Plano de atuação da brigada de incêndios e abandono

Plano de atuação da brigada de incêndios e abandono

(Parte 1 de 2)

DEICMAR S/A ARMAZÉNS GERAIS

Endereço: Rua

CNPJ: Inscrição Estadual:

Atividade Principal:

Código de Atividade: Grau de Risco:

Registro de Revisões:

Data Revisão Razão da Substituição

Elaboração e Aprovação:

Segurança do Trabalho

Coordenação Geral:

Objetivo:

Definir Procedimento de atuação da Brigada de Emergência

Fluxograma:

Fluxograma da Brigada de Emergência e Fluxograma de como acionar a Brigada.

Definições:

Este procedimento define a rotina para casos de emergência na Deicmar, devendo ser aplicado para todos os brigadistas, estando disponível em todas as áreas para o conhecimento de todos.

Requisitos de Segurança:

Serão descritos em casos individuais, quando aplicáveis, conforme a política de segurança da Deicmar.

Aplicação:

Campinas/SP.

PLANO DE ATUAÇÃO DA BRIGADA DE EMERGÊNCIA

Visando a remoção das pessoas o mais rápida possível traçamos um plano de atuação da Brigada de Incêndio e Abandono. Desta forma reunimos orientações básicas para o atendimento das diversas situações de sinistros, sempre observando os procedimentos básicos de emergência.

1- PROCEDIMENTOS BÁSICOS

1.1 Alerta

Identificada uma situação de emergência, qualquer pessoa pode alertar a Brigada de Incêndio, através do ramal xxxxou xxxx, ou pelo alarme de incêndios devidamente distribuídos por toda a empresa em pontos estratégicos.

A brigada de incêndio será acionada para o local do sinistro pelos sistemas:

  1. De rádio – A Coordenação geral (SESMT) será acionada e fará o contato com os Coordenadores de Emergência (Coordenador de Incêndio e Coordenador de Abandono);

  2. De som – através do anúncio, exemplo: Atenção Srs. Brigadistas compareçam ao Ponto de Encontro da Brigada;

  3. De alarme de incêndio – acionado no local mais próximo do sinistro;

Os componentes das brigadas de incêndio deverão atuar no combate ao sinistro. Não conhecendo o local deverão se dirigir até o ponto de encontro ou reunião para receberem orientações, enquanto os brigadistas de abandono farão à retirada organizada das pessoas.

1.2 Análise da situação

Após o alerta, a brigada deverá analisar a situação, desde o início até o final do sinistro. Havendo necessidade, acionar o Corpo de Bombeiros e apoio externo, e desencadear os procedimentos necessários, que podem ser priorizados ou realizados simultaneamente, de acordo com o número de brigadistas e os recursos disponíveis no local.

1.3 Primeiros socorros

Prestar os primeiros atendimentos às possíveis vítimas, com eventual transporte e posterior socorro especializado, devendo ser, utilizado, se possível o ambulatório local. Ramal Ambulatório )

1.4 Corte de energia

Desligar os disjuntores do quadro de distribuição elétrica do setor em que estiver ocorrendo o sinistro. Acionar a equipe de manutenção elétrica, ramal Manutenção (

1.5 Abandono de área

Proceder ao abandono da área parcial ou total, quando necessário, conforme comunicação preestabelecida, transferindo para local seguro, a uma distância mínima de 100 m do local do sinistro, permanecendo até a definição final. O responsável pela ordem de abandono é o coordenador geral da Brigada de Incêndio e Abandono.

As instruções abaixo devem ser ministradas a todos os colaboradores e ser fixadas em locais de fácil visualização.

PROCEDIMENTOS GERAIS EM CASO DE ABANDONO:

Orientações básicas a serem adotadas durante a execução do plano de abandono:

Ao toque do alarme de abandono ou comunicado, deverão ser tomadas as seguintes providências:

  • Desligue os equipamentos elétricos;

  • Pegue somente seus pertences pessoais (de mão);

  • Dirija-se ao local pré determinado pelo plano de Abandono (sem correr, sem empurrar);

  • Mantenha a calma (evite acidentes, tumulto e pânico);

  • Quando não for funcionário, explique o que está ocorrendo, leve-o para a fila e coloque-o à sua frente;

  • Mantenha-se em silêncio;

