A importância da natação nos aspectos físicos, fisiólogicos e psicológicos para crianças de 0 a 2 anos

A importância da natação nos aspectos físicos, fisiólogicos e psicológicos para...

A IMPORTÂNCIA DA NATAÇÃO NOS ASPECTOS FÍSICOS, FISIÓLOGICOS E PSICOLÓGICOS PARA CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS

Bruna D. Braga Knauft; Gabriela Corrêa Alvim Lima; Patrícia Cavalcante Fernandes;

3º Período de Ed. Física/ Manhã – Universidade Veiga de Almeida – Campus Cabo Frio

Metodologia da Natação – P2 – Prof. Ms. Márcio Baptista

RESUMO

Este trabalho tem por objetivo mostras os benefícios da natação na iniciação infantil e sua importância nos aspectos físicos, fisiológicos e psicológicos, explorando a metodologia da aula aplicada e seus resultados. A natação é considerada um esporte completo, tanto por educadores físicos como por médicos, já que mexe com toda a musculatura do corpo. Além disso, é uma das atividades mais saudáveis já que a probabilidade de você sofrer uma lesão é praticamente nula com a amortização do impacto dos movimentos físicos pela água. Desde o nascimento, a partir do 6º ao 8º mês, o bebê já começa a ter comportamentos involuntários podendo assim, se desenvolver na natação conforme sua maturidade e capacidade.

Através de nossas pesquisas, procuramos mostras que a natação desde bebê é válida por vários motivos e que se o professor respeitar a capacidade de cada criança, poderão surgir pessoas mais saudáveis e possíveis futuros atletas.

INTRODUÇÃO

O objetivo deste trabalho é mostrar o desenvolvimento de crianças de 0 a 2 anos, de acordo com suas etapas de desenvolvimento, segundo as teorias de Piaget, e a Epistemologia Genética, isto é, o estudo da forma como o conhecimento é adquirido.

Conforme nossas pesquisas em sites de artigos acadêmicos, apostilas, pesquisa de campo e livro, debatemos este assunto e entendemos que o bebê já é adaptado ao meio líquido desde a gestação onde são capazes de fazer movimentos natatórios, demonstrando uma série de reflexos, comuns na primeira infância, logo a água para estes pequenos é algo prazeroso. O desenvolvimento na água acontece de acordo com a sua maturação, com aprimoramento dos seus reflexos e da coordenação. Para cada etapa da criança, existem respectivas capacidades neuro-motoras para que realizem movimentos na água, pois ele já tem reflexos e respostas motoras no meio líquido.

E esta etapa é período é o sensório-motor (0 a 2 anos),onde a criança conquista, através da percepção e dos movimentos, todo o universo que a cerca. Para que haja uma boa adequação do bebê as atividades aquáticas, deve ser respeitado seu ritmo próprio, seu desenvolvimento global, que é diferenciado de outra, em nível mental-cognitivo e sócio emocional.

DESENVOLVIMENTO PROVOCADOS NAS CRIANÇAS DESDE O NASCIMENTO ATÉ OS 2 ANOS

ASPECTO FÍSICO

A natação ajuda no desenvolvimento físico e mental, além de propiciar uma simetria de movimentos entre braços e pernas. A natação proporciona aos bebês benefícios físicos, melhora a adaptação na água, aprimorando a coordenação motora (movimentos fundamentais; combinações de movimentos fundamentais; movimentos culturalmente determinados), noções de espaço e tempo, aumento da resistência cardiorrespiratória e muscular. A natação ajuda também a tranqüilizar o sono, estimular o apetite, melhorar a memória, além de prevenir algumas doenças respiratórias (FERREIRA, 2007).

A natação também relaxa a mente e ativa a memória das crianças, já que garante ótima oxigenação para o cérebro. A natação exige grande concentração na respiração e nos movimentos.

A natação constitui-se uma excelente atividade motora, na qual a criança desde a mais tenra idade experimenta de forma mais natural e espontânea, uma motricidade aquática dinâmica, essencial à sua evolução, em seu progresso desenvolvimentista (GRISI, 1994).

Os benefícios da natação agem como pré-estimulo motor, pois, antes mesmo da criança tentar deslocar-se fora da água, já o consegue dentro da água, porque ela fica muito leve, conseguindo assim executar movimentos que, muitas vezes não consegue fora da água. A natação é uma forma alternativa de condicionamento físico, construída de movimentos aquáticos específicos, baseados no aproveitamento da resistência da água como sobrecarga. Estes movimentos facilitam o condicionamento físico e o treinamento sem impacto articular.

