elementos basicos da contabilidade

elementos basicos da contabilidade

(Parte 6 de 7)

Se porventura, ocorrer uma diferença entre os débitos e créditos no balancete e, sabendo-se que a Soma das duas colunas está correta, deduzimos que pode ter ocorrido uma das seguintes situações:

 Fato contábil debitado e não creditado, ou vice-versa.

Fato contábil debitado por um valor e creditado por outro valor.

 Fato contábil debitado ou creditado em duplicidade.

12.2 Balanço Patrimonial

Conceito: É a representação sintétìca dos elementos patrimoniais. No sentido amplo, dá-se o nome de "Balanço" aos procedimentos gerais de final de exercícios destinados ao levantamento da Situação Patrimonial da empresa.

Tais procedimentos visam, como meta final, a elaboração de duas peças contábeis fundamentais denominadas:

Balanço Patrimonial

Demonstração de Resultado do Exercício (antiga demonstração de lucros e perdas).

12.3 Procedimentos básicos para se fazer um balanço

Para o levantamento do "balanço" e consequente encerramento do exercício, tornam-se necessários, preliminarmente, alguns procedimentos básicos, abaixo colocados numa ordem prática:

Levantamento do Balancete de Verificacão Preliminar: Visa a listagem de todas as contas cujo Razão acusa existência de saldos, a fim de se constatar a iguaidade dos débitos e dos créditos efetuados no período.

Levantamento físico dos bens, direitos e obrigações que compõem o patrimônio: ou sela elaboração do inventário, visa a listagem das existências físicas de bens, direitos e obrigações do patrimônio.

Conciliação e ajustes de contas: Tem a finalidade de estabelecer um confronto entre as existências reais de bens, direitos e obrigações (constatadas pelo inventário físico) e o exame dos dados contábeis (saldos apresentados no razão). Através dessa comparação poder-se-ão constatar eventuais diferenças entre os dois valores, que originarão acertos para Mais ou para Menos nos saldos do livro.

Constituição das provisões diversas: Refere-se esta etapa, principalmente ao cálculo da "Provisão para devedores duvidosos" e outras que se fizerem necessárias para respeitar ao princípio contábil da competência nos exercícios isto é as receitas e despesas devem ser recolhidas na apuração do resultado do período a que pertencem e, de forma simultânea, quando se correlacionarem. As despesas devem ser reconhecidas independentemente do seu pagamento e as receitas somente quando de sua realização.

Correção monetária das contas patrimoniais (Ativo Permanente e Patrimônio Líquido): De acordo com o Decreto-lei 1598/77 as contas sujeitas a correção monetária em um balanço patrimonial são as contas pertencentes ao agrupamento do Ativo Permanente e Patrimônio Líquido. Caso esses dois agrupamentos tenham totais desiguais, será gerado um saldo devedor ou saldo credor de correção monetária, que influenciará o resultado do exercício. Sempre em contrapartida com uma única conta chamada Resultado de correção monetária, o valor da correção monetária é debitada nas próprias contas do Ativo Permanente ou creditadas nas próprias contas do Patrimônio Líquido exceto no caso da conta Capital, cujo crédito de correção monetária e feito em conta à parte, também do agrupamento Patrimônio Líquido chamada Reserva de Correção Monetária do Capital Realizado, porque somente o capital realizado é sujeito a correção monetária.

Levantamento de Balancete de Verificação Final: Este levantamento visa a constatação da igualdade entre os débitos e créditos do livro razão, após os ajustes efetuados.

Apuração do Resultado com Mercadorias: É a fase reiacionada com tratamento das contas vinculadas à movimentação de Mercadorias. Quando se trabalha com esta conta desdobrada, a apuração do resultado com mercadorias envolverá as contas Mercadorias, Compras, Devoluções de Compras, Vendas, Devolução de Vendas, Resultado com Mercadorias e Custos de Mercadorias Vendidas.

Cálculo da provisão para o pagamento do imposto de renda: Envolve à parcela do lucro que será provisionada para o pagamento do Imposto de Renda que atualmente esta aliquota é de 35% (podendo ser alterada). Feito esse cálculo, faz-se a sua contabilização debitando Resultado do Exercício e creditando a conta Provisão Para O Pagamento Do Imposto De Renda.

Elaboração da demonstração de resultado do exercício: Trata-se em relacionar o somatório das receitas menos o somatório das despesas o resultado será Lucro, Prejuízo ou Nulo. Em caso de lucro logo em seguida faz-se a provisão para o pagamento do imposto de renda conf. item 08 donde iremos chegar a um novo lucro que é chamado Lucro Após o Imposto de Renda.

Encerramento das Contas de Resultado: É a fase em que se encerram, por débito a Resultado do Exercício as contas de despesas e por crédito a Resultado do Exercício as contas de receitas. O saldo líquido apurado no final – Lucro Líquido do Exercício (ou prejuizo) será feíto a distribuição às diversas contas de Reservas e ou para lucros Acumulados ou Prejuízos Acumulados, que contará do Balanço Patrimonial.

