Anemias

Anemias

(Parte 1 de 6)

Rio de Janeiro, novembro/ 2009.

Flávia Fidelis Gilmar Soares

Guaraci Miranda

Lúcia Ferreira Lúcia Medina Lucimar Santos

Trabalho de aproveitamento do curso de Enfermagem; 3º período; disciplina: Processos patológicos gerais; professor: Daniel Melo; turma: EN 321.

Rio de Janeiro/ 2009.

Introdução

Anemia é definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como a condição na qual o conteúdo de hemoglobina no sangue está abaixo do normal como resultado da carência de um ou mais nutrientes essenciais, seja qual for a causa dessa deficiência. A hemoglobina é o pigmento dos glóbulos vermelhos (eritrócitos) e tem a função vital de transportar o oxigênio dos pulmões aos tecidos. Os valores normais para a concentração de hemoglobina sanguínea é de 13g∕dL para homens, 12 g ∕dL para mulheres e 1 g ∕dL para gestantes e crianças entre 6 meses e 6 anos.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, 30% da população mundial é anêmica, sendo que sua prevalência entre as crianças menores de 2 anos chega a quase 50%.

São várias as causas de anemia, sendo a anemia por deficiência de ferro a mais prevalente em todo o mundo. Crianças, gestantes, lactantes (mulheres que estão amamentando), meninas adolescentes e mulheres adultas em fase de reprodução são os grupos mais afetados pela doença, muito embora homens -adolescentes e adultos- e os idosos também possam ser afetados por ela.

Os pacientes com anemia têm uma significante redução na massa de hemácias, e uma diminuição correspondente na capacidade do sangue de transportar oxigênio. O volume total de sangue é mantido num nível constante, o que significa que o sangue fica mais diluído, com menor concentração de hemácias. A anemia é definida como uma redução maior que 10% dos valores normais de hemácias, para os dois sexos.

As hemácias são produzidas, nos adultos, pela medula óssea. A sua produção é estimulada por uma substância produzida no rim, a eritropoietina e é dependente da presença de ferros, vitaminas de complexo B, ácido fólico e proteínas. As hemácias, depois que saem da medula, sobrevivem, em média, por 120 dias, sendo então destruídas.

Tipos de anemia

Qualquer condição passível de comprometer a produção ou de aumentar a taxa de destruição ou de perda dos glóbulos vermelhos pode resultar em anemia, se a medula óssea não conseguir compensar a perda dos glóbulos vermelhos, ou mesmo um aumento das necessidades de ferro, como ocorre em crianças durante períodos de crescimento acelerado ou em mulheres durante a gestação e amamentação.

Os principais tipos de anemia são:

Anemia da carência de ferro (anemia ferropriva) Anemia das carências de vitamina B12 e de ácido fólico (anemia perniciosa)

Anemia das doenças crônicas

Anemias por defeitos genéticos: - anemia de células falciformes

- talassemias

- esferocitose

- deficiência de glicose-6-fosfato-desidrogenase (favismo)

Anemias por agressão periférica aos eritrócitos: - malária

- anemias hemolíticas imunológicas

- anemia por fragmentação dos eritrócitos

Anemias decorrentes de doenças da medula óssea: - anemia aplásica

- leucemias e tumores na medula

Anemia é a desordem mais comum do sangue. Há vários tipos de anemia, produzidos por uma variedade de causas. Anemia é classificada pelo tamanho da célula vermelha sanguínea: diminuída (microcítica), normal (normocítica) ou aumentada (macrocítica ou megaloblástica).

Sinais e sintomas

Os sinais e os sintomas de anemia dependem da doença base, assim como da gravidade e da rapidez de sua instalação. Muitos dos sinais e sintomas da anemia representam ajustes cardíacos e pulmonares compensatórios à diminuição das hemácias. Se a anemia desenvolveu-se rapidamente, não há tempo para estes ajustes e o paciente tem sintomas e sinais mais severos do que outro com anemia da mesma intensidade, que se desenvolveu lentamente.

Indivíduos com anemia ligeira, geralmente não apresentam sintomas ou podem se queixar de fadiga, dispnéia e palpitação. Pacientes com anemia severa, freqüentemente são sintomáticos, mesmo em repouso, tendo dificuldades para tolerar exercícios. Os pulsos são amplos e o ritmo cardíaco é rápido. O paciente queixa-se de tonteiras, cefaléia e pode desmaiar. Anorexia e indigestão são freqüentes. As mulheres freqüentemente têm distúrbios menstruais. A palidez das mucosas e das linhas da mão são bons indicadores do grau da anemia.

Portanto, os principais sinais e sintomas são: fadiga generalizada, anorexia (falta de apetite), palidez de pele e mucosas (parte interna do olho, gengivas), menor disposição para o trabalho, dificuldade de aprendizagem nas crianças, apatia (crianças muito "paradas").

Causas

Fatores genéticos que alteram a formação das hemácias, células em forma de disco que dão a cor vermelha ao sangue, devido ao pigmento chamado hemoglobulina.

Destruição dos glóbulos vermelhos devido a falhas no sistema imunológico ou em reação a certos medicamentos.

Deficiência de vitamina B12 devido a problemas digestivos, falhas de absorção da vitamina, dieta pobre em carne, leite, ovos e leite.

Problemas na medula óssea devido a infecções virais, hepatite A, B e C; exposição a radiações ou ambientes tóxicos.

Tipos de anemia

Existem vários tipos de anemia:

Anemia aplásica - A medula óssea não produz número adequado de elementos do sangue periférico.

Anemia ferropriva - É a forma mais comum da doença, causada por falta de ferro no organismo. Aparece, em geral, em mulheres, devido a alimentação inadequada, durante a gestação ou amamentação, ou em idosos, devido a dieta pobre em ferro.

Anemia por deficiência em ácido fólico - A suplementação de ácido fólico, antes da gravidez e nos primeiros meses de gestação, pode prevenir alguns defeitos congênitos no feto, como a espinha bífica.

As formas mais raras são:

Anemia falciforme - A doença, caracterizada pela incapacidade de os glóbulos vermelhos transportarem oxigênio para os tecidos do corpo, afeta, principalmente, os negros. Começa a manifestar-se no final do primeiro ano de vida, mas pode ser diagnosticada, por amniocentese, no segundo trimestre da gestação.

Talassemia - Ocasionada pelo acúmulo deficiente de hemoglobina, com anormalidade das hemácias, é uma doença hereditária, prevalente na região do Mediterrâneo, Oriente Médio e Sudeste Asiático. Existe em forma mais branda e em forma severa.

Anemia perniciosa - Doença causada pela incapacidade de o organismo absorver vitamina B12.

Diagnóstico

As anemias são diagnosticadas por determinados sinais clínicos e laboratoriais, dos quais o mais importante é a diminuição da taxa de hemoglobina. São várias as etapas de diagnóstico. A primeira visa saber se trata de uma anemia por falta de produção, por excesso de destruição ou por perda hemorrágica. Os exames de laboratório são:

Hemograma - para contagem de glóbulos vermelhos, brancos, plaquetas, reticulócitos, nível de B12, ferro, ácido fólico, G6PD, tamanho e formato das hemácias.

Eletroforese da hemoglobina, para checar hemoglobinas anormais.

Exame de urina, para medir a excreção do ácido metilmalônico.

(Parte 1 de 6)

Comentários