O aborto e a enfermagem no brasil

O aborto e a enfermagem no brasil

O tema aborto pode desencadear diferentes reações, desde o silêncio até inflamadas discussões.

A participação dos profissionais de enfermagem na realização de abortos legais tem favorecido a revisão de seus valores, sentimentos e até possíveis modificações no modo de enfrentar tais situações. Sendo assim, propomos discussões e estratégias de uma nova relação entre as clientes e os profissionais para tornar a assistência de enfermagem perante o abortomais humanizada.

ESTE TRABALHO É uma pesquisa tipo bibliográfica que objetiva esclarecer questões à cerca do aborto, como seu histórico, meios abortivos, legislação brasileira referente ao aborto. A conduta no cuidado de enfermagem prestado à mulher que esta em processode abortamento.

etimologia da palvra

aborto ab-ortus = privação do nascimento Fonte: livro: iniciação ao latim

Segundo a organização mundial de saúde o Aborto é definido como a interrupção da gestação com concepto ATÉ 2 SEMANAS OU

pesando menos de 500 gramas E MEDINDO ATÉ 16 cm.

fonte:http://w.opas.org.br/ ocorre involuntariamente por acidente, anormalidades orgânicas da mulher ou defeitos do próprio Ovo.

Ocorre normalmente nos 1º dias ou semanas da gravidez, com um sangramento quase igual ao fluxo

menstrual, podendo confundir muitas vezes a mulher do que realmente está acontecendo.

fonte: CHAVES, Netto, Hemógenese Augusto, Renato, Obstetrícia básica, São Paulo: 2ª Ed, 2007

Aborto espontâneo DIVIDE-SE EM DOIS TIPOS

1.IMINENTE: AMEAÇA DE ABORTO

2.INEVITÁVEL: OCORRE A DILATAÇÃO DO ÚTERO

LIVRO: CHAVES, Netto, Hemógenese Augusto, Renato, Obstetrícia básica, São Paulo: 2ª Ed, 2007

1.Incompleto

2.COMPLETO

3.RETIDO LIVRO: CHAVES, Netto, Hemógenes e Augusto, Renato, Obstetrícia básica, São Paulo: 2ª Ed, 2007 aborto inevitável dividESE em três tipos:

Aborto provocado tem como causador um agente externo, que pode ser um profissional ou um “leigo”. É a interrupção deliberada da

gravidez pela extração do produto da fecundação na cavidade uterina.

fonte:http://w.aborto.com.br/tipos/index2.htm

Aborto provocado

O aborto provocado é a 3ª causa de

mortalidade materna em todo o mundo

•sucção ou aspiração; •curetagem;

•Injeção de soluções salinas;

•Micro cesariana;

•Parto parcial OU SUFOCAMENTO;

•Drogas e Plantas;

•Esquartejamento;

DECRETO-LEI Nº2.848

•Aborto provocado pela gestante ou com seu consentimento

Art. 124 - Provocar aborto em

si mesma ou consentir que

outrem lho provoque:

Pena - detenção, de um a três anos.

FONTE:HTTP//W.PLANALTO.GOV.BR/CCIVIL03/DECRETO-LEI/DEL2848.HTM

•Aborto provocado por terceiro

o consentimento da gestante:

Pena - reclusão, de três a dez anos.

Art. 126 - Provocar aborto com

o consentimento da gestante:

Pena - reclusão, de um a quatro anos. FONTE:HTTP//W.PLANALTO.GOV.BR/CCIVIL03/DECRETO-LEI/DEL2848.HTM

