(Parte 1 de 10)

CCCCESNORSESNORSESNORSESNORS–––– FREDERICO WESTPHALEN FREDERICO WESTPHALEN FREDERICO WESTPHALEN FREDERICO WESTPHALEN
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTALDEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTALDEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTALDEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL
DISCIPLINA DE FISIOLOGIA VEGETALDISCIPLINA DE FISIOLOGIA VEGETALDISCIPLINA DE FISIOLOGIA VEGETALDISCIPLINA DE FISIOLOGIA VEGETAL
PROFª.PROFª.PROFª.PROFªADRIANA TOURINHO SALAMONIADRIANA TOURINHO SALAMONIADRIANA TOURINHO SALAMONIADRIANA TOURINHO SALAMONI
APOSTILAAPOSTILAAPOSTILAAPOSTILA DE AULAS TEÓRICAS DE AULAS TEÓRICAS DE AULAS TEÓRICAS DE AULAS TEÓRICASE PRÁTICAS E PRÁTICAS E PRÁTICAS E PRÁTICAS DE DE DE DE
FISIOLOGIA VEGETALFISIOLOGIA VEGETALFISIOLOGIA VEGETALFISIOLOGIA VEGETAL
Frederico westphalenFrederico westphalenFrederico westphalenFrederico westphalen

UUUUNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIANIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIANIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIANIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA 2222°/200°/200°/200°/2009999

CAPÍTULO I: CAPÍTULO I: CAPÍTULO I: CAPÍTULO I: A A A A ÁGUAÁGUAÁGUAÁGUA, , , , AAAAS CÉLULAS E AS CÉLULAS E AS CÉLULAS E AS CÉLULAS E A PLANTA PLANTA PLANTA PLANTA

Prof.ª Dr.ª Adriana Tourinho Salamoni Página 2 Fisiologia Vegetal

1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS:

Papel fundamental na vida da planta → para cada grama de matéria orgânica produzida, 500 g de água são absorvidas pelas raízes, transportadas pelo corpo da planta e perdidas para a atmosfera. Pequeno desequilíbrio no fluxo da água pode causar déficits hídricos e mau funcionamento de muitos processos celulares. Assim, toda a planta deve realizar um balanço delicado de sua absorção e perda de água.

Água forma maior parte da célula vegetal → célula vegetal madura têm grande vacúolo (90-95%) cheio de água e o resto é citoplasma (5-10%) → constitui 80-95% da massa de tecidos vegetais em crescimento → os fenômenos vitais ativos são condicionados a um suficiente suprimento hídrico. Ex.

Plantas hortícolas (couve, alface, tomate) podem conter 85-95% de água. A madeira, composta principalmente por células mortas, tem conteúdo hídrico menor, as sementes (5-15%) estão entre os tecidos vegetais mais secos, mas antes de germinar precisam absorver quantidade considerável de água.

Mais abundante e melhor solvente que se conhece → meio onde moléculas movimentam-se dentro das células e entre elas, influenciando a estrutura de vários constituintes (proteínas, ácidos nucléicos, polissacarídeos).

Forma um ambiente onde ocorre a maioria das reações bioquímicas celulares e participa diretamente em muitas reações químicas essenciais.

Perda e absorção de água são contínuas pela planta → maioria da água perdida evapora da folha à medida que o CO2 para a fotossíntese é absorvido → transpiração. Num dia ensolarado, quente e seco, uma folha renovará até 100% de sua água em apenas 1 hora.

Transpiração → forma eficiente de dissipar calor proveniente do sol → moléculas de água que escapam para a atmosfera têm energia maior, isso promove a quebra das ligações que as seguram no líquido. Quando elas escapam, deixam para trás uma massa de moléculas com energia menor, ou seja, um corpo líquido mais frio. Na folha, quase ½ do ganho líquido de calor do sol é dissipado pela transpiração.

Água recurso mais abundante que as plantas precisam para crescer e funcionar, mas é também o mais limitante para a produtividade agrícola.

Plantas aquáticas ou de ambiente muito úmido, não têm dispositivo especial para evitar a perda d’água. As terrestres precisam manter ativamente sua condição hídrica, como sua parte aérea está em contato direto com a atmosfera que tem pressão de vapor mais baixa, a água é cedida ao ambiente circundante, assim o balanço hídrico deve ser equilibrado com um permanente abastecimento de água.

