Guia prático para coleta de sangue

Guia prático para coleta de sangue

(Parte 3 de 4)

Figura - 05 Figura - 04/AFigura - 04/B

03.Aderência do bisel na parede interna da veia (Fig. 24). Solução: desconectar o tubo, girar suavemente o adaptador, liberando o bisel e reiniciar a coleta.

04.Colabamento da veia (Fig. 25). Solução: diminuir a pressão do garrote.

Outras situações podem ser criadas no momento da coleta, dificultando-a:

•Agulha de calibre incompatível com a veia. •Estase venosa devido a garroteamento prolongado.

•Bisel voltado para baixo.

superior da agulha múltipla, mantendo o bisel voltado para cima (Fig. 06/B). 07.Colocar o garrote (Fig. 07).

08.O sistema agulha-adaptador deve ser apoiado na palma da mão e seguro firmemente entre o indicador e o polegar (Fig. 08).

09.No ato da punção, com o indicador ou polegar de uma das mãos esticar a pele do paciente firmando a veia escolhida e com o sistema agulha-adaptador na outra mão, puncionar a veia com precisão e rapidez (movimento único) (Fig. 09).

10.O sistema agulha-adaptador deve estar em um ângulo de coleta de 15º em

Guia prático para coleta de sangue. Figura - 24

Figura - 25 Figura - 09

Figura - 08

Figura - 07 Figura - 06/AFigura - 06/B relação ao braço do paciente (Fig. 10)

1.Segurando firmemente o sistema agulhaadaptador com uma das mãos, com a outra pegar o tubo de coleta a ser utilizado e conectá-lo ao adaptador. NOTA: Sempre que possível, a mão que estiver puncionando deverá controlar o sistema, pois durante a coleta, a mudança de mão poderá provocar alteração indevida na posição da agulha (Fig. 1).

12.Com o tubo de coleta dentro do adaptador, pressione-o com o polegar, até que a tampa tenha sido penetrada (Fig. 12/A e B).

NOTA: Sempre manter o tubo pressionado pelo polegar assegurando um ótimo preenchimento.

13.Tão logo o sangue flua para dentro do tubo coletor, o garrote deve ser retirado. Porém,

Algumas dificuldades podem surgir pela inexperiência do uso do sistema a vácuo, sendo a mais freqüente a falta de fluxo sangüíneo para dentro do tubo.

Possíveis causas:

01.A punção foi muito profunda e transfixou a veia (Fig. 2). Solução: retrair a agulha.

02.A agulha se localizou ao lado da veia, sem atingir a luz do vaso (Fig. 23). Solução: apalpar a veia, localizar sua trajetória e corrigir o posicionamento da agulha, aprofundando-a.

•Pacientes idosos ou em uso de anticoagulantes, devem manter pressão sobre o local de punção por cerca de 3 minutos ou até parar o sangramento. •Orientar para não carregar peso imediatamente após a coleta.

•Observar se não está usando relógio, pulseira ou mesmo vestimenta que possa estar garroteando o braço puncionado. •Orientar para não massagear o local da punção enquanto pressiona o local.

•A compressão do local de punção é de responsabilidade do coletor. Se não puder executá-lo, deverá estar atento à maneira do paciente fazê-lo.

V - Cuidados Básicos com o Paciente após a Coleta

VI - Dificuldades na Coleta 17

Guia prático para coleta de sangue.

Figura - 2

Figura - 23 Figura - 12/BFigura - 12/A

Figura - 1

Figura - 10 se a veia for muito fina o garrote poderá ser mantido.

14.Quando o tubo estiver cheio e o fluxo sangüíneo cessar, remova-o do adaptador trocando-o pelo seguinte (Fig. 13).

15.Acoplar o tubo subseqüente em ordem específica a cada um dos exames solicitados, sempre seguindo a seqüência correta de coleta (Fig. 14/A e B).

16.À medida que forem preenchidos os tubos, homogeneizá-los gentilmente por inversão (4 a 6 vezes) (Fig. 15).

01.Agitar vigorosamente pode causar espuma ou hemólise. 02.Não homogeneizar ou homogeneizar insuficientemente os tubos de sorologia pode resultar em uma demora na coagulação. 03.Nos tubos com anticoagulante, homogeneização inadequada pode resultar em agregação plaquetária 9e/ou microcoágulos.

•Crianças maiores, de forma geral, colaboram para que possa fazer uma venipunção sentada. Existem duas maneiras confortáveis de se posicionar uma criança.

1)Uma delas é colocar a criança de lado, no colo do acompanhante, ficando de lado para o coletador. Um dos braços da criança ficará abraçando o acompanhante e o outro posicionado para o coletador. Dessa forma, o acompanhante desviará a atenção da criança para si segurando o rosto da mesma com uma das mãos. O auxiliar ficará posicionado ao lado do coletador onde com uma das mãos segurará o braço da criança próximo ao garrote e com a outra mão próximo ao pulso. O coletador de frente para a criança faz a venipunção seguindo os mesmos passos utilizados para a punção em adulto (Fig. 20).

2)A outra, é colocar a criança no colo do acompanhante, de frente para ele com as pernas abertas e entrelaçadas a seu corpo, na altura da cintura. O acompanhante estará abraçado a criança e de costas ou de lado para o coletador. O braço da criança ficará estendido na direção do coletador sob o braço do acompanhante. O auxiliar ficará posicionado ao lado do coletador onde com uma das mãos segurará o braço da criança próximo ao garrote e com a outra mão próximo ao pulso. O coletador de frente para a criança faz a venipunção seguindo os mesmos passos utilizados para a punção em adulto (Fig. 21).

Guia prático para coleta de sangue. Figura - 20

Figura - 15

Figura - 14/A Figura - 21/A

Figura - 21/B

Figura - 13 Figura - 14/B

17.Tão logo termine a coleta do último tubo retirar à agulha (Fig. 16).

18.Com uma mecha de algodão exercer pressão sobre o local da punção, sem dobrar o braço, até parar de sangrar (Fig. 17).

19.Uma vez estancado o sangramento aplicar uma bandagem.

20.A agulha deve ser descartada em recipiente próprio para materiais infecto contaminantes. (Fig. 18/A e B)

IV - Coleta de Sangue Infantil

A) Sala de espera

(Parte 3 de 4)

Comentários