Digestão de proteínas e absorção de aminoácidos

Digestão de proteínas e absorção de aminoácidos

Detalhes da hidrolise de proteinas dietárias em animais

  • Detalhes da hidrolise de proteinas dietárias em animais

  • Catabolismo dos aminoácidos

  • Cíclo da ureia

  • Defeitos geneticos no cicloda ureia

  • Defeitos geneticos no metabolismo dos aminoacidos

A entrada da pasta vinda da boca (contendo proteinas dietárias) estimula a mucosa gastrica excretar o hormonio gastrina que irá estimular as células parietais do estomago a excretar HCl e as células serous ou chefe da glândulas gastricas a excretarem pepsinogenio

  • A entrada da pasta vinda da boca (contendo proteinas dietárias) estimula a mucosa gastrica excretar o hormonio gastrina que irá estimular as células parietais do estomago a excretar HCl e as células serous ou chefe da glândulas gastricas a excretarem pepsinogenio

CO2 + H2O <-----> HCO3- + H+

  • CO2 + H2O <-----> HCO3- + H+

  • Bicarbonato é transportado para fora pela membrana basolateral em troca por cloro This process serves to maintain intracellular pH in the parietal cell.

  • Ions cloro e potassio são transportados para o lumen do cannaliculus pelos canais de condutancia.

  • Ions H+ é transportado para dentro do lumen em troca por potassio (pela ação da bomba de proton

  • Acumulação de ions hidrogenio osmoticamente ativo no cannaliculus gera um gradiente osmotico atraves da membrana que resulta na saida de agua. O suco gastrico resultante contem: 155 mM HCl e 15 mM KCl com pequena quantidade de NaCl.

  • Função principal do HCl: hidrolisar o PEPSINOGÊNIO

  • PEPSINOGÊNIO: excretado pelas células serous (ou chefes) do estomago como um zimogenio inativo

  • Pepsina: forma ativa do pepsinogênio

  • Pepsina: hidrolase (endopeptidase resistente a condições ácidas) que catalisa a hidrólise parcial das proteínas nas ligações do lado amino terminal dos aminoácidos aromáticos (fenilalanina, tirosina, triptofano) resultando em oligopeptideos e pequenos peptídeos

Zimogenio: contem um número de aminoacidos extras em sua cadeia que os torna inativos. Sua ativação depende de reações de hidrolise na qual são retirados estes aminoácidos. A remoção destes aminoácidos permite o enovelamento responsavel pela proteina ativa fisiologicamente

  • Zimogenio: contem um número de aminoacidos extras em sua cadeia que os torna inativos. Sua ativação depende de reações de hidrolise na qual são retirados estes aminoácidos. A remoção destes aminoácidos permite o enovelamento responsavel pela proteina ativa fisiologicamente

  • PEPSINOGÊNIO: Mw 40000

  • PEPSINA: Mw 33000

  • Durante a hidrolise ácida são retirados 42 aminoácidos da porção terminal do peptideo resultando na PEPSINA

  • A pasta ácida deixa o estomâgo em direção ao intestino. O baixo pH desta induz a excreção do hormônio SECRETINA.

  • Secretina: hormonio peptidico produzido nas celulas S do duodeno (no Crypts of Lieberkuhn). Regula o pH

  • Secretina: a chegada desta ao pâncreas é o sinal para a liberação de bicarbonato (H2CO3) no intestino com a finalidade de corrigir o pH para 7.0

1.    A chegada desta pasta alcalina ao duodeno causa a liberação de um outro hormônio (colecistoquinina-CCK) que estimula a excreção de várias peptidases pancreaticas, amilases e lipases pancreaticas que tem atividade catalítica ótima em pH 7-8.

  • 1.    A chegada desta pasta alcalina ao duodeno causa a liberação de um outro hormônio (colecistoquinina-CCK) que estimula a excreção de várias peptidases pancreaticas, amilases e lipases pancreaticas que tem atividade catalítica ótima em pH 7-8.

  • CCK: hormonio peptideo escretado pelo duodeno quando a pasta ácida deixa o estomago e entra no duodeno

Tripsinogênio: convertido em sua forma ativa (Tripsina) pela ação catlítica da enteropeptidase

  • Tripsinogênio: convertido em sua forma ativa (Tripsina) pela ação catlítica da enteropeptidase

  • A tripsina vai converter os outros zimogênios em sua forma ativa

  • Pâncreas: protege-se da ação proteolítica da tripsina pela síntese de um inibidor tripsinico pancreático.