Prof.ª Dr.ª Adriana Tourinho Salamoni Página 3 Fisiologia Vegetal

2. ESTRUTURA E PROPRIEDADES DA ÁGUA:

A água tem propriedades especiais, permite atuar como solvente e ser prontamente transportada ao longo do corpo da planta. Essas propriedades vêm primariamente da estrutura polar da molécula.

Consiste de 2 moléculas de hidrogênio e 1 oxigênio, unidos por ligações covalentes. O oxigênio é mais eletronegativo, atrai elétrons da ligação covalente, gerando carga negativa parcial na extremidade da molécula do oxigênio e carga positiva parcial em cada hidrogênio. As cargas parciais ficam iguais, assim a molécula de água não tem carga líquida.

A separação de cargas mais a forma da molécula de água tornam-a polar, cargas parciais opostas entre as moléculas de água vizinhas tendem a atraí-las. As ligações entre moléculas de água são ligações de hidrogênio.

As ligações entre as moléculas de água e íons e entre a água e solutos polares são feitas por ligações de hidrogênio, gerando menor atração eletrostática entre as substâncias carregadas e aumentando a solubilidade.

O tamanho pequeno da molécula e a polaridade fazem com que ela dissolva quantidades maiores de uma variedade mais ampla de substâncias que outros solventes. Fazem dela um solvente particularmente bom para substâncias iônicas e moléculas como açúcares e proteínas. É o solvente universal.

muitas ligações de hidrogênio entre moléculas de água, formam uma forte atração intermolecular, muita energia é necessária para romper. Dão a água propriedades térmicas incomuns, como alto calor específico (calor necessário para aumentar a temperatura de uma substância em uma quantidade específica) e alto calor latente de vaporização (energia necessária para separar as moléculas da fase líquida e levá-las para a fase gasosa numa temperatura constante).

Prof.ª Dr.ª Adriana Tourinho Salamoni Página 4 Fisiologia Vegetal

Moléculas de água da interface ar-água estão mais fortemente atraídas às moléculas vizinhas que à fase gasosa. A atração desigual provoca diminuição da área superficial. Para aumentar a área de superfície de uma interface ar-água, há quebra de ligações de hidrogênio, precisa energia, essa energia é a tensão superficial. A tensão na superfície de evaporação das folhas gera as forças físicas que puxam a água pelo sistema vascular.

Grande formação de ligações de hidrogênio na água é a coesão, a atração entre moléculas iguais. Atração da água a uma fase sólida (parede celular, superfície de um vidro) é a adesão.

Coesão, adesão e tensão superficial originam a capilaridade → movimento da água ao longo de um tubo capilar.

3. PROCESSOS DE TRANSPORTE DE ÁGUA:

Movimento da água do solo →→→→ planta →→→→ atmosfera, é por meios amplamente variáveis (parede celular, citoplasma, membrana, espaços de ar) →→→→ mecanismos de transporte variam com o meio.

Difusão: movimento aleatório das moléculas de água e íons em solução. A difusão de uma substância ocorre quando há diferença no potencial químico em duas partes ou regiões de um sistema. Portanto, o movimento das partículas da substância é efetuado em função do gradiente de potencial químico. Uma substância que está mais concentrada em uma parte, com maior potencial químico, difundir-se-á na direção da região onde a concentração é mais baixa, ou de menor potencial químico. Causa movimento líquido de moléculas de regiões de alta concentração para regiões de baixa concentração, quer dizer, ao longo de um gradiente de concentração, até que o equilíbrio seja atingido. O tempo médio para uma partícula difundir-se por uma distância depende da identidade da partícula e do meio onde ela se difunde. Exemplo: movimento de um soluto (sal, açúcar) colocado em um copo com água.

Prof.ª Dr.ª Adriana Tourinho Salamoni Página 5 Fisiologia Vegetal

celular

Osmose: caso particular de difusão através de uma membrana diferencial ou seletiva (membrana semipermeável), ou seja, através de uma membrana que é muito mais permeável à água do que aos solutos. Ocorre comumente na célula vegetal, devido à diferença na concentração de solutos através da plasmalema. Tipicamente, o citoplasma é de 0,5 a 1 M mais concentrado do que a região da parede

Fluxo de massa: movimento em conjunto de grupos de moléculas em massa, em resposta a uma gradiente de pressão. É o principal mecanismo responsável pelo transporte de longa distância da água e solutos no xilema. Também explica a maior parte do fluxo de água no solo e nas paredes celulares de tecidos vegetais. Independe do gradiente de concentração de soluto (diferente da difusão). Ex: movimento da água numa mangueira, fluxo de um rio, chuva caindo.

