Técnicas de memorização

Técnicas de memorização

(Parte 1 de 8)

QUE MÉTODO É ESTE?POR QUE FUNCIONA?

Se você espera encontrar fórmulas, teorias e termos técnicos complicados nesta REPROGRAMAÇÃO DA MEMÓRIA, vai ficar desapontado. Ela foi elaborada de modo simples, fácil de ser compreendido até mesmo por crianças. Porém, essa simplicidade não diminui o valor do método, que está baseado em técnicas dinâmicas. Elas são usadas desde a antiguidade, conhecidas e empregadas pelos sábios daquela época, até as mais recentes, de efetividade comprovada e postas em prática por quantos se dispuseram – e conseguiram – adquirir uma MEMÓRIA PRODIGIOSA.

Ela está norteada por sistemas simples, com base na ATENÇÃO, OBSERVAÇÃO e ASSOCIAÇÃO. Quer um exemplo?

Dirigindo seu próprio carro, ou usando veículo coletivo, você precisa estar atento para os sinais de trânsito (principalmente agora, com o valor das multas e a perda de pontos, em cada infração). Então responda: A luz de cima do farol de trânsito – sinaleira – é vermelha, ou verde?

Você vê este sinal dezenas de vezes por diaNo entanto, está em dúvida? Se isso está

ocorrendo é demonstração de que você vê, mas não observa. A luz de cima é vermelha. O que? Você sabia? Ótimo! Parabéns! Isso significa que, diferentemente da maioria, você vê e observa.

Esta reciclagem vai mostrar como usar – de modo mais efetivo – o método de observação. Vai mostrar também como usar o sistema de associação, para registrar o que você vê.

Por ser impossível lembrar de algo que não se observou, é necessário associá-lo, na mente, a algo já conhecido ou de que nos lembramos, para fazer a ligação.

Com relação à memória, a associação é o processo de ligar duas ou mais coisas entre si. Eis alguns exemplos:

Esta frase lhe diz alguma coisa? Se você estuda, ou já estudou música, deve ter associado a frase às linhas da Pauta, na clave de sol. As notas MI, SOL, SI, RÉ e FÁ não sugerem a criação de uma imagem mental, mas a frase “MILHARES DE SOLDADOS SIMULAM RETOMADA E FALHAM””, possui sentido conhecido e fácil de ser mentalmente visualizado, por associação. A informação nova – as notas musicais que você deseja memorizar – associa-se a uma situação que já lhe pode ser conhecida ou que você tem condições de visualizar mentalmente.

“FAZENDEIRO LATINO DOMINA MILHÕES” Esta frase pode indicar os espaços da pauta: FÁ, LÁ, DÓ e MI.

É uma frase fácil de ser memorizada e que lhe dá segurança, sempre que precisar da informação.

Prezado cliente:

A capacidade de memorizar rostos, nomes e fatos, é um trunfo valioso, um dos atributos mais importantes para o sucesso e riqueza na vida profissional.

A boa memória é também fundamental na vida social, pois é o caminho mais curto e seguro para se travar boas amizades, para conquistar a admiração dos amigos e a popularidade de poder e felicidade.

Estudos e pesquisas afirmam que não existe memória fraca. O que existe é memória treinada ou destreinada. Não há limites para a capacidade de memorização, como você mesmo vai constatar ao fazer essa reciclagem de memória. Vai notar também que os exercícios e testes aqui mostrados, além de fascinantes e variados, serão de enorme ajuda para você.

Dentro de poucas semanas, poderá gabar-se de haver adquirido uma memória poderosa, se seguir corretamente as instruções e fizer todos os exercícios recomendados.

Cônscia de sua responsabilidade ao lançar no mercado esta ferramenta para tornar mais efetiva e dinâmica a sua vida. A PERSONAL INDÚSTRIA, COMÉRCIO E EXPORTAÇÃO LTDA. coloca ainda à sua disposição, o DEPARTAMENTO DE ATENDIMENTO A CLIENTES, para esclarecer qualquer duvida que , porventura, venha a ter.

Através de carta ou telefone, entre em contato conosco, na medida em que for desenvolvendo seu programa de MEMORIZAÇÃO. Dê seu testemunho, pois ele é muito importante para que possamos tornar cada vez mais efetivo este programa. Estamos aqui para ouvir seu depoimento ou esclarecer possíveis dúvidas que porventura venha a ter.

A PRODUÇÃO

Conte conosco.

PERSONAL – IND. COM. e EXPORTAÇÃO LTDA. Av. Santo Amaro, 1452 – CEP: 04506-001 Fone: (0**1) 3047-1000 (Deptº Relações com Clientes) Fax: (0**1) 829-2565 - São Paulo

1ª ETAPA

Samuel Johnson

A verdadeira arte da memorização é a arte da atenção.