O bebê quando pratica exercícios no meio líquido respeitando seu desenvolvimento maturacional, neuromotor, e sua habilidade motora fortalecerá a musculatura, colaborará com a lateralidade, equilíbrio, orientação espacial e coordenação motora ampla liberando sua capacidade de movimentar-se e de criar, explorando seu corpo e o espaço à sua volta.

Além dos já citados benefícios proporcionados pela natação ao bebê também tem o tônus, o equilíbrio, a agilidade, a força, a velocidade, desenvolve habilidades psicomotoras como lateralidade, as percepções tátil, auditiva e visual.

ASPECTOS FISIOLÓGICOS

A natação é o único exercício indicado para todas as idades e é um esporte completo, Já ao nível fisiológico, provoca melhorias da força ao nível mioarticular, pois trabalha todos os grupos musculares, aumenta a flexibilidade e melhora o condicionamento do sistema cardiovascular e cardiorrespiratório.

BENEFÍCIOS:

- Melhora o desenvolvimento neuromotor;

- Aumenta à capacidade cardíaca, seu coração fica muito mais forte;- Ativa e dá mais mobilidade às articulações;- Melhora captação de oxigênio pelos pulmões; - Diminuição da taxa de colesterol facilitando o metabolismo dos açúcares;- Diminuição relativa da pressão arterial e melhora a circulação do sangue no coração (coronárias); - A pressão exercida pela água favorece o retorno venoso, melhorando a circulação sangüínea corporal;

- Combate o estresse e a obesidade;

- Auxilia no tratamento de bronquite e asma;

ASPECTOS PSICOLÓGICOS

Quando o bebê pratica exercícios de natação, existe um equilíbrio emocional estimulados por momentos intensos de descontração, prazer e também por estar com os pais. Por alcançar os objetivos das aulas, aumenta sua autoconfiança, a criança fica mais calma e corajosa, promove a autodisciplina.

Esse esporte contribui para o desenvolvimento do ser humano integral, nos aspectos cognitivo, emocional e social.

A importância da natação para a formação da personalidade e inteligência é algo que não se pode negar. Com os colegas na piscina, as crianças aprendem que cada uma tem sua vez e que todos são importantes.

Um programa de natação para a primeira infância assume o importante papel de educar integralmente a criança, permitindo:• A aquisição do sentimento de confiança, eixo da personalidade e matriz da confiança social;• A seleção e gradação dos estímulos sensoriomotores para obtenção de respostas adaptativas mais adequadas e hierarquicamente úteis para a transferência da aprendizagem;• A adequação aos estímulos perceptivos motores no preciso momento evolutivo, tornando irreprodutível se oferecido mais tarde com as mesmas características naturais e nas mesmas condições;• A utilização da base reflexa antes de sua extinção, para a construção de sistemas funcionais econômicos através de propostas sistemáticas de aprendizagem;• O conhecimento e domínio progressivo do corpo, que facilitam a formação de uma imagem corporal integrada e rica através da sensório - percepção;• A instauração de um vínculo pedagógico personalizado e cooperativo , aberto a mutualidade família – atividade de natação, a fim de formar um arquétipo educativo social prospectivamente válido.

Assim, a importância da natação não é apenas para o desenvolvimento físico da criança, mas também para a formação de sua personalidade e inteligência.

ESTIMULAÇÃO AQUÁTICA PARA BEBÊS – METODOLOGIA DA AULA

No recém nascido, a vida mental reduz-se ao exercício dos aparelhos reflexos que vão melhorando com o treino. E no final do período, a criança já é capaz de usar um instrumento como meio para atingir um objeto, percebe-se que a criança evolui de uma atitude passiva em relação ao ambiente e pessoas de seu mundo para uma atitude ativa e participativa.

"...damo-nos conta de que todo o sentido do desenvolvimento pode ser interpretado como uma descentração progressiva. No início a criança está num estado de confusão total, nada mais possuindo do que seus reflexos hereditários... seus reflexos se transformam em hábitos, depois, pouco a pouco, estruturações se operam por sua atividade própria.... Os processos de acomodação levam-no a estabelecer com o mundo relações de objetividade. Assim, ao estruturar o objeto a criança se estrutura a si mesmo como sujeito. Quanto mais o mundo se torna coerente, tanto mais ele próprio se torna coerente." (Piaget,1991:108).