4. POTENCIAL HÍDRICO DA CÉLULA (ΨΨΨΨw):

O potencial hídrico é uma medida do estado de energia da água em dada situação. O potencial hídrico governa o transporte através das membranas celulares. Também serve para medir o padrão hídrico de uma planta, ou seja, seu grau de hidratação. O processo mais afetado pelo déficit hídrico é o crescimento celular. Estresse hídrico mais severo leva à inibição da divisão celular, da síntese de proteínas e da parede celular, ao acúmulo de solutos, ao fechamento estomático e à inibição da fotossíntese.

Principais fatores que influenciam no potencial hídrico em plantas → concentração, pressão, gravidade.

ΨΨΨΨw

= ΨΨΨΨs + ΨΨΨΨp + ΨΨΨΨg

Expressam os efeitos de solutos, pressão e gravidade sobre a energia livre da água.

Solutos (ΨΨΨΨs) →→→→ potencial de solutos ou osmótico →→→→ É uma função da concentração do suco celular. Indica o efeito dos solutos dissolvidos no potencial hídrico. Eles diminuem a energia livre da água porque diluem-a. A mistura de solutos e água provoca um aumento na desordem do sistema, levando à diminuição da energia livre. É inversamente proporcional à concentração de solutos na solução, ou seja, quanto maior a concentração de solutos, menor o potencial osmótico. Mesmo as membranas plasmáticas não sendo rigorosamente semipermeáveis para todas as substâncias, as células vegetais maduras têm um sistema osmótico, pelo menos por períodos curtos. Transferindo-se uma célula normal para uma solução, o movimento de entrada ou saída do vacúolo, depende da diferença entre os potenciais osmóticos do conteúdo celular e da solução externa. Num meio hipotônico

(aquoso) → Ψs é menos negativo do que o conteúdo celular, a água flui para o vacúolo, resulta numa pressão hidrostática interna, que comprime o protoplasto contra a parede celular e ela é estendida

Prof.ª Dr.ª Adriana Tourinho Salamoni Página 6 Fisiologia Vegetal elasticamente. Potenciais osmóticos medidos em células vegetais têm amplo espectro de variações, diferem não só entre as células, mas entre os diferentes órgãos e tecidos de uma planta.

Pressão (ΨΨΨΨp) →→→→ é a pressão hidrostática da solução. É função da turgescência da célula. Pressão positiva aumenta o potencial hídrico, pressão negativa, diminui.

Gravidade (ΨΨΨΨg) →→→→ faz com que a água se mova para baixo. Depende da altura da água, da densidade da água e da aceleração da gravidade. Quando se trabalha com transporte de água em nível celular esse componente geralmente é omitido, porque é desprezível comparado ao potencial osmótico e à pressão hidrostática.

Assim:

ΨΨΨΨw

= ΨΨΨΨs + ΨΨΨΨp

Potencial mátrico ou matricial (ΨΨΨΨm) →→→→ é função de forças de atração e capilaridade. É referido em discussões de solos secos, sementes e paredes celulares. Importante em estágios iniciais de absorção de água pelas sementes secas (embebição) e quando se considera a água retida no solo. Em outros, não é considerado.

5. ENTRADA E SAÍDA DE ÁGUA DA CÉLULA:

mover a água contra um gradiente de potencial hídrico (transporte ativo)

A água entra na célula ao longo de um gradiente de potencial hídrico. O fluxo da água é um processo passivo! O movimento é em resposta a forças físicas, em direção a regiões de baixo potencial hídrico ou de baixa energia livre. Não há bombas metabólicas que empurrem a água de um lugar para outro (desde que a água seja a única substância transportada). Quando solutos são transportados (para pequenas distâncias nas membranas ou para grandes distâncias no floema), o transporte da água pode ser associado ao de soluto, podendo esse transporte

6. CLASSIFICAÇÃO DAS PLANTAS QUANTO À SUA ADAPTAÇÃO AO REGIME HÍDRICO DO AMBIENTE:

HIDRÓFITAS: crescem total ou parcialmente submersas. Incluem algumas algas

(Chlamydomonas), pteridófitas (Azolla) e angiospermas (Zostera marina). Têm folhas geralmente finas, o que reduz a resistência ao fluxo da água. A perda de água não é normalmente um problema, portanto, não apresentam cutícula bem desenvolvida nos órgãos submersos ou na superfície inferior das folhas flutuantes. Xilema, em geral, pouco desenvolvido. Espaços intercelulares volumosos, que auxiliam na

(Parte 1 de 10)

Comentários