Manual

Manual

Implementação das Normas e Rotinas de Limpeza do Pronto Socorro Municipal de Ponta Grossa

Introdução

A higiene tem como objetivo remover a sujidade. Entende-se que os resíduos retêm microorganismos que podem, em algum momento, ser transmitidos tanto por contato direto como através de poeira suspensa no ar. Outro aspecto importante é o bem estar proporcionado por um ambiente limpo e organizado, mesmo que em instalações físicas simples.

A limpeza tanto do ambiente, quanto do corpo e dos alimentos é fundamental para a promoção da saúde. E as instituições de saúde têm a obrigação de dar este exemplo para seus usuários.

Objetivo

Sensibilizar os profissionais da equipe de limpeza do Pronto Socorro Municipal, quanto à necessidade em adotar normas e rotinas de limpeza.

Justificativa

As normas e rotinas de limpeza desse projeto visam levar a todos os profissionais da equipe de limpeza do Pronto Socorro Municipal conceitos e metodologias de trabalho que tragam maior eficiência na forma de lidar com a higienização do ambiente hospitalar, contribuindo para a minimização dos prejuízos causados à saúde dos usuários das unidades e também dos trabalhadores da limpeza.

Equipamentos de Proteção Individual (EPI)

Luvas - protegem de sujidade grosseira. Elas devem ser usadas em procedimentos que envolvam sangue, fluidos corporais, secreções, excreções (exceto suor), membranas mucosas, pele não integra e durante a manipulação de artigos contaminados. As luvas devem ser trocadas após contato com material biológico, entre as tarefas e procedimentos num mesmo paciente, pois podem conter uma alta concentração de microorganismos. As luvas devem ser removidas logo após usa-las, antes de tocar em artigos e superfícies sem material biológico e antes de atender outro paciente, evitando a dispersão de microorganismos ou material biológico aderido nas luvas. Lave as mãos imediatamente após a retirada das luvas para evitar a transferência de microorganismos a outros pacientes e matérias, pois há repasse de germes para as mãos mesmo como uso das luvas. As luvas grossas de borracha estão indicadas para limpeza de materiais e de ambiente.

Máscaras e óculos de proteção – servem para proteger as mucosas dos olhos nariz e boca de respingos gerados pela fala, tosse ou espirro do paciente ou durante atividades de assistência e de apoio. Estas gotículas geradas por fonte humana se dispersam ate um metro de distancia quando se depositam nas superfícies. Elas podem ser de sangue, fluidos corporais, secreção e excreções ou líquidos contaminados como aquelas geradas durante a lavagem de materiais contaminados. Uma indicação do uso destes equipamentos é durante a manipulação de produtos químicos em áreas de expurgo ou de desinfecção de artigos onde existe o risco químico de contato.

Avental – o avental (limpo, não estéril) serve para proteger a pele e prevenir sujidade na roupa durante procedimentos que tenham probabilidade de gerar respingos ou contato de sangue, fluidos corporais, secreções ou excreções. O avental será selecionado (plástico ou tecido) de acordo com a atividade e quantidade de fluido encontrado. O avental de plástico está indicado para lavagem de materiais em áreas de expurgo. O avental sujo será removido após o descarte das luvas e as mãos devem ser lavadas para evitar transferência de microorganismos para outros pacientes ou ambiente. A lavagem domiciliar de aventais contaminados deve ser precedida de desinfecção, por 30 minutos em solução de hipoclorito de sódio a 0,02% (10ml de alvejante comercial a 2-2,5% para cada litro de água).

Calçados - os calçados indicados para o ambiente com sujeira orgânica são aqueles fechados de preferência impermeáveis (couro sintético). Evita-se os de tecido que umedecem e retêm a sujeira. Escolha os calçados cômodos e do tipo antiderrapante. Se o local tiver muita umidade como em lavanderias, usar botas de borracha.

Métodos de Limpeza

Limpeza Manual Úmida

Realizada com a utilização de rodos ou esfregões, panos ou esponjas umedecidas em solução detergente, com enxágüe posterior com pano umedecido em água limpa. Esse procedimento é adotado para paredes, mobiliários e equipamentos de grande porte; no caso de pisos, é utilizado o mesmo procedimento com pano e rodo. Este procedimento requer muito esforço do profissional e o submete ao risco de contaminação. Panos utilizados na limpeza devem ser encaminhados e lavados na lavanderia e, guardados secos por medida de higiene e conservação.

