madeira - uso sustentavel na construção civil

madeira - uso sustentavel na construção civil

(Parte 1 de 6)

MADEIRA uso sustentável na construção civil

© 2009, IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S. A. Av. Prof. Almeida Prado, 532 – Cidade Universitária “Armando de Salles Oliveira” CEP 05508-901 – São Paulo – SP ou Caixa Postal 0141 – CEP 01064-970 – São Paulo – SP Telefone (1) 3767-4000 http://www.ipt.br e-mail: ipt@ipt.br

© 2009, Secretaria do Verde e do Meio Ambiente do Município de São Paulo Rua do Paraíso, 387 – Paraíso – CEP 04103-0 – São Paulo – SP Telefone: (1) 3396-3000 http://www.prefeitura.sp.gov.br/svma e-mail: svma@prefeitura.sp.gov.br

© 2009, SindusCon – SP Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo Rua Dona Veridiana, 5 – Santa Cecília CEP 01238-010 – São Paulo – SP Telefone: (1) 3334-5600 http://www.sindusconsp.com.br e-mail: sindusconsp@siindusconsp.com.br

Equipe Técnica CT-Floresta - Centro de Tecnologia de Recursos Florestais – IPT Geraldo José Zenid Ligia Ferrari Torella di Romagnano Marcio Augusto Rabelo Nahuz Maria José de Andrade Casimiro Miranda Oswaldo Poffo Ferreira Sérgio Brazolin

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Madeira : uso sustentável na construção civil / Geraldo José Zenid , coordenador . -- 2. ed. -- São Paulo : Instituto de Pesquisas Tecnológicas : SVMA, 2009. -- (Publicação IPT ; 3010)

Vários autores. Bibliografia.

1. Construção 2. Madeira 3. Materiais de construção 4. Meio ambiente 5. Produtos florestais I. Zenid, Geraldo José . I. Série.

09-00538 CDD-691.1

Índices para catálogo sistemático: 1. Madeira : Uso sustentável : Construção civil 691.1

Projeto gráfico, diagramação e arte da capa: Setor de Editoração da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente do Município de São Paulo

Tiragem: 15.0 exemplares

Secretaria do Verde e do Meio Ambiente do Município de São Paulo Eduardo Coelho e Mello Aulicino Ricardo Walder Elias

Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo André Aranha Campos Francisco A. Vasconcellos Neto Lilian Sarrouf

Publicação disponível nos sítios: w.ipt.br w.prefeitura.sp.gov.br/svma w.sindusconsp.com.br

José Serra Governador

Secretaria de Desenvolvimento

Geraldo Alckmin Secretário

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo

João Fernando Gomes de Oliveira Diretor Presidente

Álvaro José Abackerli Diretor de Operações e Negócios

Altamiro Francisco da Silva Diretor Financeiro e Administrativo

Walter Furlan Diretor de Processos e Tecnologia da Informação

Denise Andrade Rodrigues Diretora de Gestão Estratégica

Gilberto Kassab Prefeito

Secretaria do Verde e do Meio Ambiente do Município de São Paulo

Eduardo Jorge Martins Alves Sobrinho Secretário

Sindicato da Indústria da Construção Civil de São Paulo - SindusCon-SP.

Sergio Tiaki Watanabe Presidente

Cristiano Goldstein Delfino Paiva Teixeira de Freitas Francisco Antunes de Vasconcellos Neto Haruo Ishikawa José Antonio Marsiglio Schuvarz José Carlos Molina José Roberto Pereira Alvim Luiz Antônio Messias Marcos Roberto Campilongo Camargo Maristela Alves Lima Honda Mauricio Linn Bianchi Odair Garcia Senra Paulo Brasil Batistella Vice-presidentes

José Batista Ferreira José Roberto Alves Luís Gustavo Ribeiro Luiz Cláudio Minniti Amoroso Paulo Piagentini Renato Tadeu Parreira Pinto. Ricardo Beschizza Ronaldo de Oliveira Leme Silvio Benito Martini Filho Diretores regionais

Manter em pé a floresta amazônica é essencial não só para que a atividade empresarial do setor madeireiro seja sustentável em longo e médio prazos, mas também para assegurar padrões mínimos de qualidade de vida para os brasileiros. Se eliminarmos a floresta, substituindo-a por pasto, plantações ou área urbana, enfrentaremos, cada vez mais, os problemas causados pelas mudanças climáticas, como inundações, falta de água e poluição do ar, entre outros.

A atividade madeireira ilegal e predatória, assim como as queimadas e o desmatamento ilegal, tem provocado a destruição da Amazônia. Em menos de 50 anos, quase 20% da cobertura florestal da região já desapareceu.