  • Sabendo que algum funcionário tenha faltado ao trabalho, avise o coordenador da brigada;

  • Ande em fila indiana, mantendo-se em ordem;

  • Caso você esteja em um setor que não seja o seu, junte-se ao grupo desse setor;

  • Caso você esteja em um pavimento que não seja o seu, mas faz parte da brigada de abandono, procure chegar ao seu setor o mais rápido possível, levando em conta o tempo;

  • Mantenha distância de 01 braço da pessoa que estiver à sua frente;

  • Seriedade é fundamental, evite barulho desnecessário;

  • Nunca se tranque em salas ou sanitários, não tire as roupas, pois as mesmas estarão protegendo seu corpo;

  • Durante a execução do abandono não Fume!

  • Não interrompa por nenhum motivo o processo de saída;

  • NÃO RETORNE às dependências do local da ocorrência;

  • Ao chegar no local do ponto de concentração pré-determinado, mantenha-se em ordem e devidamente disciplinado;

  • Somente retorne ao seu trabalho após a liberação do coordenador geral;

  • Obedecendo as orientações da Brigada de Abandono você estará seguro e salvo, siga-as e respeite-as.

Obs.

1 – caso você observe que alguém levantou o braço a sua frente na escada, é sinal que o fluxo de descida será interrompido momentaneamente;

2 – qualquer dúvida procure a Brigada de Abandono.

1.6 Isolamento da área

Deve-se isolar fisicamente a área sinistrada, de modo a garantir os trabalhos de emergência e evitar que pessoas não autorizadas adentrem ao local.

1.7 Investigação

Levantar as possíveis causas do sinistro e suas conseqüências e emitir relatório para discussão nas reuniões extraordinárias, com o objetivo de propor medidas corretivas para evitar a repetição da ocorrência.

1.8 Observações

  1. Com a chegada do órgão oficial competente (Corpo de Bombeiros) a brigada deve ficar a sua disposição.

  1. Para a elaboração dos procedimentos básicos de emergência deve-se consultar o fluxograma de atividades.

1.9 Recursos Básicos para brigada

A instalação e a distribuição dos equipamentos de combate a incêndio deverá obedecer ao projeto previamente aprovado junto aos órgãos competentes.

A empresa poderá, visando principalmente o abandono de local em caso de sinistro, conforme os riscos de cada andar e setor, distribuir outros equipamentos e materiais discriminados a seguir:

  1. Capacetes;

  2. Botons;

  3. Luvas de raspa;

  4. Lanternas ;

  5. Macas;

  6. Cadeira de rodas

1.10 Identificação e certificação da Brigada

Todos os brigadistas receberão:

  1. “Boton” de identificação;

  2. Certificação de participação do curso;

  3. Aula prática em pista especializada;

2. ATRIBUIÇÕES DAS BRIGADAS

2.1 São atribuições da brigada de incêndio

Ações de prevenção:

  1. Exercer a prevenção, combater princípio de incêndio e efetuar salvamento;

  2. Conhecer e avaliar os riscos de incêndios existentes;

  3. Participar das inspeções regulares e periódicas dos equipamentos de combate a incêndio;

  4. Conhecer todas as rotas de fuga;

  5. Conhecer a localização dos dispositivos de acionamento do alarme de incêndio (botoeiras);

  6. Conhecer todas as instalações do prédio;

  7. Verificar as condições de operacionalidade dos equipamentos de combate a incêndio;

  8. Conhecer o princípio de funcionamento de todos os sistemas de extinção de incêndio (sprinklers, CO2, Pó Químico Seco - PQS, Água Pressurizada – AP, etc);

  9. Elaborar relatório quando identificar irregularidades encontradas;

  10. Encaminhar relatório aos setores competentes (SESMT, Manutenção e Segurança Patrimonial);

  11. Orientar à população fixa e flutuante quando tratar-se de simulação;

  12. Participar dos exercícios simulados;

Ações de emergência:

  1. Identificar a situação de emergência;

  2. Acionar o alarme em caso de emergência;

  3. Acionar a brigada para abandono de área;

  4. Acionar o Corpo de Bombeiros e/ou ajuda externa;

  5. Cortar a energia da área (se for o caso);

  6. Solicitar primeiros socorros Especializado (ligar para Ambulatório);

  7. A brigada de Incêndio deve combater o princípio de incêndio;

  8. Recepcionar e orientar o Corpo de Bombeiros;

2.2 ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS:

Os principais membros da Brigada de Incêndio possuem atribuições específicas.