Limpeza Manual Molhada

O procedimento consiste em espalhar uma solução detergente no piso e esfregar com escova ou esfregão, empurrar com rodo a solução suja para o ralo, enxaguar várias vezes com água limpa em sucessivas operações de empurrar com o rodo para o ralo.

Limpeza Seca

Consiste na retirada de sujidade, pó ou poeira através de vassoura. Mas só é aconselhada em áreas não-críticas descobertas, como estacionamentos, quintais.

Paredes, Janelas, Portas e Teto

A limpeza de rotina destas superfícies não exige que seja feita com freqüência, devido sua pequena relação com a infecção.

Paredes e Tetos:

Limpeza com rodo coberto com pano úmido usando água e sabão. Limpar primeiro o teto e depois a parede com movimentos de cima para baixo.

Janelas:

Mergulhar o pano no balde com água e sabão e torce-lo. Passar o pano no vidro, começando do alto, esfregando de um lado para o outro e de cima para baixo.

Enxaguar o pano em água limpa e repetir os mesmos movimentos. Secar com pano absorvente e fazendo os mesmos movimentos.

Persianas:

Colocar as lâminas da persiana esticadas. Tirar o pó das lâminas da persiana, da moldura da janela, parapeito e área em volta da persiana, com pano úmido.

Retirar Pó e Resíduos com Pano

- Utilizar pano umedecido, enxaguar quando estiver com muita sujidade.

Limpeza Úmida com Pano e Frasco Pulverizador

Materiais:

- Limpador desinfetante

- Frasco pulverizador

- Panos limpos

- Luvas de proteção

Diluir o limpador em água, colocar essa solução dentro do frasco e ajustar o jato para a posição spray.

Remover todos os objetos sobre as superfícies a serem limpas.

Pulverizar o produto sobre o pano. Molhar a área a ser tratada com uma fina camada do produto (filme), deixando o produto atuar por um tempo.

Esfregar a área com pano limpo, até que o substrato esteja limpo e seco.

Cuidados com roupas e lençóis

O recolhimento, o transporte, a limpeza, desinfecção e estocagem de roupas são essenciais para prevenir infecções. As trocas de roupa deverão ser feitas com a menor agitação possível, a fim de evitar a dispersão de microorganismos no ar. A manipulação da roupa deve ser reduzida ao mínimo e seguida sempre de higiene das mãos. A limpeza deverá ser feita com detergente adequado, mesmo aqueles que aparentemente não estejam sujos. Após serem lavados, devem ser passados a ferro e guardados em local limpo e seco.

Limpeza da Geladeira de Medicamentos e Vacinas:

Enfermagem:

- Desligar a geladeira para degelar;

- Retirar os materiais existentes e passa-los para outra geladeira ou isopor;

- Recolocar os materiais retirados, após a limpeza;

- Registrar a temperatura diária em livro ou papeleta de anotações.

Zeladora:

- Executar a limpeza com água e sabão interna e externamente;

- Ligar a geladeira;

- Comunicar à enfermagem o término da limpeza.

Técnica de Limpeza e Desinfecção do Material de Zeladoria:

1- Pano de chão:

- Deve ser feita ao final de cada turno de trabalho;

- Devem ser lavados com uso de luvas;

- Deixar de molho em solução de hipoclorito de sódio a 1% por 30 minutos;

- Lavar abundantemente em água corrente;

- Torcer e deixar secar.

2- Rodos e Vassouras:

- Lavar com água e sabão;

- Deixar secarem dependurados.

Conclusão

A adesão às rotinas de limpeza representam um desafio no controle da infecção ambulatorial. Conforme foi passado para os profissionais da equipe de limpeza do Pronto Socorro Municipal as normas e rotinas de limpeza devem ser seguidas para uma melhoria, tanto no aspecto de um ambiente organizado, como também para uma melhor higienização, minimizando assim os prejuízos causados à saúde dos usuários das unidades e dos demais profissionais.

Referências Bibliográficas

BRAGA, Luciene Costa Dutra. Zeladoria Hospitalar. Curitiba, vol 01. Netsul, 1997.

MOZACHI, Nelson. O Hospital: manual do ambiente hospitalar. 2ª ed. Curitiba. Editora Manual Real, 2005.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Treinamento para serventes. Prefeitura Municipal de Curitiba, 2001.

STIER, C.J.N. et al. Rotinas em Controle de Infecção Hospitalar. Curitiba, vol 01. Netsul, 1995.

Comentários