Guia prático para coleta de sangue

Guia prático para coleta de sangue

(Parte 2 de 4)

NEM sempre os neonatos sangram imediatamente; se a gota de sangue não fluir livremente, efetuar uma massagem leve para se obter uma gota bem redonda (esta massagem no local da punção não deve ser firme e nem causar pressão, pois pode ocorrer contaminação).

10.As gotas de sangue são captadas pelo funil ou tubo-capilar; 1.Quando o microtubo estiver com o seu volume completo, troque-o pelo subseqüente, na seqüência correta de coleta.

ATENÇÃO: ao coletar amostras com capilar, o tubo de EDTA sempre deve ser o primeiro e em seguida o de sorologia (Esta seqüência é oposta ao da coleta tradicional para sangue venoso, mas minimiza o efeito de influência da coagulação nos resultados de análise).

12.Após a coleta do último microtubo, o funil ou tubo-capilar deve ser removido e descartado. Agora o microtubo pode ser gentilmente homogeneizado.

NOTA: Agitar vigorosamente pode causar espuma e hemólise. Nos microtubos com anticoagulante, homogeneização inadequada pode resultar em agregação plaquetária e/ou microcoágulos.

13.Após a coleta, pressionar o local da punção com gaze seca estéril até parar o sangramento. 14.Descartar todo o material utilizado na coleta nos descartadores apropriados.

Guia prático para coleta de sangue. Figura - 28

Figura - 01 Figura - 02

As veias são tubos nos quais o sangue circula, da periferia para o centro do sistema circulatório, que é o coração. As veias podem ser classificadas em: veias de grande, médio e pequeno calibre, e vênulas. De 1acordo com a sua localização, as veias podem ser superficiais ou profundas. As veias superficiais são subcutâneas e com freqüência visível por transparência da pele, sendo mais calibrosas nos membros. Devido à sua situação subcutânea permitir visualização ou sensação 1, 13táctil, são nessas veias que se fazem normalmente à coleta de sangue. (Fig. 03) As veias mais usuais para a coleta de sangue são:

Escolher uma região de punção envolve algumas considerações: Selecionar uma veia que é facilmente palpável; •Não selecionar um local no braço ao lado de uma mastectomia;

•Não selecionar um local no braço onde o paciente foi submetido a uma infusão intravenosa;

•Não selecionar um local com hematoma, edema ou contusão;

•Não selecionar um local com múltiplas punções.

TENTE ISTO, se tiver dificuldade em localizar uma veia:

•Recomenda-se utilizar uma bolsa de água quente por mais ou menos cinco minutos sobre o local da punção e em seguida garrotear;

•Nos casos mais complicados, colocar o paciente deitado com o braço acomodado ao lado do corpo e garrotear com o esfigmomanômetro (em P.A. média) por um minuto.

NUNCA aplicar tapinhas no local a ser puncionado, principalmente em idosos, pois se forem portadores de ateroma poderá haver deslocamentos das placas acarretando sérias conseqüências. D) Técnica para coleta de sangue a vácuo Antes de iniciar uma venipunção, certificar-se de que o material abaixo será de fácil acesso: 01.Tubos necessários à coleta; 02.Etiqueta para identificação do paciente;

A)Técnica para microcoleta de sangue capilar

Antes de iniciar uma microcoleta, certificar-se de que o material abaixo será de fácil acesso: 1.Microtubos necessários à coleta; 2.Etiquetas para identificação do paciente; 3. Luvas; 4.Swabs de algodão embebida em álcool etílico a 70%; 5.Gaze seca e estéril; 6. Lancetas; 7. Bandagem, esparadrapo; 8.Descartador de material pérfuro-cortante.

Antes de iniciar a punção: -Acoplar o microtubo ao tubo carregador ou de transporte.

-Manter o microtubo conectado ao tubo carregador numa estante de sustentação.

-Introduzir o funil ou tubo capilar através da tampa de borracha.