É extremamente importante que o professor de natação para bebês tenha conhecimento sobre psicologia e fisiologia do desenvolvimento infantil, para que possa propor atividades adequadas ao estágio de maturidade física e psíquica dos bebês.

A natação lactente ou para bebês como é conhecida que vai até os 18 meses de vida não tem haver com a natação propriamente dita, pois a criança no meio aquático relembra da barriga da mãe e sua adaptação é mais lúdica e descontraída.

Iniciando com um banho, molhando sua cabecinha, deixando com que a água caia no seu rosto, sempre com muita alegria e brincando. Com a água no rosto, ela apresenta bloqueios respiratórios. É importante a presença constante do professor e dos pais para que ela se sinta segura. Os movimentos apresentados são rústicos. Batem braços e pernas sem coordenação.

Assim que a criança tem alta do pediatra, ela já pode iniciar suas atividades aquáticas. Deve ser exercitada sempre em decúbito dorsal, para que seja estimulada a visão, o tato e a audição.

Do 4° ao 8° mês o bebê já tem adaptações intencionais manipulando o meio externo. Comunica-se através do choro. É o período mais interessante para se iniciar na natação porque a sua imunidade já está mais desenvolvida. Apresentam bloqueios respiratórios voluntários, principalmente se for um bebê sadio, daí a importância de já iniciar pequeno mergulhos com ele.

Do 8° ao 12° mês elas estimulam um comportamento instrumental e já busca objetos perdidos, é um momento ótimo para se desenvolver na natação e é nessa fase que podemos relacionar exercícios a brinquedos, antes o brinquedo atraia a atenção, nesta fase, ele passa ser o objetivo.

Aos 12 meses o bebê já conhece o professor, já se socializa. Salta da borda, se desloca da água, abre os olhos dentro da água sem auxílio. Já começa a praticar apnéia com duração de 10 a 20 segundos. Pode-se pedir para “soltar bolinhas dentro da água”, jogar brinquedos no fundo da piscina para ele buscar. A utilização de músicas faz a integração entre professor-exercício-aluno. Tem flutuação em decúbito dorsal autônoma de até 15 minutos, troca posições (dorsal, lateral e ventral) e faz giros dentro da água, sua respiração é reflexo da glote.

De 12°ao 24° mês tem reações circulares, tem ampla socialização com as pessoas de seu cotidiano. Na natação já tem movimentos de pernas como o engatinhar e tem maior percepção em relação ao meio ambiente. Seu tempo de apnéia agora é 10 a 30 segundos porque tem mais curiosidade de explorar o meio e sua relação com os brinquedos agora é lúdica, fantasiosa.

Fantasias e músicas são estratégias importantes, coincidindo com a prontidão neurofísica da criança, e aparecem os primeiros sinais de defesa dele como, por exemplo, medo de colocar os pés no fundo da piscina, situação que devemos contornar trabalhando com fantasia. Inicia-se os primeiros movimentos semelhantes ao crawl e costas, a coordenação de braços e pernas em decúbito dorsal, um tanto rudimentar, quando ele se associa melhor na água, atenua o receio pela parte mais funda da piscina. A criança realiza mergulhos, percorrendo distâncias sob a água e buscando superfície, retornando à borda de origem ou ao professor, e a respiração é sob forma de imitação.

NATAÇÃO PARA BEBÊS DE 0 A 2 ANOS - ATIVIDADES PRÁTICAS NA PISCINA

Modelo de aula da Profa. Ms. Linda Denise Fernandes Moreira Pfrimer

A maior parte dos profissionais da Educação Física que ministram aulas de natação para bebês de zero a dois anos trabalha com os bebês acompanhados das mães (ou dos pais ou pessoas bem próximas) dentro da piscina. As aulas de natação para este público têm menor duração (entre 30 e 45 minutos) uma vez que o sistema termo-regulador do bebê ainda não se encontra tão bem desenvolvido e, também, pelo fato de sua capacidade de atenção ser pequena, tornando cansativas atividades com grande tempo de duração.       Diversas atividades estão disponíveis para tornar a aula um momento agradável tanto para os bebês quanto para os seus acompanhantes. O professor deverá conduzir a aula sempre com um semblante alegre, convidando os alunos para a próxima atividade com muita alegria, evitando dar ordens do tipo: "todos batam as pernas" ou "é hora da imersão". Todo o trabalho deve ter um caráter lúdico e envolvente e o professor deverá sempre elogiar as conquistas de cada bebê: "Muito bem!", "Parabéns!", "Que mergulho bonito!".   A seguir, relatamos uma seqüência de atividades que poderão ser propostas durante as aulas de adaptação ao meio líquido dos bebês, visando melhorar seu desenvolvimento psicomotor e afetivo.