  1. Coordenador Geral da Brigada (SESMT – Ramal 2559): é atribuição do coordenador:

  • Responsabilizar-se por todo o abandono;

  • Elaborar o plano de Prevenção e Combate a Incêndio;

  • Acompanhar o treinamento da Brigada de Incêndio e da Brigada de Abandono;

  • Fiscalizar a inspeção e manutenção dos equipamentos de Prevenção e Combate a Incêndios;

  • Participar da seleção dos colaboradores que irão compor a Brigada de Incêndio;

  • Determinar o início do abandono;

  • Controlar a duração das operações;

  • Avaliar e controlar permanentemente as condições de segurança da empresa;

  • Controlar a saída de todos os setores;

  • Após Análise da situação acionar os sistemas externos de apoio (em caso de sinistro): O Corpo de Bombeiro e Resgate. Policia Militar etc;

  • Liberar ou não o retorno das pessoas à edificação após ter sido debelado o sinistro.

2.3 BRIGADA DE ABANDONO:

  1. Coordenador da Brigada de Abandono (Nome – Ramal):

  • Fiscalizar e desenvolver o programa de treinamento da Brigada de Abandono;

  • Planejar, elaborar e controlar o plano de Prevenção e Emergências;

  • Fiscalizar a inspeção e manutenção dos equipamentos de Prevenção e Combate a Incêndios;

  • Selecionar os colaboradores que irão compor a Brigada de Abandono;

  • Assessorar a compra de equipamentos de proteção contra incêndios para a execução das missões da Brigada;

  • Fiscalizar a aplicação dos exercícios simulados: abandono do prédio e salvamento;

  • Elaborar relatório sobre as condições de segurança contra incêndio e também sobre ocorrência e atividades da Brigada.

  1. Coordenador do Setor:

  • É o responsável pelo controle de abandono em seu setor;

  • Determina a organização da fila do setor;

  • Confere os componentes de seu setor e verifica se todos estão na fila;

  • Inspeciona todo o setor, inclusive salas de reunião e sanitários;

  • Determina o início da descida ou saída;

  • Ao chegar ao ponto de encontro ou concentração pré-determinado confere novamente todo o pessoal, através de uma listagem previamente elaborada;

  • Criar e manter lista atualizada com nomes de todos os colaboradores que trabalham no setor;

  • Dar atenção especial para remoção de pessoas idosas, deficientes físicos, gestantes.

  1. Puxa-Fila:

  • É o primeiro componente da brigada de Abandono de cada pavimento;

  • Ao ouvir o alarme de abandono, deve assumir o local pré-determinado e iniciará a saída ou descida organizada;

  • Determinará a velocidade da saída;

  • Deve possuir identificação no uniforme com especificação do setor em que é responsável.

  • Deve ajudar a manter a calma e ordem do seu grupo;

  • Deve formar uma fila indiana intercalando homem, idoso, mulher.

  1. Cerra-Fila:

  • É o último componente da Brigada, responsável por ajudar na conferência do pessoal da fila, auxilia o coordenador do setor;

  • Auxilia na organização para evitar flutuação da fila;

  • Responsável pelo fechamento das portas que ficarem para trás;

  • Não deve permitir espaçamento, algazarras, conversas em demasia ou retardar a saída;

  • Auxiliar as pessoas em caso de acidentes ou mal súbito.

  1. Auxiliar:

  • É o componente da Brigada sem função específica;

  • É o componente que substituirá tanto o Puxa Fila, Cerra Fila e Coordenador do andar em caso de falta;

  • Auxilia os demais componentes na vistoria das dependências do estabelecimento.

2.4 BRIGADA DE INCÊNDIO

  1. Coordenador da Brigada de Incêndio (Nome – Ramal):

  • Fiscalizar o programa de treinamento da Brigada de Incêndios

  • Auxiliar a Coordenação Geral a planejar, elaborar e controlar o Plano de Prevenção e Combate a Incêndio;

  • Fiscalizar a inspeção e manutenção dos equipamentos de Prevenção e Combate a Incêndios;

  • Selecionar os colaboradores que irão compor a Brigada de Incêndio;

  • Assessorar a compra de equipamentos de proteção contra incêndios para a execução das missões da Brigada;

  • Fiscalizar a aplicação dos exercícios de combate a incêndio, abandono do prédio e salvamento;

  • Elaborar relatório sobre as condições de segurança contra incêndio e também sobre ocorrência e atividades da Brigada.