Após o material estar preparado, iniciar a punção:

1.Verificar quais os exames a serem realizados; 2.Aquecer a falange distal ou o calcanhar a ser puncionado usando uma bolsa de água-quente ou friccionando o local da punção para estimular a vascularização; 3.Lavar e secar as mãos; 4.Calçar luvas; 5.Fazer antissepsia do local com algodão embebido em álcool etílico a 70%; 6.Secar o local da punção com uma gaze estéril; 7.Selecionar a lanceta; 8.Segurar firmemente o neonato ou bebê, para evitar movimentos imprevistos. 8.1)Punção digital:

Posicionar o dedo e introduzir a lanceta de forma perpendicular na face lateral interna da falange (Fig. 27).

Guia prático para coleta de sangue.

Figura - 27

Figura - 03

Veia basílica Veia Cefálica

Veia mediana cubital

Veia mediana cefálica Veia longitudinal (ou antebraquial)

Veia mediana basílica

Veia do dorso da mão Veia marginal da mão

03. Luvas; 04.Swabs ou mecha de algodão embebida em álcool etílico a 70%; 05.Gaze seca e estéril; 06. Agulhas múltiplas; 07.Adaptador para coleta a vácuo; 08. Garrote; 09. Bandagem, esparadrapo; 10.Descartador de agulhas.

A "ordem de coleta" recomendada, segundo a NCCLS (National Committee for Clinical Laboratory Standard), quando há necessidade de se coletar várias amostras de um mesmo paciente, durante 11uma mesma venipunção , é a seguinte:

Após o material estar preparado, iniciar a venipunção:

Primeiro, do centro do local de perfuração para fora, em sentido espiral (Fig. 04/A); e após, de baixo para cima, forçando uma vascularização local (Fig. 4/B). 2NUNCA toque o local da punção após antissepsia, exceto com luvas estéreis.

05.Remover a capa inferior da agulha múltipla.

06.Conectá-la ao adaptador. Estar certo de que a agulha esteja firme para assegurar que não solte durante o uso (Fig. 06/A). Remover a capa

A microcoleta é um processo de escolha para obtenção de sangue venoso ou periférico, especialmente em pacientes pediátricos, quando o volume a ser coletado é menor que o obtido através de tubos a vácuo convencionais. O sangue obtido de punção capilar é composto por uma mistura de sangue de arteríola e vênulas além de fluidos intercelular e intersticial. O sangue capilar pode ser assim obtido: punção digital - através de perfuração com lanceta na face palmar interna da falange distal do dedo médio. Punção de calcanhar - através de perfuração com lanceta na face lateral plantar do calcanhar. Há uma relação linear entre o volume de sangue coletado e a profundidade da perfuração no local da punção. Portanto, a lanceta, deverá ser selecionada de acordo com o local a ser puncionado e a quantidade de 12sangue necessária. Em neonatos e bebês, a profundidade da incisão é crítica, não devendo ultrapassar 2.4 m., caso contrário, haverá a possibilidade de causar sérias lesões no osso calcâneo e falange. Isto pode ser evitado usando lancetas de aproximadamente 2 - 2.25 m. de profundidade, com disparo semi-automático com dispositivo de segurança (Fig. 26).

A coleta de sangue em bebês e neonatos é freqüentemente problemática e difícil, necessitando um profissional experiente e capacitado. O sistema de microcoleta facilita muito o trabalho, contribuindo para que a coleta possa ser mais fácil, segura e eficiente. Dessa forma é possível coletar sangue capilar e venoso. Desde que o método tradicional para a coleta de sangue a vácuo não seja possível em neonatos e bebês deve-se recorrer ao sistema de microcoleta. A microcoleta pode ser realizada de várias formas : •amostra capilar com microtubos e funil;

•amostra capilar com microtubos e tubo capilar;

•amostra venosa com escalpe (butterfly);

I - Introdução I - Utilização do Método Microcoleta

Guia prático para coleta de sangue.

Figura - 26

Lanceta

Epiderme

Derme Capilar

Gordura Subcutânea

(Parte 2 de 4)

Comentários