Muita gente confunde memória fraca com distração. Ambas são coisas diferentes, embora andem de mãos dadas. Pessoas dotadas de excelente memória podem ser distraídas. Você deve conhecer alguém que coloca os óculos na testa e perde um tempo enorme tentando encontra-los. Isso é distração. Geralmente tenta-se justificar essa falha alegando memória fraca devido a excesso de trabalho, poucas horas de sono, preocupações e coisas assim. Aquele que se contenta com isso pode não ver razões para mudar. Contudo, ser motivo de caçoadas e chacotas por parte de parente e amigos não deve ser agradável para ninguém.

Se você adquiriu este programa de reciclagem em memorização e pretende fazê-lo por razões mais fortes do que simples curiosidade, precisa levar a sério as informações que vai receber e mostrar determinação ao fazer os exercícios que serão propostos. Só assim terá chances de desenvolver uma memória fabulosa.

Alguns estudam técnicas de memorização, lêem livros sobre o assunto e até contratam professores para avaliar-lhes a memória, e depois esquecem de pôr em prática o que aprenderam. Então argumentam que são velhos demais para aprender.

É importante considerar que as habilidades são regidas por leis. A primeira estipula:

Toda habilidade desenvolve-se com a prática, até as respostas se tornarem automáticas e instintivas.

A segunda lei determina:

A habilidade deteriora-se quando não é aplicada, acabando por perder-se, se negligenciada.

Edward Lee Thorndike, psicólogo norte-americano, autor de trabalhos sobre dificuldades na aquisição de conhecimentos, autoridade em educação de adultos, declarou: A idade não é empecilho para a aprendizagem de novas profissões ou qualquer coisa que se queira fazer, em qualquer etapa da vida. De fato, quando se quer aprender algo, encontra-se o caminho para isso.

Costuma-se dizer que Querer é Poder. Isso é verdadeiro, porém o mesmo adágio – quando expresso no idioma inglês, mostra maior determinação: Where there’s a wish, there’s a will, que em tradução livre pode ser interpretado como Onde há um desejo, há um meio de realização, pois é preciso estar-se determinado a vencer os obstáculos para alcançar o objetivo proposto. Então, e só então, adquirimos o poder, aquela força indestrutível que leva à realização. Portanto o provérbio Querer é Poder, ficará melhor colocado quando enunciado como Poder é Querer, pois somente aquele que realmente tem o querer conhece os meios que despertam o poder de alcançar tem a força.

Na realidade, a distração nada mais é do que falta de atenção. Se você coloca o lápis atrás da orelha e depois não consegue encontrá-lo, isso é mera falta de atenção. É sinal de que aquele gesto não foi suficientemente importante para ser registrado em seu cérebro. Para evitar isso, basta usar associações conscientes e atenção no que faz. Você sabe que pode e que é fácil fazer isso. Mas se ainda não tem idéia de como conseguir essa proeza, este programa vai ensiná-lo a fazer isso.

Neste ponto você pode estar pensando: Tudo bem, mas como eu vou lembrar das associações que faço?

No início vai realmente precisar de muita atenção e observação, ao fazer as associações. É para conseguir isso que você está fazendo essa programação. Aliás, é por essa razão que esta etapa leva o título que tem: ATENÇÃO, OBSERVAÇÃO E ASSOCIAÇÃO. Ao ver os resultados acontecerem logo nas primeiras experimentações, esses mesmos resultados servirão de incentivo para fazê-lo continuar. Você vai perceber que os olhos não podem ver quando o cérebro está ausente. E ele por certo não esta presente quando você larga mecanicamente as coisas em qualquer lugar. A atenção leva você a pensar naquilo que está fazendo, durante frações de segundo. Isso é o bastante para que seu cérebro marque presença e dê atenção ao que você esta realizando. Aí os olhos vêem o que foi feito e o cérebro registra a proeza.

Na próxima vez que puser o lápis atrás da orelha, faça uma associação entre os dois. Veja mentalmente o lápis sendo encaixado atrás da orelha ou visualize duas mãozinhas destacando-se da orelha para segurar o lápis. Isso é ridículo? Pois é assim que deve ser. Quanto mais ridícula ou absurda a associação, mais fácil será se lembrar dela. Adiante vamos ver por quê.

Platão, filósofo grego, discípulo de Sócrates, cuja filosofia ou baseada na verdade – por não estar, segundo ele, nos fenômenos passageiros, mas nas idéias – dizia, já alguns séculos antes de Cristo: Todo conhecimento não passa de lembrança.

Cícero, advogado, político e orador latino, afirmou: A memória é o tesouro e a guardiã de todas as coisas.

Você não conseguiria acompanhar este raciocínio se não se lembrasse das 26 letras do alfabeto.

Sem a memória, sem a capacidade de reter conhecimentos e fatos, seria impossível agir baseado em experiências anteriores. Cada momento da existência, ou qualquer coisa que se fizesse, teria de partir do nada, do zero. Tudo o que fazemos só é possível graças à memória. Na maioria das situações que enfrentamos são as experiências passadas que nos ensinam como e o que fazer. O conhecimento acumulado elimina o longo caminho da tentativa e erro, mostrando o modo certo de fazer cada coisa.

