Cimento III

Cimento III

TIPOS DE CIMENTO

  • TIPOS DE CIMENTO

  • Cimento Aluminoso

  • Cimento Pozolânico

  • Cimento Natural

  • Cimento Portland

Os modernos cimentos pozolânicos são uma mistura de pozolanas naturais e industriais com cimento Portland.

  • Os modernos cimentos pozolânicos são uma mistura de pozolanas naturais e industriais com cimento Portland.

Trabalhabilidade

  • Trabalhabilidade

  • Diminuição do calor de hidratação

  • Aumento da impermeabilidade

  • Custos

  • Resistência ao ataque da água

  • OBS: Com a substituição de parte do cimento por pozolana, os concretos passam a ter menores resistências iniciais, só desaparecendo essa desvantagem após cerca de 3 meses, a partir de onde suas resistências são cerca de 10 a 15% superiores aos dos concretos comuns.

O concreto feito com este produto se torna mais impermeável, mais durável, apresentando resistência mecânica à compressão superior à do concreto feito com Cimento Portland Comum, a idades avançadas.

  • O concreto feito com este produto se torna mais impermeável, mais durável, apresentando resistência mecânica à compressão superior à do concreto feito com Cimento Portland Comum, a idades avançadas.

COMPOSIÇÃO

  • COMPOSIÇÃO

  • O cimento Portland pozolânico (conforme norma ABNT NBR 5736), em geral conhecido pela sigla CP IV, é constituído por:

Originalmente, os cimentos foram fabricados segundo as especificações dos consumidores que encomendavam, das fábricas, o produto com certas características convenientes ao trabalho.

  • Originalmente, os cimentos foram fabricados segundo as especificações dos consumidores que encomendavam, das fábricas, o produto com certas características convenientes ao trabalho.

  • Só a partir de 1904 que a ASTM começou a especificar o cimento e a industria começou a produzir apenas alguns tipos de cimentos.

  • Hoje, a industria produz o cimento padronizados pelo órgão responsável pelas normas de cada pais, mas sempre em números limitados de tipos.

  • Em casos especiais, onde se necessite de cimentos com características diferentes das que são produzidas, se faz o pedido por encomenda.

No Brasil, são produzidos alguns tipos de cimento, os mais conhecidos são:

  • No Brasil, são produzidos alguns tipos de cimento, os mais conhecidos são:

  • Cimento Portland Comum (CP I) – NBR 5732

  • Cimento Portland Composto (CP II) – NBR 11.578

  • Cimento Portland de Alta Resistência Inicial (CP V-ARI) – NBR 5733

  • Cimento Portland de Alto Forno (CP III) – NBR 5735

  • Um tipo de cimento portland sem quaisquer adições além do gesso (utilizado como retardador da pega) . Com pequenas adições - CP I-S

  • Aplicações: É usado em serviços de construção em geral, quando não são exigidas propriedades especiais do cimento.

Cimento Portland CP I

  • Cimento Portland CP I

  • - É muito adequado para o uso em construções de concreto em geral quando não há exposição a sulfatos do solo ou de águas subterrâneas. O Cimento Portland comum é usado em serviços de construção em geral, quando não são exigidas propriedades especiais do cimento.

  • Cimento Portland CP I-S

  • - Recomendado para construções em geral, com as mesmas características.

Definido como aglomerante hidráulico obtido pela moagem de clínquer Portland ao qual se adiciona, durante a operação, a quantidade necessária de uma ou mais formas de sulfato de cálcio. Durante a moagem é permitido adicionar a esta mistura materiais pozolânicos, escória granulada de alto-forno e/ou materiais carbonáticos, nos teores especificados.

  • Definido como aglomerante hidráulico obtido pela moagem de clínquer Portland ao qual se adiciona, durante a operação, a quantidade necessária de uma ou mais formas de sulfato de cálcio. Durante a moagem é permitido adicionar a esta mistura materiais pozolânicos, escória granulada de alto-forno e/ou materiais carbonáticos, nos teores especificados.

Cimento Portland CP II-Z (com adição de material pozolânico)

  • Cimento Portland CP II-Z (com adição de material pozolânico)

  • - Empregado em obras civis em geral, subterrâneas, marítimas e industriais. E para produção de argamassas, concreto simples, armado e protendido, elementos pré-moldados e artefatos de cimento. O concreto feito com este produto é mais impermeável e por isso mais durável.

  • Cimento Portland Composto CP II-E (com adição de escória granulada de alto-forno)

  • - Recomendado para estruturas que exijam um desprendimento de calor moderadamente lento ou que possam ser atacadas por sulfatos.

