Puericultura

Puericultura

O que é puericultura?

A puericultura tem origem na França, em fins do século XVIII e foi definida como um conjunto de regras e noções sobre a arte de criar fisiológica e higienicamente as crianças (ROCHA, 1987). Hoje seu conceito foi aperfeiçoado: Puericultura também pode ser chamada de Pediatria Preventiva e tem como objeto uma criança sadia, sendo seu alvo é um "adulto perfeito": fisicamente sadio, psiquicamente equilibrado e socialmente útil (ROCHA,1990).

OBJETIVOS :

Acolher a todas as crianças de 0 a 10 anos, dando assistência de forma integrada. Acompanhando o processo de crescimento e desenvolvimento, monitorando os fatores de risco ao nascer e evolutivo, garantindo um atendimento de qualidade.

Devemos desenvolver ações, de promoção à saúde e prevenção de doenças ou agravos, para as crianças residentes na área de abrangência, através das consultas de puericultura;

  • Estimular o aleitamento materno exclusivo até o sexto mês de vida e complementado com alimentação da família, até os dois anos de vida;

  • Garantir a aplicação das vacinas do esquema básico de imunização;

  • Realizar vigilância do crescimento e desenvolvimento;

  • Monitorar a saúde das crianças residentes na área de abrangência, em especial daquelas que apresentam fatores de risco ao nascer ou evolutivo;

  • Detectar e encaminhar para tratamento precoce as crianças que apresentarem desvios do crescimento e do desenvolvimento, patologias ou agravos que venham a incidir nesta faixa etária, através de consultas, de rotina ou eventuais;

METAS :

  • Acompanhar 100% das crianças, residentes na área de abrangência da Unidade Básica de Saúde - UBS;

  • Realizar atendimento de puericultura a 100% das crianças, com prioridade para as menores de 2 anos, da área de abrangência da UBS;

  • Garantir consultas médicas ou de enfermagem, de rotina ou eventuais para as crianças residentes na área de abrangência;

A criança tem uma atenção especial dos serviços de saúde por ser um grupo vulnerável. A identificação dentro do universo infantil, de grupos de maior risco para a morbimortalidade infantil cria ações para minimizar estes riscos. A estratégia é a identificação e priorização de grupos vulneráveis.

São consideradas como população de risco infantil:

  • Todas as crianças de 0 a 1 ano;

  • Todas as crianças de 0 a 5 anos que apresentem algum atraso de desenvolvimento neuro- psico- motor e afetivo;

  • Todas as crianças de 1 a 2 anos consideradas desnutridas ou em risco nutricional;

  • Todas as crianças de 2 a 5 anos com o índice Peso/Altura abaixo de – 1 DP (Desvio Padrão).

Parâmetro e características analisados

Peso é um ótimo o indicador para verificar a nutrição da criança.

Ganho ponderal nos dois primeiro anos de vida

ate 3 meses

750 a 900 gramas

3 a 6 meses

600 gramas por mês

6 a 1 ano

300 a 400 gramas por mês

199 a 300 gramas por mês

200 a 300 gramas por mês

  • Realiza pesagem antes do almoço;

  • Zerar a balança;

  • Pesar a criança sempre com o mesmo tipo de roupa (com menos roupa passível)

  • Utilizar a mesma balança;

Estatura é a medida fiel do crescimento da criança. A desnutrição é retratada com a “medição da altura da criança, ou seja, uma lentidão no crescimento da criança pode indicar um inicio de desnutrição.

Ao contrario do peso que pode variar de criança para criança a estatura é estável. Antes de 2 anos a criança é pesada por uma toesa móvel, que fica na horizontal sobre uma prancha dura.

Após 2 anos é realizado em uma toesa mural fixa, onde a mesma deve ficar descalça com os calcanhares encostados na parede.

Estimativa da estatura

 

Ao nascer

aprox. 50 cm

1 ano

aprox. 75 cm

2 anos

aprox. 82 cm

3 anos

aprox. 91 cm

4 anos

aprox. 1 metro

Ganho estatural de 0 a 4 anos

 

1º ano de vida

 

0 a 3 meses

3 cm por mês

3 a 6 meses

2 cm por mês

6 meses a 1 ano

1-1,5 cm por mês

De 1 a 2 anos

1 cm por mês

De 2 a 4 anos

0,75 cm por mês

Ate 1 ano de idade é realizado a verificação do perímetro cefálico. Que pode ser utilizado para controle da evolução do perímetro craniano, com objetivo de verificar se existe alguma anormalidade cerebral.

È utilizada a formula: PC= altura/2 + 10

Temos também o perímetro torácico, onde a característica dessa medida consiste na mudança de sua relação com o perímetro cefálico.

