; 1 – posição negativa do CCL; 3 – índices financeiros adversos de forma continuada; 4 – dificuldades de acertos com credores , etc.

De Operação: 1 – Perda de elementos-chaves na administração; 2 – perda de mercado; 3 – dificuldade de manter mão-de-obra essencial.

Outros: 1 – não cumprimento de normas legais; 2 – contingências capazes de não serem cumpridas; 3 – mudança das políticas governamentais.

11.2.9 – Amostragem: Estabelecimento de normas e orientação sobre os projetos de seleção de uma amostra de auditoria e sobre a

avaliação dos resultados da amostra.

Fatores: População da amostra: Conjunto inteiro dos dados que o Aud. deseja tirar a amostra p/ tomar decisão

Estratificação da amostra:Dividir população em subpopulações homogêneas.

Tamanho da amostra: Considerar o Risco da amostragem, o erro tolerável e o erro esperado.

Seleção da amostra: Seleção aleatória: assegura que todos os itens da população têm igual chance de seleção porém podem obter resultados diferentes;

Seleção sistemática: Seleção de itens usando um intervalo constante entre as seleções e

Seleção casual: a critério do auditor, baseada em experiência profissional.

11.2.10 – Processamento Eletrônico de Dados – PED

Grau mínimo de conhecimento do auditor:

Conhecer suficientemente o sistema de contabilidade

Estabelecer e supervisionar o nível de provas de controle e de proced. substantivos p/ assegurar a confiabilidade.

11.2.11 – Estimativas Contábeis

Responsabilidade: da administração da entidade e se baseiam em fatores substantivos e subjetivos.

Quando a comparação entre as estimativas evidenciar variações significativas o auditor deve verificar se houve o competente ajuste nos procedimentos.

11.2.12 – Transações com Partes Relacionadas

“Entidades, físicas ou jurídicas, com as quais uma companhia tenha possibilidade de contratar, no sentido lato deste termo, em condições que não sejam as de comutatividade e independência que caracterizam as transações com terceiros à companhia, ao seu controle gerencial ou qualquer área de influência”.

Exemplos: alienação ou transferência de propriedade industrial

Saldos decorrentes de operações e quaisquer outros saldos a receber ou a pagar

Avais, fianças, hipotecas, depósitos, penhores ou quaisquer outras formas de garantias.

Quaisquer transferências não remuneradas.

Limitações mercadológicas e tecnológicas.

O auditor deve verificar aquelas que pareçam normais ou não sejam identificadas como partes relacionadas quando do planejamento.

11.2.13 – Transações e Eventos Subseqüentes: Ocorridos entre a data do término do exerc. Social e data da emissão do parecer

Ocorridos depois do término do trabalho de campo

Ocorridos após a divulgação das demonstrações contábeis.

Deve considerar em seu parecer eventos que possam demandar ajustes nas demonstrações contábeis ou a divulgação de informações nas notas explicativas.

11.2.14 – Carta de Responsabilidade da Administração

Deve ser emitida com a mesma data do parecer do auditor.

11.2.15 – Contingências ( as passivas relevantes devem ser consideradas)

Decorrentes de: processos judiciais, reivindicações e reclamações, lançamento de tributo em disputa.

11.3 – Normas do Parecer dos Auditores Independentes

11.3.1 – Generalidades

Condições do parecer: Normais: é dirigido aos acionistas, quotistas ou sócios, ao conselho de administração ou à diretoria da entidade.

Em circunstâncias próprias: É dirigido ao contratante do serviço

Espécies: Parecer Sem Ressalva : Demonstrações contáb. estão corretas ( pode incluir parágrafo de ênfase em face de incerteza que não seja extremamente relevante, após o parágrafo de opinião.

Parecer com ressalva : Quando houver discordância por parte do auditor ou restrição na extensão de seu trabalho (vem antes do parágrafo de opinião).

Parecer adverso: : Quando as demonstrações não estiverem adequadamente representadas (incorretas ou incompletas de tal forma que impossibilite emissão do parecer com ressalva) , nas datas e períodos indicados.

Parecer com abstenção de opinião: Quando o auditor não obtém comprovação suficiente para fundamentar opinião sobre as demonstrações contábeis.

11.3.9 – Parecer quando Demonstrações Contábeis de Controladas e/ ou Coligadas são Auditadas por Outros Auditores

O auditor deve assegurar-se de que as demonst. Das controladas e/ou coligadas estejam de acordo com as Normas Contábeis.

Deve-se destacar a participação de outros auditores quando ocorrer.

11.3.10 – Parecer sobre Demonstrações Contábeis Condensadas

Após emitir opinião das demonstrações originais de demonst. Condensadas o auditor poderá expressar opinião sobre as demonstrações condensadas.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

Resolução nº 821, de 17/12/97

NBC P 1 – NORMAS PROFISSIONAIS DE AUDITOR INDEPENDENTE

    1. Competência Técnico Profissional

Antes de aceitar o trabalho o auditor deverá obter conhecimento preliminar das atividades da empresa em sentido amplo.

    1. Independência

Não pode deixar que fatores estranhos ao objetivo do trabalho interfiram nos trabalhos.

Exemplos: Vínculo conjugal ou parentesco com administ. Sócios, etc.

Relação de trabalho como empregado, administ. E etc. nos últimos dois anos.

Ter participação direta ou indireta como acionista

Ter algum interesse financeira na empresa auditada

Não estar apto, por algum motivo, para exercer o trabalho de auditor

Condicionar ou fixar honorários incompatíveis com a atividade, dentre outros.

    1. Responsabilidades do Auditor na Execução dos Trabalhos

Cuidado

Zelo

Imparcialidade

Não Ter por objetivo principal a descoberta de fraudes, embora seja importante considerar tal probabilidade

    1. - Honorários

Estabelecer os honorários considerando:

Relevância, vulto, complexidade dos serviços e custo do serviço a executar

Número de horas estimadas

Qualificação técnica dos profissionais

Os honorários deverão constar em carta proposta ou documento equivalente tendo:

Descrição dos serviços a serem realizados

Prazo para realização do mesmo

Relatórios a serem emitidos

Condições de pagamento de honorários

    1. - Guarda da Documentação (todos os papéis de trabalho)

(cinco) anos, a partir da data da emissão do parecer.

1.6 - Sigilo

Do auditor em relação à entidade auditada

“ em relação a outros auditores

“ em relação a organismos reguladores

“ em relação a demais terceiros

Divulgação de informações a terceiros:

Somente caso seja autorizado, por escrito, pela administração da entidade

    1. - Responsabilidade pela Utilização do Trabalho do Auditor Interno – (nunca será modificada)

    1. - Responsabilidade pela utilização do Trabalho de Especialistas – (total somente se contratado diretamente pelo auditor)

    1. - Informações Anuais aos Conselhos Regionais de Contabilidade - (até 30 de junho de cada ano)

Informação sobre clientes: Cias Abertas, Inst. Financeiras, Fundos de Investimento, Administradores de Consórcios, etc.

Relação dos nomes do pessoal técnico existente em 31 de dezembro no ano anterior

De clientes cujos honorários representam mais de 10% do faturamento bruto anual

Quando solicitado o auditor deverá fornecer, no prazo de 30 dias, relação de seus clientes e outras informações necessárias.

    1. Educação Continuada – (Deverá ser comprovada.)

    1. Exame de Competência Profissional - (Deverá submeter-se a exame de competência profissional.)

======================= F I M =========================

8

Comentários