1. Entrada do bebê na piscina: Bebê senta-se na borda com a mãe dentro da água, na sua frente, a segurar sua cintura. Ao incentivo do professor o bebê bate as pernas na água enquanto todos cantam a música: "Bate perninha bate./ perninha do meu bebê./ bate perninha bate./ agora é que eu quero ver!” “Mãe entra na piscina e bebê fica na borda (de pé se conseguir, ou sentado). Ao sinal do professor (um, dois, três e tchi bummmmm!) o bebê pula na piscina (sem imergir ainda) e a mãe o conduz pela água (segurando o bebê pelas axilas, em decúbito ventral, com cabeça para fora) cantando a música:“ Bom dia, bom dia, bom dia piscina. O bebê chegou, chegou para nadar, vamos brincar e nos divertir, vamos brincar e aprender a nadar"."Mãe entra com bebê na piscina e o segura de costas pra ela. Todas as mães e seus bebês ficam em círculo com bebês de frente uns para os outros. O professor diz: "Oooooiiiiiiiiii" e as mães aproximam seus bebês rumo ao centro do círculo. Depois o professor diz "Tchaaaaaaaaaaaauuuuu", e as mães puxam de volta seus bebês, formando novamente um circulo grande. Repetir esta atividade duas vezes. "Em círculo, mães seguram os bebês de frente, com as duas mãos abaixo das axilas dele. Cantar a música e virar o bebê de lado, de maneira que molhe a lateral da cabeça e a orelha dele na água. A música é:“ Molha, molha orelhinha. / molha, molha sem parar. / molha, molha orelhinha. / pra bem limpa ela ficar".