  • 1.  Os zimogenios ativos tornam-se proteases que vão hidrolisar os peptidios em peptidios menores

  • Tripsina: hidrolisa na porção carboxilica de aminoacidos como lisina e arginina

  • Quimiotripsina: hidrolisa na porção terminal de aminoácidos como fenilalanina, triptofano e tirosina

  • 1.    Hidrólise destes pequenos peptidios a aminoácidos livres vai ser catalisada por outras peptidases intestinais

Hidrólise dos pequenos peptidios a aminoácidos livres vai ser catalisada por outras peptidases intestinais

  • Hidrólise dos pequenos peptidios a aminoácidos livres vai ser catalisada por outras peptidases intestinais

  • carboxipeptidase A e B que hidrolisam os grupos carboxil terminal dos peptidios

  • b.AMINOPEPTIDASES: hidrolisam sucessivamente os rediduos amino terminal dos peptidios pequenos

  • A ação combinada destas tres enzimas resulta na liberação de aminoácidos livres

  • Aminoácidos livres livres entram nos capilares sanguíneos

  • e são lançados na corrente sanguínea para irem para o

  • fígado

  • Transporte de aminoácidos nas células: feito por trnsportadores (~aprox. 7).

1.Pancreatite aguda: Obstrução do fluxo normal de liberação da secreção pancreatica no intestino

  • 1.Pancreatite aguda: Obstrução do fluxo normal de liberação da secreção pancreatica no intestino

  • 2. cistinuria: causada por defeitos no sistema de reabsorção dos aminoácidos no rins

  • Os zimogenios são ativados em hidrolases ativas dentrrodas células pancreaticas, causando ataque do tecido pancreatico, fortes dores. Pode ser fatal para o pâncreas

  • Gastric inhibitory peptide (GIP) is a member of the secretin family of hormones. It was discovered as a factor in extracts of intestine that inhibited gastric motility and secretion of acid, and initially called enterogastrone. Like secretin, it is secreted from mucosal epithelial cells in the first part of the small intestine

The -amino group of many amino acids is transferred to -ketoglutarate to form glutamate, which is then oxidatively deaminated to yield ammonium ion (NH4 +).

  • The -amino group of many amino acids is transferred to -ketoglutarate to form glutamate, which is then oxidatively deaminated to yield ammonium ion (NH4 +).

  • Aminotransferases catalyze the transfer of an -amino group from an -amino acid to an -ketoacid. These enzymes, also called transaminases, generally funnel -amino groups from a variety of amino acids to -keto-glutarate for conversion into NH4 +. Alanine aminotransferase catalyzes the transfer of the amino group of alanine to -ketoglutarate.

  • These transamination reactions are reversible and can thus be used to synthesize amino acids from -ketoacids

A maioria da degradacao dos aminoacidos ocorre nos tecidos. Tecido muscular usa aminoacido como fonte de energia durante prolontgado esforco fisico e jejum. Todavia, as celulas do tecido muscular nao fazem o ciclo da ureia. Assim o nitrogenio deve chegar oa figado para entrar no ciclo da ureia presente nos hepatocitos

  • A maioria da degradacao dos aminoacidos ocorre nos tecidos. Tecido muscular usa aminoacido como fonte de energia durante prolontgado esforco fisico e jejum. Todavia, as celulas do tecido muscular nao fazem o ciclo da ureia. Assim o nitrogenio deve chegar oa figado para entrar no ciclo da ureia presente nos hepatocitos

  • Nitrogen is transported from muscle to the liver in two principal transport forms. Glutamate is formed by transamination

  • reactions, but the nitrogen is then transferred to pyruvate to form alanine, which is released into the blood (Figure 23.15).

The liver takes up the alanine and converts it back into pyruvate by transamination. The pyruvate can be used for gluconeogenesis and the amino group eventually appears as urea. This transport is referred to as the alanine cycle. It is reminiscent of the Cori cycle discussed earlier (Section 16.4.2) and again illustrates the ability of the muscle to shift some of its metabolic burden to the liver.

  • The liver takes up the alanine and converts it back into pyruvate by transamination. The pyruvate can be used for gluconeogenesis and the amino group eventually appears as urea. This transport is referred to as the alanine cycle. It is reminiscent of the Cori cycle discussed earlier (Section 16.4.2) and again illustrates the ability of the muscle to shift some of its metabolic burden to the liver.

  • Nitrogen can also be transported as glutamine. Glutamine synthetase (Section 24.1.2) catalyzes the synthesis of glutamine from glutamate and NH4 + in an ATP-dependent reaction:

Comentários