  • Ate 6 meses Pc é superior a Pt

  • Cerca de 6 meses: Pc é igual a Pt

  • Cerca de 9 meses: PC é inferior a PT

Valores normais de temperatura

crianças de 0 a 3 meses

37,4°C

crianças de 3 a 6 meses:

37,5°C

crianças de 6 meses a 1 ano:

37,6°C

crianças de 1 ano a 3 anos:

37,2°C

crianças de 3 anos a 5 anos

37,0°C

crianças de 5 anos a 9 anos:

36,8°C

crianças de 9 anos a 13 anos:

36,7°C

Valores normais de freqüência cardíaca

bebês acordados:

100-220 bpm

bebês dormindo:

80-200 bpm

crianças de 3 meses a 2 anos acordados:

80-150 bpm

crianças de 3 meses a 2 anos dormindo:

70-120 bpm

crianças de 2 a 10 anos acordados

70-120 bpm

crianças de 2 a 10 anos dormindo:

60-90 bpm

crianças de 10 anos à vida adulta acordados:

55-90 bpm

crianças de 10 anos à vida adulta dormindo:

50-90 bpm

Valores normais de freqüência respiratória

bebês:

35-50

crianças de até 1 ano:

30

crianças de 1 a 2 anos:

25-30

crianças de 2 a 8 anos:

20-25

crianças de 8 a 12 anos:

18-20

A consulta de puericultura deve ser realizada segundo o Calendário de Atendimento da Criança. Com o objetivo de promover a saúde da criança e acompanhar seu desenvolvimento, vacinação e orientações às mães sobre higiene, alimentação entre outras para um bom desenvolvimento infantil.

Outro objetivo é identificar doenças ou sinais de alarme para tratamento e se necessário dar encaminhamento adequado para crianças.

Na prática, a consulta é realizada conforme os passos seguintes:

  • O profissional de enfermagem recebe a criança e sua mãe, inicia uma conversa e observa o comportamento da criança e da mãe;

  • Verifica no prontuário ou ficha de atendimento da criança, informações como condição social e ambiente que moram;

  • Verificar peso, temperatura, estatura e perímetro cefálico;

  • Realizar o exame físico da criança, faz análise das anotações anteriores e faz o registro no cartão da criança;

  • Quando for indicado dar encaminhamento para consulta médica, informa e orienta a mãe/acompanhante sobre a necessidade da consulta;

As consultas de Puericultura atendem o seguinte calendário:

  • Consulta do bebê no pré-natal, no 3º trimestre da gravidez;

  • Consulta no nascimento - sala de parto;

  • Consulta da 1ª semana de vida, entre o 3º e o 7º dia - Visita domiciliar ou ambulatorial;

  • Consulta ao final do 1º mês, aos 2 meses, 4 meses, 6 meses, 9 meses, 12 meses, 18 meses e 24 meses.

  • A partir da consulta dos 24 meses deve ser realizada uma consulta anual até os 10 anos de idade.

Existem alguns fatores que influenciam o crescimento e no desenvolvimento da criança como o meio ambiente, fatores genéticos, endócrinos.

Um exemplo é meio ambiente, onde a criança e “absorve” as qualidade e dificuldades do meio onde vive. Apartir desse meio que será criado seus hábitos, alimentação, educação e higiene.

Fatores genéticos: aparecem com nitidez depois dos 3 anos de idade e atuam na raça, que podem influenciar no tamanha e velocidade de cresciemento, na maturação óssea entre outras.

Fatores endócrinos: a atividade dos hormônios desempenham um papel muito importante no crescimento da estatura e amadurecimento dos ossos, assim qualquer alteração aplicara em alteração “nessas medidas”.

DESENVOLVIMENTO

De 1 mês a 2 anos no desenvolvimento motor: o organismo se desenvolve pelo funcionamento, ou seja, a criança brinca de repetir sem cessar os mesmos gestos e ações assim amadurecem progressivamente. Quanto existe uma maduração nervosa e a criança tenha tônus suficiente ela consegue levantar a cabeça.

O controle neuromotor se da por inteiro, da cabeça aos pés e a criança começa a realizar a preensão das mãos.

A criança tem necessidade de agir para aprender, como não tem experiência ela esta para descobrir tudo e brincando que elabora esquemas mentais.

De 2 a 4 anos a criança a criança brinca com outras, mas sem partilha-lhos e sem competir, onde cada criança cria suas regras.

De 3 a 6 anos é a idade pré-escolar, a criança precisara de boa saúde, motricidade e coordenação motora e será pelo jogo ou brinquedo que ela vai aprender essa coordenação e posteriormente aperfeiçoá-la, melhorando o equilíbrio, tendo controle de si mesma. Tendo necessidade de brincar com outras crianças e obedecendo as “regras gerais” impostas.

Referências

Secretaria da Saúde do Ceará: Manual de normas para saúde da criança na atenção Primária. Fortaleza:SESA, 2002.

Schmitz, Edilza Maria. A enfermagem em pediatria e puericultura. São Paulo: Atheneu, 2005.

BIANCA REGINA DE SOUZA

PUERICULTURA

MARINGÁ-PR

JUNHO

2010

CESUMAR - CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ

BACHARELADO EM ENFERMAGEM

Atividade Didática apresentada à disciplina de Enfermagem em Saúde da Criança, no período de estágio, ministrado pela Professora Laís, como parte das exigências para a avaliação de curso.

PUERICULTURA

BIANCA REGINA DE SOUZA

MARINGÁ-PR

JUNHO

2010

Comentários