As antigas civilizações utilizavam-se de sistemas de memória para quase tudo, e é de se estranhar que esses sistemas não sejam conhecidos e aplicados, hoje, pela maioria das pessoas. Os poucos que descobrem como treinar a memória acabam se surpreendendo com a imensa capacidade de lembrar, que adquirem. E com os louvores que passam a receber de todos.

Alguns filósofos tentaram classificar os tipos de correlação, de acordo com as quais as impressões mentais são revividas. Após concluída a tarefa, perceberam que as mesmas descobertas já haviam sido feitas 2.0 anos antes, pois Aristóteles, filosofo grego (384 a.C a 322 a.C) fundador da Escola Peripatética (*) – que procurava mostrar a natureza toda como um enorme esforço da matéria para elevar-se até o pensamento e a inteligência – já havia estudado e classificado as leis de associação, reduzindo-as a três: contigüidade em tempo e espaço, semelhança e oposição.

Augustin de Hippo já havia afirmado a mesma coisa. Sir William Hamilton, filosofo escocês, assim se pronunciou a respeito: Pensamentos que já coexistem na mente, permanecem associados para sempre. Para Sir William, essas leis poderiam ser reduzidas a duas: Lei da Simultaneidade e lei da Semelhança. Na Lei da Simultaneidade ele incluía a Sucessão Imediata, no tempo. Na Lei da Afinidade – ou Semelhança – todas as outras formas de associação.

(*) PERIPATÉTICO – Esse nome provém do fato de que ele costumava ministrar suas aulas passeando

nos jardins do Liceu, onde lecionava. PERIPATETISMO – que gosta passear; que ensina passeando. Em sentido figurado, aquele que é exagerado nos gestos e na expressão facial. (Pequeno Dic. Enciclopédico Koogan Lalousse)

Estudos antigos, estreitamente relacionados à memória são coerentes com a teoria do Inconsciente Coletivo, de Carl Gustav, psiquiatra e psicólogo suíço contemporâneo, um dos fundadores da psicanálise. Ele afirmou: tudo o que julgamos haver criado ou descoberto já preexistente em nódulos de energia. Ao laborarmos a fundo sobre um assunto, criamos condições de entrar em harmonia com a onda energética pertinente a esse assunto, gerando a possibilidade de captar o conhecimento contido no nódulo correspondente. Ele afirma ainda que o estado de magia gerado nesse instante só ocorre quando permitimos que a mente entre em total estado de relaxamento.

Como exemplo, cita: a experiência de Isaac Newton, matemático, físico, astrônomo e filósofo inglês, que achou a pista para as Leis da Atração Universal quando, ao repousar debaixo de uma macieira, observou a queda de uma maçã; de Arquimedes, sábio da antiguidade, que descobriu a Lei da Flutuação dos Corpos – Conhecida como O Princípio de Arquimedes – enquanto tomava banho; de Thomas Alva Edison, físico norte-americano que, após pesquisar exaustivamente, encontrou o elo que faltava para a descoberta da fórmula da lâmpada incandescente, ao despertar de um cochilo.

Estas informações, aparentemente inócuas com relação ao estudo que estamos fazendo, na realidade têm muito a ver com memória. Primeiro porque tudo isso é conhecimento que pode e deve constar de nosso arquivo de informações. Segundo, porque, nos exemplos dados – e numa infinidade de outros – o que levou esses homens a um resultado vitorioso em suas descobertas foi o uso correto da Atenção, Observação e Associação, em seu modo de pensar e em seu trabalho.

Observação:

A afinidade de pensamentos está ligada a objetos semelhantes ou parcialmente iguais. Quando pensamos em Alexandre, lembramos de César. Uma anedota puxa outra, etc. Todas as idéias que são propriedades de uma mesma mente, estão – direta ou indiretamente – associadas. Não fosse assim, elas seriam isoladas e inúteis. Portanto, é falsa a idéia que se tem de MEMÓRIA FRACA. Não existe má memória. O que existe é MEMÓRIA TREINADA ou não.

Quase toda memória destreinada é unilateral, ou seja: não está ainda capacitada a coordenar fatos. Há pessoas que se lembram de nomes e rostos mas esquecem, por exemplo, números de telefones. Outras gravam números com facilidade mas não conseguem recordar o nome das pessoas com quem precisam falar.

Alguns têm memória retentiva boa, mas lenta. Só conseguem registrar uma informação horas ou dias depois, quando ela já deixou de ser importante. Outros são incapazes de retêla além de um curtíssimo período de tempo.

Ao aplicar os sistemas aqui expostos você obterá MEMÓRIA RÁPIDA e RETENTIVA para tudo o que desejar.

(Parte 1 de 8)

Comentários