  1. Líder da Brigada de Incêndio:

  • Atuar em sinistro, coordenando e comandando todos os brigadistas do setor, no combate ao fogo;

  • Receber e cumprir as orientações do coordenador da Brigada e transmiti-las aos seus liderados;

  • Inspecionar os equipamentos de combate a incêndio do seu setor;

  • Fornecer dados para confecção de relatórios;

  • Reunir os componentes da Brigada para as instruções e avaliar as condições dos equipamentos de incêndio;

  • Será o responsável por desligar a força geral de todo setor e acionar o alarme de incêndio.

  1. Brigadista

  • Será o responsável por iniciar o combate ao principio de incêndio, utilizando os extintores;

  • Será o responsável por combater o incêndio até a chegada dos bombeiros, formando uma linha de ataque ao fogo com 3 (três) brigadistas para utilizar hidrante;

  • 1º brigadista da linha de ataque deverá lançar a mangueira e conectá-la no registro do hidrante, abrir o registro e liberar a água;

  • 2º brigadista pega o esguicho e corre para ponta e conecta o esguicho na mangueira, aguardar o brigadista nº1 abrir o registro, ficando na posição de ataque;

  • 3º brigadista corre para auxiliar o brigadista nº2;

  • 1° brigadista após abrir o registro corre para auxiliar na linha de ataque ao fogo;

  • Após controlar a situação o brigadista nº1 fecha o registro.

Observação:

Em caso de princípio de incêndio usar primeiro os extintores existentes na edificação, se não for possível controlar, use o hidrante. No setor que tiver apenas dois brigadista devem combinar para alternar as funções.

3. CONTROLE DO PROGRAMA DE BRIGADA DE INCÊNDIO

3.1 Reuniões ordinárias

Devem ser realizadas reuniões mensais com os membros da brigada, com registro em ata, onde serão discutidos os seguintes assuntos:

  1. Funções de cada membro da brigada dentro do plano;

  2. Condições de uso dos equipamentos de combate a incêndio;

  3. Apresentação de problemas relacionados à prevenção de incêndios encontrados nas inspeções para que sejam feitas propostas corretivas;

  4. Atualização das técnicas e táticas de combate a incêndio;

  5. Alterações ou mudanças do efetivo da brigada;

  6. Outros assuntos de interesse.

3.2 Reuniões extraordinárias

Após a ocorrência de um sinistro ou quando identificada uma situação de risco iminente, convocar uma reunião extraordinária para discussão e providências a serem tomadas. As decisões tomadas serão registradas em ata e enviadas às áreas competentes para as providências pertinentes.

3.3 Exercícios simulados

Deve ser realizado, semestralmente, no mínimo um exercício simulado no estabelecimento ou local de trabalho, com participação de toda a população. Imediatamente após o simulado, deve ser realizada uma reunião extraordinária para avaliação e correção das falhas ocorridas. Deve ser elaborada ata na qual conste:

  1. Horário do evento;

  2. Tempo gasto no abandono;

  3. Tempo gasto no retorno;

  4. Tempo gasto no atendimento de primeiros socorros;

  5. Atuação da brigada;

  6. Comportamento da população;

  7. Participação do Corpo de Bombeiros e tempo gasto para sua chegada;

  8. Falhas de equipamentos;

  9. Falhas operacionais;

  10. Demais problemas levantados na reunião.

4. PROCEDIMENTOS COMPLEMENTARES

4.1 Identificação da brigada

  1. Devem ser fixados em locais visíveis e de grande circulação, quadros de aviso ou similar, sinalizando a existência da brigada de incêndio e indicando seus integrantes com suas respectivas localizações.

  1. O Brigadista (Operacional) deve utilizar constantemente o uniforme padrão Deicmar com o brasão da Brigada de Emergência e Suporte Básico de Vida.

  1. O Brigadista (Administrativo) deve utilizar constantemente o boton de identificação contendo o brasão da Brigada de Emergência.