2. Atividades da parte principal: "Bebê em decúbito ventral segurando com as duas mãos no pescoço da mãe. Passeio de um lado a outro da piscina (mãe vai andando de costas) estimulando o movimento de bater as pernas do bebê (a mãe simula o movimento segurando nas perninhas do bebê ou o próprio bebê que já consegue realiza o movimento sozinho). Executar este exercício em diferentes momentos da aula variando as músicas: "Marcha soldado./ cabeça de papel./ quem não marchar direito, vai preso no quartel./ o quartel pegou fogo./ Francisco deu sinal / acode, acode acode, a bandeira nacional"."Bate a perninha./ bate sem parar ./ bate a perninha ./ pra poder nadar". "Passeio de um lado a outro da piscina (mãe vai andando de costas), segurando bebê na vertical de frente para a mãe. Ir cantando e deslocando o bebê de um lado para o outro, até imergir o bebê no momento certo da música: A música é: "Zig, zag, zum... vou fazer mais um./ zig, zag, zum.... vou fazer tchi buuuum (imergir o bebê). "Com a mãe encostada na parede da piscina e um dos joelhos elevados com perna flexionada e calcanhar apoiado no joelho da perna de apoio. Colocar o bebê sentado na perna flexionada, de costas para a mãe. Segurar com uma mão em cada mão do bebê e ajudá-lo a executar movimentos de circundação com os dois braços (2 x para frente e 2 x para trás) enquanto se canta a música. "Borboletinha./ está na cozinha./ fazendo chocolate./ para a madrinha./ Potí Potí./ perna de pau./ olho de vidro./ e nariz de pica-pau, pau!". "Com a mãe encostada na parede da piscina e um dos joelhos elevados com perna flexionada e calcanhar apoiado no joelho da perna de apoio. Colocar o bebê sentado na perna flexionada, de costas para a mãe. Segurar com uma mão em cada mão do bebê e ajudá-lo a executar movimentos de abrir e fechar os braços enquanto se canta a música:“ A janelinha abre (abrir os braços) / o sol está aparecendo / a janelinha fecha (fechar os braços) / o sol está se escondendo / Abriu, Fechou / Abriu, Fechou, Abriu / Fechou, Abriu / Fechou, Abriu, Fechou". "Com a mãe encostada na parede da piscina e um dos joelhos elevados com perna flexionada e calcanhar apoiado no joelho da perna de apoio. Colocar o bebê sentado na perna flexionada, de costas para a mãe. Segurar com uma mão em cada tornozelo do bebê e ajudá-lo a executar movimentos da pernada do nado peito enquanto se canta a música: "O sapo não lava o pé / não lava porque não quer / ele mora lá na lagoa / não lava o pé porque não quer / mas que chulé (professora cheira o pé de cada bebê e repete - mas que chulé)". "Todas as mães em círculo segurando seus bebês pelas duas mãos, de costas para elas (o bebê em pé, flutuando, de frente para o centro do círculo e com os bracinhos estendidos acima da cabeça segurando nas mãos da mãe). Balançar o bebê de um lado para o outro 2 x e depois , sem soltar das mãos da mãe, dar um giro no bebê de maneira que o traga para se posicionar atrás da mãe, com a barriga nas costas dela, enquanto cantam a música: "Carrapato da mamãe/ vai e volta sem parar / gira e sobe lá atrás / pra bem juntinho brincar". "Em circulo, mãe e bebê de frente para um para o outro, mãe segurando o bebê abaixo das axilas com as duas mãos. Cantar a música e ir girando em círculo, quando falar "mergulhão", imergir o bebê e voltar, elogiando-o. A música: "Pula sapinho./ pula sapão./ pula bem alto./ pra dar um mergulhão". "Em círculo, mãe segura bebê abaixo das axilas com as duas mãos e de costas para ela. Professor conduz a atividade cantando e executando os movimentos com os braços a serem imitados pelos bebês. A música é: "Enrola, enrola, enrola (com dois punhos fechados e cotovelos flexionados, rolar um punho sobre o outro, na água)./ puxa, puxa, puxa (estender os dois braços acima da cabeça e puxar algo com as mãos)./ faz uma bagunçaaaaaaaaaa! (bater com as duas mãos na superfície da água fazendo espuma). "Em círculo, a mãe segura bebê abaixo das axilas com as duas mãos e de frente para ela. Cantar a música enquanto desliza com o bebê de um lado para o outro e no momento certo executa os movimentos de acordo com os versos: "Eu tenho um patinho lá em casa./ que me ensinou a nadar./ Um passinho pra lá (bebê para a direita)./ um passinho pra cá (bebê para a esquerda)./ bamboleio (mãe faz um círculo na água segurando o bebê)./ tchá tchá tchá.... quen quen (elevar e descer o bebê)... tchá tchá tchá... quen quen(elevar e descer o bebê)./ Mas meu patinho eu não dou./ e não empresto pra ninguém./ Um passinho pra lá (bebê para a direita)./ um passinho pra cá (bebê para a esquerda)./ bamboleio (mãe faz um círculo na água segurando o bebê)./ tchá tchá tchá.... quen quen (elevar e descer o bebê)... tchá tchá tchá... Quen (elevar e descer o bebê)".   "Em círculo, a mãe segura bebê abaixo das axilas com as duas mãos e de frente para ela. Cantar a música enquanto desliza com o bebê de um lado para o outro e no momento certo executa os movimentos de acordo com os versos: “Periquito / periquito/ pareces com papai.... (2x) / Pra cima (mãe eleva bebê fora da água) / pra baixo (mãe desce o bebê) / pra frente (mãe leva o bebê para longe do seu corpo) e para trás (mãe trás o bebê pra próximo do seu corpo)... (2x)". "Em círculo, a mãe segura bebê abaixo das axilas com as duas mãos e de frente para ela. Cantar a música enquanto vai passando seu bebê para a colega da esquerda e virando para receber o bebê que vem da colega da direita. Esta atividade só funciona com o professor fazendo parte do círculo ajudando a passar os bebês de mão em mão, e se as mães não são novatas e já têm intimidade entre si e com os bebês (algumas mães podem ter receio de entregar seu bebê à outra pessoa). Promove o desenvolvimento social do bebê. A música é: "Escravos de jô / jogavam cachangá / Tira / Põe / Deixa ficar / Guerreiros com guerreiros fazem zig zig zá (2x)". "A mãe passeia pela piscina andando de costas com o bebê em decúbito dorsal e cabeça apoiada no ombro da mãe (mãe apóia o bumbum do bebê com uma das mãos). Cantar a música e estimular a batida de pernas do bebê. A música é: "Um, dois, feijão com arroz/ três, quatro, feijão no prato / cinco, seis, molho inglês / sete, oito, comer biscoito / nove, dez, comer pastéis". "Em círculo, mães seguram bebês com as duas mãos embaixo das axilas deles, com bebês de frente para o círculo. Professora dá uma argola pequena para cada bebê e fica com uma para demonstrar o exercício da mágica. Segurando a argola deitada na superfície da água, com a outra mão a professora faz o movimento de misturar algo dentro da argola, dizendo: "Sim salabim bim bim / bom bomromrom bom bom / bum scalabum bum bum / vamos soltar bolinhas pros peixinhos (soprar o ar dentro da água fazendo borbulhas). Estimular que todos os bebês façam o mesmo.    "Vamos pegar a dona aranha? Este exercício precede o exercício a seguir. As mães ficarão a uns dois-três metros distantes da borda da piscina segurando seus bebês em decúbito ventral, com as duas mãos abaixo das axilas dele, de frente para a parede da piscina. Ao sinal "1, 2, 3 e já", as mães imergem seus bebês ajudando-os a ter certa propulsão abaixo da água, e depois os soltam embaixo d'água para que eles sigam sozinhos até conseguirem pegar na parede com as duas mãos. "Passeio da dona aranha. Cada mãe segura seu bebê abaixo das axilas, com ele de costas para a mãe e de frente para a borda. Vão cantando a música da dona aranha e os bebês vão se deslocando de lado (seguros pelas mães) e com as duas mãozinhas na borda da piscina. No momento certo da música, fazer a imersão do bebê, girando-o e depois o pegando quando ele subir à superfície. A música é:   "A dona aranha subiu pela parede / veio a chuva forte e a derrubou / ela é teimosa e desobediente / sobe, sobe, sobe, nunca está contente / tchibuummm (nesta hora, a mãe imerge o bebê de costas para ela e antes de soltá-lo abaixo da água, dá um giro na sua cinturinha de maneira que ele fique de frente pra ela e suba sozinho para a superfície, quando a mãe voltará a pegar o bebê).   "Professora coloca plataforma no fundo da piscina para que os bebês pisem sobre ela e consigam ficar em pé sozinhos com a água na altura do peito. Estimular que os bebês peguem os objetos que a professora for jogando na plataforma, fazendo para isso, uma leve imersão. "Professora coloca uma plataforma no fundo da piscina para que os bebês pisem sobre ela e consigam ficar em pé sozinhos com a água na altura do peito. A professora libera o bebê de um lado da plataforma, ele caminha ao som da música: "Eu vou, eu vou / passear agora eu vou / parará tchibum, parará tchibum / eu vou, eu vou, eu vou" e vai ao encontro da mãe. No final da plataforma o bebê dá um mergulho e mãe o segura quando ele voltar à superfície. "Professora coloca um tapete flutuante na superfície da piscina para que os bebês pisem sobre ele e consigam ficar em pé sozinhos. A professora libera o bebê de um lado do tapete e ele vai engatinhando, andando ou correndo até o outro lado, onde se encontra sua mãe. Quando chegar ao fim do tapete, ele dá um mergulho e a mãe o segura quando ele retornar à superfície, elogiando-o. "Professora coloca um tapete flutuante na superfície da piscina para que os bebês sentem firmes sobre ele e consigam ficar sozinhos nesta posição. Assim, todos os bebês sentados ao mesmo tempo no tapete flutuante e as mães segurando o tapete ao lado dos seus filhos cantando: "A canoa virou / quem deixou ela virar / foi por causa do (nome de um bebê de cada vez) que queria só brincar".   "Vamos brincar com o cavalo marinho!!! Cada mãe fica em cima de um aquatubo (como se fosse uma bicicleta) e coloca seu bebê na sua frente, também em cima do espaguete, com uma perna de cada lado. Sempre deixe a parte da frente do aquatubo (cabeça do cavalo) mais baixa do que a parte de trás do aquatubo (rabo do cavalo) para que a flutuação seja melhor. A mãe vai empurrando o chão com seus pés e se deslocando pela piscina com o bebê em cima do cavalo marinho. "Professora segura o bebê abaixo das axilas dele e com ele de frente para sua mãe, que se encontra a uns dois metros de distância. Ao sinal: "1, 2, 3 e já", a professora imerge o bebê (imersão rasa) e o solta, de maneira que ele suba para a mãe sozinho, até chegar à superfície e ser pego por ela. "Professora segura o bebê abaixo das axilas dele e com ele de frente para sua mãe, que se encontra a uns dois metros de distância. Ao sinal "1, 2, 3 e já" a professora imerge o bebê (imersão profunda), o segura até que ele consiga pegar uma argola no fundo da piscina, e o solta, de maneira que ele suba para a mãe sozinho, até chegar à superfície e ser pego por ela"."Com o bebê sentado ou de pé na borda (de frente para a piscina) e a mãe de frente pra ele dentro da piscina, ele e a mãe batem palmas enquanto a mãe canta a música: "Bate palminha / bate palmão / bate palminha pra dar um mergulhãaaaaaaaaaaao" (bebê mergulha na piscina, a mãe o pega quando ele vier para a superfície da água).

