Corticosteróides

Corticosteróides

Universidade Federal de Sergipe

Centro de Ciências Biológicas e da Saúde

Departamento de Morfologia

Curso de Farmácia

Seminário de Embriologia e Desenvolvimento

Corticosteróides

Componentes:

Antonio Marques Filho;

Arley Santos de Góes;

Denis dos Anjos Carvalho;

Igor Oliveira Paiva Souza;

Lucas Samuel Passos Santos;

Rafael Passos dos Santos.

São Cristóvão

2009

Corticosteróides

Corticosteróide ou corticóide é o nome dado a um grupo de hormonas esteróides produzidas pelas glândulas supra-renais, ou a derivados sintéticos destas.

Os corticosteróides possuem diversas ações importantes no corpo humano, possuindo um papel de relevo no balanço electrolítico (equilíbrio de íons e água), e na regulação do metabolismo. Situações em que a sua produção está alterada levam a patologias como a doença de Addison quando há diminuição de produção, ou a síndrome de Cushing quando esta está aumentada.

Classes de Corticosteróides:

  • Glicocorticóides como o cortisol controlam o metabolismo dos carboidratos, gordura e proteínas e são anti-inflamatórios por prevenirem a liberação de fosfolipídio, diminuindo a ação dos eosinófilos e diversos outros mecanismos.

Os glicocorticóides possuem importantes efeitos metabólicos, sendo utilizados na prática médica graças aos seus potentes efeitos antiinflamatórios e imunossupressores. O principal glicocorticóide endógeno (produzido pelo corpo) é o cortisol.

  • Mineralocorticóides como a aldosterona controlam os níveis de eletrólitos e água, principalmente por promoverem a retenção de sódio no rim.

O papel dos mineralocorticóides está relacionado com a manutenção do equilíbrio de íons (em particular o sódio) e do volume de água no organismo. Destaca-se deste grupo a aldosterona.

A produção de corticosteróides é regulada pelo hipotálamo, em função de diversos estímulos. Estes incluem o ritmo circadiano, assim como estímulos dolorosos e situações de stress, que induzem a libertação de ACTH-RH (do inglês Adrenocorticotropic releasing hormone). Níveis elevados de corticosteróides têm um efeito inibitório, formando um circuito de feedback negativo responsável pelo controle deste mecanismo.

A ACTH-RH actua sobre a adenohipófise, estimulando a libertação de ACTH (também conhecida como corticotropina) para a circulação sistémica. O alvo fisiológico da ACTH é a glândula supra-renal, onde causa a libertação de corticosteróides.

Funções fisiológicas dos Corticosteróides:

O papel dos corticosteróides no organismo é variado, estando associado à actividade normal assim como à resposta a stress de diversas origens (infecções, lesão traumática, queimaduras, hemorragias, dor, situação de medo e luta, etc).

Possui diferentes vertentes como no metabolismo intermediário dos açúcares, gorduras e proteínas.

 

Os corticosteróides aumentam a quebra de proteínas para que sejam transformadas em glicose pelo fígado (gliconeogénese), levando por isso a um aumento da glicemia (quantidade de glicose no sangue).

Levam também a que a gordura acumulada no corpo entre na circulação sanguínea, para que possa ser utilizada pelos tecidos na produção de energia.

Em resumo, os corticosteróides aumentam a disponibilidade de "ingredientes" para a produção de energia.

Manutenção do tónus muscular dos vasos sanguíneos mantêm um certo grau de contração dos vasos, que impede uma dilatação exagerada destes. Se isso ocorresse, o sangue teria dificuldade em chegar aos órgãos, com colapso circulatório, parada cardíaca e morte.

Regulação do balanço hidroeléctrico, aqui os corticosteróides atuam no rim aumentando a reabsorção de sódio e consequentemente de água, por troca com potássio e prótons (H+). O resultado é um aumento do volume de fluido extracelular, ligeiro aumento da concentração plasmática de sódio, hipocaliémia e alcalose.

Os corticosteróides de modo geral, e em particular, os glicocorticóides, constituem-se em um grupo de drogas muito usadas em medicina clínica, nem sempre, porém, com indicações precisas.

Em virtude de seu amplo espectro de atividade e por serem os mais potentes antiinflamatórios existentes, encontram uso praticamente em todas as especialidades, No entanto, é justamente esse "amplo espectro" de atividade que os torna capazes de provocar efeitos colaterais, que não poupam praticamente nenhum tecido do organismo humano.

Transporte do Costicosteróide Cortisol:

Ao entrar na corrente sangüínea, o cortisol liga-se às proteínas plasmáticas, principalmente albúmina, formando complexos não covalentes, com força de ligação fraca. Além dessa ligação fraca com albúmina há proteínas que se ligam mais especificamente ao cortisol, como é o caso da CBG que tem uma ligação mais firme. A concentração de CBG, no entanto, é tão baixa em condições normais que, aos níveis de 15mg/100ml de cortisol, seus sítios de ligação já estão saturados. Lembramos que é só a fração livre, não ligada a proteínas, que irá exercer sua ação em nível tecidual.

Dose Fisiológica e dose Farmacológica dos Grupos de Corticosteróides:

Alguns autores conceituam dose farmacológica em função dos efeitos colaterais provocados; em função de fatos como este, o conceito é contestado já que tais efeitos podem surgir mesmo com doses pequenas, dependendo do tempo de uso e da idade da criança.

Efeitos Colaterais:

Inibição do crescimento: As doses que interferem no crescimento são variáveis de criança para criança e, dependendo do tempo de uso, pode haver prejuízos irreversíveis na altura final, bem como retardo de idade óssea;

Infecções virais: Os corticóides deprimem a imunidade celular facilitando a progressão de infecções virais. De particular importância é a varicela, que pode assumir formas muito graves, com alta mortalidade;

Infecções bacterianas: Nas doses habituais, os corticóides têm pouca interferência sobre a imunidade humoral, não trazendo problemas em relação à infecção bacteriana;

Úlcera péptica;

Eleitos no sistema nervoso central: Quadros convulsivos, simulando pseudotumor cerebral e alterações do humor podem ocorrer com altas doses por tempo prolongado.

Hipertensão: Principalmente em casos de comprometimento renal ou vasculite generalizada;

Osteoporose e fratura vertebral;

Miopatia;

Distúrbios hidreletrolíticos e acidobásicos.

Referências Bibliográficas

  • Revisões e ensaios.DURVAL DAMIANI, NUVARTE SETIAN & VAÊ DICHTCHEKENIAN. Corticosteróides – Conceitos Básicos e Aplicações clÍnicas.

  • RBTI - Revista Brasileira Terapia Intensiva. Volume 18 - Número 1 - Janeiro/Março 2006.

Comentários