Para os empresários do setor madeireiro e das indústrias compradoras de madeira, como a construção civil, a floresta é importante fonte de matéria-prima. Portanto, conservar a Amazônia é condição fundamental para a continuidade do negócio em longo prazo.

Por isso, proteger a floresta é proteger o seu negócio. A aquisição de madeira certificada FSC e de fontes controladas é fundamental: reduz o risco de quem compra e contribui para a conservação das florestas. O setor da construção civil, o maior consumidor de madeira tropical do país, precisa se conscientizar de que não somente a qualidade e os custos da madeira são importantes, mas também a origem. É preciso adotar políticas de compras responsáveis, restringindo a aquisição de madeira de desmatamento e de fontes ilegais ou desconhecidas.

Para que essa mudança de comportamento das empresas e dos consumidores seja incentivada, é necessário adicionar um ingrediente fundamental: informação. Por esta razão, consideramos estratégico o trabalho pioneiro do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). Em parceria com o SindusCon-SP e com a Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente de São Paulo, o IPT compilou uma série de dados úteis para os compradores de madeira no setor da construção civil.

Construindo cidades e protegendo florestas

Em tempos de drásticas alterações no clima do planeta, é dever do setor produtivo procurar matérias-primas certificadas que valorizem as florestas e, consequentemente, contribuam para a redução de gases do efeito estufa. Este manual é uma importante ferramenta no apoio ao uso sustentável das florestas brasileiras.

Boa Leitura.

Denise Hamú Secretária-geral WWF-Brasil

O WWF-Brasil é uma organização não-governamental brasileira dedicada à conservação da natureza com os objetivos de harmonizar a atividade humana com a conservação da biodiversidade e promover o uso racional dos recursos naturais em benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações. O WWFBrasil, criado em 1996 e sediado em Brasília, desenvolve projetos em todo o país e integra a Rede WWF, a maior rede independente de conservação da natureza, com atuação em mais de 100 países e o apoio de cerca de 5 milhões de pessoas, incluindo associados e voluntários.

A Rede WWF vem trabalhando com empresas do mundo inteiro para que produzam e consumam madeira de forma sustentável. Por intermédio do Programa SIM , o WWF-Brasil tem trabalhado em parceria com empresas florestais para melhorar a forma como manejam as florestas. Entre os associados do Programa estão algumas empresas no estado do Acre e o Grupo de Produtores Florestais Certificados na Amazônia (PFCA).

Maior floresta tropical do mundo, a Amazônia é um patrimônio ambiental que está presente diariamente na economia e na vida dos brasileiros.

Cerca de 20% de toda água doce disponível no planeta encontra-se na bacia amazônica. As chuvas provenientes desta região têm grande responsabilidade no abastecimento de água das grandes metrópoles e na geração de energia, e sua regularidade e abundância propiciam ao Brasil posição de destaque como um dos maiores produtores de alimentos do mundo. Porém, até 2008, mais de 720.0 km² da Amazônia já tinham sido desmatados, uma área equivalente a quase três vezes o tamanho do Estado de São Paulo. O desmatamento da Amazônia, além de colocar em risco sua sobrevivência, contribui para fazer do país o quarto maior emissor de gases de efeito estufa do planeta, já que 75% de nossas emissões são provenientes do uso do solo e do desmatamento de nossas florestas.

A exploração madeireira na Amazônia é um dos vetores que mais contribuem para o avanço desse desmatamento, abrindo fronteiras em áreas de floresta intocadas, criando infra-estrutura de acesso a essas regiões e facilitando a conversão do seu solo para uso agropecuário. Além disso, calcula-se que 80% do total de madeira produzida na região todos os anos seja ilegal. A maior parte desta produção é consumida pelo mercado interno brasileiro, tendo como principal destino a construção civil. Para a indústria madeireira, a madeira proveniente do desmatamento, ilegal ou não, é estrategicamente um mau negócio para o setor, pois significará a extinção deste valioso recurso em curto espaço de tempo. Os danos causados por este modelo de exploração são, muitas vezes, irreversíveis.

Mudar nossos padrões de consumo e produção, banindo o uso de madeira ilegal e de desmatamento, e substituindo-as por produtos provenientes de planos de Manejo Florestal com certificação FSC é fundamental não apenas para a conservação da

Dever de todos

Amazônia, mas também para a sobrevivência econômica das populações que dependem dos recursos da floresta. Adquirir madeira certificada, além de garantia de procedência, significa também respeito às leis trabalhistas, fiscais e aos direitos e costumes das populações tradicionais.

O trabalho apresentado a seguir, realizado pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), juntamente com o SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo) e com a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente do Municipío de São Paulo, é uma importantíssima ferramenta para essa mudança. É fundamental apresentar soluções e alternativas a todos que querem ajudar a salvar a Amazônia.

(Parte 1 de 6)

Comentários