•Parágrafo único. Aplica-se a

pena do artigo anterior, se a

gestante não é maior de

quatorze anos, ou é alienada

ou debil mental, ou se o

consentimento é obtido

mediante fraude, grave ameaçaou violência

FONTE:HTTP//W.PLANALTO.GOV.BR/CCIVIL03/DECRETO-LEI/DEL2848.HTM

•Forma qualificada

Art. 127 - As penas cominadas nos

dois artigos anteriores são

aumentadas de um terço, se, em

conseqüência do aborto ou dos

meios empregados para provocá-

lo, a gestante sofre lesão

corporal de natureza grave; e

são duplicadas, se, por qualquer

dessas causas, lhe sobrevém a

morte. FONTE:HTTP//W.PLANALTO.GOV.BR/CCIVIL03/DECRETO-LEI/DEL2848.HTM

Art. 128 - Não se pune o aborto

praticado por médico:

Aborto necessário

I - se não há outro meio de salvar a vida da gestante;

Aborto no caso de gravidez resultante de estupro

I - se a gravidez resulta de estupro e o aborto é precedido de consentimento da gestante ou, quando incapaz, de seu representantelegal. FONTE:http://w.planalto.gov.br/CCIVIL/Decreto-Lei/Del2848.htm

...”A enfermagem compreende um componente próprio de conhecimentos científicos e técnicos, construído e reproduzido por um

conjunto de práticas sociais, éticas e

políticas que se processa pelo ensino,

pesquisa e assistência. Realiza-se na

prestação de serviços à pessoa, família e

coletividade, no seu contexto e

circunstâncias de vidA”... FONTE: http://www.portalcofen.gov.br/2007/materias.asp?ArticleID=7323§ionID=37

...“O profissional de enfermagem atua na promoção, prevenção, recuperação e

reabilitação da saúde, com autonomia e em

consonância com os preceitos éticos e

legAis”...

...“O profissional de enfermagem respeita a

vida, a dignidade e os direitos humanos, em

todas as suas dimensões.

O profissional de enfermagem exerce suas atividades com competência para a promoção do ser humano na sua integralidade, de acordo com os princípios da ética e da bioéticA”...

Art. 10 -Recusar-se a executar atividades que não sejam de sua competência técnica,

científica, ética e legal ou que não ofereçam segurança ao profissional, à

Pessoa, família e coletividade.

Art. 15 - Prestar assistência de enfermagem sem discriminação de qualquernatureza.

Art. 28 - Provocar aborto, ou

cooperar em prática destinada a

interrompera gestação.

Parágrafo único - Nos casos

previstos em lei, o profissional

deverá decidir, de acordo com a

sua consciência, sobre a sua

participação ou não no ato abortivo.

FONTE:http://w.portalcofen.gov.br/2007/materias.asp?ArticleID=7323§ionID=37

aplicável nos casos de infrações

deste Código. FONTE:http://w.portalcofen.gov.br/2007/materias.asp?ArticleID=7323§ionID=37

Art. 128 - A pena de suspensão do

exercício profissional é aplicável nos

casos de infrações ao que está estabelecido nos artigos: 8º; 9º; 12; 15;

Art.129 - A pena de cassação do direito

ao exercício profissional é aplicável nos casos de infrações ao que está

29; 78 e 79 deste Código. FONTE:http://w.portalcofen.gov.br/2007/materias.asp?ArticleID=7323§ionID=37

“todos os países do mundo desenvolveram regulamentações legais próprias para a prática do aborto em seu território, onde cerca de 25% da população mundial vive em países onde o aborto é ilegal, no qual a América

Latina, com exceção de Cuba e

Guiana, o aborto enfrenta sérias restrições legAis” (LOUREIRO;

FONTE: W.DIREITONET.COM.BR/ARTIGO/EXIBIR/5022/TIPOS-DE-ABORTO-E-A-PROBLEMATICA-DO ABORTO-DE-FETOSANENCÉFALOS

FETO COM 4 SEMANAS.

FONTE: http://fotosaborto.deog.net/

FETO COM 8 E 10 SEMANAS FONTE: http://fotosaborto.deog.net/

FONTE: Http://W.fotosaborto.deog.net

FETO entre 7 e 12 semanas.