  • Cimento Portland Composto CP II-F (com adição de material carbonático - fíler)

  • - Para aplicações gerais. Pode ser usado no preparo de argamassas de assentamento, revestimento, argamassa armada, concreto simples, armado, protendido, projetado, rolado, magro, concreto-massa, elementos pré-moldados e artefatos de concreto, pisos e pavimentos de concreto, solo-cimento, dentre outros.

Com valores aproximados de resistência à compressão de 26 MPa a 1 dia de idade e de 53 MPa aos 28 dias.

  • Com valores aproximados de resistência à compressão de 26 MPa a 1 dia de idade e de 53 MPa aos 28 dias.

  • Aplicações : Em blocos para alvenaria, blocos para pavimentação, tubos, lajes, meio-fio, postes, elementos arquitetônicos pré-moldados e pré- fabricados.

Pode ser utilizado no preparo de concreto e argamassa em obras desde as pequenas construções até as edificações de maior porte, e em todas as aplicações que necessitem de resistência inicial elevada e desforma rápida. O desenvolvimento dessa propriedade é conseguido pela utilização de uma dosagem diferente de calcário e argila na produção do clínquer, e pela moagem mais fina do cimento. Assim, ao reagir com a água o CP V ARI adquire elevadas resistências, com maior velocidade.

  • Pode ser utilizado no preparo de concreto e argamassa em obras desde as pequenas construções até as edificações de maior porte, e em todas as aplicações que necessitem de resistência inicial elevada e desforma rápida. O desenvolvimento dessa propriedade é conseguido pela utilização de uma dosagem diferente de calcário e argila na produção do clínquer, e pela moagem mais fina do cimento. Assim, ao reagir com a água o CP V ARI adquire elevadas resistências, com maior velocidade.

Este tipo de cimento é obtido moendo, juntamente, o clínquer do cimento Portland e a escória granulada de alto-forno (é uma mistura de cal, sílica e alumina, os mesmos óxidos que constitui o CP-I, mas em proporções diferentes, obtidos por resfriamento brusco), moídos em conjunto ou em separado.

  • Este tipo de cimento é obtido moendo, juntamente, o clínquer do cimento Portland e a escória granulada de alto-forno (é uma mistura de cal, sílica e alumina, os mesmos óxidos que constitui o CP-I, mas em proporções diferentes, obtidos por resfriamento brusco), moídos em conjunto ou em separado.

  • Tem alta resistência aos sulfatos (baixo teor de C3A), portanto, é usado com freqüência em obras marítimas. Consumo de energia baixo e utilizado em países que tem grande produção de escória.

É um cimento que pode ter aplicação geral em argamassas de assentamento, revestimento, argamassa armada de concreto simples, armado, protendido, projetado, rolado, magro e outras.

  • É um cimento que pode ter aplicação geral em argamassas de assentamento, revestimento, argamassa armada de concreto simples, armado, protendido, projetado, rolado, magro e outras.

  • Mas é particularmente vantajoso em obras tais como barragens, peças de grandes dimensões, fundações de máquinas, pilares, obras em ambientes agressivos, tubos e canaletas para condução de líquidos agressivos, esgotos e efluentes industriais, concretos com agregados reativos, pilares de pontes ou obras submersas, pavimentação de estradas e pistas de aeroportos.

A maior parte do cimento consumido em obras é transportado, ensacado por via ferroviário ou rodoviário. Envolve tal operação perda por sacos rasgados , que alcança até 2%.

  • A maior parte do cimento consumido em obras é transportado, ensacado por via ferroviário ou rodoviário. Envolve tal operação perda por sacos rasgados , que alcança até 2%.

  • Resulta daí a necessidade de processar os transportes com utilização plena dos veículos, operando-se com partidas que ocupem a carga total de um vagão ou de um caminhão, conforme seja o caso.

Como o preço do saco de papel contribui de maneira apreciável na formação do custo de cimento, procede-se, sempre que possível, ao seu transporte a granel. Há diversos sistemas apropriados para o transporte do cimento a granel, feito sempre em reservatórios metálicos estanques, quer sobre gôndola ferroviária que sobre chassis de caminhões.

  • Como o preço do saco de papel contribui de maneira apreciável na formação do custo de cimento, procede-se, sempre que possível, ao seu transporte a granel. Há diversos sistemas apropriados para o transporte do cimento a granel, feito sempre em reservatórios metálicos estanques, quer sobre gôndola ferroviária que sobre chassis de caminhões.

Tais sistemas de transporte a granel são econômicos e se impõe no caso de grande consumo.

  • Tais sistemas de transporte a granel são econômicos e se impõe no caso de grande consumo.

  • A quantidade mínima de consumo de cimento que permite a instalação de uma frota para transporte a granel é da ordem de 200 toneladas por mês ou seja 10000 sacos por mês. O problema econômico e resolvido por uma análise dos custos de investimento e operação dos equipamentos de transportes em face da economia resultante da eliminação dos sacos de papel.

Comentários