4.2 Comunicação interna e externa

  1. Deve ser estabelecido previamente um sistema de comunicação entre os brigadistas, a fim de facilitar as operações durante a ocorrência de uma situação real ou simulado de emergência.

  1. Essa comunicação pode ser feita por meio de telefones, sistemas de alarme, sistemas de som interno, etc.

  1. Caso seja necessária a comunicação com meios externos (Corpo de Bombeiros) a recepcionista ou outra pessoa designada será responsável por acionar o órgão oficial competente. Para tanto faz-se necessário que essa pessoa seja devidamente treinada e que esteja instalada em local seguro e estratégico para o abandono.

4.3 Ordem de abandono

O principal responsável pela brigada de incêndio (Coordenador geral) determina o início do abandono, devendo priorizar o(s) local(is) sinistrado(s), o(s) pavimento(s) superior(es) a este(s), o(s) setor(es) próximo(s) e o(s) local(is) de maior risco.

4.4 Grupo de apoio

O grupo de apoio é formado pelos colaboradores da Segurança Patrimonial, SESMT e Equipe de Manutenção (eletricistas, encanadores).

4.5 Recomendações gerais

Em caso de simulação ou fato real, adotar os seguintes procedimentos:

  1. Manter a calma;

  2. Caminhar em ordem e sem atropelos;

  3. Não correr e não empurrar;

  4. Não gritar e não fazer algazarras;

  5. Não ficar na frente de pessoa em pânico, se não puder acalmá-la, evite-a, se possível avisar um brigadista;

  6. Todos os colaboradores, independente dos cargos que ocupem na empresa, devem seguir rigorosamente as instruções dos brigadistas;

  7. Nunca voltar para apanhar objetos; fechar as portas e janelas ao sair;

  8. Não se afastar do grupo e não parar no caminho;

  9. Levar consigo os visitantes que estiverem em seu local de trabalho;

  10. Sapatos de salto alto, devem ser evitados;

  11. Não acender ou apagar luzes, principalmente se sentir cheiro de gás;

  12. Deixar a rua e as entradas livres para a ação dos bombeiros e do pessoal de socorro médico;

  13. Não subir a escadas, procurar sempre descer.

Em situações extremas:

  1. Nunca retirar as roupas, procurar molhá-las a fim de proteger a pele da temperatura elevada;

  1. Se houver necessidade de atravessar uma barreira de fogo, molhar todo o corpo (roupas, sapatos e cabelo). Proteger a respiração com um lenço molhado junto à boca e o nariz; manter-se sempre o mais próximo do chão; por ser o local com menor concentração de fumaça;

  1. Sempre que precisar abrir uma porta, certifique-se se a mesma não está quente e, mesmo assim, abrir vagarosamente;

  1. Se ficar preso em algum ambiente, procurar inundar o local com água, mantendo-se sempre molhado;

Requisitos para os membros das Brigadas:

  1. A brigada de Incêndio da Deicmar S.A é um órgão da empresa de participação voluntária e sem qualquer caráter obrigatório ou remunerada.

  1. O objetivo é a prevenção, o combate a incêndio, primeiros socorros e salvamentos urgentes.

  1. Todos colaboradores podem participar das brigadas, desde que expresse o desejo e que esteja apto fisicamente.

  1. Os treinamentos serão ministrados anualmente, sendo obrigatório à presença do brigadista.

  1. Será desligado da Brigada de Incêndios o brigadista que faltar a três reuniões consecutivas ou cinco vezes alternadas sem motivo justificável.

  1. O brigadista tem o dever de além de combater os incêndios, prestar socorros urgentes e de salvamentos, auxiliar na fiscalização das condições de segurança contra incêndio (prevenção). Toda a irregularidade deverá ser comunicada de imediato ao Setor Segurança do Trabalho.

  1. O brigadista deverá sempre se ater à pontualidade dos compromissos (aulas/treinamentos/visitas, etc), para o bom desempenho do programa.

  1. O brigadista deverá estar devidamente identificado com o símbolo da Brigada.

FLUXOGRAMA DA BRIGADA DE INCÊNDIO E ABANDONO

COORDENAÇÃO GERAL DA BRIGADA

SESMT

(Parte 1 de 2)

Comentários