Elaboração do Balanço Patrimonial: Estando já encerradas as contas de resultado ou seja receitas e despesas restam agora nessa etapa do trabalho os seus respectivos agrupamentos que já foi assunto tratado em aulas anteriores, ou seja: Ativo Circulante, Ativo Realizável a Longo Prazo, Ativo Permanente, Passivo Circulante, Passivo Exigível a Longo Prazo, Resultado de Exercícios Futuros e Patrimônio Líquido.

13 EXERCÍCIO SOCIAL E DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

13.1 Seção I

13.1.1 Exercício social

Art. 175. O exercício social terá duração de 1(um) ano e a data do término será fixada no estatuto.

Parágrafo Único - Na constituição da companhia e nos casos de alteração estatutária o exercicio social poderá ter duração diversa.

13.2 Seção II

13.2.1 Demonstrações Financeiras

13.2.1.1 Disposições Gerais

Art. 176. Ao fim de cada exercício social, a Diretoria fará elaborar, com base na escrituração mercantil da companhia, as seguintes demonstrações financeiras, que deverão exprimir com clareza a situação do patrimônio da companhia e as mutações ocorridas no exercício:

I - balanço patrimonial;

II - demonstração dos lucros ou prejuizos acumulados;

III - demonstração do resultado do exercício; e

IV - demonstração das origens e aplicações de recursos.

§ 1o - As demonstrações de cada exercício serão publicadas com a indicação dos valores correspondentes das demonstrações do exercício anterior.

§ 2o - Nas demonstrações, as contas semelhantes poderão ser agrupadas; os pequenos saldos poderão ser agregados, desde que indicada a sua natureza e não ultrapassem 0,1 (um décimo) do valor do respectivo grupo de contas; mas é vedada a utilização de designações genéricas, como "diversas contas" ou "contas correntes".

§ 3o - As demonstrações financeiras registrarão a destinação dos lucros segundo a proposta dos órgãos da administração, no pressuposto de sua aprovação pela assembléia geral.

§ 4o - As demonstrações serão complementadas por notas explicativas e outros quadros analíticos ou demonstrações contábeis necessários para esclarecimento da situação patrimonial e dos resultados do exercício.

§ 5o - As notas deverãv indïcar:

 os principais critérios de especialmente estoques, dos e exaustão, de constituição e dos ajustes para atender elementos do ativo;

 os investimentos, em outras 247, parágrafo único);

 o aumento de valor de elemento do ativo resultante de novas avaliações (art. 182, § 3o );

 os ônus reais constituídos sobre elementos do ativo, as garantias prestadas a terceiros e outras responsabilidades eventuais ou contingentes;

 a taxa de juros, as datas de vencimento e as garantias das obrigações a longo prazo;

 o número, espécies e classes das ações do capital social;

 as opções de compra de ações outorgadas e exercidas no exercício;

 os ajustes de exercícios anteriores (art. 186, § 1o);

 os eventos subseqüêntes à data de encerramento do exercício que tenham, ou possam vir a ter, efeito relevante sobre a situação financeira e os resultados futuros da companhia.

§ 6o - A companhia fechada com patrimônio líquido, na data do balanço, não superior ao valor nominal de 20.000 (vinte mil) UFIR's, não será obrigada à elaboração e publicação da demonstração das origens e aplicações de recursos.

13.3 Escrituração

Art. 177. A escrituração da companhia será mantida em registros permanentes, com obediência aos preceitos da legislação comercial e desta lei e aos princípios de contabilidade geralmente aceitos, devendo observar métodos ou critérios contábeis uniformes no tempo e registrar as mutações patrimoniais segundo o regime de competência.

§ 1o - As demonstrações financeiras do exercício em que houver modificação de métodos ou critérios contábeis, de efeitos relevantes, deverão indicá-la em nota e ressaltar esses efeitos.

§ 2o - A companhia observará em registros auxiliares, sem modificação da escrituração mercantil e das demonstrações reguladas nesta lei, as disposições da lei tributária, ou de legislação especial sobre a atividade que constitui seu objeto, que prescrevam métodos ou critérios contábeis diferentes ou determinem a elaboração de outras demonstrações financeiras.

§ 3o - As demonstrações financeiras das companhias abertas observarão, ainda, as normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários, e serão obrigatoriamente auditadas por auditores independentes registrados na mesma comissão.

§ 4o - As demonstrações financeiras serão assinadas pelos administradores e por contabilistas legalmente habilitados.

13.4 Seção III

13.4.1 Balanço Patrimonial

13.4.1.1 Grupo de Contas

Art. 178. No balanço, as contas serão classificadas segundo os elementos do patrimônio que registrem, e agrupadas de modo a facilitar o conhecimento e a análise da sïtuação financeira da companhia.

§ 1o - No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos nelas registrados, nos seguintes grupos:

 ativo circulante;

 ativo realizável a longo prazo;

 ativo permanente, dividido em investimentos, ativo imobilizado e ativo diferido.

§ 2o - No passivo, as contas serão classificadas nos seguintes grupos:

 passivo circulante;

  • passivo exigível a longo prazo;

  • resultados de exercícios futuros;

 patrimônio líquido, dividido em capital social, reservas de capital, reservas e reavaliação, reservas de lucros ou prejuízos acumulados.

§ 3o - Os saldos devedores e credores que a companhia não tiver direito de compensar serão classificados separadamente.

(Parte 6 de 7)

Comentários