3. Atividades finais: "Cada bebê escolhe um brinquedo preferido no baú de brinquedos da professora (próximo à piscina) e a mãe arremessa este brinquedo dizendo: "Vamos bater a perninha para buscar o........(nome do brinquedo), conduzindo o bebê até lá. Repetir 2 vezes. "Mães em círculo segurando seus bebês de costas para elas e de frente para o círculo. Balançando os bebês de um lado para o outro, bem lentamente, vão cantando com voz baixa e suave, a seguinte música: "Se esta água, se esta água fosse minha / Eu mandava, eu mandava rechear / Com peixinhos, com peixinhos coloridos / Só pro meu, só pro meu bebê nadar". "Brincadeira livre com a mãe“ Exploração dos brinquedos”. É recomendável que o professor execute o mesmo plano de aula por no mínimo duas semanas, para que haja tempo para o bebê entender e assimilar todos os estímulos propostos. O professor poderá inventar suas próprias cantigas e atividades, bastando para isso usar a sua criatividade e bom senso.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Ao término deste trabalho, concluímos que a natação para bebês contribui muito para a formação da criança, tornando-a mais independente, autônoma e participativa. Pode proporcionar situações que aumentem e melhorem suas possibilidades motoras, cognitivas, afetivas e sociais, ajudando, desta forma no crescimento e desenvolvimento do bebê.

