Reanimação Cardiopulmonar em Pediatria

Reanimação Cardiopulmonar em Pediatria

Saber reconhecer um quadro de desconforto respiratório e sua consequência mais imediata:a falência respiratória

  • Saber reconhecer um quadro de desconforto respiratório e sua consequência mais imediata:a falência respiratória

  • Saber reconhecer sinais de choque

  • Determinar as condutas de ressuscitaçao evitando o evento final, muitas vezes letal, que seria a PCR

A = Via Aérea (Airway) Ventilação

  • A = Via Aérea (Airway) Ventilação

  • B = Boa respiração (Breath) Oxigenação

  • C= Circulação (Circulação) Perfusão

Passos Inicias:

  • Passos Inicias:

  • Aspiração de VAS: Aspirador de ponta rígida ou o mais calibroso possível

  • Abertura da Via Aérea

    • Sem suspeita de Trauma:
    • Extensão do pescoço e elevação do queixo(POSIÇÃO DO FAREJADOR)
    • Com Suspeita de Trauma:
    • Elevação da Mandíbula
    • Manter Cabeça em Posição Neutra: (Coxim)

Condutas:

  • Condutas:

  • Oximetria de pulso

  • Fornecer oxigênio com a máxima FiO2 possível

Iniciar VPP

  • Iniciar VPP

  • (Bolsa Valva-máscara com reservatório)

    • Indicações:
    • Apnéia apesar de fornecimento de O2
    • Bradicardia
    • Persiste cianose e baixa saturação mesmo com fornecimento de O2

FC abaixo de 60 bpm

  • FC abaixo de 60 bpm

  • Crianças até 1 ano:

  • Relação Compressão/Ventilação

    • 1 socorrista :Relação 30:2 . Dois dedos comprimindo o terço inferior do esterno.
    • 2 socorristas Relação 15: 2 . Manobra dos polegares abraçando o tórax

Criança acima de 1 ano e adulto:

  • Criança acima de 1 ano e adulto:

  • 1 – 8 anos: Uma das mãos (região hipotenar) comprimindo o terço inferior do esterno, evitando o apêndice xifóide

  • Acima de 8 anos: Duas mãos no mesmo local

  • Um socorrista: Relação 30:2

  • Dois socorristas: Relação 15:2

  • Adultos: SEMPRE 30:2

  • Profundidade: ½ a 1/3 do diâmetro do Tórax

Realizar cerca de 100 compressões por minuto

  • Realizar cerca de 100 compressões por minuto

  • Realizar 5 ciclos de 30:2(cerca de 2 minutos), se estiver sozinho, reavaliando o pulso ao término dos 2 minutos.

  • Dois socorristas : realizar 10 ciclos de 15 :2 (cerca de 2 minutos) reavaliando o pulso ao término .

  • Revezar funções após cada 2 minutos

  • Com a via aérea segura(entubado): não é mais necessário a pausa para ventilação. Compressões contínuas com uma ventilação a cada 6-8 segundos.

Pode ser realizada a qualquer momento da RCP

  • Pode ser realizada a qualquer momento da RCP

  • Indicações precisas:

    • Ventilação com BVM ineficaz ou prolongada
    • Coma: Glasgow < 8
    • PCR ou Apnéia sem resposta a VPP, MCE ou Epinefrina
    • “Gasping”
    • Criança entrando em fadiga respiratória
    • Retenção de Co2(PaCo2 > 60)
    • PaO2 < 50 com FiO2 > 60

Putz!!!. A enfermeira vai perguntar.....

  • Putz!!!. A enfermeira vai perguntar.....

  • Doutor....

  • Lâmina reta ou curva?

  • Número da lâmina?

  • Qual o número do tubo? Com ou sem Cuff?

  • Quanto de profundidade do tubo vou colocar?

Precauções universais: Máscara, luva, óculos de proteção

  • Precauções universais: Máscara, luva, óculos de proteção

  • Ventilação rigorosa com VPP antes do procedimento

  • Tenho quanto tempo?

  • 30 segundos !!!

Está entubado???

  • Está entubado???

  • Parâmetros primários:

    • Elevação simétrica do tórax durante VPP
    • Vapor de água na traquéia durante exalação
    • Ausculta dos sons respiratórios em ambos HTs
    • Ausência de ruídos respiratórios no abdome
  • Parâmetros secundários:

    • Melhora da saturação(oximetria)
    • Capinômetro

Em paciente com PCR, nem sempre necessária

  • Em paciente com PCR, nem sempre necessária

  • Pré-oxigenação

  • Atropina 0,02 mg/kg(diminuir tono vagal)

  • Midazolan 0,1-0,3 mg/kg

  • Fentanil 1 mcg/kg ou

  • Ketamina(se Broncoespasmo): 1-2 mg/kg

Manter RCP

  • Manter RCP

  • O que mais é essencial???

  • MONITORIZAÇÃO !!!!!!!

Ritmos sem Pulso (Ritmos de colapso)

  • Ritmos sem Pulso (Ritmos de colapso)

  • ASSISTOLIA

  • AESP

  • FV

  • TV SEM PULSO

Ritmos não chocáveis

  • Ritmos não chocáveis

  • AESP e Assistolia

  • Condutas: RCP e Epinefrina

  • Ritmos Chocáveis

  • FV e TV sem Pulso

  • Condutas: RCP e DESFIBRILAÇÃO

  • (2 joules/kg)

Uso de medicações: Sempre em seguida a MCE

  • Uso de medicações: Sempre em seguida a MCE

  • Droga ouro da ressuscitação: Epinefrina(Adrenalina)

  • Apresentação: Ampola de 1 ml (1:1000)

  • Dose a ser usada na RCP:

  • 0,01 mg/kg ou 0,1 ml/kg da solução 1:10.000

  • Na prática(A enfermeira vai perguntar...): Diluir uma ampola em 9 ml de SF ou AD e fazer 0,1 ml/kg desta solução, seguida de “bolus” de 3 a 5 ml de SF

  • Repetir a cada 3 a 5 minutos, mantendo ciclos de RCP

Oximetria de Pulso

  • Oximetria de Pulso

  • Sonda naso ou orogástrica.

  • Sonda vesical: débito urinário adequado:1-2 ml/kg/hora

  • Glicemia capilar

Exames complementares:

  • Exames complementares:

  • Raios X de Tórax: Confirmar localização do tubo e avaliação cardiopulmonar

  • Hemograma, Bioquímica, Gasometria, Culturas, conforme necessidade de cada caso

Considerar uso de:

  • Considerar uso de:

  • Infusão de fluidos

  • Sangue

  • Correção de acidose metabólica

  • Antimicrobianos

  • Drogas vasoativas.

  • Sedação e Analgesia

  • Conseguir Vaga em UTI e/ou Ventilação Mecânica

Nota do E ditor do site www.paulomargotto.com.br, Dr. Paulo R. Margotto. Consultem também:

Comentários