FONTE: Http://W.fotosaborto.deog.net

“Restos” de fetos AboRtAdos POR SUCÇÃO OU ASPIRAÇÃO

FONTE: Http://W.fotosaborto.deog.net

ABORTO POR CURETAGEM FONTE: Http://W.fotosaborto.deog.net

ABORTO COM SOLUÇÃO SALINA FETO COM 5 MESES

FONTE: http://W.fotosaborto.deog.net

FONTE: Http://W.fotosaborto.deog.net

ABORTO POR CESARIANA FETO COM 6 MESES

FONTE: Http://W.fotosaborto.deog.net

FETO COM 8 MESES

FONTE: Http://W.fotosaborto.deog.net

1 -Sequelas psicológicas do aborto na mulher

RELACIONAMENTO FONTE:Http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/comites_mortalidade_materna_M.pdf

2 -Sequelas físicas do aborto na mulher

•Insuficiência do colo uterino favorecendo abortos sucessivos •Partos prematuros

•Esterilidade

•Danos causados às trompas por possível infecção pós-aborto •PLACENTA PRÉVIA

FONTE:Http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/comites_mortalidade_materna_M.pdf

• O enfermeiro como educador deve atuar em sociedade difundindo conhecimento sobre meios contraceptivos e conscientização da família e da população feminina em idade reprodutiva na prevenção da prática do aborto.

• É fundamental não julgar nem discriminar a mulher nas condições de abortamento

provocado.

• prestar assistência e cuidados com a paciente, proporcionando bem estar físico e mental.

FONTE:Http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/comites_mort alidade_materna_M.pdf

FONTE: Http://W.fotosaborto.deog.net

DEIXA NASCER??? http://www.aborto.com.br/etapasfeto/index.htm

Nosso país, o Brasil PROÍBE O ABORTO.

As mulheres que procuram tal procedimento são julgadas e

Cabe a nós futuros EnfermEIROS mudar

essa situação.

Empenhar-nos com garra na prática preventiva levando o conhecimento e conscientizaçãoa toda população.

Dessa maneira poderemos honrar nosso juramento em favor da vida e O nosso Código de Ética

Profissional.

E quem sabe, um dia, terEmos um país conscientizado em respeitar a vida desde a sua forma mais

primitiva, e TEREMOS mulheres mais saudáveis e felizes em todo território nacional.

Cabe a nós futuros enfermEIROS!

•vÍdeo: Youtube “digA NÃo Ao AboRto”

CHAVES, Netto, Hemógenes e Augusto, Renato, Obstetrícia básica, São Paulo: 2ª Ed, 2007

•Conselho Regional de Enfermagem do Rio de Janeiro. Legislação. Rio de Janeiro: 2007.

SCHOR, Néia; ALVARENGA, Augusta T. de. O aborto: um resgate histórico e outros dados. Disponível em: HTTP://W.ESP.USP.BR/SCHOR.HTM SITE: HTTP://W.ABORTO.COM.BR/TIPOS/INDEX2.HTM SITE: HTTP://W.DIREITONET.COM.BR/ARTIGO/EXIBIR/5022/TIPOS-DE-ABORTO-EA-PROBLEMATICA-DO ABORTO-DE-FETOS-ANENCÉFALOS SITE: HTTP//W.FOTOSSEARCH.COM.BR/FOTOS-IMAGENSBEB%C3%AA14.HTML SITE: HTTP//W.PLANALTO.GOV.BR/CCIVIL03/DECRETO-LEI/DEL2848.HTM SITE:Http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/comites_mortalida de_materna_M.pdf

OUTRAS FONTES: Revista Veja (08/07/1998) ; revista época –Ed. 465 (26/04/2007)

Flávia Fidelis

Keila Céspede

Lúcia Ferreira Rosângela muniz

Trabalho de aproveitamento do curso de Enfermagem;

2º período; disciplina: Exercício de

Enfermagem;

professora: Luciane Versillo; turma: EN 221.

Comentários