A prática ainda na primeira etapa de 0 a 2 anos, desabrocha na criança personalidade, ritmo, determinação e o conhecimento do seu próprio corpo e sua capacidade de executar exercícios mesmo brincando.

É necessário um grande preparo e conhecimento por parte do professor para que as aulas sejam divertidas, segurar e que tenham resultados positivos atingindo desde a maturação da criança até sua saúde.

A natação deve proporcionar o inter-relacionamento entre o prazer e a técnica, através de procedimentos pedagógicos criativos, podendo ser sob formas de jogos, brincadeiras, desde que visando sempre o desenvolvimento da criança.

Este estudo é de fundamental importância para os graduandos e professores de

Educação Física, buscando maximizar os conhecimentos acerca dos principais benefícios da natação para bebês, um mercado relativamente novo e em franca expansão.

REFERÊNCIAS

AZEVEDO, A. M. P.; MORAIS, L. C.; RODRIGUES, L. K. S.; BARBACENA, M. A.; GRISI R. N. F. Os benefícios da natação para bebês de 6 a 24 meses de idade. Disponível em <http://www.prac.ufpb.br/anais/xenex_xienid/xi_enid/monitoriapet/ANAIS/Area6/6CCSDEFMT02-P.pdf>. Acesso em 13 de jun. 2009

Disponível em <http://metodologia43.pbworks.com/TEORIA-DE-JEAN-PIAGET>. Acesso em 15 de jun. 2009

FERREIRA, F. G. Natação para bebês. Disponível em: <http//www.guiadobebê.com.br>.

Acesso em: 10 jan. 2009.

GRISI, Roseni N. F. Natação para Bebês: uma abordagem psicológica das relações pais e

filhos no processo ensino-aprendizagem. Monografia (Especialização em Ciência da

Natação e Hidroginástica) Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, 1994. 32 p.

PFRIMER, L. D. F. M. <http://www.cdof.com.br/natacao9.htm>. Acesso em 16 de jun. 2009

CANOSSA, S.; FERNANDES, R.; CARMO, C.; ANDRADE, A. SOARES, S.; Ensino multidisciplinar em natação: reflexão metodológica e proposta de lista de verificação. Disponível em: <http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/mot/v3n4/v3n4a08.pdf>. Acesso em 11 de jun. 2009.

Comentários